Bouchard.  As condolências das igrejas pentecostais

Bouchard. As condolências das igrejas pentecostais

Roma (NEV), 29 de julho de 2020 – O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pároco carmim napolitanoenviado ao pároco Luca Maria Negrocomo representante da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), uma mensagem de “proximidade fraterna e amiga” depois de saber da morte do pároco George Bouchard.

No texto da carta, Napolitano recorda a “presença multifacetada no mundo evangélico (de Giorgio Bouchard) e as várias funções desempenhadas ao mais alto nível, incluindo as de gestão (que) muitas vezes o colocam em contacto com o mundo pentecostal para o qual, ao longo tempo, ele teve uma abertura significativa ao encorajar colaborações operacionais com o mundo reformado”.

“Com ele desaparece um protagonista da vida evangélica de nosso país entre os mais comprometidos em termos de diálogo social e político – escreveu Napolitano – certamente deixando um vazio, mas também um exemplo que o consigna à história com emoção e afeto”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

Foto de Pietro Romeo/Reforma Roma (NEV), 24 de agosto de 2023 – #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência, no Sínodo Valdense, hoje, quinta-feira, 24 de agosto. As deputadas reunidas e reunidas na Torre Pellice (Turim) usaram o distintivo de mobilização e uma peça de roupa preta, como símbolo da luta contra a violência de género. Leia mais: Acabar com a violência contra as mulheres #ThursdaysinBlack é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), para tornar visíveis histórias sobre violação como arma de guerra, injustiça de género, abuso, violência e para tornar visíveis a resiliência e os esforços das mulheres. A campanha foi inspirada nas Mães da Plaza de Mayo em Buenos Aires, nas Mulheres de Preto em Israel e na Palestina, nas mulheres de Ruanda e da Bósnia. ...

Ler artigo
#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”. O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem. O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre "Falsa teologia, falsas notícias". “O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos - continuou - distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”. “Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”. Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”. Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de "deus" é uma falsa teologia; assim como a chamada 'teologia da prosperidade' é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”. “Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”. Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a "nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”. Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril. ...

Ler artigo
que a voz das mulheres seja profética e poderosa

que a voz das mulheres seja profética e poderosa

Mirella Manocchio - foto cedida por Laura Caffagnini Roma (NEV), 27 de março de 2023 – À margem do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entrevistamos o novo presidente eleito, o pastor metodista Mirella Manocchio. Começa seu mandato como presidência da FDEI. Emoções, reservas, expectativas, desejos? A emoção é grande. Pela primeira vez tenho a oportunidade de colaborar com muitas mulheres. Espero poder formar com eles uma boa equipa de trabalho, para poder não só dar continuidade como concretizar o trabalho da anterior Comissão Nacional, a quem agradeço profundamente. A esperança é que as mulheres consigam cada vez mais ser uma voz profética nas nossas igrejas, fora das igrejas, no território. Então, tanto local quanto nacionalmente. Em suma, espero que possamos colaborar com todas as realidades sem setorizar ou fechar. Precisamos de um trabalho 360°. Suas reflexões sobre o conceito de poder. O que as mulheres FDEI podem fazer? Na sua opinião, como a liderança feminina expressa e afeta as igrejas (e a sociedade)? O poder do FDEI pode ser o do verdadeiro serviço. O poder para os crentes não deveria existir, mas existe no serviço. O poder pode ser o apoio a todas as mulheres, comunidades e sociedade. E podemos fazê-lo com poder, que é diferente de "poder". É preciso poder, indo até “forçar”, onde é preciso, aqueles que são papéis e regras que não permitem que a palavra de Deus expresse sua força e a esperança que Deus nos dá flua livremente. Que conteúdos surgiram no congresso em vista do próximo quadriênio e quais você considera prioritários? Em primeiro lugar, pretendemos continuar a trabalhar questão da violência masculina contra a mulherem todas as suas nuances. O objetivo é superar o vício, a violência econômica e psicológica, a violência física e todas as formas de discriminação. Então queremos contribuir para a formação. Precisamos começar a educar desde cedo, tentar quebrar certos estereótipos e cultivar uma cultura de igualdade e paridade. A questão é fazer com que nossas esplêndidas diferenças sejam vividas como um enriquecimento, como algo maravilhoso que o Senhor nos deu para cultivar. E não como ferramenta da inferioridade de alguém. Então, é fato que estamos em um país multicultural. Nossas igrejas são multiculturais. Também aqui as nossas diferenças não devem ser aplainadas, mas valorizadas. Falamos sobre diferenças denominacionais e origens culturais que precisam trabalhar e jogar juntas. Sobre multiculturalismo e a presença de mulheres estrangeiras em nossas igrejas, nossas reuniões e congressos devem ser estruturados de forma a permitir a todas as nossas irmãs uma participação mais ampla e simples, adaptando a linguagem, temas e horários nesse sentido. Também é preciso dizer que vivemos em um país onde há pluralidade de religiões. Este aspecto deve realmente ser enfatizado, realçado e enriquecido. finalmente, o criada. Diz-se que as mulheres "se cuidam". Sim, é verdade, e talvez também isso seja fruto de estereótipos. Porém vamos encarar de forma positiva: queremos cuidar da criação. E não queremos fazer isso sozinhos. Obviamente há jovens, que já estão fazendo muito isso dentro de outras estruturas. Existem muitas realidades, por exemplo, dentro da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), que lida com essas questões há décadas. Queremos ser mais uma peça neste trabalho e estar operacionais de forma a ajudar e apoiar as nossas comunidades e todos os locais onde as mulheres se encontram. E queremos manter a atenção alta de um lado para a criação e do outro para paz e para um mais amplo justiça social e de gênero. Esta entrevista é feita em colaboração com Laura Caffagninique também assinou uma reportagem do Congresso da FDEI em Riforma.it – abaixo, uma galeria de imagens (foto cedida por Laura Caffagnini). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.