16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho “16 dias contra a violência” editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui.


DIA 9: 3 DE DEZEMBRO

Direito à felicidade para todos


SOLICITAR
discutir

O que significa, em
nossa vida, o direito de
felicidade?


ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegam
o primeiro, o último e o infinito
multidão dos que estão no meio,
sem nome. Os primeiros são sempre demais
poucos (estatísticas desanimadoras sobre o número
de gerentes, políticos, cientistas), eles recebem
mas visibilidade e satisfação. Interesse
pouco para saber o quanto de si eles deixaram in-
atrasa pra chegar, quanta incompletude sim
eles guardam dentro. Este último pode ser
ignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudado
tates, erguido como um símbolo da maldade do
cient, quando se trata de migrantes, mulheres,
sempre vítimas de outro mundo, também
quando são vítimas de homens deste
nosso mundo, porque é difícil admitir
que os violentos estejam entre nós. Mulheres
no meio, o penúltimo, trabalho para o homem
manter, muitas vezes forçado a tempo parcial Para
necessidades da família, demitido com mais facilidade
dos homens, pague menos. Pelas dificuldades
que eles encontram desistir de desejos, pro-
jatos, aspirações pessoais. O método de
Igualdade de oportunidades não teve resultados satisfatórios
desfeito, influenciando apenas no topo da
ramo social, em um período histórico em que
o elevador social está bloqueado.
Neste panorama qual mulher é, não
Digo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais uma
confortável em sua própria mente e corpo
um pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-
ser universalmente claro que decolar
aspirações, sonhos, ideias, projetos, transformações
Eu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cair
você mal se levanta, é violência.
É demais esperar um tempo de novas so-
roridade entre os primeiros, que têm mais poder de
ato, o último e o penúltimo, sabendo que
ninguém está sem poder e liberdade?


VERSÍCULO BÍBLICO

E todas as viúvas vieram a ele tristemente.
gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40).

COMENTE

Grande deve ter sido a felicidade de
viúvas em re-abraçar sua querida
vivo de novo. Tabita não era uma rebelde, mas
mulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.
E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas como
pessoas, não como uma categoria indistinta. Então
Tabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.
Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabita
para agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida.


ORAÇÃO

Senhor, ajude-nos a ser seu
discípulos, nunca indiferentes
à violência, sempre pronto
fazer o bem.


A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol).

Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade.

A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma.


“16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo
Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a "peregrinação ecumênica" por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas. A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund No centro de sua visita ao CMI intitulada "Caminhando, rezando e trabalhando juntos" estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à "unidade visível dos cristãos", com a "oração ecumênica" que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias. O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco. Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC. O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto. O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI. Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias. Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

Roma (NEV), 28 de maio de 2020 - A Consulta Metodista, momento habitual de encontro e discussão das comunidades metodistas, ocorreu este ano em modo telemático devido ao coronavírus. O presidente da Comissão Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella Manocchiocontou à agência NEV suas impressões sobre o trabalho realizado e estratégias futuras. “Fizemos uma tentativa de reflexão e troca que deu um feedback muito positivo – declarou o presidente Manocchio -. Certamente sentimos falta de estarmos juntos pessoalmente, e também a possibilidade de um amplo debate devido aos tempos limitados foi um pouco reduzida. A dimensão virtual tornou aqueles momentos extras de convívio entre irmãos e irmãs saudosos, aquelas situações de partilha gratuita e de oração em que estamos próximos e que sempre vivíamos nas Consultas, antes do coronavírus. No entanto, conseguimos fazer da necessidade uma virtude e obtivemos resultados inesperados em termos de propostas”. Muitas ideias e perspectivas futuras surgiram da Consulta, que representou também uma oportunidade para fazer o balanço de alguns projetos existentes e outros que estão por iniciar. Um projeto envolvendo jovens, sobre questões ambientais, terá início em setembro e envolverá vários países como Zâmbia, Argentina e Itália. Mirella Manocchio “Também estamos trabalhando em projetos musicais e sociais, que envolverão nossas igrejas – continuou Mirella Manocchio -. O objetivo é o de uma maior partilha e leitura do território, na rede entre associações, entidades e comunidades, também em colaboração com a Diaconia Valdense (CSD) que tem as suas competências específicas. Estamos a trabalhar no desenvolvimento e divulgação de boas práticas tanto a nível local como internacional”. Não faltaram reflexões sobre a pandemia do coronavírus: "A Covid-2019 nos mudou individualmente, como igrejas e como sociedade e precisamos refletir sobre isso para o futuro - concluiu o pastor Manocchio -. Também devemos continuar a nos questionar sobre o uso das tecnologias e das redes sociais. Quais são os horizontes que enfrentamos? O uso sábio dessas ferramentas nem sempre é fácil e é essencial não substituir o trabalho e o encontro entre os crentes, mas implementá-lo”. A Comissão Permanente, juntamente com os participantes, irmãs e irmãos das igrejas locais, conselheiros e membros efetivos engajados nas igrejas metodistas, diretores e diretoras, membros das comissões de obras, discutiram, durante o dia 24 de maio, sobre diversos temas . Do testemunho no contexto pós-secularizado ou pós-moderno, do qual o crescente não-denominacionalismo é uma característica, ao futuro do cristianismo, da globalização à individualização, das novas pobrezas ao compromisso ecumênico. No relatório anual, que representa não apenas o estado da arte do trabalho metodista, mas também uma espécie de documento programático para a elaboração do trabalho dos próximos meses, os temas de capacitação profissional, apoio a start-ups ambientalmente sensíveis e quequerem assumir categorias desfavorecidas, de compromisso social. As iniciativas metodistas vão desde a escola de língua italiana para estrangeiros até o apoio à agricultura sustentável, veja o "Progetto Rosarno", até as Obras e os centros diaconais. As relações internacionais, inclusive ecumênicas, e as colaborações em nível global (com o Conselho Metodista Mundial e a Conferência Metodista Mundial) estão muito vivas. A OPCEMI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; por outro lado, a representação ecumênica, a gestão patrimonial e as relações internacionais com as igrejas irmãs permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.