“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

Foto: Magnus Aronson/WCC

Roma (NEV/SIR), 25 de junho de 2018 – “Foi um dia lindo. Foi para mim e para todas as igrejas. Foi a manifestação de que existe um único movimento ecumênico e que a Igreja Católica e a liderança do Papa Francisco eles estão seriamente engajados nesta busca pela unidade juntos”. É assim que o pastor responde Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (WCE). Poucos dias depois da partida de Francisco de Genebra, as dependências do Centro Ecumênico ainda estão vazias… A presença do Papa deixou uma marca. “Foi – acrescenta – uma experiência muito forte para o CMI, para os membros do nosso Centro Ecumênico, para todo o pessoal, celebrar estes 70 anos de nossa vida junto com o Papa Francisco. Foi uma afirmação significativa do trabalho realizado ao longo dos anos”.

Foto: Vatican Media/SIR

Pastor Tveit, o que mais o impressionou em Francisco?
Ele mostra muito claramente seu compromisso pessoal e também seu amor pelas relações ecumênicas. Também impressionante é seu forte chamado para sermos mais honestos e mais profundamente comprometidos com nossa busca pela unidade. Ele também encoraja fortemente a ver este chamado à unidade como um chamado a uma missão comum: testemunhar juntos o Evangelho ao mundo. é um conceito que nos está muito próximo do coração e que foi o foco de uma recente conferência realizada na Tanzânia, onde também esteve presente uma delegação da Igreja Católica. Falamos muito sobre como pregar o Evangelho em um mundo secularizado. Temos uma tarefa comum e o Papa Francisco também está ciente disso e está caminhando nessa direção. Mas também diz que só encontraremos nossa unidade na medida em que caminharmos juntos. E isso corresponde ao que nossas igrejas também acreditam.

Houve algo – uma palavra, um gesto particular – que particularmente o impressionou?
Acho que todos nós pudemos ver o quanto o Papa Francisco queria esta visita. E ele afirmou isso de várias maneiras. Era algo que estava muito próximo de seu coração: mostrar seu compromisso com a unidade das Igrejas. Vimo-lo na forma como respondeu ao que lhe dissemos, nos seus discursos públicos, mas também nas conversas pessoais. Impressionou-me também o seu grande interesse em apoiar e encorajar todas as iniciativas destinadas a trazer a paz ao mundo, promover os direitos, defender a dignidade de cada ser humano. Foi um evento incrível aqui em Genebra que atraiu a imprensa local e internacional. Uma cobertura da mídia que é certamente um sinal do interesse pelo que o Papa Francisco faz e diz, mas que mostrou ao mundo o que é o movimento ecumênico e o que o CMI faz no mundo. Uma ocasião também para encorajar nossas igrejas locais a fazer mais pela unidade, justiça e paz em seus contextos e um impulso para trabalhar juntos.

Você disse que esta visita foi um marco na história do movimento ecumênico, mas também disse: não vamos parar por aqui, vamos em frente. Como você deseja continuar esta colaboração agora?
Sim, foi realmente um marco que estabelecemos em nosso caminho. Esta pedra indica o caminho percorrido. E assim agradecemos a Deus e também aos que nos precederam e tornaram tudo isso possível hoje. Mas indica também o caminho futuro que ainda temos que percorrer porque vimos como é importante que as igrejas estejam juntas para levar o Evangelho ao mundo porque só na unidade a sua mensagem pode ser credível. É importante entender que há muitas coisas que podemos aprender uns com os outros e que devemos sair ao encontro daqueles que mais precisam da ajuda de nossas igrejas. O que buscamos não é uma unidade por si só.

Queremos estar unidos porque estamos convencidos de que as igrejas podem dar uma contribuição credível para a unidade em tempos de medo, populismo, xenofobia, conflito e divisão, individualismo. Queremos mostrar que esta pertença é uma boa notícia para o mundo de hoje.

Então, depois de Genebra, quais serão os próximos passos?
Existem vários níveis nos quais podemos continuar nosso trabalho. A Comissão Mista certamente dará continuidade aos seus trabalhos com uma série de reuniões já previstas. Também organizamos esta conferência muito importante em Roma, em setembro, sobre xenofobia, racismo e populismo. Existem também várias iniciativas de discussão que continuarão sobre missão e teologia. Existe um importante documento sobre a compreensão da Igreja que foi fruto de um longo e aprofundado estudo, sobre o qual discutimos, e agora estamos colhendo as respostas de nossas Igrejas e da Igreja Católica. E então continuaremos a trabalhar juntos pelos migrantes e refugiados, pela justiça, pela paz, nos vários contextos em que estamos envolvidos no Oriente Médio, Sudão do Sul, Congo, Colômbia e Coréia. Há muitas coisas para fazer juntos.

Qual foi a última coisa que você disse ao Papa Francisco antes de partir?
Eu disse a ele que pediria a Deus bênçãos sobre seu trabalho e assegurei-lhe que oraríamos por ele.

Fonte: SIR

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ore e aja para construir a paz e defender os direitos humanos

Ore e aja para construir a paz e defender os direitos humanos

Roma (NEV), 4 de março de 2022 - "Bem-aventurados os que trabalham pela paz, porque serão chamados filhos de Deus" (Mateus 5:9) Com dor e consternação também nós, cristãos e evangélicos, assistimos à terrível guerra travada durante dias pela Rússia contra a Ucrânia, em terras europeias e entre povos de antiga tradição cristã. Como cidadãos da Europa que vivem em paz há décadas e desfrutam de seus frutos, afirmamos e lembramos que a paz é uma escolha precisa e exigente, que deve ser construída e afirmada todos os dias. Acreditando que existem agressores e agredidos neste conflito, afirmamos que a paz se constrói e se defende com justiça, respeito pelos direitos humanos, pela dignidade das pessoas e dos povos. Reconhecemos e confessamos nosso pecado como homens e mulheres que não foram capazes de compreender a violência que ardia sob as cinzas, que agora explodiu em uma guerra que já está registrando uma perda intolerável de vidas humanas. Por isso, perante esta guerra, colocamo-nos em espírito de penitência, rezando para que se calem e para que as feridas cicatrizem rapidamente, e ao mesmo tempo procuramos o arrependimento em gestos de solidariedade para com as vítimas. Afirmamos que a situação de tantas mulheres e homens, meninas e meninos ucranianos, fugindo de suas casas e de seu país, torna visível dentro das fronteiras de nossa Europa a situação de tantas outras pessoas no mundo que vivem a mesma tragédia. Reafirmamos a nossa convicção de que as portas dos países europeus devem permanecer abertas para acolher os refugiados que fogem da guerra, da violência e da perseguição, independentemente do continente a que cheguem. Rezemos pelos responsáveis ​​políticos, para que Deus ilumine suas mentes e os conduza por caminhos de respeito à vida, dignidade e liberdade de cada ser humano. Rezemos para que todas as Igrejas cristãs saibam agir em coerência com o Evangelho, tornando-se promotoras, também nos países em conflito, das razões da paz e da fraternidade humana. *** Portanto, as igrejas da FCEI expressam sua firme condenação à agressão militar da Rússia e mostram sua proximidade e solidariedade com a população da Ucrânia. Declaram-se contra a guerra, contra todas as formas de violência e contra qualquer ato de abuso dos direitos humanos e liberdades fundamentais. Eles pedem às partes em conflito que escolham o caminho do diálogo e da diplomacia para o fim de todas as hostilidades de guerra. Eles também pedem à comunidade internacional que aja na proteção humanitária de civis e abra corredores humanitários para a recepção de refugiados ucranianos e de outros continentes que vivem o mesmo sofrimento e têm os mesmos direitos e dignidade que os europeus. ...

Ler artigo
Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

O interior da sinagoga Fasanenstrasse em Berlim, devastada na Kristallnacht Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 – “Que vergonha para quem fez isso. Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da Comunidade Judaica". O pastor escreve no twitter Pedro Ciaccio, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, após a notícia de uma inscrição racista e antissemita na porta da sinagoga da capital friulana. Episódio vândalo que cai no aniversário da Noite do Cristal, onda de violentos pogroms antissemitas ocorridos na noite entre 9 e 10 de novembro de 1938. Que vergonha para quem fez isso.Não pode ser chamado de "manobra", mas um crime a ser processado.Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da comunidade judaica. — Cachorro βeta (@PeterCiaccio1) 10 de novembro de 2022 "O despertar que tivemos esta manhã desperta raiva e consternação", disse um República o presidente da comunidade judaica de Trieste Alexander Thessaloniki. “Iniciamos imediatamente o episódio na Central de Polícia. Entre outras coisas, este episódio ocorreu no trágico aniversário da 'Noite dos Cristais', com a sinagoga tendo suas luzes acesas em sinal de memória”. Condenação firme também das instituições. “Estou próximo da comunidade judaica de Trieste e espero que os responsáveis ​​por um ato que considero indescritível sejam rapidamente identificados. São ações que não podem ficar impunes”, comentou o subsecretário de Economia Sandra Savino. Há 84 anos, sinagogas, casas e lojas judaicas na Alemanha e na Áustria foram atacadas. Recordamos todas as vítimas do anti-semitismo, racismo e fascismo. Nunca esqueçamos aonde as tendências fascistas levam e resistamos onde quer que apareçam. Sempre Antifascista! pic.twitter.com/CZP8gsnoMT — LouiseMichel (@MVLouiseMichel) 9 de novembro de 2022 Para saber mais: ...

Ler artigo
Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

O Júri do Prêmio Ecumênico também expressou seus votos e atribuiu seu prêmio ao filme “Dias Perfeitos” De Wim Wenders. O enredo: Hirayama trabalha limpando os banheiros públicos de Tóquio. Ele vive uma vida simples e uma rotina diária muito estruturada. Tem paixão por música, livros e árvores, que adora fotografar. Seu passado está prestes a ressurgir por meio de encontros inesperados. Motivos da premiação: “Esta obra-prima cinematográfica é uma joia com muitos atributos poéticos. Através dos vários personagens, o diretor transmite um poderoso conto de esperança, beleza e transfiguração em nosso cotidiano. A dignidade do protagonista, a realização do seu árduo trabalho, mas também o seu respeito pelos outros e a sua admiração pela natureza, retratam valores universais que muitas vezes faltam nas nossas sociedades contemporâneas. Este filme é pura graça.” O júri ecumênico também quis fazer uma menção especial a outro grande cineasta, Ken Loachcom o seu “Carvalho de Odl”. A trama: TJ Ballantyne é o dono do Old Oak, um pub que corre o risco de fechar depois que refugiados sírios chegam ao país sem avisar. Logo, TJ conhece uma jovem síria, Yara, que possui uma câmera. Uma amizade se desenvolve entre os dois... A motivação: “É um retrato intenso e comovente dos temas de acolhimento de estrangeiros, populismo e solidariedade nas comunidades locais. O filme mostra o surgimento da compaixão e da ajuda mútua, por meio de refeições compartilhadas e lutas comuns”. Desde 1974, o Júri Ecumênico é convidado ao Festival da França para premiar um filme da competição oficial.As associações Signis e Interfilm nomearam um Júri Ecumênico composto por seis membros de diferentes culturas e países. Esses jurados, renovados a cada ano, são competentes no campo do cinema como jornalistas, críticos, teólogos, pesquisadores, professores... São membros de uma das Igrejas cristãs e estão abertos ao diálogo inter-religioso. Eles se reúnem em vários momentos do Festival, analisam e comentam os filmes e deliberam de forma independente. A Interfilm foi fundada em 1955 por numerosas associações cinematográficas protestantes na Europa, organizadora de júris nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Berlim, Locarno. Desde 2011 também em Veneza, com o apoio da associação de cinema protestante "Roberto Sbaffi". A Signis é uma associação homóloga, nascida no âmbito católico. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.