Novo corredor humanitário do Líbano

Novo corredor humanitário do Líbano

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI)

Roma (NEV), 25 de março de 2022 – Enquanto o drama da guerra na Ucrânia está em curso, os corredores humanitários continuam a salvar os refugiados vítimas de outro conflito que dura mais de 11 anos, o da Síria. Um caminho de salvação que se mostra ainda mais importante neste momento diante da atual e grave crise internacional. 85 refugiados sírios que vivem há muitos anos em campos de refugiados no Vale do Bekaa e no norte do Líbano e que nos últimos meses sofreram um agravamento das suas condições de vida não só devido à pandemia mas também à gravíssima situação política, económica e social crise que este país atravessa.

A este primeiro grupo juntar-se-ão mais 20 pessoas, cuja chegada está prevista para 28 de março, num total de 105 pessoas. Entre eles, 38 são menores de idade: algumas crianças doentes para as quais o tratamento não é mais garantido no Líbano e jovens que nunca puderam frequentar a escola nos últimos anos. Antes da partida, todos os refugiados receberam a vacina anti-Covid 19 graças ao corpo médico e de enfermagem da Defesa, que trabalham no país sob a coordenação do Comando Operacional da Cúpula de Forças Conjuntas (COVI).. Sua entrada na Itália foi possível através dos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant’Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxeram em nosso país mais de 2150 pessoas. Ao todo, mais de 4.400 requerentes de asilo chegaram à Europa pelos corredores humanitários.

As famílias que chegaram esta manhã serão também acolhidas por associações, freguesias, comunidades e cidadãos individuais em várias regiões italianas (Piemonte, Lombardia, Vêneto, Emília, Toscana, Lazio, Sicília) e será lançado em um caminho de integração: para menores através de matrícula imediata na escola e para adultos, imediatamente comaprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, entrada no mundo do trabalho. Os corredores humanitários, inteiramente autofinanciados (a partir da arrecadação de Sant’Egidio e dos 8 por mil da Mesa Valdense) e criados graças a uma ampla rede de acolhimento, representam um Melhores Práticas para todos aqueles que são forçados a deixar suas casas para escapar do horror das guerras que combinam solidariedade e segurança.

Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declarou: “Novas emergências e abertura de novas frentes não eliminam as consequências de outras tragédias e não atenuam a necessidade de apoiar aqueles que buscam em outro lugar novas chances de vida ou mesmo de sobrevivência. Este é o sentido da chegada de refugiados da Síria, pelo sempre ativo corredor humanitário do Líbano”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Foto de Pietro Romeo/Reforma Torre Pellice (NEV), 25 de agosto de 2023 – A gestação para os outros e os direitos das crianças entre os temas do Sínodo Valdense, que se encerra hoje em Torre Pellice. Hoje, sexta-feira, 25 de agosto, a sala sinodal aprovou uma agenda na qual se expressa grande preocupação com as políticas que negam os direitos dos meninos e meninas já nascidos. Na ordem do dia, os signatários e deputados do Sínodo dizem não à criminalização de qualquer forma de gestação alheia, condenando as normas que definem o GPA como crime universal. A respeito destas questões, foi elaborado um documento pela Comissão para os problemas éticos colocados pela ciência (uma comissão ad hoc das igrejas batista, metodista e valdense, composta por teólogos, médicos e cientistas), que agora será examinado e examinado das igrejas locais. “Esperamos que sempre haja maior conhecimento e discussão ética nas comunidades – declarou Ilenya Gosspastora e coordenadora da Comissão - para ir além dos estereótipos e dos riscos da idealização da maternidade, cujo impacto final também é representado por expressões desvalorizadoras como “útero de aluguel”. O quadro de referência é um documento das igrejas já aprovado pelo Sínodo Valdense em 2017, dedicado às muitas formas possíveis de família. Durante anos, de facto, as igrejas protestantes têm apoiado as famílias arco-íris, em nome do acolhimento e da serenidade de todos, começando pelas meninas e meninos. Para mais informações: a conferência de imprensa final do Sínodo será realizada esta tarde, ao vivo em www.rbe.it e reform.it. ...

Ler artigo
Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Moderador Eugenio Bernardini e Papa Francisco no templo de Turim, 22 de junho de 2015 Roma (NEV), 22 de junho de 2020 – Um dia histórico: assim descrevi o evento de segunda-feira, 22 de junho de 2015, em Turim, cinco anos atrás, para esses mesmos microfones, quando pela primeira vez um papa cruzou a soleira de um templo valdense , local de culto de uma igreja que aderiu à Reforma Protestante em 1532, relembrando mais de três séculos de vida e perseguições, como um movimento evangélico centrado na pobreza e na pregação gratuita do Evangelho. “Em nome da Igreja Católica – disse o Papa Francisco no templo valdense de Turim – peço seu perdão pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos, que, na história, tivemos contra você. Em nome do Senhor Jesus Cristo, perdoe-nos!”. Esse pedido de perdão, declarou o então moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio Bernardini, “nos tocou profundamente e nós o acolhemos com alegria. Naturalmente, o passado não pode ser mudado, mas há palavras que a certa altura precisam ser ditas, e o Papa teve a coragem e a sensibilidade de dizer a palavra certa”. Um dia histórico, portanto: cinco anos depois podemos certamente confirmá-lo. Também pela franqueza fraterna e pela qualidade dos discursos proferidos pelas duas partes. Particularmente importante, no discurso do Papa Francisco, é a afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso fica muito claro no Novo Testamento, onde, embora todos aqueles que compartilharam a mesma fé em Jesus Cristo sejam chamados de irmãos, entende-se que nem todas as comunidades cristãs a que pertenciam tinham o mesmo estilo ou uma organização interna idêntica. Com efeito, dentro de uma mesma pequena comunidade podiam-se discernir diferentes carismas (cf. I Cor. 12-14) e também no anúncio do Evangelho havia diferenças e às vezes contrastes (cf. At 15, 36-40). Infelizmente aconteceu e continua acontecendo que irmãos não aceitam suas diferenças e acabam fazendo guerra entre si”. Com estas palavras, o Papa mostrou que aceitava plenamente uma ideia de ecumenismo - definida como "diversidades reconciliadas" - que está a anos-luz daquele "ecumenismo de retorno" (o regresso a Roma dos "irmãos separados") que caracterizou abordagem católica até algumas décadas atrás. A visita do Papa Francisco ao templo valdense em Turim abriu novos horizontes para a colaboração ecumênica na Itália; poderíamos citar como exemplos o fato de que desde 2016 as conferências ecumênicas nacionais da Conferência Episcopal foram organizadas em conjunto com protestantes e ortodoxos, ou a iniciativa ecumênica de corredores humanos promovida pela Federação de Igrejas Evangélicas e a Comunidade de Sant'Egidio. Claro, ainda há um longo caminho a percorrer; mas, para citar a saudação de despedida do diácono Alessandra Trotta (que era então presidente da Obra Metodista e hoje é o novo moderador da Mesa Valdense) devemos continuar caminhando juntos “com esperança, para levar esperança”. ...

Ler artigo
Encontro FCEI 2022: palavras e perguntas para iluminar a noite

Encontro FCEI 2022: palavras e perguntas para iluminar a noite

Roma (NEV), 30 de outubro de 2022 - "Iluminar a noite", "encontrar as palavras" para se livrar da complexidade da realidade: este é o fio comum da mesa redonda realizada na tarde de ontem, sábado, 29 de outubro, na igreja metodista da via XX Settembre, em Roma, no dia da abertura do Segundo Assédio Geral da FCEI, como disse o pároco introduzindo o encontro Pedro Ciacciodo Conselho da FCEI. Antes da reunião pública, adoração com o sermão de Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz são os temas que estão no centro do debate promovido pelas igrejas protestantes. Débora Spini, professor da Liberal Studies New York University Florence, sublinhou o conceito cada vez mais emergente de "democracia", uma combinação de democracia e ditadura", fazendo a pergunta: "quem tem o direito de ter direitos?". Para o professor Spini, a democracia moderna inclui "promessas quebradas: autodeterminação e soberania" dos povos e indivíduos. Em outras palavras, fazer com que mulheres e homens se sintam cidadãos. E quais são as condições que tornam possível a cidadania democrática? “Reconhecimento e redistribuição”, disse Spini. Redistribuição que também é um tema ligado à equidade social e ao trabalho. O professor falou justamente de emprego em seu discurso Tonino Pernaque citou a obra e o pensamento do sociólogo Karl Polanyi, e recordou o trabalho comum feito com as igrejas protestantes da planície de Gioia Tauro, graças à Mediterranean Hope. “A renda básica – declarou Perna – é uma ideia de civilização, representa o direito à vida. E como “criam-se empregos criando necessidades, todos devemos ter um trabalho que dê sentido à vida”. Sem conflitos entre o trabalho e o meio ambiente - como aconteceu, por exemplo, em Ilva em Taranto - mas tentando potencializar experiências como "comunidades de energia, jardins urbanos" e outras práticas virtuosas nascidas de baixo, para proteger os recursos naturais. Alessandra Morelli, delegado do ACNUR para a Europa, delineou “uma solução para a globalização: construir espaços”. Diante de pessoas e realidades cada vez mais “necessitadas”, segundo a pessoa de contato da Agência das Nações Unidas para os Refugiados “a essência e a prática da cura é recolocar a globalização em seu caminho, colocando o ser humano de volta no centro e não deixá-lo na marginalidade". "Tenha coragem de recomeçar de #solidariedade para resolver as crises humanas. Prática #de cuidado de colocar o #globalização ao longo do caminho reto. Gerar comunidade e assumir o tema da justiça restaurativa". Assim Alessandra Morelli durante o Assise #Fcei pic.twitter.com/jg6yLyzUw7 — Agência NEV (@nev_it) 29 de outubro de 2022 Para tirar as conclusões do debate, o jurista Ilaria Valenzique sublinhou a necessidade de “nos questionarmos”: “o que vemos e o que devemos dizer?”. Para o jurista, "os direitos humanos são um elemento de contestação a respeito da predominância do religioso: é preciso refletir sobre isso" e é preciso "não ficar insensível ao sofrimento alheio, como acontece nos encontros (com migrantes ) no Molo Favaloro, em Lampedusa: e para isso é preciso começar logo por “fazer espaço”. Aqui o vídeo completo da reunião pública da FCEI: Os delegados da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Celi), da Igreja Evangélica Valdense, da Obra pelas Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (Opcemi), da União Cristã Evangélica Batista da Itália (Ucebi), do Exército de Salvação ( Eds) , a Comunhão das Igrejas Livres na Itália, a Igreja Apostólica Italiana e a Igreja de Santo André da Escócia em Roma, continuarão o trabalho do Assise em Sassone (Ciampino - Roma) até 2 de novembro, abordando questões internas e questões gerais, também relacionadas a o papel das igrejas no espaço público. Para saber mais: Entrevista com Daniele Garrone, rumo ao Assise Artigo por Reforma FACTSHEET A Assembleia Geral da FCEI FOLHA A FCEI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.