Direitos nas vias de fim de vida: Manifesto Inter-religioso

Direitos nas vias de fim de vida: Manifesto Inter-religioso

Roma (NEV), 1 de fevereiro de 2019 – A cerimônia de assinatura do “Manifesto Inter-religioso dos direitos nos caminhos do fim da vida” será realizada na terça-feira, 5 de fevereiro, às 10h de Roma, na conclusão de um processo que contou com a colaboração de Protestantes, católicos, ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e hindus, num espírito de diálogo e cooperação.

Pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália

Pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) o presidente, pároco, assinará o documento Luca Maria Negro, que declarou: “Este é um passo adiante no diálogo e na proximidade com as pessoas que sofrem, os doentes e suas famílias. Como protestantes italianos, há anos refletimos sobre essa questão tão delicada. No ano passado chegamos ao recebimento do documento sobre o fim da vida editado pela Comissão de Bioética pelo Sínodo Valdense e Metodista, com aprovação unânime também da Assembléia Batista, como uma orientação de pensamento autorizada a indivíduos e igrejas – e concluímos –. Temos o prazer de iniciar um processo comum de reflexão e estudo também com outras confissões e religiões”.

O Manifesto, promovido pela ASL Roma 1 juntamente com a Mesa Inter-religiosa de Roma e o centro médico Gemelli (GMC) da Universidade Católica do Sagrado Coração, “define os direitos do moribundo a serem implementados nas unidades de saúde para garantir, além de tratamento, respeito pela dignidade e apoio religioso e espiritual”, lê-se na apresentação da iniciativa. Não tanto um reconhecimento genérico de direitos, mas um caminho partilhado de procedimentos operacionais no sector da saúde, respeitando as várias sensibilidades religiosas, enfim, um “modelo de acolhimento, apoio e respeito pela fé de todos, que pode ser replicado em outras realidades de saúde”.

À tarde, uma mesa de trabalho restrita contará com a presença de especialistas que atuam na área da saúde e/ou religiosa para operacionalizar o Manifesto, identificando pontos específicos para a elaboração das diretrizes de aplicação sobre temas como nutrição, cuidado espiritual, tratamento de o corpo na doença e nos ritos pré e pós-morte. Pela FCEI participará o pároco Herberto Anders.

Colaboradores do projeto: Centro Cultural Islâmico da Itália, Conferência Episcopal Italiana, Diocese Romena na Itália, Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Villa Speranza Hospice – Universidade Católica do Sagrado Coração, Instituto Budista Soka Gakkai, União Budista Italiana, União das Comunidades Judaicas Italianas, União Hindu Italiana, União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia, Vicariato de Roma, com o apoio da Associação de Voluntários Hospitalares (AVO), Centro de Serviços Voluntários (CSV Lazio), Cittadinanzattiva – Tribunal dos Direitos do Paciente .

Encontro no complexo monumental do Hospital Salone del Commendatore – Santo Spirito, Borgo S. Spirito, 3 – Roma.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Em tempos sombrios, ouse ter esperança

Em tempos sombrios, ouse ter esperança

Roma (NEV), 18 de julho de 2022 - De 24 a 30 de julho, será realizada em Assis a 58ª Sessão de Formação Ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), que representará o segundo momento de pesquisa ecumênica lançada em 2021 com a sessão sobre Você vai contar ao seu filho (Ex. 13,8). “O tema da comunicação da fé no diálogo intergeracional será explorado este ano com particular atenção ao difícil momento de mudança em curso – lê-se na apresentação do evento -: que palavras de esperança podemos transmitir? O contexto será o do diálogo entre gerações, favorecendo a escuta mútua, e o diálogo intercultural, cada vez mais significativo numa sociedade viva e em movimento como a nossa. Em tempos sombrios, ouse ter esperança. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações é, sem dúvida, um título desafiador, pois está repleto de promessas que esperamos poder cumprir. A reflexão, o encontro, a oração e o convívio que sempre caracterizaram as sessões da SAE voltarão a envolver este ano cristãos de várias confissões, mas também judeus e muçulmanos, num diálogo a muitas vozes, atento e respeitoso”. Serão organizadas atividades específicas para meninos e meninas e na tarde livre será possível visitar Assis e seus arredores. Aqui o pdf com a brochura BrochureSAE2022 com a indicação de todos os momentos de estudo e escuta, os de oração e os de reflexão, os títulos dos workshops e os nomes dos oradores. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=9JTW5ljA-R0[/embed] A SAE, associação leiga e interconfessional, dá continuidade à atividade de diálogo e formação ecumênica promovida pela Maria Vingiani em Veneza a partir de 1947, depois desenvolvida em Roma de forma privada a partir de 1959 (no anúncio do Concílio Ecumênico Vaticano II) e de forma pública a partir de 1964. Em 1966 foi formalmente constituída como associação sob a presidência da fundadora Maria Vingiani. Desde 1964 organiza uma sessão anual de verão de formação ecumênica, da qual são publicados os Atos. Geralmente é acompanhado por uma conferência anual de primavera mais curta. Ele foi um dos promotores da época para o judaísmo (1989) e do documento para casamentos inter-religiosos entre católicos e valdenses-metodistas (1998). Em 1996, com a eleição de Elena Milazzo Covini novo Presidente Nacional, a sede mudou-se de Roma para Milão. A fundadora Maria Vingiani é nomeada presidente emérita. De 2004 a 2012, por dois mandatos consecutivos, foi presidente nacional Mário NhoqueEntão Marianita Montresor (de 2012 a 2016) e Pedro Stefani (de outubro de 2016 até o final de 2021). Em setembro de 2021, foi eleita Erica Sfreddao primeiro presidente evangélico da associação, que tomou posse oficialmente em janeiro de 2022. Para mais informações, acesse a seção de documentação e consulte o documento Memória histórica de Maria Vingiani. ...

Ler artigo
“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

Ioan Saucasecretário-geral interino do CMI, enviou a carta ao presidente turco em 11 de julho, observando que desde 1934 "Hagia Sophia tem sido um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões". Ele acrescentou que o prédio é uma "expressão poderosa" do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado. Hagia Sophia foi construída pela primeira vez há 1.500 anos como uma catedral cristã ortodoxa e foi convertida em mesquita após a conquista otomana em 1453. Em 1934, no entanto, tornou-se um museu e agora é um Patrimônio Mundial da Unesco. Sauca escreveu: “Sou obrigado a transmitir a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas – e suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo – na etapa que você acabou de dar”. "Ao decidir reconverter a Hagia Sophia em uma mesquita, você inverteu esse sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão." Sauca disse que, infelizmente, a decisão na Turquia foi tomada sem aviso ou discussão com a UNESCO sobre o impacto da decisão sobre o valor universal da Hagia Sophia, reconhecida pela Convenção do Patrimônio Mundial. “Ao longo dos anos, o Conselho Mundial de Igrejas tem feito grandes esforços para apoiar o envolvimento ativo de suas igrejas-membro no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo... entre diferentes comunidades religiosas. Além disso, em tempos difíceis, o CMI junto com suas igrejas membros tem intervindo na defesa e apoio de outras comunidades religiosas, incluindo comunidades muçulmanas, pelo respeito de seus direitos e integridade”, disse Sauca. Transformar um "lugar emblemático" como a Hagia Sophia de museu em mesquita "criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação". O CMI também teme que a decisão "encoraje as ambições de outros grupos em outros lugares que buscam derrubar o status quo existente e promover divisões renovadas entre as comunidades religiosas". Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
#IoCelebroACasa.  Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

#IoCelebroACasa. Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

Roma (NEV), 27 de maio de 2020 – Esta proposta litúrgica para o Pentecostes nasceu informalmente na web, entre católicos e protestantes. Uma celebração doméstica em duas versões, uma para adultos e jovens ou pequenos grupos, outra para famílias com crianças, que inclui, entre outras coisas, orações, canções de ninar, "ginástica da alma" e a construção de um cata-vento da paz. O auxílio litúrgico pode ser baixado aqui e utilizado no Domingo de Pentecostes, domingo 31 de maio de 2020: Livreto Definitivo de Pentecostes. Muitas igrejas, especialmente no norte, decidiram por precaução permanecer fechadas por mais algum tempo, apesar da possibilidade de retomar o culto após a assinatura dos protocolos no Palazzo Chigi em 15 de maio. A liturgia proposta pelo grupo ecumênico pode ser praticada em casa por quem quiser, mesmo por quem por diversos motivos não pode ir à igreja. “O contexto do coronavírus nos levou a nos perguntar como ser uma igreja aberta apesar da impossibilidade de nos encontrarmos”, explica à agência NEV Lydia Maggipastora batista que desenvolve seu "ministério itinerante" para a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Lidia Maggi, que está envolvida na iniciativa, conta: “Voltar para casa como um lugar para viver a fé é uma das formas de sentir que a igreja não está fechada. Há novos ministros, que são familiares. Um grupo católico havia proposto o roteiro de preparação para a Páscoa #IoCelebroACasa. Depois da experiência pascal, sentiu-se a necessidade de estender este caminho de Pentecostes ao mundo ecuménico. Parece-nos a ocasião ideal para uma proposta que encontramos alinhada não só com o espírito ecuménico que caracteriza as nossas Igrejas, mas também por outro motivo. Existe uma espiritualidade que corremos o risco de perder, que é a dimensão da meditação diária em casa. Talvez o coronavírus nos ofereça a oportunidade de recuperar esse espaço. Não há apenas a web e o zoom, mas podemos redescobrir a igreja doméstica, a dimensão doméstica da celebração onde podemos dar autoridade aos pais e familiares que se reúnem em torno da Palavra”. A intenção é “transformar a tragédia do coronavírus em uma oportunidade – conclui o pastor Maggi – de entender o que o espírito diz às nossas vidas, de permitir que o espírito transforme o que é ruim em bom”. O projeto de uma liturgia doméstica católica e protestante “mista” nasceu na web em meio à pandemia de covid-19 e reúne pessoas de diferentes origens. A subvenção #IoCelebroACasa di Pentecostes foi elaborada poralguns membros do grupo "juntos no mesmo barco" (Alexandre Cortesi,André Grillo, Simone Morandini, Serena Nogueira, Morena Baldacci), depertencente ao movimento Pax Christi (rosa siciliana, Tonio dell'Olio, Máximopreço), do pastor Lydia Maggi E Ulrike Jourdan e pelo pastor William Jourdan. Baixe aqui: Livreto Definitivo de Pentecostes ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.