Corredores humanitários em audiência com o Papa

Corredores humanitários em audiência com o Papa

“Corredores humanitários”, desenho de Francesco Piobbichi, operador da FCEI-Mediterrânea Esperança

Roma (NEV), 15 de março de 2023 – No próximo sábado, 18 de março, às 11h30, o Papa Francisco receberá em audiência refugiados e refugiadas que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários criados pela Federação de Igrejas Evangélicas, Tavola Valdese, Comunità Sant’ Egidio, Caritas Italiana e Cei. A notícia foi divulgada ontem à tarde pela agência Ansa, que também foi divulgada hoje pelo jornal vir.

Este é o primeiro evento público do Papa com migrantes após a tragédia de Cutro. A Sala Paulo VI estará repleta de famílias de países como Síria, Iraque, Afeganistão, Somália, Sudão do Sul, Nigéria, Congo, RDC e Líbia. De fevereiro de 2016 até hoje, mais de seis mil pessoas chegaram à Europa com este modelo, das quais mais de cinco mil na Itália. Além dos promotores dos corredores humanitários, haverá também associações, dioceses, paróquias, comunidades e famílias que acolhem refugiados, entre as quais a Diaconia Valdense, a Comunidade Papa João XXIII, Arci e outras. Durante a audiência, que terminará com um discurso do Papa Francisco, serão ouvidos alguns testemunhos de refugiados, assim como de italianos que se empenham em acolhê-los.

O presidente estará presente para a FCEI Daniele Garrone.


No que diz respeito às igrejas protestantes, os corredores humanitários são um projeto financiado em grande parte pelo Otto per mille Waldensian, criado pela FCEI, Tavola Valdese e, na parte relativa ao acolhimento dos beneficiários, com a Valdensian Diaconia.


AQUI um infográfico sobre corredores humanitários.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O protestantismo é belicista?

O protestantismo é belicista?

Foto de Ben White - Unsplash Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Entre os inimigos da paz na Ucrânia está também o bloco anglo-americano, e não é de se estranhar “porque os anglo-saxões são de origem protestante: para eles, calçar botas (de soldados) no terreno é bastante normal, porque a ordem deve ser mantida e a política e a guerra na visão protestante são apenas sistemas mundanos, caracterizados por regras autônomas de engajamento e não sobrecarregados por laços morais de derivação evangélica”. Lemos em um artigo na "Província" assinado por don Ângelo Rivadiretor do Semanário da Diocese de Como. Lamentamos porque os argumentos apresentados, além de superficiais e estereotipados – não falta a citação aproximada de Weber sobre a ligação entre capitalismo e protestantismo – demonstram como o caminho ecumênico ainda carece de conhecimento mútuo, compreensão e revisão de clichês que dificultam o caminho que várias igrejas tentam fazer juntas. Em nota particular, o autor do artigo corrigiu seu ponto e admitiu ter ido longe demais em análises e referências que merecem muito mais estudo. Tomamos nota disso e, portanto, podemos considerar o incidente encerrado. No entanto, alguns comentários são necessários. O protestantismo tem responsabilidades históricas bem conhecidas e somos nós protestantes que reconhecemos isso, a partir de Lutero, também alimentou a semente violenta do antijudaísmo; que a escravidão foi aceita e até abençoada por muito tempo pelas comunidades protestantes que queriam construir um "mundo novo" e se colocar como modelo de civilização diante do mundo, "como uma cidade sobre uma colina", citando o Evangelho de Mateus; e, novamente, poderíamos dizer do segregacionismo, ou da blasfema justificação teológica do apartheid. Em suma, não é difícil extrair argumentos do arquivo da história para alimentar um antiprotestantismo que, aliás em um país como a Itália, há muito é alimentado e sustentado com armas, repressão e discriminação. Mas quem fere pela controvérsia, perece pela controvérsia e, colocando-se ao mesmo nível e relembrando as cruzadas e a caça aos "hereges" (valdenses e outros), Torquemada e a Inquisição, o Syllabus e as generosas bênçãos às tropas coloniais italianas na África, a partida pode ser equilibrada. Mas que sentido isso faria? Qual é o valor espiritual dessa risível disputa fora do tempo e fora do lugar sobre as sombras negras que também se projetam sobre as tradições religiosas? A cultura protestante não produz apenas anfíbios militares, como afirma uma vulgata superficial, mas também críticas ao poder estabelecido (as alas radicais da Reforma e os movimentos "puritanos" contra as igrejas "estabelecidas" e isto é, estatais); cultura de direitos humanosEleanor Roosevelt e toda a tradição liberal-democrática anglo-saxônica); martírio pela liberdadeDietrich Bonhoeffer); prática não violenta (Martin Luther King); modelos de reconciliação (as igrejas reformadas da África do Sul); uma visão ecumênica orientada para a paz (o Conselho Mundial de Igrejas). E para a frente. O ecumenismo de hoje e de amanhã, para crescer, precisa de estudo, de método, de rigor. Para isso, precisamos nos livrar de pré-julgamentos e repertórios fáceis de polêmicas. A credibilidade do anúncio cristão no mundo de hoje depende disso. ...

Ler artigo
Pela primeira vez na Itália uma delegação de luteranos alemães

Pela primeira vez na Itália uma delegação de luteranos alemães

Roma (NEV), 19 de janeiro de 2011 – Milão, Roma e Cidade do Vaticano: estas são as etapas da grande delegação da Igreja Evangélica Luterana Unida na Alemanha (VELKD) que a partir de amanhã, 20 de janeiro, estará na Itália em visita oficial ao ensina relações ecumênicas. Não é por acaso que a visita, a primeira do gênero, ocorre em conjunção com a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos e haverá muitos momentos de oração e reflexão com representantes da Igreja Católica. A agenda lotada da delegação liderada pelo bispo da igreja da Baviera, Johannes Friedrich, presidente da Conferência Episcopal Luterana da Alemanha, inclui - entre muitos compromissos - uma audiência privada com o Papa Bento XVI no sábado, 22 de janeiro, reuniões com o Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos e com a Comunidade de Sant'Egidio, enquanto nos dias anteriores a delegação se reunirá em Milão com o Cardeal Dionigi Tettamanzi, a Comissão diocesana para o ecumenismo e o diálogo e o Conselho das Igrejas Cristãs de Milão. A delegação, composta por 19 pessoas, será acolhida pelos representantes da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): momentos de partilha com as comunidades luteranas locais e conferências públicas serão realizadas tanto em Roma como em Milão. De destacar são o plantio de duas "árvores de Lutero" – respectivamente em Roma na Basílica de San Paolo fuori le Mura e em Milão na Basílica de San Marco – uma iniciativa que faz parte dos preparativos para o 500º aniversário da Reforma em 2017 ( veja a notícia a seguir) Para o pastor Holger Milkau, reitor do CELI, a visita da VELKD - entidade que reúne cerca de 11 milhões de luteranos na Alemanha - é "um evento de extrema importância". Em nota divulgada pelo CELI, ele declarou: “Para uma realidade minoritária e estatutariamente bilíngue (italiano-alemão) como a Igreja Luterana na Itália, esta visita tem um significado intrínseco de grande fraternidade e proximidade concreta. E, precisamente pelo forte espírito ecuménico e pelos objectivos que a acompanham, assume uma importância ainda maior, cinco séculos depois da passagem de Lutero a Roma e num momento histórico mundial em que é incontornável um diálogo cada vez mais aberto e contínuo entre as suas várias componentes necessidade de todo o mundo cristão. Esta é uma convicção consolidada pela nossa experiência de uma Igreja com origem na Alemanha, quotidiana em Itália e ponto de observação sobre a bacia do Mediterrâneo e sobre os temas teológicos, religiosos e sociais que muitas vezes determinam os seus acontecimentos”. A visita da delegação do VELKD terminará no dia 25 de janeiro com a participação nas vésperas da ...

Ler artigo
A Agenda de Paz 2023 – Nevada

A Agenda de Paz 2023 – Nevada

Roma (NEV), 11 outubro de 2022 – A Agenda de Paz 2023 da Confronti é dedicada a um mundo livre de armas.“Na verdade, pensamos que, especialmente após a eclosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, é importante chamar a atenção para o quão profundamente enraizada ainda está a ideia de resolver disputas por meio de conflitos armados. Uma prática que gera morte, alimenta a desigualdade e enfatiza a tensão, a divisão e o ódio, representando a antítese da paz.Na elaboração da Agenda de Paz 2023, reformulamos alguns artigos e dados que são fruto da atividade editorial e de planejamento da Cooperativa Com Nuovi Tempi, da qual são expressão o Mensal Confronti e o Centro Studi Confronti. Pela Agenda da Paz 2023, o centro de estudos e revista Confronti agradece ao centro LIBREXPRESSÃO (Fundação Giuseppe Di Vagno), centro euro-mediterrânico para a promoção da liberdade de expressão e sátira política, pela concessão das ilustrações. A Agenda da Paz 2023 chega em anexo à edição de outubro da revista para todos* os que já assinaram Comparar. Em alternativa, é possível adquirir a Agenda de Paz 2023 diretamente na loja online, ao custo de 7 euros, neste link. Confronti saiu em maio de 1989 seguindo o legado de “Com-Nuovi tempi”, uma das primeiras publicações ecumênicas em que católicos, protestantes, crentes “não religiosos” e pessoas que pesquisam questões de fé colaboraram por quinze anos. Hoje o Confronti é frequentado por cristãos de várias denominações, judeus, muçulmanos, budistas, hindus e leigos interessados ​​no mundo das religiões, da política e da sociedade. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.