#EuARe2019.  Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

#EuARe2019. Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

Imagem retirada do perfil do twitter da EuARe

Roma (NEV), 26 de fevereiro de 2019 – Faltam apenas alguns dias para a abertura da 2ª conferência anual da Academia Europeia de Religião (EuARe). De 3 a 7 de março, em Bolonha, a plataforma promovida pela Fundação João XXIII para os Estudos da Religião (FSCIRE), que liga universidades, centros de investigação e estudiosos da religião de toda a Europa, promove esta iniciativa única no seu género: 1204 oradores, 342 sessões, lectiones magistrales. O tema deste ano: “Fortalecendo o Indivíduo, Nutrindo a Comunidade”. Um espaço expositivo também abrigará editoras de toda a Europa, como as editoras protestantes Claudiana e Paideia.

Existem muitos protestantes. Destacamos, além de alguns eventos ilustrados abaixo, as três jornadas internacionais de estudo organizadas pelo Centro studi Confronti.

Imagem retirada da página web do Centro studi Confronti

Título: “Pluralidade religiosa: um desafio global?”, de 4 a 6 de março de 2019, na Sala Senatori, no Palazzo Isolani (na via Santo Stefano 16) em parceria com várias universidades, incluindo a Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Tema do ciclo, a relação que a religião e a fé mantêm com as questões de gênero, mídia, política e cultura.

A Waldensian Studies Society propõe o painel “A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural” (6 de março de 2019, 14h30-16h30 no Salão dos Espelhos, também no Palazzo Isolani) que abordará o debate contemporâneo a partir de uma reflexão histórica. De 1848-49, quando valdenses e judeus obtiveram direitos civis e políticos, passando pela Constituição italiana de 1948, para chegar às grandes transformações da diversidade religiosa, inclusão de migrantes estrangeiros, novos modelos de família (união civil, divórcio e famílias reunidas, menores desacompanhados).

A revista cultural Consciência e Liberdade intervirá com um painel intitulado “Religião, política e mentira. Um difícil caminho para a convivência”. Detalhes abaixo.

A Academia Europeia de Religião (EuARe) é uma iniciativa lançada em dezembro de 2016 sob o patrocínio do Parlamento Europeu para a divulgação de estudo, investigação, comunicação, intercâmbio e cooperação sobre temas religiosos relevantes para a realidade académica e para a sociedade.


4 DE MARÇO

10.45-12.45 Gênero, violência, religiões; moderado Débora Spinicom Débora Tonelli, Nivedita Menom, Gorana Ognjenovic, Jasna Jozelic. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)

14h30-16h30 Religiões e populismo; moderado Luciano Kovacscom Débora Spini, Manuel Anselmi, Michael Sorice, Neera Chandhoke. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)


5 DE MARÇO

8h30-10h30 Diversidade religiosa na Itália entre resiliência e bem-estar; moderado Alessia Passarellicom Paola Bonizzoni, Frances Scrinzi, Ester Galo, Roberta Ricciucci, Mariangela Franch. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)

14h30-16h30 Direito de acreditar e não acreditar; moderado Ilaria Valenzicom Susana Mancini, Silvio Ferrari, Pamela Beth Harris. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)


6 DE MARÇO

10.45-12.45 Religião, ciência e Weltanschauungen; com Fulvio Ferrario E Júlio Giorello. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)

14h30-16h30 A religião no debate cultural europeu; moderado Elizabeth Ribetcom Júlio Giorello, Gabriella Caramore e Daniele Garrone, Lothar Vogel. Sala dos Senadores – Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5)

14h30-16h30 A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural; moderado Paula Schellenbaumcom Sumaya Abdel Qader, Lucas Ozzano, Valdo Spini, Filipe Maria Giordano. Salão dos Espelhos – Palazzo Isolani (Corte Isolani 5)

16h45-18h45 Religião, política e mentira: um difícil caminho para a convivência; moderado David Romanocom Gaëlle Courtens, Micol Flammini, Hanz Gutiérrez. Sala Canossa 1 – Hotel Aemilia (Via Zaccherini Alvisi, 16).


Leia o programa completo aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Carsten Gerdes.  Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

O Reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastor Carsten Gerdes Catânia (NEV/CEL), 2 de maio de 2023 – No encerramento do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), fizemos algumas perguntas ao Reitor, Pr. Carsten Gerdes. Qual é o seu balanço deste Sínodo? O balanço que posso tirar do Sínodo que acaba de terminar é, por um lado, simples de resumir: os trabalhos terminaram uma hora antes do previsto. Portanto, podemos dizer que não tivemos nenhuma questão crítica específica na discussão. Por outro lado, devo admitir que em pelo menos algumas questões poderíamos ter, e talvez devêssemos ter decidido com mais clareza. Afinal, porém, a discussão geral não nos guiou nessa direção. Em seu relatório introdutório, mas também em sua entrevista pré-sinodal ao semanário Riforma, há uma profunda mensagem pastoral. Afirmaste, por exemplo, que "muitas vezes se pede aos crentes que prestem contas da sua fé e, com igual frequência, aqueles que o fazem não conseguem ver que também a vida daqueles que consideram a fé incompreensível, ou mesmo inútil, é construída sobre fundamentos que ainda não demonstraram sua sustentabilidade. Na sua opinião, o que é a "sustentabilidade da fé"? Claro, a resposta a esta pergunta pode variar de pessoa para pessoa. Por qual é a perspectiva da minha vida, percebo que é bom que nem tudo dependa de mim, das minhas possibilidades: mentais, de pensamento, condições de saúde.Quero dizer que a base que sei que tenho vai além de mim: desde a manhã, pela leitura de um versículo da Bíblia e pela comparação que consigo fazer com esse texto. Mesmo quando faço uma oração, mesmo sabendo que naquele momento não vai acontecer o que eu quero, sei que posso confiar em alguém que não seja eu para me ouvir e não ter que responder como eu quero. Fé sustentável é confiar e confiar em Deus. Muitas vezes nos sentimos frustrados por estarmos sozinhos na diáspora: na realidade, muitos convidados vieram para o Sínodo de muitas partes da Europa e de toda a Itália. Uma demonstração de que não estamos sozinhos. Então, como é esse sentimento como uma minoria? Eu venho do norte da Alemanha. Nessas partes, novamente, a maioria dos cristãos são evangélicos, são protestantes. Então a experiência do CELI, de uma igreja na diáspora, é uma experiência nova para mim. Novo e intenso. No entanto, percebo, em minhas reuniões com outras igrejas minoritárias, que nós, os "pequeninos", podemos aprender uns com os outros. Encorajando uns aos outros. Dando-nos uma mão. Somos muitos pequenos grãos que juntos finalmente formam uma obra. Esta é a minha visão e esperança. Uma visão que me eleva quando me sinto pequena e sozinha. Afinal, “nós somos sal”…? É verdade. Muitos pequenos grãos de sal que juntos formam uma pilha de sal. Mas atenção: nem sempre precisamos de um monte. Às vezes, pequenos grãos dispersos são suficientes: eles já são eficazes em sua força de ser grãos. Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet. Obrigado Geórgia E. betz pela tradução do alemão. Para saber mais: Homepage – Inglês – Igreja Luterana Especial NEV Sínodo Luterano 2023 ...

Ler artigo
Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Roma (NEV), 18 de março de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) também se une ao grande coro de orações pela paz. E pede "que as armas sejam silenciadas, que a diplomacia faça o seu caminho, que o direito internacional seja respeitado e os civis sejam salvaguardados, que se façam esforços para acolher os refugiados, sem qualquer distinção, e que os manifestantes detidos sejam libertados na Rússia, culpados de terem protestado contra a guerra”. A associação fala da guerra como um crime absoluto contra a humanidade e da negação total dos direitos humanos universalmente reconhecidos. “Nunca a guerra esteve tão perto do velho continente e nunca como agora corre o risco de degenerar num conflito muito maior com consequências catastróficas – lê-se no site da ACAT -. E talvez seja por isso que o vemos. Olhamos para o rosto dela como se fosse a primeira vez. Vemos as cidades destruídas, os prédios fumegantes, o medo nos olhos das crianças, os gritos de dor, a agonia dos que perderam tudo, os refugiados em fuga. Nós vemos o horror." E, no entanto, continua o texto, “já vimos este horror muitas vezes, mesmo em tempos recentes, sem nunca realmente querer olhar para ele. Vimos isso no Afeganistão, no Iraque, na Síria, na Líbia, em várias partes da África, no Iêmen (onde se arrasta uma guerra sangrenta e uma das mais graves crises humanitárias do mundo há 7 anos). Nós o vimos e o vemos pintado nos rostos e corpos exaustos de milhares de refugiados que continuam pressionando, ainda hoje, nos portões da Europa para serem rechaçados novamente. E vemos isso, agora, nos olhos e rostos dos refugiados ucranianos”. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica que atua contra a tortura e a pena de morte, trabalhando ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os direitos humanos. Formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Rinascita Cristiana", a filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura deve-se à inspiração do pastor valdense Túlio Vinay, entre os primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Entre as últimas batalhas da história da agremiação, destaca-se a contra a pena de morte. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio, entre outras coisas, de 8×1000 das igrejas metodista e valdense. ...

Ler artigo
Continuamos humanos.  Apelo de cristãos, católicos e evangélicos sobre migrantes

Continuamos humanos. Apelo de cristãos, católicos e evangélicos sobre migrantes

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV/CS07), 22 de janeiro de 2019 – Por ocasião da semana de oração pela unidade dos cristãos, católicos e protestantes italianos lançam um apelo conjunto para continuar a viver um espírito de humanidade e solidariedade para com os migrantes. Se para todos é um dever para com aqueles que saem do seu país arriscando a vida no deserto e no mar, para os cristãos é uma obrigação moral. É por isso que, durante a semana dedicada à unidade dos cristãos, celebrada nestes dias (18 a 25 de janeiro) em todo o mundo, sentimos a necessidade de unir nossas vozes, assim como tantas vezes trabalhamos juntos no campo de imigração, permitindo a criação dos primeiros corredores humanitários, iniciados pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, a Tavola Valdese, Cei e Caritas Italiana. "Na ocasião em que celebramos o dom da unidade e da fraternidade entre os cristãos, queremos explicar a todos que, para nós, ajudar os necessitados não é um gesto de benfeitor, de altruísmo ingênuo ou, pior ainda, de conveniência : é a própria essência da nossa fé. Lamentamos e desconcertamos a retórica superficial e repetitiva com a qual o tema da migração global vem sendo abordado há meses, perdendo de vista que por trás dos fluxos, desembarques e estatísticas existem homens, mulheres e crianças aos quais são negados direitos fundamentais humanos: nos países de onde fogem, assim como nos países por onde transitam, como a Líbia, acabam em campos de detenção onde é difícil sobreviver. Apontá-los como uma ameaça ao nosso bem-estar, defini-los como potenciais criminosos ou aproveitadores de nossa acolhida, trai a história dos imigrantes - inclusive italianos - que, ao contrário, contribuíram para o crescimento econômico, social e cultural de muitos países. Daí o nosso apelo para que – no confronto político – não se perca o sentido do respeito devido às pessoas e às suas histórias de sofrimento”. Mas além do método, o documento ecumênico aborda problemas substantivos: “Uma política migratória que não abre novas vias seguras e legais de acesso à Europa tende a encorajar a imigração irregular. Por isso, pedimos aos vários países europeus que dupliquem ou, pelo menos, ampliem os corredores humanitários, abertos pela primeira vez na Itália no início de 2016. A fase de experimentação terminou e os resultados, positivos em muitos aspectos , estão abaixo dos olhos de todos. É, portanto, desejável avançar para uma generalização deste modelo, que salva as pessoas dos traficantes de seres humanos e favorece a integração. Por isso, estamos nos dirigindo diretamente ao governo italiano para ampliar o número de beneficiários acolhidos em nosso país e promover um 'corredor humanitário europeu', administrado pela UE e por uma rede de países dispostos, proporcionando um sistema de patrocínio adequado”. O documento também aborda o problema dos resgates no mar: “No curto prazo, porém, buscando o consenso europeu sobre essas medidas, deve-se garantir o resgate no mar, que não pode ser reduzido a uma política de retrocessos ou simples fechamentos. Os migrantes não podem ser vítimas três vezes: das perseguições, daqueles que os detêm em campos que – como a ONU tem repetidamente certificado – não protegem os direitos humanos essenciais, e daqueles que os rejeitam nesses mesmos campos e nessas humilhações. Para nós cristãos, como para todo ser humano, deixar de socorrer alguém caído na estrada ou em perigo de afogamento é um comportamento do qual não podemos deixar de nos envergonhar. Por isso pedimos o reforço das atuais atividades de salvamento, prestadas por meios militares, pela Guarda Costeira e por ONG, no cumprimento das regras do mar e do direito humanitário”. O texto encerra com um apelo à construção de consenso sobre alguns pontos qualificativos sobre os quais as Igrejas estão dispostas a oferecer sua contribuição: “Por mais divisiva que seja a questão da imigração, ela é tão grave e séria que não pode ser abordada sem buscar uma plataforma mínima de solicitações e procedimentos compartilhados. Esperamos por isso e para isso nos colocamos à disposição com nossa experiência e recursos, prontos para colaborar com as autoridades italianas e europeias”. Roma, 22 de janeiro de 2019 Passado. Eugênio BernardiniModerador da Mesa Valdense prof. marco impagliazzoPresidente da Comunidade de Sant'Egidio Passado. Luca M. NegroPresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Mons. Stefano RussoSecretário Geral da Conferência Episcopal Italiana ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.