Na Torre Pellice em exposição tintas e cores de Valerio Papini

Na Torre Pellice em exposição tintas e cores de Valerio Papini

Roma (NEV), 21 Maio 2020 – De 24 de maio a 27 de setembro a exposição “Dia após dia…. tintas e cores de Valerio Papini”.

Voz histórica do culto evangélico, a transmissão RAI Radio1 produzida em acordo com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Valério Papini, que faleceu em 2018, teve um marcado talento artístico que se manifestou, entre outras coisas, em colaborações como designer gráfico para as revistas “Nuovi tempi” e “Gioventù evangelica”, e na criação de várias capas da editora protestante Claudiana. Seus também são os logotipos da FCEI e do sistema de museus eco-históricos dos vales valdenses.

Valério Papini

A exposição, com curadoria de Gabriela Peyrot e exibido em Roma há um ano, pode ser visitado junto com o museu no domingo 24 e domingo 31 de maio, das 14h30 às 19h00. Presumivelmente, haverá um horário estendido a partir do mês de junho (para informações, clique aqui). É necessário anunciar sua visita à secretaria ou ao endereço: [email protected], para permitir que a equipe escalone as admissões.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

XXIII Tertio Millennio Film.  Prêmio para “Um tradutor”

XXIII Tertio Millennio Film. Prêmio para “Um tradutor”

Roma (NEV), 23 de dezembro de 2019 – O filme de Rodrigo e Sebastián Barriuso "Un traductor" venceu a XXIII edição do Tertio Millennio Film Fest, o festival do diálogo inter-religioso. O filme é inspirado na história real do pai do diretor. O Júri Inter-religioso, presidido por Fariborz Kamkariera formado por representantes de várias religiões, entre eles o pastor valdense Marco Fornerone. O Festival, este ano intitulado “Eu sou você é. Reconhecendo-se como diferentes”, realizou-se em Roma de 10 a 13 de dezembro. O Júri atribuiu ainda uma menção honrosa a “As Andorinhas de Cabul” De Zabou Breitman E Eléa Gobé Mévellec. O Júri Inter-religioso para curtas-metragens, presidido por Phaim Bhuiyanem vez disso, concedeu o primeiro prêmio a “milady” De Júlia Tivelli E Flávia Scardinique conquistou também o Prémio Juventude, atribuído pelas escolas envolvidas no projeto "Nati nel Tertio Millennio" criado com o contributo do MIUR e do MiBACT, com curadoria de Ângela D'Arrigo. Finalmente, pela primeira vez, o Prêmio Outfield, um reconhecimento que reúne os mais importantes festivais nacionais de cinema e espiritualidade (Tertio Millennio Film Fest, Religion Today de Trento e Popoli e Religioni de Terni). O Prémio Fuoricampo é atribuído ao filme italiano do ano que melhor desenvolve a temática do sagrado, do divino, do transcendente e do invisível. Ganhou esta primeira edição”senhor demônio” De Pupi Avati. O festival contou com a presença de mais de dois mil espectadores. Entre os destaques: o diálogo em memória de Robert Bresson com a viúva Mylene Bresson E João Amelio; a reunião de 13 de dezembro entre Giuseppe Tornatoreprimeiro vencedor do Prêmio Bresson, e o cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura e fundador do Pátio dos Gentios; o encontro com na escavaçãojornalista sob tutela da Avvenire, que apresentou um dos nove filmes em competição, "The Remains", um documentário sobre migrantes de Natalie Borgers. “A chamada emergência migratória é a poeira que você esconde debaixo do tapete para não ver a enormidade do tráfico ilícito – disse Scavo, comentando a investigação -. A Itália é a nação que mais exporta bombas para a África. Embora não tenhamos uma percepção direta de quanto a guerra rende, há controvérsias sobre por que os migrantes chegam”. FORMA. Um tradutor. Canadá, Cuba – 2018 Após o desastre nuclear de Chernobyl, a Ucrânia pede ajuda ao mundo. Entre 1990 e 2011, chegaram a Cuba cerca de 25.000 crianças, muitas delas com câncer, deformações, problemas musculares e dermatológicos, altos níveis de estresse pós-traumático. Malin, professor de literatura russa em Havana, é designado para atuar como intérprete entre os médicos cubanos e as crianças. Forçado a lidar com a dor, Malin fica cada vez mais deprimido, até conhecer uma criança especial. Enquanto isso, o Muro de Berlim cai e Cuba entra em uma profunda crise econômica. O Tertio Millennio Film Fest é organizado pela Fundação Ente dello Spettacolo com o patrocínio do Pontifício Conselho para a Cultura, do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, do Escritório Nacional para as Comunicações Sociais da Conferência Episcopal Italiana (CEI), do Departamento de crescimento cultural do Município de Roma e da Região do Lácio, sob a direção artística de Marina Sanna (vice-diretor da Rivista del Cinematografo) e do Gianluca Arnone (coordenador editorial da Fondazione Ente dello Spettacolo). ...

Ler artigo
Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Li-An Lim, não salpique Roma (NEV), 5 de julho de 2022 – Em novembro de 2021, um grupo de jovens ativistas se reuniu durante a COP26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em Glasgow, para explorar possibilidades de trabalho conjunto rumo à COP27 a ser realizada no Egito. Durante estes encontros, explicam os promotores, “percebeu-se um forte sentido de energia e entusiasmo em juntar esforços para ter um maior impacto nas questões relacionadas com a justiça climática”. Este grupo de ativistas de várias denominações, organizações e países reunia-se regularmente para dar forma à campanha “Clima SIM”. “Como jovens ativistas climáticos cristãos, com idades entre 18 e 30 anos, sentimos a necessidade de responsabilizar os líderes políticos pelas decisões e promessas feitas na COP26. Ao nos unirmos, queremos compartilhar nossas preocupações ambientais e aprofundar o vínculo comum de nossa fé. Queremos criar uma comunidade climática jovem ecumênica global, que incluirá representantes do Norte e do Sul globais. Refletiremos sobre COPs anteriores (Cúpulas do Clima da ONU) e COY (Conferência do Clima para Jovens) e falaremos conjuntamente com uma voz global para representantes políticos sobre o que acreditamos que precisa ser feito no futuro. Queremos criar uma plataforma ecumênica global da juventude sobre o clima, incluindo representantes de todos os continentes, do Norte global e do Sul global”, explica ele. Irene Abbragerente de projetos internacionais na Itália, ex-pessoa de contato do projeto Young Methodist para a COP26. Em preparação para a COP27 que este ano será realizada no Egito, em Sharm El-Sheikh, de 7 a 18 de novembro de 2022, na qual se espera a participação do Climate YES, a coordenação da campanha está organizando eventos em todos os continentes: Europa, África, Ásia, Ilhas do Pacífico, América do Norte e América do Sul. Nos dias 16 e 17 de setembro de 2022 (o programa seguirá em breve), o evento nacional italiano será realizado em Milão, na Chiesa del Carmine, que será conectado simultaneamente com os outros eventos que ocorrerão na Europa e na África. O evento ecumênico envolve o envolvimento de organizações juvenis evangélicas e católicas e estará aberto à participação intergeracional e leiga. ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242 Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília. Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo? O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo. Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo. Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”? A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo. Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice. Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor? Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.