Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV)

Roma (NEV), 8 de março de 2023 – “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais.

Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal “La Noce” de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema “O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?”. citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só.

“Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social – defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas”. Todos os atores envolvidos representam a “comunidade reparadora”, que “ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças”.

Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à “capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros”. E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”.

A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, “pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”.

O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”.

Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242 Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília. Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo? O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo. Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo. Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”? A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo. Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice. Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor? Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria. ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Secretariado para atividades ecumênicas. A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Roma (NEV), 11 de dezembro de 2019 - No domingo, 15 de dezembro, em Roma, realiza-se o terceiro encontro do ciclo curto proposto pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), grupo romano, com o título "30 anos depois de Basel: Justiça, a paz, salvaguardando a criação – Balanço de um compromisso ecumênico diante dos desafios do nosso tempo”. O tema desta reunião é: "A mensagem de Basel ainda é relevante?" e eles dirão ao pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Luís Sandri, jornalista e especialista do Vaticano, entre outras coisas, especialista em questões relacionadas com as igrejas ortodoxas. O compromisso é para domingo, 15 de dezembro de 2019, às 16h30, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, Clivo dei Publicii, Aventino - Roma. Há trinta anos, em maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembléia Ecumênica Européia intitulada "Paz na Justiça". 600 delegados protestantes, católicos e ortodoxos de toda a Europa, representando as três grandes denominações cristãs, reuniram-se pela primeira vez desde o Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante. A SAE propôs uma série de encontros ecumênicos de formação justamente para refletir sobre este importante aniversário. A SAE é um movimento inter-religioso de leigos para o ecumenismo e o diálogo, a partir do diálogo cristão-judaico. A seção romana foi a primeira a se estabelecer entre os grupos locais. Fundado por Maria Vingiani, criou ao longo dos anos “uma densa rede de relações fraternas que teve, entre seus protagonistas, autênticas testemunhas e mestres do diálogo ecumênico”, lê-se no site da SAE. Entre eles, os pastores Mario Sbaffi, Valdo Vinay E Renzo Bertalotvestir Luís Della Torremonsenhor Clemente Riva e irmã Mariangela Della Valle. Entre suas atividades ecumênicas, promove encontros e iniciativas para o Dia do Judaísmo (17 de janeiro) e para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), em colaboração com outros grupos e associações. ...

Ler artigo
Chile Via Crucis Popular

Chile Via Crucis Popular

Roma (NEV), 16 de abril de 2019 - As comunidades cristãs, as organizações ecumênicas, pelos direitos humanos e pela memória do Chile, como todos os anos, organizam uma marcha pela cidade para o dia 19 de abril, Sexta-feira Santa, a popular Via Sacra de Santiago do Chile com chegada a Villa Grimaldi, hoje um lugar de memória e durante os anos da ditadura, um centro clandestino de detenção e tortura no qual operava a DINA (Direção de Inteligência Nacional), a polícia secreta de Pinochet. Muitas das comunidades e pessoas que participam da Via Crucis Popolare fizeram parte do movimento cidadão que entre o final dos anos oitenta e o início dos anos noventa se empenhou em dar a conhecer a realidade deste lugar de tortura e desaparecimento e que depois continuou a mobilizar até ao reconhecimento deste espaço como lugar de memória, em 1997. A Via Crucis Popular, que agora é uma celebração recorrente, é realizada em memória da "Via Crucis" que milhares de chilenos sofreram neste lugar. Há muitos anos as comunidades cristãs populares realizam esta caminhada coletiva que une o caminho de Cristo rumo à cruz com a luta pela verdade e pela justiça, contra a impunidade e em defesa dos homens e mulheres que hoje lutam pelos direitos humanos. O tema da Via Sacra Popular de 2019 é o poder. “Toda Sexta-Feira Santa, este grupo de comunidades olha para a realidade do país e a torna visível através da participação nesta popular Via Sacra – lê-se no convite à marcha -. A realidade deste período leva-nos a revelar o exercício abusivo do poder como uma constante na vida social, económica e cultural da nossa sociedade. Milhares de vítimas clamam por justiça e encontram a ocultação, o descaso, o descrédito e a hipocrisia daqueles que tiveram e têm a responsabilidade de exercer democraticamente o poder e administrar a justiça”. Estas são as organizações que convocam a Via Crucis Popolare: Comunidad Ecuménica Martin Luther King, Agrupación de Familiares de Ejecutados Políticos (AFEP), Red Laical, Observatorio por el Cierre de la Escuela de las Américas, Committee Oscar Romero – Chile, Coalición Ecuménica por el Cuidado de la Creación, Centro Ignacio Ellacuría, Corporación Parque por la Paz Villa Grimaldi, Servicio Paz y Justicia, SERPAJ- Chile, Centro Ecuménico Diego de Medellín, Amerindia, Fraternidades Laicas Carlos de Foucauld, Revista Reflexión y Liberación, Periódico Electrónico Crónica Digital, Fundación Helmut Frenz, Iglesia Luterana El Buen Samaritano, Movimiento con la Niñez y la Juventud en Chile, Comunidad Eclesial de base Jesús buenas nuevas de La Legua, Mujeres Iglesia, Comunidad de San Vicente de Paul, Comisión Etica contra la Tortura. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.