Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018

Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário.

“A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado.

O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”.

O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI.

Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mpho Tutu, novo pastor da igreja de Vrijburg

Mpho Tutu, novo pastor da igreja de Vrijburg

Desde 1º de janeiro, o pároco realiza atividades em inglês uma vez por semana, voltadas sobretudo para os interlocutores internacionais presentes em Amsterdã e além. “Sinto-me muito bem-vindo em Vrijburg – declarou o pároco -. Temos vários projetos a realizar. Liderarei um grupo semanal de estudos bíblicos e uma vez por mês organizarei um evento dominical com canções e orações. Além disso, farei uma série de podcasts sobre o tema do perdão, com vários convidados interessantes. Estão todos convidados a juntarem-se a nós, em Vrijburg ou online”. Quem é Mpho Tutu Mpho Tutu foi ordenada pastora na Igreja Episcopal dos Estados Unidos em Springfield, Massachusetts, em 2003. Antes de sua ordenação, ela atuou como diretora do Programa de Descoberta na Igreja de Todos os Santos em Worcester, Massachusetts. Recebeu o título de mestre pela Escola Episcopal Divindade de Cambridge, Massachusetts e, após sua ordenação, começou a pregar na histórica Igreja de Cristo de Alexandria, Virgínia. Anteriormente casado com Joseph Burriscom quem teve dois filhos, em 2015 Mpho Tutu casou-se com uma holandesa, Marceline van Furth, professor de doenças infecciosas pediátricas. Por causa desse casamento, sustentado por seus pais Desmond e Leah, a Igreja Anglicana da África do Sul retirou sua licença para pastorear. A essa altura, Mpho Tutu mudou-se para a Holanda, onde em janeiro retomou sua atividade pastoral na igreja protestante de Vrijburg, voltada para a defesa da igualdade de direitos para todos. Junto com seu pai, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, ele escreveu “Faça-se para sempre. E por que isso faz a diferença” e “O livro do perdão. O Caminho Quádruplo para Curar a Nós Mesmos e ao Nosso Mundo”, enquanto junto com o jornalista Allister Sparks escreveu uma biografia de seu pai (Tutu: o retrato autorizado). Ela foi a fundadora da Desmond e Leah Tutu Legacy Foundation e foi seu diretor executivo de 2011 a 2016. ...

Ler artigo
Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2019 (SSSMV/03) – Papa Francisco enviou sua saudação pessoal ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses que se abre hoje, domingo, 25 de agosto, na Torre Pellice, expressando "a proximidade fraternal” dele e em nome da “Igreja Católica”. Eugênio Bernardini, moderador da Mesa Valdense, leu a carta de Papa Franciscona sessão de abertura dos trabalhos. “Eu me uno à sua oração – escreveu em sua mensagem ao Sínodo Papa Francisco – também para pedir ao Senhor a consolidação do espírito ecumênico entre os cristãos, bem como uma crescente comunhão entre nossas Igrejas”. “Como discípulos de Cristo – continuou - podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz”. Voltando sua atenção para as reuniões sinodais, o papa expressou seu desejo "para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão”. Abaixo, a íntegra da saudação do Papa Francisco: “Queridos irmãos e irmãs, O Sínodo da União das Igrejas Metodistas e Valdenses é uma ocasião propícia para dirigir-vos a minha cordial saudação, expressão da minha proximidade fraterna e de toda a Igreja Católica. Rezo por todos vós, para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão. Uno-me também à vossa oração pedindo ao Senhor a consolidação do espírito ecuménico entre os cristãos, bem como uma comunhão crescente entre as nossas Igrejas. Somos chamados a continuar o nosso empenho no caminho do mútuo conhecimento, compreensão e colaboração, para dar testemunho de Jesus e do seu Evangelho de caridade. Como discípulos de Cristo podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz. Apresento os meus melhores votos à vossa Assembleia sinodal e, enquanto invoco a bênção do Senhor, peço-vos, por favor, que rezeis por mim. fraternalmente, Francisco Do Vaticano, 22 de agosto de 2019 (NEV/CS44) ...

Ler artigo
O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

Pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Roma (NEV), 6 de junho de 2018 – Voltando da Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), que acaba de terminar em Novi Sad (Sérvia), o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negrointervém sobre questões políticas italianas atuais. A Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), organismo internacional que reúne cerca de 115 igrejas de tradição protestante, anglicana, catolicismo antigo e ortodoxo, concluiu-se ontem em Novi Sad. Você participou da Assembleia como palestrante, conduzindo um estudo bíblico sobre o tema da acolhida aos estrangeiros. Você tem a impressão de que a preocupação das igrejas evangélicas italianas com a situação dos migrantes é compartilhada pelas igrejas européias? Certamente: entre os compromissos assumidos pela Assembleia no documento final sobre questões públicas está o de encorajar o desenvolvimento de rotas seguras e legais para os refugiados para a Europa, lembrando os governos de suas responsabilidades no resgate de migrantes à deriva no mar e convidando a não criminalizar atos de solidariedade para com os migrantes. No documento aprovado há uma referência explícita ao projeto piloto dos corredores humanitários promovidos pela FCEI, a Tavola Valdese e a comunidade de Sant'Egidio. Como avalia os primeiros passos do novo governo? Não vou comentar algumas medidas económicas e de segurança social anunciadas porque teremos de perceber a sua coerência e sustentabilidade financeira. A esperança é que eles atendam a uma necessidade generalizada de segurança social e apoio à renda que se faz sentir há anos: especialmente entre os jovens e no Sul, para quem os efeitos da modesta recuperação que ainda existe ainda são incertos e pouco efetivos. Pelo contrário, preocupa-me muito o capítulo da "imigração" que, a julgar pelas palavras e gestos dedicados ao tema, parece ser o centro da acção deste Governo que parece confiar ao Ministro do Interior um papel decisivo mesmo ao ditar a agenda internacional: a ideia improvisada de uma aliança com a Hungria, e não com os países historicamente mais próximos da Itália, desperta certa perplexidade. Embora concordando com a ideia de que os fluxos migratórios devem ser gerenciados e os bolsões de irregularidade e ilegalidade devem ser combatidos, estamos preocupados com expressões como "acabou a carona", referindo-se a pessoas que vivem em condições de sofrimento, marginalização e discriminação. Outro dia um imigrante foi morto perto de Rosarno e a notícia já sumiu das páginas dos jornais: esse é o carona? Ou dos trabalhadores imigrantes que ganham 15 ou 20 euros por dia no interior do sul? Ou a dos 48 que morreram no Egeu enquanto fugiam da violência e da tortura? Sim, estamos preocupados, mas também determinados a cumprir nosso dever de cristãos. E isso é? Deixe-me dizê-lo com uma palavra do Novo Testamento: filoxenìa, literalmente "amizade para o estrangeiro", um termo geralmente traduzido como "hospitalidade" (Carta aos Hebreus 13:2). Somos pela fraternidade e amizade para com o estrangeiro, o imigrante, o asilado. E o somos por aquilo que lemos na Bíblia e que, como cristãos, somos chamados a pôr em prática com nossos gestos e ações. Apoiadores da filoxenia, só podemos nos opor à xenofobia. Mais praticamente? Grupo de sírios chegando do Líbano pelos corredores humanitários em Roma Fiumicino em 28 de abril de 2017 Nós saudamos. Damos as boas-vindas com os corredores humanitários que criamos junto com o Conselho Valdense e a comunidade de Sant'Egidio e graças aos quais mais de 1.200 refugiados em condições vulneráveis ​​chegaram à Itália até hoje, legal e com segurança. Acolhemos em nossos centros e em nossos trabalhos diaconais, acolhemos colaborando com as ONGs que realizam buscas e salvamentos no Mediterrâneo. O cristão acolhe e não pode fazer diferente. Mas há limites e regras. Claro, e por isso acreditamos que a solução para o drama da migração global não está apenas em nossos ombros, mas pertence à política nacional e europeia. Como evangélicos não acreditamos que devamos substituir os políticos que têm a tarefa de encontrar soluções sustentáveis ​​compartilhadas pela maioria. Mas também sabemos que a nossa vocação não é bajulá-los nem obter os seus aplausos: pelo contrário, somos chamados a interrogá-los, a pressioná-los, a contradizê-los quando promovem políticas inaceitáveis ​​para a nossa consciência. Diálogo impossível, então, com este governo? Longe disso. Este governo tem consenso e maioria e esperamos que faça o melhor e no interesse geral. E diante de questões e problemas críticos estamos prontos para fazer nossa parte como expressão da sociedade civil. A questão das migrações mediterrâneas não pode ser resolvida com fórmulas imaginativas ou invocando fechamentos insustentáveis: é o tema do nosso século, o maior desafio que enfrentamos e todos devem fazer a sua parte, na Itália, na Europa e também nos países de emigração. Também tínhamos escrito ao anterior Primeiro-Ministro para nos colocarmos à disposição para intervenções humanitárias “em sua casa”, desde que respeitassem as regras e os direitos humanos. E dizemos o mesmo ao governo chefiado por Giuseppe Conte. Além da imigração, você tem outras questões que o preocupam? Dois temas de liberdade: liberdade religiosa e direitos civis. Quanto ao primeiro, preocupa-nos a tendência de reduzir o problema a uma questão de ordem pública, enquanto se trata de uma questão de civilização jurídica. Deste ponto de vista, a Itália registra altos e baixos: os altos e baixos da Constituição, dos Acordos já firmados com várias confissões religiosas; mas também os pontos baixos da permanência da lei da era fascista sobre os "cultos permitidos" e dos acordos que foram congelados ou nunca colocados em prática, em primeiro lugar aquele com o Islã que hoje na Itália reúne quase dois milhões de pessoas. A outra questão é a dos direitos civis. Nos últimos dias ouvimos palavras sérias e inaceitáveis ​​de um ministro sobre famílias gays e uniões homossexuais. Estamos certos de que foi uma "voz do sen escapou" porque, perante tantos problemas urgentes em cima da mesa, seria verdadeiramente irresponsável reabrir uma questão que, após um longo debate, encontrou uma solução equilibrada no nosso opinião. Voltemos ao CEC. O que você acha da Itália de hoje nas redes ecumênicas europeias? Há uma preocupação aí também. Mas também determinação. Um dos sinais mais bonitos destes anos é a harmonia com que as diferentes igrejas abordam questões como a imigração. E é também uma esperança para a Europa. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.