Assis.  GLAM no Primeiro Encontro de Oração pela Criação

Assis. GLAM no Primeiro Encontro de Oração pela Criação

Torre Pellice (NEV), 25 de agosto de 2018 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) também participará do Primeiro Encontro Ecumênico de Oração pela Criação, que acontecerá em Assis na sexta-feira, 31 de agosto, e no sábado, 1º de setembro .

O evento ocorre no início do “Tempo da Criação”, o período litúrgico ecumênico que vai de 1º de setembro a 4 de outubro e que é observado por cristãos de todo o mundo para refletir, rezar e agir para proteger o meio ambiente.

Para sublinhar ainda mais o apelo à unidade entre as fés cristãs à luz da atual crise ecológica, o programa prevê, entre outras coisas, “para 1º de setembro uma Declaração Ecumênica Conjunta sobre a Criação que convida todos os cristãos e homens dispostos a celebrar o Tempo da Criação e agir corajosamente pelo clima”, lê-se no comunicado de imprensa da iniciativa.

Como aponta o site da Conferência das Igrejas Européias (KEK), “esta é a primeira declaração conjunta em favor de um ‘Tempo para a Criação’ que reúne consenso entre as várias tradições confessionais cristãs. É um sinal de que os líderes cristãos consideram cada vez mais a proteção ambiental como uma expressão fundamental de sua fé”.

A oração ecumênica será também o início da peregrinação “O Caminho de Francisco” de Assis a Gubbio, uma etapa nas várias peregrinações que de diferentes partes da Europa confluirão em Katowice (Polônia) onde será realizada a XXIV Conferência das Partes realizada em dezembro ONU (COP24).

Entre outros, o pároco participará dos dois dias Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas Européias (KEK), pároco Peter Pavlovic, secretário da Rede Cristã Européia para o Meio Ambiente (ECEN), mons. Domenico Sorrentinobispo de Assis – Nocera Umbra – Gualdo Tadino, o arcebispo Bernard Ntahoturirepresentante do Arcebispo de Canterbury, o arquimandrita Atenágoras Fasiolo, representante do Patriarcado Ecumênico. Está também prevista uma intervenção Maria Elena Lacquanitique representará a Comissão GLAM.

O Dia de Oração é promovido pela plataforma do Tempo da Criação que inclui, entre outros, o Conselho Mundial de Igrejas (WCC), a Federação Luterana Mundial (WLF), a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC), o Movimento Católico Mundial pela o clima, (GCCM), Action by Churches Together (ACT) Alliance, em colaboração com a Diocese Católica de Assis.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mulheres vítimas de tráfico, uma discussão sobre o tema da prostituição

Mulheres vítimas de tráfico, uma discussão sobre o tema da prostituição

Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 – Um workshop para discutir como as igrejas podem combater a prostituição e o tráfico de mulheres. Aconteceu nos últimos dias em Karlsruhe, Alemanha, à margem dos trabalhos da 11ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. “A iniciativa sobre a prostituição, sobre como as igrejas podem ajudar a prevenir e até mesmo se opor à prostituição e ao mercado de carne humana que isso implica - explica Claudia Angeletti da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália -, foi muito bem organizado pelo pároco da igreja protestante de Baden Claudia Roloff, que me contatou pela Federação Feminina enquanto editava o caderno de 16 dias de 2021 justamente sobre o tema da prostituição. Tendo gostado muito deste trabalho, fomos convidados como FDEI a participar para apresentar a situação, especialmente da legislação, na Itália. O objetivo desta reunião foi, de fato, tentar criar uma rede para lutar pela abolição da prostituição, para favorecer uma mudança na legislação vigente aqui na Alemanha em particular. Depois de vários contactos decidi enfrentar esta aventura, juntamente com uma freira, que faz parte do Mouvement du Nid, que acolhe e ajuda as prostitutas, agora também muito envolvida na questão do direito francês, e uma psicoterapeuta, Brigitte Schmidt Angermeier que falou sobre os efeitos da síndrome de estresse pós-traumático de quem tenta sair da prostituição e sempre vai levar no corpo e na alma as marcas desse tipo de experiência de vida”. A reunião contou com a presença majoritária de mulheres, principalmente alemãs. “Uma oportunidade importante para entrar em contato com outras pessoas envolvidas nesta questão e talvez até contribuir para uma mudança desta lei, especialmente com as irmãs de Baden”, acrescenta Angeletti. a pastora de Baden Claudia Roloff Pastor da igreja protestante em Baden Claudia Roloff, membro do Sínodo desta igreja alemã, que também se ocupa da formação, explicou que “está em curso uma petição para a afirmação do modelo nórdico na legislação sobre a prostituição. Minha igreja está discutindo justamente essas questões e é muito importante para nós nos confrontarmos com outros países e outras igrejas”. Por que falar sobre prostitutas e não sobre profissionais do sexo? “Porque pensamos que a prostituição não é sexo nem trabalho: porque o sexo depende do consentimento e este não existe quando é feito por dinheiro e não por desejo, nem é trabalho porque as outras ocupações são muito mais regulamentadas, do ponto de desde o ponto de vista da saúde até aos horários de trabalho, contratos e condições de segurança, etc". Na Alemanha, segundo o pastor protestante, na frente da prostituição “tudo é permitido, há poucas regras e temos cerca de 2 casos por ano de assassinato de prostitutas, todos os anos. Na Suécia, por outro lado, não houve assassinatos contra prostitutas nos últimos vinte e dois anos: é um modelo que protege as mulheres e a sociedade como um todo. E não há ideia de que a pessoa, nenhuma pessoa, possa ser colocada à venda”. Na frente abolicionista, a prostituição “não pode ser considerada um trabalho como qualquer outro porque está intimamente ligada ao tráfico de pessoas – explica Angeletti -; na Europa estão todos sujeitos ao tráfico de seres humanos, nunca ou muito raramente existe uma escolha voluntária para fazer este testamento. Além disso, como mulheres cristãs também contestamos a ideia de que esta poderia ser uma forma digna de viver a sexualidade, porque ocorre uma transação econômica, portanto não é uma experiência gratificante, alegre, bonita, mas a mulher se adapta a ser um objeto de prazer para quem paga, para o cliente. Daí a escolha de uma postura abolicionista, na tentativa de reafirmar valores cristãos que se vão perdendo, no mercado geral que nos envolve a todos. Interpretamos a prostituição como um produto do capitalismo, como uma exploração do mais fraco pelo mais forte, bem como uma forma de violência contra a mulher, dada a mercantilização do corpo”. ...

Ler artigo
Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 - A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas. O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”. Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público. A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política 'autônoma', ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos 'clerical' do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de 'laicidade'”. Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a "santa ceia" (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante "não" ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão "estar juntos à mesa do Senhor"? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta "ir e ver". Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da "MicroMega". Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo. ...

Ler artigo
União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

Daniele Garrone, presidente da FCEI, e Filippo Scianna, presidente da UBI, aquando da assinatura do protocolo assinado hoje, 14 de fevereiro. Foto de Nadia Addezio (Comparações) Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2022 - A União Budista Italiana (UBI) e a Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) iniciam uma colaboração destinada a acolher os refugiados que chegaram à Itália através dos "corredores humanitários" abertos nos países vizinhos com Afeganistão no âmbito de um acordo entre a FCEI, a Comunidade de Sant'Egidio, o Conselho Valdense e os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Em particular, o Protocolo de Colaboração entre a UBI e a FCEI prevê o acolhimento de 20 refugiados afegãos. O acordo de colaboração é válido ao longo de 2022 e será renovável para os anos seguintes. A UBI apoiará as atividades de acolhimento e integração coordenadas e implementadas pela FCEI, garantindo recursos que irão cobrir despesas de alojamento, escolarização, apoio educativo e psicológico, aprendizagem da língua italiana, formação e colocação profissional. O projeto visa garantir proteção humanitária a indivíduos que, sob o poder dos talibãs que tomaram o poder no Afeganistão em agosto, correm riscos muito altos, inclusive de serem mortos por suas ideias, sua fé religiosa e seu papel no regime anterior. Nesta conjuntura, a segurança das mulheres que estudaram e desempenharam papéis importantes na sociedade civil afegã está particularmente em risco. “A FCEI e a UBI partilham o compromisso civil e social por uma sociedade aberta, inclusiva e solidária que coloca no centro o indivíduo, as suas necessidades, aspirações e potencialidades. Pretendem também promover modelos comunitários baseados nos princípios da justiça e da paz, no reconhecimento da dignidade humana e no respeito por todas as formas de vida. Bem como o compromisso de salvaguardar o ambiente e os ecossistemas numa perspetiva de estreita inter-relação entre a comunidade humana e o planeta que habitamos” - declaram Philip Sciannapresidente da UBI e Daniel Garronepresidente da FCEI. Paralelamente, a UBI e a FCEI estão empenhadas em lançar um processo comum de reflexão e diálogo, visando tanto aprofundar as questões do direito de asilo, novas formas de pobreza, sofrimento social, como propor ações concretas aos decisores políticos , tanto no italiano como no europeu. Nesta perspetiva, a UBI e a FCEI pretendem promover encontros, seminários, conferências e publicações que expressem a posição das duas tradições relativamente a questões cruciais do nosso tempo. Para mais informações sobre os Corredores Humanitários e o Programa FCEI para Migrantes e Refugiados: www.mediterraneanhope.com. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.