Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

O Arcebispo Anglicano de Canterbury Justin Welby, a Secretária Geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o Secretário Geral Adjunto para Relações Ecumênicas Luteranas, Dirk Lange. Foto: Lambeth Conference/Richard Washbrooke

Roma (NEV), 5 de agosto de 2022 – Como definimos o objetivo da unidade visível para nossas igrejas, como comunhões cristãs mundiais? Podemos encontrar um caminho a seguir, caminhando juntos em direção a uma visão compartilhada? Ou “apenas nos afastamos e esperamos que o outro se pareça conosco?”.

Estas são as perguntas feitas pelo secretário-geral da Federação Luterana Mundial (FLM), Anne Burghardtaos bispos e bispos da Comunhão Anglicana e aos representantes de outras comunhões cristãs mundiais reunidos na 15ª Conferência de Lambeth em andamento em Canterbury, Inglaterra.

Sob a liderança do Arcebispo de Canterbury Justin Welby, mais de 650 líderes anglicanos de todo o mundo se reuniram de 26 de julho a 8 de agosto. Sobre o tema “A Igreja de Deus para o mundo de Deus: caminhando, ouvindo e testemunhando juntos”, os líderes anglicanos estão discutindo a missão e as prioridades da Comunhão Mundial para a próxima década.

O Secretário-Geral Adjunto para as Relações Ecuménicas da FLM, Dirk Lange, falou da acolhida recebida e do grande empenho de diálogo em curso em Canterbury. “Todos os dias, na oração, nos pequenos grupos de estudo da Bíblia e nas sessões de diálogo, os participantes vão descobrindo um caminho de unidade e reconciliação tanto para a Igreja como para o mundo”.

Estamos no nono dia da Conferência, dedicado à unidade dos cristãos e às relações inter-religiosas. Burghardt juntou-se a oradores das tradições católica romana, ortodoxa grega, anglicana e pentecostal, que compartilharam perspectivas sobre as dimensões doutrinária, espiritual e de justiça social da jornada ecumênica.

Esta Conferência de Lambeth ocorre pouco mais de um século após o Apelo de Lambeth de 1920, observou Burghardt. O Apelo pedia “um Cristianismo reunificado”. O secretário luterano refletiu sobre a definição de unidade, “à qual todos ansiamos”, mas que “nem sempre é fácil de definir”. Décadas de diálogo, disse ele, ajudaram a moldar essa definição, incluindo uma das principais declarações sobre a unidade da Assembléia de Nova Delhi do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1961.

Reafirmando a importância do “ecumenismo espiritual”, Burghardt sublinhou que “a liturgia e a oração podem fazer-nos mudar de opinião, remodelar-nos, reorientar-nos de maneira diferente uns para com os outros e para com o mundo sofredor”. No entanto, a oração e a reflexão teológica, disse ele, devem permanecer intimamente ligadas à diaconia e ao testemunho público. E perguntou se chegou o momento de “abrir um novo marco hermenêutico para nossa reflexão doutrinal e teológica”, à luz da solidariedade com o próximo sofredor e com as dificuldades da criação.

Unidade visível, acrescentou, “não significa necessariamente unidade institucional. Pelo contrário, é koinonia entre nossas igrejas”, como afirma o documento do CMI “A Igreja rumo a uma visão comum”. E citou uma série de documentos e acordos entre as igrejas.

Graças a esses acordos, disse Burghardt, “as tradições são compartilhadas entre as várias famílias eclesiais”, mantendo “seus ‘sotaques’ espirituais e teológicos particulares”. A noção de “consentimento diferenciado”, desenvolvida no diálogo luterano-católico romano, “vai na mesma direção”, acrescentou, e levou à assinatura da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação em 1999, agora afirmada por cinco comunhões mundiais (Luterana, Católica, Anglicana, Metodista e Reformada).

Esta declaração de consenso, disse o líder mundial dos luteranos, “procura ser implementada a nível local. As comunidades vizinhas, em vez de viver isoladas ou cuidar apenas de si mesmas, se voltam umas para as outras para anunciar Jesus, para compartilhar Jesus, para se comprometer no mundo por amor a Jesus e para fazer isso juntos”. Nesta dinâmica ecumênica, concluiu, “evangelizamos, [….] mas nós o fazemos juntos, não para o bem da Igreja, mas para dar a conhecer a imensurável bondade de Deus e a boa intenção de Deus para todas as pessoas e toda a criação”.

Nos restantes dias do encontro, os líderes das Igrejas Anglicanas, juntamente com os participantes ecuménicos, continuarão a explorar o que significa a unidade visível e como ela já é vivida na hospitalidade, no discipulado generoso e no testemunho comum do Evangelho no mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

Foto tirada de Roma (NEV), 10 de maio de 2023 – 17 de maio é o Dia Internacional de Luta contra a Homobilesbotransfobia. Várias iniciativas e vigílias em toda a Itália também envolverão as igrejas. Uma liturgia foi elaborada pela Comissão Batista, Metodista e Valdense "FeGeSe - Fé, Gênero e Sexualidade", em colaboração com a Rede Evangélica Fé e Homossexualidade (REFO). O versículo escolhido este ano foi retirado do Evangelho segundo Mateus 10,40: “Quem vos recebe, a mim me recebe, e quem me recebe, acolhe aquele que me enviou”. Este versículo da Bíblia une todas as vigílias e cultos de superação da homotransfobia que acontecerão no mês de maio de 2023. Na apresentação da documentação litúrgica (que contém leituras bíblicas, orações e hinos), lemos: "Como se sabe, em 17 de maio de 1990 a Organização Mundial da Saúde (OMS) eliminou a homossexualidade da lista de doenças mentais, mas, apesar disso, demorou faltam ainda quatro anos para a decisão se tornar operacional, com a posterior edição do Dsm (Manual Diagnóstico e Estatístico das Perturbações Mentais, 1994). Em 2007, na sequência de algumas declarações das autoridades polacas contra a comunidade LGBT, a União Europeia instituiu oficialmente o dia contra a homofobia no seu território”. Precisamente neste período em que se tenta limitar severamente os espaços democráticos, e no campo dos direitos civis há um fechamento cada vez mais forte às famílias homoafetivas, negando direitos adquiridos para o reconhecimento dos filhos nascidos em famílias homoafetivas, pedimos a todos vocês pastores, pastoras e comunidades que organizem reuniões, vigílias, cultos no dia da luta e contraste com a homossexualbotransfobia porque amor é amor e todos somos filhas e filhos de Deus independente de gênero e orientação sexual . O acolhimento e a inclusão são fundamentais para a vida cristã. Assinado fraternalmente e fraternalmente em Cristo pelo coordenador Daniela di Carlo e pelo coordenador Jorge Rainellia liturgia está à disposição de todas as igrejas e interessados ​​(para informações: [email protected]). “É um texto que convida as igrejas à inclusão. Vivemos um momento difícil e complexo onde cresce a discriminação combinada com o ódio social - escreveu o presidente da União Evangélica Batista Cristã da Itália João Paulo Arquidiácono em carta de apresentação às igrejas –. Aqueles que experimentam medos, discriminações e obstáculos odiosos no acesso a direitos em vários contextos sociais (família, escola, redes sociais, trabalho) todos os dias precisam ser reconhecidos precisamente no contexto em que vivem. Isso possibilita a resiliência, ou seja, a possibilidade de uma resistência não violenta e positiva para o bem-estar da sociedade e ao mesmo tempo a valorização da pessoa nas diversas relações humanas”. Entre as nomeações, destacamos: domingo 14 de maio Vigílias contra a homotransfobia. A igreja cristã e metodista de Vomero e a igreja valdense de Nápolesjuntamente com a Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI), convidam para o culto dominical contra a homofobia e a transfobia em suas respectivas igrejas. Milão. 10h30, culto dominical contra a homotransfobia na igreja batista da Via Pinamonte. Terça-feira, 16 de maio “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Génova, 20h45, igreja de San Pietro in Banchi na Piazza Banchi. Vigília de oração pela superação da homofobia, transfobia e intolerância com Pe. Gianni Grondona, Vigário Episcopal da Arquidiocese de Gênova; Haim Cipriani, rabino; Lino Gabbiano, pastor batista; William Jourdan, pastor valdense; padre Marco Torre e padre Stefano Curotto da diocese de Chiavari. Promove o Grupo Bethel de Cristãos LGBTQ+ com o apoio da coordenação Liguria Rainbow. quarta-feira, 17 de maio “Não existe macho nem fêmea”. Turim, 21h, templo valdense em Corso Vittorio. A Igreja Valdense com Arcigay Turin Ottavio Mai e Turin Pride, noite de testemunhos. Descarregue aqui o folheto. Assistir. Trieste, 19h45 na Igreja Evangélica Metodista e Valdense em Scala dei Giganti, 1 perto da Piazza Goldoni. Vigília ecumênica de oração e música pela celebração da diversidade, para ajudar a construir uma sociedade plural. Organizado pela Associação Progetto Rùah, cristãos LGBT de Friuli Venezia Giulia e Veneto Oriental. “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Alexandria21h, na Igreja Evangélica Metodista de C.so Borsalino 24. Vigília pela superação da homotransfobia. Assistir. Gravina na Puglia, 19h, na Igreja Batista Evangélica Cristã na via Alcide De Gasperi 20h. "Coloco o meu arco na nuvem e ele servirá de sinal da aliança entre mim e a terra" (Gênesis 9:13) domingo 21 de maio Culto de domingo contra a homotransbifobia. Milão10h45, na Igreja Valdense. sábado, 27 de maio Vigília que reúne os diversos grupos, crentes homossexuais da Igreja Católica, escoteiros e igrejas evangélicas. Nápoles, 18h, igreja valdense na via dei Cimbri. No próximo ano, por alternância, será realizada na igreja católica. Outros agendamentos AQUI. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 - "Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê". Com este versículo (do Sermão sobre Romanos 1, 16a e 17) teve início hoje, 28 de abril, em Roma, o Sínodo da Igreja Luterana na Itália (CELI). O culto de abertura, confiado aos pastores Kirsten Thiele E Carsten Gerdes, partiu de uma referência aos lugares narrados nos volumes de Asterix, “a pequena aldeia gaulesa que resiste a César e ao império romano. Assim deve ter sido em Roma naquela época: uma pequena comunidade cercada por todos aqueles que acreditavam em outras coisas. Ele realmente precisava de algum incentivo, porque a tentação de se esconder, de não fazer algo diferente, provavelmente era grande." O impacto da pandemia, mas também a crise internacional e climática estiveram no centro do relatório do presidente do Sínodo Wolfgang Prader, que recordou diante dos 47 deputados sinodais presentes a etimologia do termo “sínodo”: “syn”, que significa “juntos” e “odòs”, que significa “caminho, caminho” em grego antigo”. “O sínodo – declarou – é o órgão supremo, a assembléia de religiosos e leigos que regula a doutrina e a organização da Igreja […] Em minha escrivaninha há uma pequena cruz, que recebi anos atrás, feita por um escultor soviético, que nasceu em uma cidade que hoje fica na Ucrânia. A guerra não é a solução, a Europa precisa de paz”. Relatório do Presidente da #Sinodolutheran2022 See More, W. Prader. “A guerra é uma cesura na Europa e no mundo: ela nos sacode profundamente das consequências para as pessoas e para a Europa que não são totalmente previsíveis”. @nev_it @Avvenire_Nei @oss_romano @Riforma_it @Protestantismo @agensir pic.twitter.com/TKWccWFjrg — CeliTWEET (@CeliTWEET) 28 de abril de 2022 O reitor cessante, Heiner Bludau, no relatório anual do Consistório, lembrou como "a Igreja não é uma instituição fechada em si mesma" e falou de um novo "choque entre o Oriente e o Ocidente", devido à guerra na Ucrânia. E citou a célebre frase de Martinho Lutero: “Se o mundo acabasse amanhã também, eu ainda plantaria uma macieira no meu jardim”. Que tarefa para a igreja luterana na Itália? “Não devemos fechar os olhos para os medos que nos perseguem, mas também não devemos deixar que os medos determinem nossas vidas”, disse Bludau. O Decano também destacou a estreita colaboração da Igreja Luterana com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. E o presidente da FCEI, Daniele Garronefalou como convidado no primeiro dia do Sínodo, trazendo as saudações e agradecimentos da federação dos protestantes italianos, e recordando o compromisso social, em particular pelos corredores humanitários e a favor dos migrantes, com os novos projetos do social albergue em Piana di Gioia Tauro e projetos para ajudar pessoas que fogem da Ucrânia. “Liberdade e responsabilidade: não poderia ter escolhido lema mais protestante – disse Garrone. E, citando Lutero, uma ideia que “nos transforma de seres curvados sobre nós mesmos em pessoas que podem ficar de costas eretas e olhar em volta”, onde “ao redor há tanto para os outros fazerem”. “O desafio para todos nós – continuou –, e espero que a FCEI possa servir de espaço para essas reflexões, é fazer um trabalho de memória. A Escritura – onde a história se vive e se vê entre a memória e a esperança – a oração e as nossas estruturas de assembleia são ferramentas para responder aos desafios do presente”. Finalmente, no que se refere à guerra, para Garrone, é necessário, ao falar do “Ocidente”, “lembrar que a história conduziu à liberdade. Uma história cansativa e muito dolorosa, cujas atrocidades não devemos esconder, feita de séculos de guerras religiosas, de intolerância, de antijudaísmo”, mas que felizmente deu origem às actuais democracias. Os trabalhos do Sínodo da Igreja Luterana na Itália continuarão amanhã, sexta-feira 29 e sábado 30 de abril, com a eleição do novo reitor e vice-reitor, para concluir finalmente no domingo, 1º de maio. Para mais informações: AQUI o comunicado de imprensa n.3, relativo aos trabalhos do primeiro dia do Sínodo do CELI. ...

Ler artigo
2022. Os eventos evangélicos e ecumênicos do ano

2022. Os eventos evangélicos e ecumênicos do ano

Foto Pixabay CC Roma (NEV), 1º de janeiro de 2022 - Esta é uma visão geral das nomeações nacionais e internacionais de igrejas protestantes e órgãos ecumênicos para o ano de 2022. Entre outras coisas, o programa inclui o Sínodo Luterano, a V sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das igrejas valdenses e metodistas, conhecida como “Sínodo-Assembléia”. E ainda, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (18-25 de Janeiro), os compromissos da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e do Conselho Ecuménico das Igrejas (CEC), a 15ª Conferência de Lambeth. Abaixo, em ordem cronológica, a Agência NEV Press relata os eventos mais significativos que irá explorar parcialmente durante o ano. AGENDA 2 de janeiro Celebração Ecumênica no zoom. Organizado, entre outros, pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). 18/25 de janeiro Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022. 20 de janeiro Womanitarian: mulheres como recursos comunitários – IV edição da Conferência Nacional de Serviços de Inclusão, com a Comissão Sinodal para a Diaconia (Waldensian Diaconia-CSD). POSTERGADO até 28 de abril 23 de janeiro Adoração das diferentes denominações protestantes no Grossmünster em Zurique, Suíça. 25/27 de fevereiro Assembleia Preliminar Regional da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) em Varsóvia, Polónia. 10/12 de março Conferência “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” da Church Action on Labour and Life (CALL), em Estrasburgo, França. 22/25 de abril 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) 28 de abril / 1º de maio Sínodo Luterano. Poderia Primeiro Comitê Executivo da Comissão de Igrejas Reformadas (CMCR) com o novo Secretário Geral. 5 de junho Domingo de Pentecostes e “Dia do Impacto Global” da Aliança Batista Mundial (ABM). 23/30 de junho Conferência Geral da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, Telford. 27 de julho/8 de agosto Conferência de Lambeth. final de agosto “Assembleia-Sínodo”, V sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas. 31 de agosto / 8 de setembro Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Karlsruhe, Alemanha. 21/24 de setembro Conselho da Federação Batista Europeia (EBF). Para quaisquer alterações, correções e acréscimos, envie uma solicitação via e-mail para [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.