Os migrantes ainda são notícia?

Os migrantes ainda são notícia?

foto de Roman Kraft, unsplash

Roma (NEV), 16 de dezembro de 2022 – 1310 notícias em um ano no horário nobre: ​​-14% em relação aos primeiros meses de 2021 e o nível mínimo de cobertura desde 2014. 563 artigos nas primeiras páginas dos jornais: 17 % em menos e o valor mais baixo dos últimos oito anos. Sobre o que estamos conversando? Do número de notícias sobre migrações. Estes são apenas alguns dos muitos dados contidos no décimo Relatório da Carta de Roma, intitulado “Notícias da frente”, apresentado durante uma reunião pública organizada ontem, 15 de dezembro, em Roma.

O Relatório analisa a qualidade e a quantidade de notícias sobre migração na TV, na imprensa e nas redes sociais, comparando as informações dos últimos dez anos. Analisando as palavras que têm sido usadas, sublinhando quantas vezes os migrantes têm voz e quantas vezes os políticos falam dos migrantes, relatando os títulos e o “sentimento” ligado a estas questões…

Aqui o comunicado de imprensa após a apresentação do relatório.

Aqui a gravação do evento na quinta-feira, 15 de dezembro, em Roma:


Carta di Roma é uma associação fundada em dezembro de 2011 para implementar o protocolo deontológico para a informação correta sobre questões de imigração, assinado pelo Conselho Nacional da Ordem dos Jornalistas (CNOG) e a Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) em junho de 2008 .

A associação trabalha para se tornar um ponto de referência estável para todos aqueles que trabalham diariamente nas questões da Carta, jornalistas e operadores de informação principalmente, mas também organismos e instituições comerciais, associações e ativistas há muito comprometidos com os direitos dos requerentes de asilo, refugiados, minorias e migrantes no mundo da informação. O presidente da Associação é Valério Cataldi; o vice-presidente é Ana Meli.

A FCEI é uma das organizações associadas à Carta de Roma.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Roma (NEV/Riforma.it), 1º de abril de 2019 – “Um sinal profético”: assim disse ontem o Papa Bergoglio em visita a Marrocos definiu o Instituto de Formação Teológica Al Mowafaqa (The Meeting) de Rabat, que representa um unicum no continente africano, pois foi criado graças a uma ação conjunta de católicos e protestantes para promover o diálogo e o ecumenismo, especialmente em relação à religião dominante na região, o Islã. Fundada em 2012, a escola formou cerca de 400 alunos ao longo dos anos na cultura do diálogo inter-religioso, e atualmente acolhe 40 deles, divididos igualmente entre católicos e protestantes, quase todos africanos, mas não faltam jovens de origem europeia . Cerca de oitenta professores se alternaram na cadeira nestes 6 anos, também de origem africana e europeia. O pastor luterano atualmente dirige o instituto Jean KoulagnaCamarões, após 6 anos de liderança do pastor reformado francês Bernard Coyault. O projeto é apoiado, entre outros, pelo Serviço Missionário Protestante Francês (Défap), tanto com financiamento direto quanto com o envio de bolsistas. O crescimento das tensões ligadas à radicalização religiosa evidencia a cada dia a necessidade de manter vivo o diálogo entre as diversas religiões. Mas como um pode dialogar sem saber do outro, em que se baseia sua fé? O Instituto realmente tenta ser um ponto de encontro entre as diferentes religiões. Criado pela Igreja Católica no Marrocos e pela Igreja Evangélica no Marrocos, o instituto oferece formação universitária em teologia em língua francesa, enraizada no contexto marroquino, aberta ao encontro e ao diálogo com outras culturas e religiões, principalmente a islâmica. O apoio para o planejamento da iniciativa veio da Faculdade Teológica Protestante de Estrasburgo e do Instituto Católico de Paris. O último ano letivo contou com 36 professores (8 mulheres) da Europa (15), Marrocos (5), outros países africanos (14), Líbano (2), protestantes (15), católicos (14), muçulmanos (5), judeus (2). As classes refletem essas diferenças; um exemplo acima de tudo, uma turma de 18 alunos de 14 países diferentes: o seu percurso de estudo divide-se entre várias opções: alunos que se candidatam a igrejas em Marrocos, servindo também em paróquias locais (4 católicos e 3 protestantes), alunos independentes e alunos enviados de outros países por sua igreja local. Estudantes católicos, reformados, evangélicos, pentecostais são a confirmação da crescente influência do Instituto e da relevância do modelo de formação teológica "em diálogo", especialmente em países onde o cristianismo é minoria. Marrocos, envolvido nos últimos anos pelo êxodo de populações que se deslocam de países subsaarianos para a Europa ou para os mesmos países com melhores condições económicas, incluindo o próprio Marrocos. Daí as novas contaminações religiosas que também caracterizam a sociedade marroquina. Outras nações do continente vivem tensões nas quais as identidades étnico-religiosas são perigosamente manipuladas. A única receita é o conhecimento do outro e o Instituto trabalha para isso. Existem cerca de dez mil protestantes no Marrocos, trinta mil católicos de uma população total de cerca de 33 milhões. ...

Ler artigo
Serviço de Educação Educacional (SIE).  Curso online sobre Igrejas e intercultura

Serviço de Educação Educacional (SIE). Curso online sobre Igrejas e intercultura

Ilustração criada para L'Amico dei Fanciulli por Alessandro Spanu - arquivo 2020 de www.facebook.com/AmicoFan Roma (NEV), 22 de março de 2023 – “Igrejas e intercultura". Este é o título do novo encontro formativo organizado pelo Serviço Educativo e Educativo (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), em colaboração com a revista "L'Amico dei fanciulli". Destinado a monitores e monitores de catequese, mas também a pais e interessados, o encontro realiza-se via zoom na terça-feira dia 4 de abril das 18 às 20. O encontro será aberto por uma meditação do missionário e pregador Grace Pratt-Morris Chapman. Discursos de: Anne Zellpastor valdense e coordenador do mestrado em Teologia Intercultural. Nicolau Laricchiopastor batista e diretor do Departamento de Igrejas Internacionais da UCEBI. Alessia Passarellisocióloga e pesquisadora envolvida no projeto "Ser igreja juntos". Para participar das reuniões é necessário se inscrever preenchendo o formulário de inscrição online no link: O link de convite para participar da reunião será enviado um dia antes da reunião. Aqui o programa completo do encontro: Igrejas e Intercultura Para mais informações, entre em contato com o escritório da SIE em: [email protected] ...

Ler artigo
“Construindo juntos o futuro luterano”

“Construindo juntos o futuro luterano”

Cordelia Vitiello, Jerusalém 2022. Ao fundo o Monte das Oliveiras Roma (NEV), 28 de junho de 2022 – O Conselho da Federação Luterana Mundial (WLF) concluiu recentemente em Genebra. Nós perguntamos Cordelia Vitiellomembro do Conselho e representante legal do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), para nos contar sobre essa experiência. “Reencontramo-nos pessoalmente depois de dois anos – disse Cordelia Vitiello -. Foi a primeira experiência do novo Secretário Geral, Rev. Anne Burghardt. o arcebispo Panti Filibus Musapresidente da FLM, abriu oficialmente a reunião na assinatura dos versículos de Colossenses 1:9-20”. A agenda é sempre muito densa e, em particular, houve um foco no planejamento da próxima Assembleia Geral a ser realizada em 2023 em Cracóvia sobre o tema da identidade luterana e das mulheres nos ministérios ordenados (“Lutheran Identity and women in ordenado minister”) . Além disso, informou Vitiello, foram discutidos os relatórios das diversas Comissões. "Meu mandato mudou - disse Vitiello -, sendo primeiro na comissão de Serviço Mundial (braço humanitário/operacional da Federação) e agora na de Advocacia e Voz Pública, onde cuidaremos de fortalecer o serviço e o trabalho da igrejas em seu território, à luz das reflexões realizadas nos últimos anos. Entre os temas mais debatidos, a guerra na Ucrânia. A Federação Luterana Mundial conclama o mundo inteiro a orar pelo fim de todos os conflitos. Tivemos também presente no Concílio um jovem luterano russo, que se absteve durante a discussão e cuja presença foi significativa”. Mais desafios luteranos O trabalho também continua em outras frentes, explicou Vitiello: “Faço parte de uma comissão do Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém, onde fui recentemente para a primeira reunião pós-pandemia. Executamos uma variedade de programas internos. Especificamente, sou o referente do grupo para o sistema de qualidade no hospital. É uma comissão trienal, cuja tarefa já me foi confiada no ano passado pelo anterior Secretário-Geral Martin Junge, como também sou presidente da Fundação Evangélica Betânia e do Hospital Evangélico de Nápoles. Na verdade, nessas funções construí uma expertise específica na área”. Quanto à Itália e ao CELI, continuou Vitiello, "será interessante construir o futuro da igreja luterana junto com o novo reitor Carsten Gerdes. Os temas a serem abordados são centrais: a relação do consistório com as comunidades, a comunicação, a captação de recursos, o luterano Otto per mille. Em suma, trata-se de como melhorar nossa organização interna e nossa visibilidade externa. É importante para nós e para o nosso futuro”, concluiu Vitiello. A FLM comemora este ano 75 anos de fundação. O Conselho aprovou quatro declarações públicas sobre fome, pandemias, conflito Israel-Palestina e guerras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.