Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Noemi Di Segni, Paolo Ricca, Luca Maria Negro

Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2020 – Em 17 de fevereiro de 1898, por ocasião do quinquagésimo aniversário da patente da Carta com a qual Carlo Alberto concedeu direitos civis aos seus súditos valdenses – e um mês depois também aos judeus -, o pároco Ernesto Giampiccolilembrou os “corações generosos” daqueles que apoiaram os valdenses em sua batalha pela liberdade: Massimo e Roberto D’Azeglio assim como muitos bispos e padres católicos liberais do Piemonte. Uma solidariedade que levou o pároco a dizer: “Estejamos também nós prontos para apoiar aqueles que são injustamente oprimidos e vilipendiados”.

Com estas últimas palavras, o pensamento de Giampiccoli dirigiu-se às comunidades judaicas. Um mês antes, em 13 de janeiro de 1898, o julgamento havia reaberto na França Dreyfus graças ao famoso “J’accuse” De Émile Zola. Se os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo também tivessem surgido na Itália, os valdenses teriam ficado ao lado dos judeus.

Este episódio foi contado pelo Prof. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia, entre os palestrantes e organizadores de “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. O encontro, promovido no âmbito da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi realizado no domingo, 23 de fevereiro, em Roma, no grande salão da faculdade valdense lotado com cerca de 150 pessoas.

“Evangélicos não têm santos. No entanto, em algumas aldeias e cidades nos vales valdenses do Piemonte, o festival de 17 de fevereiro é equiparado ao patronal. Portanto, se os protestantes italianos têm padroeira, esta é a Santa Liberdade”, começou o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI.

Negro quis sublinhar uma coincidência de datas. Em 1848, os judeus receberam direitos civis em 29 de março. Alguns séculos antes, em 1558, mas sempre em 29 de março, o pastor valdense foi queimado na Piazza Castello em Turim Godfrey Varaglia. Hoje Varaglia é lembrado por uma placa de latão, colocada no lugar de seu martírio. À sua maneira, é como uma das pedras de tropeço que nas ruas de numerosas cidades italianas recordam os nomes e as histórias de muitos judeus deportados para campos de concentração.

O teólogo valdense Paulo rico em vez disso, ele definiu o anti-semitismo como “uma doença endêmica, típica e crônica do cristianismo”. Se é verdade que o anti-semitismo foi teorizado por Wilhelm Marr somente em 1879, porém estes encontraram no bimilênio o terreno para crescer e as categorias com as quais se expressar. “Para se recuperar desta doença, é necessário um remédio radical: a conversão. Não a conversão dos judeus, mas a conversão dos cristãos”.

Ricca também acrescentou que a rejeição dos judeus é também a rejeição do Deus de Israel, “o Deus de Abraão, Isaac e Jacob, aquele Deus que te conhece tão bem que te chama pelo nome”, um Deus que ama e pede para amar, mas só encontra a indisponibilidade de quem quer ser amado sem amar em troca.

No centro, Noemi di Segni

Ele respondeu aos três expoentes evangélicos Noemi Di Segni, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). “O anti-semitismo – disse Di Segni – é uma espinha dorsal ao longo da qual se estratificaram séculos e séculos de história”. A tarefa de hoje é entender por que “depois do fim da Segunda Guerra Mundial, depois de Auschwitz, ela ressurge de forma tão virulenta”.
Di Segni indicou três linhas de ação que poderiam ser seguidas. A primeira é a da aliança das experiências de valor das religiões, da valorização e partilha do diálogo e do sentido de comunidade.

A segunda é a linha de coerência que exige, por exemplo, desafiar o negacionismo em todas as suas formas, denunciar palavras de ódio não como exercício de liberdade de expressão, mas como agressão e escárnio: “São palavras que geram esquecimento”. Da mesma forma, acrescentou Di Segni, a linha de coerência impõe não aceitar a ideia de que os próprios judeus são a causa de seu próprio mal, nem permitir que a linguagem de shoah é usado contra os judeus e contra o Estado de Israel, definindo-o como nazista.

A terceira linha é a ação. Também amplamente identificado pelos outros falantes, o cultural e educacional. No âmbito cristão, isso pode significar que as numerosas declarações contra o anti-semitismo assinadas por representantes de igrejas e instituições religiosas se tornem patrimônio comum de simples crentes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

Ioan Saucasecretário-geral interino do CMI, enviou a carta ao presidente turco em 11 de julho, observando que desde 1934 "Hagia Sophia tem sido um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões". Ele acrescentou que o prédio é uma "expressão poderosa" do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado. Hagia Sophia foi construída pela primeira vez há 1.500 anos como uma catedral cristã ortodoxa e foi convertida em mesquita após a conquista otomana em 1453. Em 1934, no entanto, tornou-se um museu e agora é um Patrimônio Mundial da Unesco. Sauca escreveu: “Sou obrigado a transmitir a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas – e suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo – na etapa que você acabou de dar”. "Ao decidir reconverter a Hagia Sophia em uma mesquita, você inverteu esse sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão." Sauca disse que, infelizmente, a decisão na Turquia foi tomada sem aviso ou discussão com a UNESCO sobre o impacto da decisão sobre o valor universal da Hagia Sophia, reconhecida pela Convenção do Patrimônio Mundial. “Ao longo dos anos, o Conselho Mundial de Igrejas tem feito grandes esforços para apoiar o envolvimento ativo de suas igrejas-membro no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo... entre diferentes comunidades religiosas. Além disso, em tempos difíceis, o CMI junto com suas igrejas membros tem intervindo na defesa e apoio de outras comunidades religiosas, incluindo comunidades muçulmanas, pelo respeito de seus direitos e integridade”, disse Sauca. Transformar um "lugar emblemático" como a Hagia Sophia de museu em mesquita "criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação". O CMI também teme que a decisão "encoraje as ambições de outros grupos em outros lugares que buscam derrubar o status quo existente e promover divisões renovadas entre as comunidades religiosas". Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Presbiterianos americanos visitando a Itália

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2020 - Uma reunião com alguns expoentes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) aconteceu hoje em Roma, na sede da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. Na verdade, hoje em dia o valdense está na Itália Luciano Kovacscoordenador da área Europa e Oriente Médio da Missão Mundial da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA), pároco Elmarie ParkerPCUSA responsável pelo Iraque, Síria, Líbano e Irã e Burkhard Paetzoldpessoa de contato da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos para a Europa Central e Oriental. Durante a manhã, os três representantes do PCUSA se reuniram com o presidente da FCEI, pastor Luca Maria NegroFCEI Coordenador do Programa de Migrantes e Refugiados, Mediterranean Hope, Paulo Nasodiretor da revista e centro de estudos Comparisons Cláudio Paravatio pastor Luca Barattosecretário executivo da FCEI, Fiona Kendall E Júlia Gorioperadoras da Mediterranean Hope. No centro do encontro, uma comparação e troca de boas práticas sobre alguns temas particularmente caros à igreja dos EUA, incluindo paz, comércio justo e sustentável, igrejas minoritárias, migrações, que também serão objeto de outros compromissos internacionais durante 2020. Amanhã a delegação dos Estados Unidos partirá para Palermo e outras cidades da Sicília, onde conhecerá comunidades e experiências eclesiais, incluindo, mais uma vez, o trabalho de Mediterranean Hope, com o Marta Bernardini. ...

Ler artigo
Apelo da Juventude na COP27.  Precisamos de 100 bilhões por ano para o clima

Apelo da Juventude na COP27. Precisamos de 100 bilhões por ano para o clima

Imagem retirada do site climayes.org Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 - A Cúpula Ecumênica da Juventude pelo Clima "Clima SIM", (sigla para Cúpula Ecumênica da Juventude), lançou sua mensagem pelo clima aos chefes de estado e representantes religiosos e empresariais. É um verdadeiro apelo à transição ecológica global. “O nosso futuro depende das escolhas que fizermos – o nosso mundo encontra-se num ponto crucial da sua história”, lê-se no documento, lançado por ocasião da 27ª Conferência das Nações Unidas (COP27) sobre as alterações climáticas, que teve início ontem em Sharm El Sheikh, Egito. A COP27 será encerrada em 18 de novembro de 2022. “Como testemunhado na África Austral, secas prolongadas no Chifre da África, ondas de calor na Europa e na Ásia, tufões na Ásia e furacões nas Américas, todos se tornaram frequentes e extremos. Se afirmamos que não temos evidências de perdas e danos atribuíveis às mudanças climáticas, então as recentes e devastadoras inundações de monções no Paquistão nos forneceram evidências desconcertantes”, escrevem novamente os jovens do Climate YES. Entre os pedidos, o de "Manter a promessa de disponibilizar 100 bilhões de dólares anualmente de 2020-2025 para comunidades vulneráveis ​​​​ao clima para mitigar e se adaptar às mudanças climáticas". O movimento tem ideias muito claras e também pede "Criar um instrumento de financiamento de perdas e danos para apoiar comunidades vulneráveis ​​ao clima". Para "envolver as organizações religiosas na resposta a desastres, pois têm acesso mais profundo às comunidades existentes e aos recursos a serem explorados em caso de desastre". E “desenhar mecanismos de financiamento que não se baseiem em apelos para cada desastre individual, condicionados pela cobertura mediática, para melhor e mais rapidamente apoiar desastres menos visíveis”. Em suma, não é apenas necessário aumentar o financiamento, mas também uma visão global, que garanta a alocação igualitária de recursos conforme estabelecido no Acordo de Paris. E que planeja abandonar a exploração de combustíveis fósseis e os subsídios. Políticas de transporte limpo, infraestrutura e investimento em "bons empregos verdes" são necessários. Por fim, envolver as gerações mais jovens na formação e educação no setor das energias renováveis. O jovem metodista é credenciado da Itália para a COP27 Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM, liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. Também participam da COP27, revezando-se nos próximos 12 dias, quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) com o lema "A criação não está à venda". A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Este último contou com a participação plena da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) e da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.