Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Para as igrejas protestantes as coisas são diferentes.

Como bem explicou o pastor Luca Baratto durante episódio do Culto Evangélico transmitido pela Rádio Uno Rai “A palavra Quaresma não faz parte do vocabulário dos protestantes italianos. As igrejas evangélicas de nosso país – pelo menos aquelas que seguem o ano litúrgico – preferem chamar esse período de ‘Tempo da Paixão’. Corresponde à história dos Evangelhos que, depois do início na Galileia, veem Jesus a caminho de Jerusalém: uma viagem difícil, pontuada por desentendimentos com os discípulos e, sobretudo, pelo anúncio de que Jesus será preso e morto naquela cidade. É tempo de refletir sobre o que significa seguir aquele Jesus que convida todos a carregar a sua cruz”.

O pastor Baratto especifica ainda: “No entanto, também deve ser dito que os protestantes italianos não usam a palavra Quaresma porque a ela está ligada uma espiritualidade que não lhes pertence. Para um evangélico parece estranho que haja uma determinada época do ano para se dedicar à contrição e ao arrependimento; na realidade, toda a vida de um crente é a confirmação de que ele é um pecador perdoado. Da mesma forma, a obrigação religiosa de renúncia ou penitência não pertence à mentalidade protestante. O profeta Isaías escreve que o verdadeiro jejum não é dedicar um dia à abstinência alimentar, mas saber repartir o pão com quem tem fome”. (para ler o discurso completo de Luca Baratto clique aqui: Quaresma da Paixão.

A Reforma não rejeitou a Quaresma, mas deu um passo atrás nas práticas penitenciais. Estes permaneceram muito rígidos na Ortodoxia, mas tornaram-se menos rigorosos no Catolicismo. “No século 16, as críticas dos reformadores se concentravam naquelas coisas que alguém tinha que fazer para ser digno da salvação, como indulgências ou jejuns”, lembra ele. Nicolas Cockand, professor de teologia prática no Instituto Protestante de Teologia, em Paris. Hoje, do ponto de vista protestante, a Quaresma é antes de tudo um tempo de solidariedade com os mais pobres, um tempo de abstinência, por exemplo do álcool, e um tempo de busca de uma busca espiritual contemporânea, de uma vida mais simples. Essa ideia de sobriedade feliz pode muito bem ser rastreada até Calvino.

É a tradição luterana que dá mais espaço à Quaresma nas suas liturgias, sobretudo através da celebração da Quarta-feira de Cinzas.

Para os muçulmanos, o atual mês do Ramadã é aquele em que Deus deu o Alcorão ao Profeta. É o momento da oração, da meditação, mas principalmente do jejum, do nascer ao pôr do sol, juntamente com a proibição do fumo e da prática de sexo.
O Ramadã e a Quaresma estão ligados a duas revelações: o início da vida pública de Jesus e o início da revelação da vontade de Alá ao profeta Maomé. O jejum no Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, as cinco obrigações fundamentais estabelecidas pela lei religiosa para todo crente muçulmano de qualquer gênero, juntamente com a declaração de fé, oração, esmola e peregrinação a lugares sagrados.

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O de Panzieri e seu grupo - entre eles muitos evangélicos - era um socialismo "libertário"; certamente atento ao papel da classe trabalhadora, mas não estritamente operário; “pragmática”, no sentido de vincular teoria e compromisso, método e experimentação. O cadernos vermelhos eles constituíram uma referência importante para uma geração de evangélicos que, em alguns casos, assumiriam papéis importantes na vida da Igreja Valdense. Eles também foram uma escola que posteriormente levou Giovanni a se medir contra os tumultuados fenômenos sociais da década de 1960, começando com a imigração para Turim e as lutas dos trabalhadores e dos estudantes. Fê-lo a partir de dentro, com participação militante e compromisso. Em anos que correram muito rápido, a perspectiva de mudança social e política foi muito concreta e, em um país que se polarizava, até as igrejas evangélicas foram atravessadas por debates e tensões. Foram os anos de estudo da imigração em Turim onde chegaram as "Nápoles", da colaboração com juventude evangélica e outras revistas como Investigação, uma revista que combinava compromisso político e análise social; trocas intelectuais com Vittorio Rieser e Enrico Pugliese, Maria Imaculada Macioti mas também Mario Miegge, Giorgio Bouchard e outros expoentes do protestantismo italiano. Com a atenção cautelosa, mas benevolente dos anciãos, uma nova geração de intelectuais leigos, teólogos e pastores assumiu o tema da mudança social e até mesmo da "revolução" como uma questão teológica. Revista juventude evangélicadirigido por Giorgio Bouchard primeiro e Marco Rostan mais tarde, tornou-se o centro de uma linha teológica e política para a qual Mottura também deu uma importante contribuição. A sua foi, por exemplo, uma formulação destinada a perdurar no tempo e a desencadear uma enxurrada de reações contrárias e escandalizadas: “Nós nos confessamos cristãos, nos declaramos marxistas”. Para alguns, essa fórmula reduzia a fé a uma ideologia política temporária, pregando um fundamentalismo de "esquerda" pouco compartilhado na base das igrejas. Na realidade, essa frase - à qual Giovanni frequentemente voltava em várias entrevistas, mesmo décadas depois - significava outra coisa. Em outras palavras, ele pretendia afirmar e reiterar a alteridade entre o nível teológico da confissão de fé e o nível histórico e político da declaração política; não invocou a síntese, mas, ao contrário, enfatizou uma distinção tipicamente barthiana entre o nível absoluto da revelação cristã e o nível relativo e contingente da opção política e ideológica. Os vestígios dessa época permanecem num volume de Gabriel De Ceccocom prefácio de Giovanni, publicado pela Claudiana em 2011, e uma longa entrevista em vídeo produzido pela Sérgio Veludo intitulado “Aqueles que fizeram isso”. Nos anos seguintes, sua carreira acadêmica, enriquecida por estudos e viagens aos Estados Unidos, trouxe Giovanni de Portici para a escola de sociologia agrícola em Manlio Rossi Doria, onde produziu importantes estudos sobre a agricultura meridional. Na Universidade de Modena e Reggio, onde concluiu a sua carreira académica, Giovanni foi dos primeiros a lidar com os imigrantes e, em particular, com as parcelas do mercado de trabalho que abrangem: funcionais à produção mas rejeitadas a nível social. Não poucas vezes Giovanni colocou suas habilidades à disposição das igrejas evangélicas: isso aconteceu nos anos de intervenção da Federação das igrejas evangélicas na Itália (FCEI) após o terremoto de Irpinia, quando uma frutífera reflexão sobre o Sul e o novo desafios que colocou; mais recentemente em várias conferências da FCEI sobre imigração, a última na Calábria - em Rosarno - em outubro de 2019. Na ocasião, as igrejas evangélicas lançaram um projeto de trabalho original para combater a contratação ilegal, apoiar a economia ecológica e legal, restaurar as condições sociais e habitacionais dignidade aos migrantes engajados na cadeia agrícola. João estava lá. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Religiões diante da pandemia

Religiões diante da pandemia

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 – Que respostas as diferentes religiões deram à pandemia? Como têm reagido os cultos à emergência e à sua gestão, à doença, ao medo, à morte de tantas pessoas? A reunião de apresentação do volume “As religiões e a pandemia na Itália. Doutrina, comunidade e cuidado”, ed. Emanuela Claudia Del Re e Paolo Naso (Editora Rubbettino). Após a saudação do senador Luciano Malan, Mariangela Fala, ex-presidente da União Budista Europeia, vice-presidente da União Budista Italiana e presidente da Fundação Maitreya, sublinhou como a Covid mostrou "nossa fragilidade e, diante disso, a responsabilidade de todos e dos cultos em particular, o que significa compaixão, ajuda". José Contepresidente do Movimento 5 Estrelas, ex-presidente do Conselho de Ministros da República Italiana durante o período da pandemia, depois de relembrar a estratégia implementada por seu governo durante esse período, comentou: “Descobrimos a vulnerabilidade como indivíduos e sociedades”. À frente das comunidades de fé, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, destacou como a pandemia tem sido uma lupa até mesmo para problemas pré-existentes que são substanciais para as comunidades de fé. Yassine Lafram, Presidente Nacional da UCOII (União das Comunidades Islâmicas Italianas), falando das dificuldades, lembrou que "na Itália existem apenas cinco mesquitas arquitetonicamente reconhecíveis e 1217 salas de oração". O tema dos locais de culto, portanto: "é preciso uma lei ad hoc, porque não sabemos como construir uma mesquita na Itália, no momento temos que negociar com os administradores locais". A integração dos muçulmanos, segundo o representante da UCOII, “passa pelo respeito e dignidade dos locais de culto”. O mesmo se aplica à questão dos enterros, mais complexos para as áreas islâmicas em cemitérios. “Para nós, a pandemia ainda não acabou”, concluiu Lafram. Os hindus também vivem uma situação semelhante no que diz respeito aos locais de culto. ele explicou Swamini Shuddhananda Ghiri, Monja hindu que representa a União Hindu Italiana, aludindo ao “sentido de responsabilidade e sentido de união” vivido durante o período da crise sanitária. Além disso, a sociedade tem passado “pelo tema da morte muitas vezes vivenciado como um tabu. Os ritos fúnebres, por outro lado, são de grande importância, esta foi uma ferida para as comunidades hindus - explicou -, a dificuldade de não poder acompanhar os mortos, como também aconteceu a muitas pessoas, a começar pelos médicos e enfermeiras" . Daí a necessidade de “não perder a empatia” com os outros e com o mundo. Paulo Nasoprofessor de ciência política da Universidade Sapienza de Roma, um dos editores do texto apresentado hoje no debate moderado por Ilaria Valenzida revista e centro de estudos Confronti, questionou-se no final da consulta se “será possível que, do pós-pandemia, surja um novo olhar muito pragmático para as comunidades religiosas?”. O Representante Especial da UE para o Sahel Emanuela Claudia Del Reo outro editor do volume sobre religiões e pandemias, espera por fim que cheguemos a “uma sociedade justa, de direitos, um mundo em que haja a capacidade de se reconhecer nas diferenças”. ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Foto Parlamento Europeu 2022 Roma (NEV), 28 de janeiro de 2023 – Aqui estão as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos “A unidade se alimenta na comunhão e na oração” disse o Secretário Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen. Em mensagem em vídeo por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), o secretário lembrou que a ideia desse evento ecumênico remonta a 1908. Se quiséssemos situar seu nascimento nesse contexto, disse Sørensen, “significa que estamos comemorando a 115ª edição da Semana”. Ele também lembrou a grande contribuição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) fundado em 1948 e, 11 anos depois, do próprio CEC. "Marcos que testemunham uma crescente compreensão ecumênica e compromisso compartilhado, atravessando fronteiras geográficas e confessionais". Olhe aqui. CEC no Parlamento Europeu sobre a democracia liberal Foto Parlamento Europeu 2022 Há também o CEC entre os participantes do seminário do Parlamento Europeu para o "Diálogo sobre a democracia liberal". Com efeito, a Conferência das Igrejas da Europa foi representada por Marietta DC van der Tol, que destacou o importante papel das igrejas e da religião. O evento foi apresentado pelo Primeiro Vice-Presidente do Parlamento Europeu, Othmar Karas. Ele é responsável pelo Artigo 17 – Diálogo com organizações religiosas e filosóficas. O seminário realizou-se a 24 de Janeiro em Bruxelas. “Geralmente falamos sobre religião versus secularismo e antiliberalismo versus liberalismo. Devemos reorientar nossa perspectiva, na medida em que as comunidades religiosas serão parceiros sociais importantes para conter a ameaça da direita antiliberal – disse van der Tol -. As religiões têm um papel importante a desempenhar. Ao apontar os limites do antiliberalismo político e ao dizer abertamente em que ponto o antiliberalismo político deixará de representá-los, se é que algum dia o fez. Mas também, ao articular ideias alternativas sobre a relação entre política e religião conservadora, em prol da estabilidade da ordem democrática constitucional”. Para saber mais: Diálogo religioso e não confessional - Parlamento Europeu. Vídeo: Artigo 17 – Seminário sobre Democracia Liberal. “Cada parte da criação importa” Está online o vídeo de apresentação do livro publicado pela KEK em parceria com a Globethics.net "Toda parte da criação conta". O livro é sobre cuidar da criação de Deus e o chamado das igrejas. Falamos sobre isso AQUI. Para rever a apresentação, clique no link abaixo. O CEC na Convenção da Associação Teológica Ortodoxa Internacional Guerra, paz e teologia pública são alguns dos temas destacados pelo CEC na convenção da Associação Teológica Ortodoxa Internacional (IOTA). Participou o Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico, Katerina Pekridou. A conferência foi organizada pela Academia de Estudos Teológicos de Volos, Grécia. Entre os temas abordados, também o documento de ética social de 2020 do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla “Pela vida do mundo”. Sobre o capítulo sobre guerra, paz e violência do Documento, Pekridou destacou que "a Igreja Ortodoxa se beneficiaria com o desenvolvimento de uma teologia pública que discutisse a paz e a guerra no marco do direito internacional e dos direitos humanos, levando em consideração os desafios atuais para paz". Falou-se também da consciência pessoal na era da crise eclesiástica, do diálogo ortodoxo-católico e dos desafios da aceitação ecumênica no Oriente e no Ocidente. A conferência, realizada de 11 a 15 de janeiro, contou com a participação de estudiosos de várias disciplinas representando a América, Europa, Austrália, Ásia, África, Bálcãs e Rússia, incluindo bispos e clérigos de várias jurisdições ortodoxas. A IOTA foi fundada em 2017, um ano após o “Santo e Grande Concílio”, com o objetivo de contribuir teologicamente para a renovação da Igreja Ortodoxa, apoiando a unidade e sinodalidade pan-ortodoxa. Em 2025, a convite do Patriarca Ecumênico Bartolomeu, a IOTA organizará a conferência "A Fé de Nicéia", para comemorar o 1700º aniversário do Primeiro Concílio Ecumênico. Reflexões sobre o tema da Assembleia da CEC: "Somos chamados a levar a bênção de Deus ao mundo" O pastor Christian Sofussen, da União Batista da Dinamarca, reflete sobre como os cristãos são chamados a levar a bênção de Deus ao mundo e como o testemunho cristão combina ideias com ações. A reflexão de Sofussen faz parte de uma série de discursos que se aproximam da próxima Assembleia Geral da CEC intitulada "Sob a bênção de Deus - moldando o futuro". Leia aqui. Comunicado de imprensa: Credenciamentos abertos para a Assembleia Geral CEC 2023 em Tallinn Foto Mladen Trkulja / CEC A CEC realizará sua Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia, sob o título “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A mídia está convidada a se registrar online e participar da coletiva de imprensa em 20 de junho de 2023. Leia aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.