Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

foto de unsplash.com

Roma (NEV), 20 de março de 2020 – Seguindo a iniciativa da Tavola Valdese (as Igrejas Valdenses e Metodista, recordamos, são membros da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, ed), que ontem destinou 8 milhões de euros para a emergência coronavírus e para o “depois”, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) lança hoje uma assinatura para financiar intervenções para combater a pandemia causada pelo coronavírus e impedir sua propagação.

“Nos dirigimos aos membros das igrejas evangélicas – explica o presidente da FCEI, pároco Luca Maria Negro – em um momento difícil e doloroso para todos. Manifestamos a nossa proximidade fraterna a quantos, devido à pandemia, perderam familiares e amigos, e a quantos trabalham no seu combate e contenção, em condições nem sempre seguras e com proteção nem sempre adequada. Fazemos o nosso apelo a um comportamento responsável e ao cumprimento rigoroso das normas emitidas nos dias de hoje. Peçamos ao Senhor que nos ajude a superar esta prova e, nestes dias difíceis, a não nos abandonarmos ao desânimo e ao desespero. Temos fé – prossegue o presidente da FCEI – que Deus que se revelou em Cristo é o Senhor da Vida, nos ama e não nos deixará sozinhos. Sentimos também a necessidade de promover ações concretas de apoio àqueles que estão trabalhando com todos os meios para conter os efeitos do vírus e, dentro dos limites de nossas forças, apoiar aqueles que mais precisam de proteção e assistência.

Para isso a FCEI lança uma subscrição cuja arrecadação será revertida em três direções:

fornecimento de kits desinfetantes a lares de idosos, centros de saúde, centros de imigrantes e outras instituições de utilidade pública;

apoio aos institutos que monitoram a propagação do vírus para preparar planos de contraste adequados;

apoio a ‘casas de saúde’ ou outras unidades básicas de saúde envolvidas em ações para prevenir a propagação da pandemia.

Diante deste ensurdecedor ‘gemido da criação’ – conclui Negro citando o apóstolo Paulo (Romanos 8:22) – queremos ser testemunhas concretas e confiantes, operárias da esperança cristã que ilumina até a noite mais escura”.

Os pagamentos para contribuir com a assinatura podem ser feitos por transferência bancária à ordem da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, especificando o motivo “emergência de coronavírus”:

Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália

Unicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 Roma

IBAN: IT26X0200805203000104203419

BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Internet e comunicação cristã

Internet e comunicação cristã

dav Roma (NEV) 14 de maio de 2019 - A 24ª sessão da European Christian Internet Conference (ECIC), a rede cristã de pessoas que trabalham pela Internet no ministério da igreja, está ocorrendo (14 a 16 de maio) em Aalborg, Dinamarca. Os membros do ECIC incluem representantes das igrejas membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), da Igreja Católica e de organizações cristãs afiliadas. Entre os objetivos do ECIC, está o de manter viva uma rede de intercâmbio entre as igrejas sobre temas de comunicação na Internet. Por isso, as conferências anuais são uma oportunidade de formação e estudo. Para a Itália, está presente Mark Davideditor-chefe do Protestantesimo, o programa de televisão editado pela Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), transmitido pela RaiDUE. No programa, entre outras coisas, as intervenções de Peter Svarre sobre o que “humano” significa, de Ellen Aagaard Petersen da Igreja da Dinamarca sobre comunicação estratégica, por Mathias Grund sobre política preditiva, inteligência artificial e sociedade, por Kadri Kaska E Morten Thomsen Hojsgaard sobre identidade, privacidade e manipulação. A reunião foi aberta com uma meditação de Ralf Peter Reimannpastor da Igreja Evangélica da Renânia e vice-presidente da Associação Mundial de Comunicação Cristã (WACC) para a região da Europa. Para mais informações, clique aqui. #Viés talvez uma condição para #inteligência. (Se você é imparcial, você pode ser Deus ou retardado) diz @petersvarre no #ecic24 #PARA O pic.twitter.com/ejzRLKJucl — RalfPeter Reimann (@ralpe) 14 de maio de 2019 ...

Ler artigo
COP28 à vista.  Entrevista com Irene Abra

COP28 à vista. Entrevista com Irene Abra

Roma (NEV), 14 de agosto de 2023 - Irene Abbra é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além disso, foi embaixadora do clima do Conselho Metodista Europeu e é representante da campanha global Clima SIM, liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Pedimos a ela que conhecesse as novidades e os compromissos em vista da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28). Esta é a 28ª conferência do clima e será realizada de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023 na Expo City, Dubai. Em uma recente reunião do GLAM, você falou sobre seus próximos compromissos para a COP28. Você pode nos dar alguma antecipação? Estamos pensando em um evento que possa ser uma oportunidade de discussão, encontro e confronto sobre os temas que serão tratados durante a COP28. A ideia é reunir online e envolver vários atores-chave da sociedade civil, dando espaço a testemunhos e experiências sobre sustentabilidade e ação climática. Esta Conferência é particular, antes de tudo pela localização. Estando em Dubai, de fato, acho que será interessante ver como os vários lobistas, principalmente os do petróleo, tentarão se fazer ouvir. Espero sinceramente que, como sociedade civil, como igrejas, como ativistas, também nós possamos nos fazer ouvir. Felizmente as igrejas participam da COP28, elas estão lá e podem fazer suas vozes serem ouvidas. GLAM falou em julho sobre o quanto a mídia italiana está "tratando mal" a questão climática. O que você acha? O tema das mudanças climáticas ainda hoje é tratado superficialmente, e até negado, até mesmo por representantes das instituições. Acho que o que vivemos nos últimos meses e nas últimas semanas é uma evidência clara de que existe uma crise climática em curso. Basta dizer que algumas pessoas, tanto do norte quanto do sul, tiveram que colocar suas vidas em espera e começar do zero, tentando retomar a vida depois do que aconteceu devido ao clima. Um pensamento comum a todos os jovens, penso eu, é como é realmente frustrante ter que viver em um país que dificilmente pode garantir um futuro. Se continuarmos neste ritmo, como podemos ter uma ideia, um pensamento positivo sobre o nosso futuro? Nossos políticos negam a evidência de um problema, de uma emergência que ainda vivemos. Isso pode nos roubar nosso futuro, nossas esperanças. A comunicação e a precisão na escolha das palavras são essenciais, sobretudo nesta altura, porque ajudam a sensibilizar as pessoas para estas questões que afetam o futuro de todos. Este ano ela será novamente embaixadora do clima e ativa na campanha Clima SIM: o que ela fará nessa função e como as igrejas da FCEI podem ajudar? Tanto como referente da Itália quanto como referente do GLAM, um dos meus objetivos é aumentar a presença de jovens cristãos para a sustentabilidade, no ativismo climático. É essencial ter representação e ter uma voz unida quando se trata de justiça climática e crise climática. Portanto, um dos objetivos que nos propusemos como movimento Clima SIM é certamente fortalecer a rede de jovens local e globalmente. Acima de tudo, queremos ser ecumênicos. Somos um movimento que une a diversidade e inclui diversas vozes cristãs. Entre as palavras-chave do nosso compromisso: networking; conhecer diferentes redes juvenis e redes cristãs na Itália; criar um grupo mais forte e estável que também pode ser ouvido como uma voz italiana em nível global. Deste ponto de vista, as igrejas podem certamente ser o nosso melhor suporte, numa perspetiva de intergeracionalidade, tema fundamental quando falamos de futuro, reunindo também experiências passadas, em termos de ensino e soluções, numa comparação aberta. Nossas igrejas também podem nos apoiar por meio de projetos, convidando pessoas que possam compartilhar suas experiências, ativistas. Por fim, podem também tentar ajudar-nos a pensar juntos em soluções concretas, em boas práticas que podemos implementar nas diferentes realidades eclesiais existentes. Em breve haverá o Sínodo Valdense. Que mensagem você gostaria de compartilhar neste importante encontro para as igrejas metodista e valdense? Uma mensagem que gostaria de deixar ao Sínodo Valdense é a de nos distanciarmos um pouco mais de nossas realidades locais e continuarmos a ser promotores desses temas. Fizemos muito progresso nos últimos anos e seria muito importante garantir que nossas vozes, como igrejas valdenses e metodistas, possam alcançar tanto a sociedade civil quanto os líderes políticos e, portanto, nosso governo. Outra mensagem muito importante que gostaria de lançar diz respeito ao diálogo entre as gerações e à necessidade da presença dos jovens também nos processos decisórios de nossas igrejas. Veja também: ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  A caminho do futuro

Sínodo Luterano. A caminho do futuro

Roma (NEV/CELI CS10), 30 de abril de 2021 – O primeiro sínodo digital da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi aberto ontem. O Sínodo decorre na 2ª Sessão até amanhã. O XXIII Sínodo Luterano tem como título “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". Entre os temas: a misericórdia como chave para o futuro; o coronavírus acelerando a transformação digital. E ainda jovens, gênero, clima e serviço. O Sínodo foi aberto com os Relatórios do Presidente do Sínodo Wolfgang Prader e o reitor Heiner Bludau às 75 pessoas conectadas, delegados e convidados, incluindo 56 sinodais. À espera do convidado de honra, Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM) que falará às 15h. “A pandemia e as consequentes restrições sociais tiveram um forte impacto não só na vida de cada indivíduo, mas também na vida da Igreja. E, portanto, também sobre a preparação e condução do Sínodo 2021”, lê-se no comunicado de imprensa do CELI. O clima é “de otimismo, combinado com uma grande vontade de seguir em frente e começar de novo”, afirmam os luteranos. Como também surgiram dos relatórios do presidente sinodal, Wolfgang Prader e do reitor, Heiner Bludau. Abertura do Sínodo Luterano Os trabalhos começaram com o culto do Sínodo, quinta-feira, 29 de abril, às 18h00, e depois com o relatório do presidente sinodal, Wolfgang Prader, no cargo desde outubro passado. O relatório começou com um agradecimento especial ao reitor que passou os últimos meses construindo o primeiro sínodo digital da história luterana na Itália. “O distanciamento social causado pela pandemia – disse Prader – acelerou a transformação digital”. O relatório sobre as atividades da presidência sinodal, escrevem os luteranos, é fortemente influenciado pelo Covid-19. As atividades dos grupos e comissões nunca pararam. “O resultado deste intenso trabalho preparatório – continuou o presidente Prader – ocupará o sínodo nos próximos dias e esperamos resultados frutíferos. Que nestes tempos difíceis, esta seja a esperança, que os nossos corações não fiquem nublados ou mesmo fechados pela inveja, ressentimento ou tristeza, mas abertos às nossas ações”. Discurso de Dean Bludau o reitor Heiner Bludau, no relatório de hoje da 2ª sessão, convidou os membros do sínodo a prestar uma atenção particular aos efeitos que o recurso à modalidade online tem sobre eles. “Ao olharmos para o futuro e discutirmos a digitalização da igreja, é importante estar ciente de todos os aspectos, positivos e negativos, do digital.” Bludau, cujo último ano como reitor começa com o Sínodo 2021, dedicou especial atenção à explicação do conceito de misericórdia, que junto com “futuro” é a palavra-chave do Sínodo 2021. “Viver da misericórdia de Deus não significa dar esmola, mas voltar-se para o outro agarrando-o na sua plenitude”. Sobre a mudança tantas vezes invocada, especialmente nestes tempos de pandemia, convidou os membros do sínodo a refletir a fundo sobre qual caminho de renovação deve comprometer a Igreja. O sínodo será então convocado para aprovar um documento programático sobre justiça de gênero. Ainda a propósito deste tema, Dean Bludau referiu-se ao princípio da misericórdia. Também aqui será tarefa da Igreja trabalhar nesta direção para uma sociedade mais equitativa e mais aberta. As iniciativas a serem tomadas para os jovens, outro tema que aponta para o amanhã, não devem visar o recrutamento de novos membros para a igreja, uma ideia totalmente enganosa na sociedade atual, caracterizada pela mobilidade, mas devem ser concebidas como um acompanhamento de sua jornada à idade adulta. Olhando para o futuro, o reitor Heiner Bludau quis então afirmar fortemente a identidade do CELI como igreja luterana na Itália. Concluindo, o reitor disse: “Eu pessoalmente olho para o futuro com confiança, confiando naquele que é o verdadeiro mestre de nossa igreja, o Deus trino. O versículo de hoje, Isaías 9:6, de fato diz 'Grande será o seu poder e a paz não terá fim'”. Saudações da Spreafico Pela manhã, o presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI), mons. Ambrogio Spreafico e o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburgo, na Eslovênia. Spreafico abriu seus cumprimentos com uma mensagem de carinho e amizade à presidência e ao Reitor Bludau. Falando em sofrimento, ele nos convidou a nos reunir para responder às perguntas dos homens e mulheres que carregam o peso da crise. Citando o Estatuto do CELI, Spreafico disse ter ficado favoravelmente impressionado com a ideia da centralidade da comunidade como “irmãos e irmãs do mesmo mestre”. Em seguida, sublinhou “a sinodalidade como manifestação de estarmos juntos em um caminho que nos une ao Senhor e uns aos outros”. Finalmente, mencionou os 20 anos da Carta Ecumênica. E os compromissos que dela derivam ainda hoje. Por caminhos comuns que nunca pararam. Com as comemorações dos 500 anos da Reforma. Com orações ecumênicas e outros encontros, que representam “sinais que dão esperança para um caminho comum com os cristãos de outras igrejas”. São passagens que tornam “a pergunta de Deus cada vez mais forte, mesmo que às vezes escondida. É nossa tarefa apreendê-lo, rumo ao Evangelho do Senhor. Os pobres nos ajudarão a entender com suas perguntas e gritos de socorro dos migrantes, refugiados, idosos em lares de idosos que estão sozinhos há muito tempo. Devemos ser sinal de amor e unidade, num tempo em que nacionalismos, muros e divisões parecem ser as únicas respostas ao medo e ao sofrimento. O Evangelho - conclui Spreafico - nos empurra para fora das cercas. Caminhar rumo à unidade e desfrutar da alegria daquilo que já nos une, com humildade e com a convicção da riqueza das diferenças, que podemos oferecer de presente ao mundo, especialmente hoje”. Saudações de Novak O bispo Novak trouxe as saudações dos irmãos da igreja da confissão augusta na Eslovênia que vivem em uma situação extrema de diáspora. “Graças ao Senhor pelos tantos projetos na diaconia. Nos cultos, no Aniversário da Reforma e além.” disse Novak, enfatizando a importância das visitas, amizades e colaboração. “Podemos trabalhar juntos. Aquele que busca o caminho será capaz de percorrê-lo.” concluiu, desejando a bênção de Deus sobre os trabalhos do sínodo. para mais informações clique aqui: e aqui ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.