Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio – coluna “O caminho para a unidade”, exibida no programa “Culto evangélico”, na Rádio RAI 1, nesta manhã, domingo, 10 de abril de 2022 –

Em março, em nossa nota mensal sobre o caminho para a unidade dos cristãos, destacamos como a guerra na Ucrânia representa um retrocesso dramático para o movimento ecumênico, já que as várias igrejas às vezes têm avaliações diametralmente opostas. Ele se expressou em termos semelhantes no jornal A República de 21 de março, o fundador da comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi: “Com esta guerra, o ecumenismo entre as Igrejas, que já atravessa um inverno, fica ainda mais ferido e desmentido»”. “O que já não pensávamos ser possível para os cristãos – escreve Bianchi – aconteceu: uma guerra foi sagrada e a religião foi invocada como justificativa para o conflito. Em frentes opostas, as Igrejas sucumbiram à tentação do nacionalismo e quando religião e nacionalismo se cruzam, a mistura é explosiva”.

Hoje continuamos no mesmo tema, citando algumas das recentes posições assumidas pelas igrejas sobre o conflito. A primeira é positiva: é a declaração conjunta do Conselho das Conferências Episcopais (Católicas) da Europa (CCEE) e da Conferência das Igrejas Europeias (KEC), que inclui protestantes, anglicanos e ortodoxos (mas não os russos ortodoxos, que suspenderam sua participação por anos). “A religião – lê-se no texto – não pode ser usada como meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”.

O segundo texto é mais problemático: é a Declaração da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE). Embora com aspectos muito equilibrados, este documento inclina-se para a questão do fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando: “Reconhecemos as decisões que os Estados tomaram para oferecer apoio à Ucrânia através do fornecimento de equipamento defensivo”; o que quase soa como uma inoportuna “bênção protestante” do trabalho dos governos ocidentais. Nestes dias, um grupo de evangélicos italianos está lançando um apelo pedindo ao CPCE que reconsidere esta posição.

Por fim, acaba de ser divulgado um dossiê muito útil, porque compara as diferentes posições que existem, dentro das igrejas, justamente sobre a questão de saber se é ou não apropriado fornecer armas à Ucrânia. Publicado por Com Nuovi Tempi e editado pelo prof. Fulvio Ferrario da Faculdade Valdense, o dossiê “Guerra, paz, justiça”, como explica o curador, “visa ajudar aqueles que buscam o mandamento de Deus rezando e pensando; quer estimular quem não se contenta com citações bíblicas usadas como chave de fenda para atingir quem pensa diferente, mas sabe que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer acompanhar quem se sente ensurdecido pela sloganmas sente sua vontade chantagista e pretende resistir a ela”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Síria.  Oração pela paz

Síria. Oração pela paz

Roma (NEV), 16 de outubro de 2019 - "Bem-aventurados os que trabalham pela paz, porque serão chamados filhos de Deus!" (Mt 5.9). Com este versículo as igrejas evangélicas de Roma convocam uma vigília de oração pela situação síria: “os ventos da nova guerra na Síria, as muitas guerras escondidas e esquecidas estão questionando as irmãs e irmãos das igrejas evangélicas de Roma”. A angústia pelo que está acontecendo e o ressurgimento da violência levaram as igrejas a convocar um momento de oração comum pela paz: “Vivemos um momento de grande preocupação. As ações militares não atingem apenas os mais fracos, não apenas destroem cidades e povos, mas alimentam a semente da violência e da força em toda a humanidade, criando desequilíbrios que se propagam no futuro com novas formas de pobreza, migrações… Deus da paz para nos dar a paz". O compromisso é para a próxima sexta-feira, 18 de outubro, a partir das 19h30, na igreja valdense da Piazza Cavour. "Vigiai porque ouviremos juntos a Palavra como crentes no mesmo Senhor da paz, oração para que a paz nos seja dada". ...

Ler artigo
“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=uq6yvOksX28[/embed] Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho: Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso. A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo. Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que "mergulhei" na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural. Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora. ...

Ler artigo
Religiões pela Paz.  A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Religiões pela Paz. A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – Religiões pela Paz (RfP) convocará sua décima assembleia mundial em Lindau (Alemanha), de 20 a 23 de agosto de 2019. Título do evento, “Cuidando de nosso futuro comum” e verá o participação de cerca de 700 representantes religiosos - mulheres, homens e jovens, incluindo as mais altas autoridades institucionais e religiosas, até ativistas de base. “Os desafios atuais de conflito violento e extremismo, violações dos direitos humanos, pobreza e ameaças à terra ocorrem em meio a uma crescente crise de confiança nas instituições políticas e econômicas. Até a noção de 'verdade' é contestada e a comunicação é muitas vezes manipulada para fins comerciais ou políticos", lê-se no comunicado de imprensa da RfP, que sublinha o papel fundamental da ação multirreligiosa na resolução de conflitos violentos, para uma cidadania inclusiva e a proteção da terra. A RfP é uma organização multirreligiosa com sede em Nova York que opera em 90 países ao redor do mundo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.