Dia Mundial dos Oceanos.  “Águas do mar, fonte de vida”

Dia Mundial dos Oceanos. “Águas do mar, fonte de vida”

Um enquadramento do vídeo de apresentação da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano (27 de junho/1 de julho de 2022, Lisboa – Portugal)

Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – O Dia Mundial dos Oceanos ocorreu ontem. O slogan deste ano foi: “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. No mesmo dia, há dois anos, em meio à pandemia, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) apresentou seu Dossiê para o Tempo da Criação. Dedicado precisamente aos oceanos, cuja biodiversidade é tão preciosa como a da terra, o Dossiê é muito atual e tem como título “Águas marinhas, fonte de vida”. É inspirado no versículo “O oceano a cobriu com seu manto” (Salmo 104,6a).

Nesta ocasião, a GLAM relança as questões da proteção dos oceanos através da partilha de algumas informações, que a seguir reportamos na íntegra.


Um ano enquadrado pela Década da Ciência Oceânica das Nações Unidas e celebração da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano, dois anos depois de ter sido cancelada devido à pandemia.

O Dia Mundial dos Oceanos lembra a todos o importante papel que os oceanos desempenham na vida cotidiana.

O oceano cobre mais de 70% do planeta, representa 95% da biosfera, produz pelo menos 50% do oxigênio do planeta, abriga a maior parte da biodiversidade terrestre.

Em relação à humanidade, o oceano é a principal fonte de proteína para mais de um bilhão de pessoas e para cerca de 3 bilhões, é a principal fonte de subsistência. Além de empregar cerca de 40 milhões de pessoas.

Nas mãos humanas, o oceano está sofrendo com a poluição (a cada ano, estima-se que 5 a 12 milhões de toneladas de plástico fluam para ele), pesca, mineração, guerras com 90% das grandes populações de peixes esgotadas e 50% dos corais recifes destruídos – estamos tirando mais do oceano do que pode ser reposto.

Estes são os propósitos do Dia Mundial dos Oceanos:
  • informar o público sobre o impacto das ações humanas no oceano;
  • desenvolver um movimento mundial de cidadãos pelo oceano;
  • mobilizar e unir a população mundial em um projeto de gestão sustentável dos oceanos do mundo.

Este ano, as Nações Unidas estão sediando a primeira celebração híbrida do evento. A Ocean Conference decorrerá de 27 de junho a 1 de julho em Lisboa, Portugal. O tema principal será: ‘Aumentar a ação oceânica baseada na ciência e a inovação para a implementação do Objetivo 14: inventário, parcerias e soluções’.

Em abril, o 4º Fórum dos Oceanos abordou os desafios e oportunidades para a economia dos oceanos abordando:
  • Setores emergentes da economia oceânica sustentável, como a produção de algas marinhas.
  • Mecanismos de apoio à transparência e subsídios à pesca.
  • Reforma dos mercados da economia oceânica e medidas não tarifárias.
  • Sustentabilidade social das cadeias produtivas da pesca e da aquicultura.
  • Cadeias de abastecimento marítimas sustentáveis ​​e resilientes.
  • Aspectos comerciais relacionados com o lixo marinho e a poluição plástica.

Abaixo, o vídeo de apresentação do Dossiê GLAM2020 sobre os Oceanos

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Luca Maria Negro Roma (NEV), 3 de outubro de 2020 – Entrevista com o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro. Assinado por James Galeazzia entrevista vai do sentido da fé à questão da espiritualidade que surgiu durante o confinamento, mas também fala sobre o futuro, as propostas e a necessidade de trabalharmos juntos pelo bem comum. Luca Maria Negro fala da necessidade de “voltar-se para a Palavra de Deus para ser desafiado a mudar”. Precisamos, portanto, “não de uma fé consoladora. Mas uma fé que é questionada. Que se pergunta porquê, que visa transformar a realidade. Um pouco na linha do ensaio de Paul Jordan 'Em contágio'. Um livro que, apesar de ter um tom substancialmente 'secular', termina com uma citação bíblica: 'Ensina-nos a contar os nossos dias e adquiriremos um coração sábio' (Salmo 90)”. Ensina-nos a contá-los para quê? O pároco responde: “Para aproveitar melhor o nosso tempo. Pensar o que a normalidade nos impede de pensar: como chegamos aqui, como gostaríamos de continuar. O verdadeiro medo de Giordano, como lemos na capa, é que o medo passe em vão, sem deixar uma mudança". Na entrevista, Negro também cita dois documentos importantes, exemplos de colaboração ecumênica na época da covid. A 'Mensagem Ecumênica de Páscoa', intitulada 'Não tenha medo', assinada em 8 de abril de 2020 pelo bispo responsável pelo ecumenismo, Monsenhor Ambrogio Spreaficodo Arcebispo Ortodoxo Grego Ghennadios e pelo próprio Negro em nome da FCEI. E o documento ecumênico redigido por um grupo de crentes católicos e protestantes de Milão intitulado 'Estar enraizado no novo. Um documento ecumênico para o período pós-Covid. Em conclusão, diz Luca Maria Negro, a pandemia mostrou-nos "os aspectos claramente patológicos do nosso estilo de vida pessoal e colectivo", numa crise que corre o risco de ser irreversível e apela a um compromisso imediato e comum das Igrejas, dos cidadãos e das instituições , segundo o presidente da FCEI, nestas áreas: velha e nova pobreza; refugiados, migrantes e cidadania; assistência médica; crise ambiental; cuidado e salvaguarda da criação; Europa. É necessário “agir e colocar os nossos dons a serviço do bem comum. Fazendo a nossa parte. Evitando sufocar prematuramente o desejo de renascer devido ao chamado insidioso de voltar à doentia 'normalidade' de antes”… Leia a entrevista completa de Giacomo Galeazzi em Interris.it ...

Ler artigo
Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Roma (NEV), 5 de setembro de 2018 - "Libertados - conectados - comprometidos". Estas são as três palavras-chave que acompanharão os trabalhos da VIII Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), programada para Basileia (Suíça) de 13 a 18 de setembro próximo. O encontro trará à cidade suíça representantes de 94 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas do continente que discutirão as prioridades futuras do corpo intraprotestante. Entre os temas da agenda: pluralismo religioso na Europa, migração e comunhão eclesial, relações ecumênicas, teologia da diáspora, aprendizagem ao longo da vida. Os documentos que instruem as várias sessões estão disponíveis no site da Assembleia. O logotipo da Assembleia do CCPE A escolha da cidade de Basileia não é acidental: com esta Assembleia o CCPE regressa, por assim dizer, a casa. O CCPE nasceu, de fato, em torno da Concórdia assinada em 1973 em Leuenberg, cidade próxima à Basileia, documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam luteranos e protestantes reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor. Através do Acordo de Leuenberg, o CCPE é um exemplo de sucesso do ecumenismo da “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. Gottfried Locher Ao longo dos séculos, como recorda o pároco Gottfried Locherpresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça (FCES) e membro da Presidência do CCPE, Basileia foi também um "importante centro cosmopolita da Reforma Protestante e do humanismo europeu", sede de um Concílio (1431-1481), e mais recentemente, e significativamente para o diálogo entre as igrejas de nossos dias, acolheu a Primeira Assembleia Ecumênica Européia em 1989. A dimensão ecumênica da Assembleia será marcada também pela presença de Andrew Riccardifundador da Comunidade de Sant'Egidio, convidado a proferir uma das principais palestras da sessão. Da Itália, o pároco estará presente na Assembleia Pawel Gajewskimembro suplente do Conselho do CCPE, e sabina baral para a Igreja Evangélica Valdense, a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), e o pároco Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). ...

Ler artigo
Comitê Central do CMI, uma página de “ecumenismo vivido”

Comitê Central do CMI, uma página de “ecumenismo vivido”

Foto: Albin Hillert/WCC Roma (NEV), 1º de julho de 2022 – O pastor Michael Charbonnier foi o único italiano a participar da reunião do comitê central, órgão dirigente do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC, WCC em inglês), realizada de 15 a 18 de junho em Genebra, a primeira com presença após quatro anos. Único representante italiano entre 150 eleitos na assembléia anterior, entre 352 igrejas representadas pelo corpo ecumênico. É, como Charbonnier escreveu em um post no Facebook, "provavelmente o corpo mais representativo do cristianismo global (352 igrejas-membro para mais de 550 milhões de cristãos) que em quatro dias conseguiu fazer um trabalho enorme: elegemos após um longo processo para o oitavo secretário-geral da história do CMI, mas também – e pessoalmente ouso dizer acima de tudo – muito diálogo para chegar a muitas declarações importantes. Importantes porque são fortes, inequívocas, concretas, mas ao mesmo tempo importantes porque são a expressão comum de igrejas tão diferentes umas das outras: imagine 352 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas, carismáticas, unidas, literalmente dos quatro cantos do globo, que conseguem dizer palavras fortes em conjunto sobre questões como a guerra na Ucrânia, a emergência climática, a situação humanitária na Etiópia, sobre a exploração, abuso e assédio sexual, sobre as "ameaças a uma paz justa em Israel e na Palestina ". Então, quais foram os destaques da cúpula? Em primeiro lugar, uma posição sobre o conflito na Ucrânia que define a "Guerra incompatível com Deus", também aprovada pelos representantes oficiais do Patriarcado de Moscou. “Como igrejas somos chamados a construir a paz e para nós isso passa pela escuta, pelo diálogo, pela construção conjunta de posições e declarações que reflitam todos nós, apesar de nossas diferenças – explica Charbonnier -. Esta é precisamente a força do Concílio Ecumênico. A mais-valia deste órgão é precisamente poder dizer as coisas em conjunto, com o método do consenso. À força do diálogo e da escuta foi possível construir uma versão que convenceu a todos”. Aqui o texto completo da declaração conjunta sobre a guerra na Ucrânia. Durante as jornadas de trabalho, muitos assuntos e disputas foram discutidos, desde a urgência da questão climática até as relações entre Palestina e Israel, com um texto em que as igrejas pedem "o fim da ocupação e igualdade de direitos humanos para todos na área ". "A força e a fraqueza do Concílio Ecumênico - continua o pároco - é que não é uma "superigreja" que decide e impõe automaticamente diretrizes a seguir ou ações a serem tomadas: chegamos a escolhas comuns porque as igrejas membros decidem que são obrigatórias , eticamente. Ou seja, abdicam de um pedaço de soberania em nome do compromisso de colocar em prática elementos comuns, cada igreja em seu contexto específico”. Todos os temas discutidos em Genebra alimentarão os trabalhos da XXI Assembleia do Conselho, que será realizada na Alemanha, em Karlsruhe, marcada para o próximo dia 31 de agosto. Então, que momento vive o Concílio Ecumênico: como responder aos que temem sua “crise”? “Depende de quais são os propósitos do movimento ecumênico – responde Charbonnier -: se serve para produzir um diálogo teológico entre Igrejas que estavam mais distantes e lentamente encontram pontos em comum, esse não é o lugar. Aqueles que criticam o conselho mundial de igrejas costumam argumentar que o ecumenismo agora se baseia sobretudo em diálogos bilaterais. Um ecumenismo entendido como diálogo teológico. Mas, durante décadas, o ecumenismo também significou um caminho feito em conjunto, aludindo a relações que se constroem, batalhas compartilhadas nas quais nos empenhamos juntas, entre diferentes igrejas, desde o acesso à água até a década contra a violência de gênero. Lugares de ecumenismo vivido e neste sentido o Concílio Ecumênico é um espaço onde se realizam muitas iniciativas”. A comissão também tratou da eleição do novo secretário geral, Jerry Pillay. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.