é preciso manter a antevisão do olhar

é preciso manter a antevisão do olhar

Foto Elvis Bekmanis – Unsplash

Roma (NEV), 16 de maio de 2022 – Existem remédios para o mal, o terror, as emergências, a dor? Nós perguntamos Frederico Vercellone, Professor de Estética na Universidade de Torino e Presidente do Centro Cultural Protestante. Vercellone moderou a reunião final da conferência “Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia”, realizada recentemente na capital piemontesa.

“Como reconhecer e vencer o mal? Existe a capacidade intelectual e ética de olhar além da emergência contínua. É preciso manter a antevisão do olhar”, diz Federico Vercellone. É um processo que afeta tanto a política quanto a cultura, segundo o professor.

“Não devemos nos deixar cegar todas as vezes pela crise atual, por mais grave que seja, mas sim ver a concatenação de causas e efeitos. As consequências. O contexto”, continua Vercellone. Talvez precisemos de “uma política capaz de observar quanto e como mudam os hábitos das pessoas. Como as necessidades mudam. Precisamos de verde, de tempo, ainda que estejamos numa época em que o tempo livre aumenta num espaço cada vez menos rico. Devemos nos insinuar nesses espaços e direcionar as perguntas das pessoas que caminham, ou deveriam caminhar, rumo à felicidade e ao desejo. Com o objetivo de realmente entender o que eles querem, por que e como. Mantendo a complexidade diante dos olhos”.

O discurso não se aplica apenas à política. Também deveria se aplicar às religiões: “Estamos surpresos que as igrejas estejam vazias. No entanto, como disse o teólogo Paulo rico, os cristãos estão muito abaixo de seus deveres. Se você se torna o corpo de Cristo, deve compartilhar a violência. Nisso, da nossa parte, há uma certa fragilidade a ter em conta”.

citações de Vercellone Charlotte Klonk e o livro deleTerror. Wenn Bilder zu Waffen werden” (Ed. Fischer, 2017), sobre imagens de terror que assumem o poder das armas. A representação do terror nos impressiona. No entanto, diz Vercellone, “o mais chocante não são as imagens fotográficas ou de vídeo, mas os esboços feitos em 1800 por testemunhas oculares emocionalmente condicionadas”. O risco, diante da exasperação do mal, é o do vício. Vercellone, portanto, retoma não apenas o conceito de uma “política do desejo”, mas também o de uma “ecologia da imagem”. Novamente, pensando na obra de Klonk, precisamos de uma “revisão dos aspectos edificantes ou tóxicos” de nossa convivência com as imagens”. Temos que decidir com o que queremos viver e o que rejeitar.

O professor ainda fala sobre a conferência e menciona outro livro, o de Lucas Savarino E Paolo Vineis “A saúde do mundo: meio ambiente, sociedade, pandemias” (Feltrinelli, 2021). Vinais e Savarino abordaram o tema da epidemia “como um elemento um tanto crônico de nosso tempo, também fortemente ligado à crise ambiental. Intervir na questão ambiental – diz Vercellone – é uma prioridade. Diante das crises gravíssimas da covid e das guerras, estamos tão sobrecarregados com as contingências que não conseguimos enxergar além da perspectiva de curto alcance das emergências. Mas o mundo não para. Se não percebemos a crise ambiental em curso, somos míopes. Devemos nos concentrar na complexidade dos problemas e não nos deixar cegar pela urgência. Devemos aprender a intervir nos fatores fundamentais. Do contrário, e não digo isso por cinismo, mas eticamente, viveremos uma crise perene, sem perspectivas”.


As outras intervenções

Vercellone volta a resumir alguns conceitos que surgiram durante a conferência: “Existe a possibilidade de reconhecer o mal como covardia ou como a incapacidade dos indivíduos de assumir responsabilidades e riscos, como ilustrado Pepino Ortoleva. Falando do Antropoceno, Christoph Wulf ele relatou como o mundo da arte é sensível a essa questão. Teólogos e filósofos falam pouco com artistas. E os artistas quase têm medo de usar palavras com este mundo. Em vez disso, seria importante criar vínculos, evidências dessa transformação que está ocorrendo na comunidade, em torno de valores a serem redefinidos”.

Houve também as intervenções do pastor valdense Sérgio Manácapelão hospitalar e formador de cuidados clínicos e pastorais Enzo Bianchi sobre o enigma do mal na história do cristianismo. Dos teólogos Fulvio Ferrario e Eric Noffke. Ainda, Ariel Di Porto sobre as declinações do mal na tradição judaica. Swamini Hamsananda Giri sobre Dharma, adharma e a finitude do mal. John Balcet sobre o mercado, o poder e o mal na economia. Clare Simonigh sobre a lógica do mal na cultura visual e na mídia. O debate final, moderado pelo próprio Vercellone, contou com a participação de Simon Strong sobre “Qual é o sentido de falar sobre o mal hoje?”. Cláudio Ciancio sobre Remoção e reconhecimento do mal”. Daniele Garrone sobre “Como falar do mal sem simplificações e sem argumentar”. Carlo Galli: sobre “Que mal para que política?”. Falou-se da manipulação da dor, do mal como ausência de regras, dos aspectos jurídicos, políticos e econômicos das desigualdades e injustiças, da espiritualidade e da ética. Mauro Belcastro, Maria Bonafede, Paolo Ribet e o próprio Vercellone moderaram

A conferência “Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia” aconteceu de 5 a 7 de maio em Turim. Esta conferência nasceu de uma intuição do pastor Paulo RibetPresidente do Comitê Científico do Centro Cultural Protestante de Turim.


Para saber mais

Na página do FaceBook do Centro Cultural Protestante de Turim: as gravações da conferência, os comentários em vídeo dos protagonistas dos três dias e muito mais. Clique aqui.

Abaixo, o comentário de Federico Vercellone. Abaixo do vídeo, o artigo de Emmanuela Banfo no Riforma.it


Leia o artigo de Emmanuela Banfo em Riforma.it: A doença é combatida, os doentes são curados

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Fé é resistência à opressão.  Seminário do Instituto Global de Teologia

Fé é resistência à opressão. Seminário do Instituto Global de Teologia

Roma (NEV), 4 de janeiro de 2020 – Vivendo juntos e aprendendo como uma comunidade global. Com esse intuito, o Global Institute of Theology (GIT), programa da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), reunirá jovens de todo o mundo no Union Theological Seminary em Dasmariñas, Filipinas, de 15 a junho 29 de 2020. É uma oportunidade única, ecumênica e teológica, mas também de encontro e intercâmbio. Há tempo até 15 de janeiro para requerer a inscrição nesta nomeação, que se intitula “Agitar a Palavra”, isto é, perturbar, bagunçar a Palavra. “Vários conflitos do século 21 têm uma dimensão religiosa. Em muitas partes do mundo estamos testemunhando o nascimento do autoritarismo. O 'sagrado' foi politizado e explorado para justificar a exclusão e a violência. Nenhuma das principais religiões do mundo parece estar imune a essa tendência. A religião politizada revigora as estruturas de poder tradicionais e legitima a opressão das mulheres e das minorias vulneráveis. A religião é utilizada para constituir fronteiras intransponíveis para quem é percebido como o outro, seja ela racial, étnica, cultural ou moral”, explicam os organizadores do seminário mundial. A intenção é explorar o potencial da tradição cristã como elemento capaz de “perturbar essas estruturas de poder”. De fato, em muitos desses conflitos as pessoas encontram inspiração no testemunho bíblico. Num mundo cheio de injustiças e inimizades, muitos são inspirados por Deus, e especialmente pelo Deus dos últimos, dos pobres e oprimidos (Confissão de Belhar). A história da Igreja está repleta de exemplos onde a fé no Deus da justiça garantiu a resistência às estruturas de opressão dos excluídos e explorados. A teologia, explicam os organizadores, pode fornecer a linguagem para recolocar o poder nas margens: conforta e tranquiliza os marginalizados, fornece as ferramentas para a crítica radical e dá visão de uma vida plena (João 10:10) que supera a exclusão, exploração e violência. O GIT 2017. Foto CMCR O GIT tem entre seus objetivos específicos o de construir uma comunidade global de aprendizado e fé com abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas, em uma dimensão inter-religiosa, intercultural e inter-religiosa ao mesmo tempo. Sua perspectiva é cristã reformada, envolvendo estudantes e professores de teologia, obreiros da igreja, instituições teológicas e comunidades. Estudantes e pastores ou teólogos em início de ministério de todos os continentes, pessoas que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR ou recém-formados em teologia que pretendem continuar podem se inscrever para o seminário global. em seus primeiros anos de ministério recomendado pelas igrejas-membro. Entre os temas abordados pelo GIT estão: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, inclusão e aceitação nas igrejas e unidade cristã. As inscrições completas para o GIT devem ser enviadas até 15 de janeiro de 2020. As admissões serão comunicadas pela comissão examinadora em meados de fevereiro de 2020. Todos os detalhes logísticos (inscrições, documentos necessários, passagens, vistos) serão acordados e comunicados após a admissão. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo
Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Ilustração retirada do número 9 da "Hospitalidade Eucarística" Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – Um novo questionário para explorar as teorias e práticas de recepção mútua da Eucaristia Católica e da Santa Ceia Protestante. Pode ser preenchido no seguinte link: Lançado em 2017 na forma de papel, o questionário agora está online, para ampliar a pesquisa e a reflexão. A iniciativa é lançada juntamente com a publicação da edição de setembro do boletim “Acolhimento Eucarístico”. Os editores escrevem: “Estamos agora no início do 4º ano do nosso boletim, e no editorial você encontrará algumas notícias importantes relacionadas à nossa reorganização. Esperamos que isso ajude a melhorar nosso conteúdo e sua participação." Em suporte de Margarida Ricciuti E Pedro Urciuoliagora também estão colaborando com o projeto Alexandre Foriero (valdense), Mateus Ricciardi (pastor da Igreja do Nazareno) e Marco Sillini (Católico). No número de setembro, outras novidades: um projeto de formação, pesquisas sobre o tema da hospitalidade eucarística e a contribuição de Paulo rico“Apartheid Eucarístico”. . Para informações escreva para: [email protected] O boletim "Hospitalidade Eucarística" é editado por alguns membros do grupo ecumênico "Spezzare il pane", que inclui alguns crentes protestantes e católicos. O grupo, nascido no âmbito ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias.“O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Portanto, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que todos somos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Pastor francês Christian Krieger é eleito novo presidente

Montagem CEC. Pastor francês Christian Krieger é eleito novo presidente

Christian Krieger; foto CEC. Novi Sad (NEV), 4 de junho de 2018 – O pastor francês Christian Krieger é o novo presidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Ele foi eleito esta noite pela Assembleia do corpo ecumênico continental reunida em Novi Sad (Sérvia). Pela primeira vez, de acordo com o novo estatuto da CEC, o presidente foi eleito diretamente pela Assembleia, numa votação evidentemente penosa, visto que foi mesmo necessária uma sessão à porta fechada, da qual o seu correspondente do NEV não tem oportunidade de prestar contas . Krieger - que sucede o bispo anglicano Christopher Hill – tem 54 anos, é presidente da Igreja Protestante Reformada da Alsácia e Lorena e vice-presidente da Federação Protestante da França (FPF). Na eleição presidencial, o CEC foi preferido ao luterano dinamarquês Anders Gadegaard. Pedro Ciaccio A Assembleia também elegeu como vice-presidentes da CEC o Metropolita Grego Ortodoxo da Suécia e de toda a Escandinávia, Cleofas Strongylise o bispo anglicano Gulnar Francis-Dehqani. A votação continuou com a eleição dos vinte membros do comitê diretivo do corpo ecumênico europeu e seus suplentes. Entre estes últimos, foi eleito o pároco metodista italiano Pedro Ciaccio. A Assembleia, que teve início no dia 31 de maio, terminará amanhã à tarde. (Libra) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.