Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – Excelente início da campanha lançada pela Confronti, a Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e os Italianos Sem Cidadania.

Entre as adesões do primeiro dia destacam-se as de Nicola Zingarettipresidente da Região do Lácio, Onofrio Rotasecretário-geral Fai Cisl, Emanuela C. Del ReRepresentante Especial da União Europeia para o Sahel, e Marta Bonafonivereador da Região do Lácio.

O apelo vem acompanhado de uma carta dirigida à política, que insta o atual Legislativo a dar o passo há muito prometido e nunca concretizado: “Os números do Parlamento estão aí: é claro que chegamos à hora da verdade”, como leia no documento.

O objetivo da campanha é que a lei conhecida como “Ius Scholae”, atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura.

Os promotores da iniciativa vão continuar com o trabalho de sensibilização nas próximas semanas através de eventos públicos e manifestações.

Entre os primeiros signatários do documento, que aderiram antes do lançamento da campanha, estão: Paulo Naso, Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao.

Para assinar, conecte-se ao site

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

İskenderun, Hatay, Türkiye. Foto de Çağlar Oskay, unsplash Roma (NEV), 6 de março de 2023 – 45 mil mortos, segundo outras estimativas até 50 mil. 580.000 crianças deslocadas, segundo a Unicef. Passou um mês desde o sismo que devastou vastos territórios entre a Turquia e a Síria a 6 de fevereiro e as consequências, com os holofotes apagados e todas as pessoas salvas que foi possível retirar dos escombros, são dramáticas. E também estamos começando a entender qual será o impacto econômico do terremoto. De acordo com as últimas estimativas do Banco Mundial, os danos materiais chegariam a 5,1 bilhões de dólares somente na Síria. Um valor considerado preliminar: os danos são estimados entre 2,7 bilhões e 7,9 bilhões, enquanto os custos de reconstrução podem dobrar. Danos a edifícios residenciais representariam quase metade do total, um terço atribuível a edifícios não residenciais e pouco menos de um quinto dos danos à infraestrutura, como estradas ou sistemas de eletricidade e água. Em outro relatório divulgado no início da semana passada, o Banco Mundial também estimou os danos à propriedade somente na Turquia em pelo menos US$ 34,2 bilhões. Após o terremoto, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália lançou uma assinatura para arrecadar fundos para intervenções em favor das populações. Mais de 43 mil euros, até à data, o valor angariado. Como eles serão usados? “Estamos presentes no Líbano há anos como Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação – declara marta bernardini, coordenadora do MS – ; por isso temos buscado formas de ajuda próximas aos locais onde atuamos, sobretudo para a população síria, que já apoiamos através do trabalho da Medical Hope e dos corredores humanitários. Pensamos, portanto, em envolver as realidades já ativadas no campo humanitário e nossos contatos com o mundo sírio”. Parte dos fundos será, portanto, doada à Sirian Eyes, uma organização sem fins lucrativos ativa no campo nas áreas da Síria afetadas pelo terremoto. Esta realidade é uma das referências da Nation Station, uma bomba de gasolina requalificada pelos cidadãos, após as explosões no porto de Beirute em agosto de 2020, que se tornou um polo cultural e um centro social onde decorrem diversas atividades e onde a Esperança Mediterrânica está constantemente presente. Uma segunda organização que receberá ajuda das igrejas evangélicas na Itália se chama Sams Syria e lida principalmente com assistência médica e de saúde. E nas próximas semanas, os operadores da FCEI no Líbano vão continuar a perceber como usar os restantes fundos, que atividades apoiar e também como poder intervir directamente, se possível, em particular nos aspectos sanitários da emergência, o fio comum da intervenção da Medical Hope. “Queremos aproveitar esta oportunidade para agradecer a quem apoiou e continua a apoiar esta iniciativa, iremos constantemente atualizar sobre o que podemos fazer no nosso pequeno caminho”, declara o secretário executivo da FCEI, pároco Luca Baratto. Na verdade, as inscrições estão sempre abertas e quem quiser contribuir pode encontrar as referências no final deste artigo*. Além da iniciativa da FCEI, recordamos o compromisso das igrejas metodista e valdense, que destinaram 500.000 euros do Otto por mil para a população atingida pelo terremoto. A Medical Hope é financiada principalmente por igrejas batistas italianas. A Esperança Mediterrânea e os corredores humanitários, criados pela FCEI com os Valdenses Tavola e Diaconia, são promovidos com fundos provenientes em grande parte do Otto per mille Valdensian. *Perdoar: razão para "assinatura do terremoto Türkiye - Síria - Líbano" Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na ItáliaUnicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 RomaIBAN: IT26X0200805203000104203419BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018 Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário. “A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado. O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”. O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI. Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel. ...

Ler artigo
Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Foto aérea, vista do Monte Pellegrino do distrito de Noce. Créditos: Ph. Maghweb Roma (NEV), 31 de março de 2021 – Eles haviam sido rejeitados por uma família, que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia, por serem negras. Agora eles encontraram um lar graças aos valdenses. Os protagonistas do agora tristemente famoso episódio são dois rapazes nigerianos, de 27 e 21 anos, que estudavam medicina e outra economia em Kiev antes do início da guerra. Entre outras coisas, essa história foi contada no programa de TV de Geppi Cucciari, "O que acontece?", foi ao ar no dia 29 de março, na Rai Tre. Em particular, ela interveio como convidada da irmã do programa Anna Alonzo, a primeira pessoa, na Sicília, em Casteldaccia, a receber os dois estudantes, que chegaram à ilha provenientes da Ucrânia via Roménia, de autocarro. Da cidade da província de Palermo e da estrutura administrada por Anna Alonzo, os jovens chegaram à capital, onde se espera que possam continuar seus estudos, e foram hospedados por dois dias na habitação social do La Noce Diaconal Center - um instituto valdense. a Cúpula de San Giuseppe dos Padres Teatinos da Piazza Pretoria. Créditos: Ph. Maghweb “Fomos contactados pela Universidade de Palermo, com quem já estamos a colaborar no projeto UNICORE (corredores universitários, ed) – explica Ana Ponente, diretor da estrutura – e de imediato oferecemos a nossa disponibilidade para acolher os dois alunos. O objetivo é dar a eles a oportunidade de continuar seus estudos. Mas antes de tudo é preciso trabalhar o processo de socialização e sobretudo fazer com que eles entendam que têm um espaço seguro, protegido e de escuta para viver. Acima de tudo, é preciso construir uma relação de confiança com eles”. Os dois jovens de origem nigeriana estiveram em Kiev com uma bolsa de estudos, são órfãos e, com a eclosão da guerra na Ucrânia, "experimentaram muitos traumas, vários abandonos, desde a sua terra natal até aquela que os acolheu, até ao último recusa da família que deveria acolhê-los”. E que ela teria recuado depois de descobrir a cor da pele deles. Hoje, em todo o caso, são hóspedes do La Noce, onde, graças ao acolhimento proporcionado pela Diaconia Valdense, vivem em habitações sociais, ou seja, um espaço onde vivem cerca de vinte pessoas, migrantes e não migrantes, estudantes mas também famílias . Têm um quarto à sua disposição e partilham áreas comuns com os restantes hóspedes. Eles começaram a estudar italiano. “Eles estão muito determinados a continuar em seu caminho – acrescenta o diretor de La Noce – mesmo que altamente traumatizados. Por isso iniciámos uma atividade de apoio psicológico”. Quanto à recusa da família que decidiu não acolhê-los, segundo Ponente “fala-se muito em acolhimento e integração, mas é preciso trabalhar a autêntica disponibilidade para com os outros. Conhecemos bem as dinâmicas que envolvem os migrantes, que os tornam visíveis e lhes possibilitam a vida. E que devem sempre se aplicar. No entanto, existem diferenças, infelizmente como demonstra este episódio envolvendo os dois jovens: isso é inaceitável em termos de direitos humanos, que são universais, para todos. Humanamente, ficamos muito impressionados com o aspecto trágico de sermos duplamente vítimas, da guerra e também da rejeição. Nós, de nossa parte, não fizemos nada de extraordinário”. Isso é dar as boas-vindas, sem ses e mas. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.