Pluralismo religioso na Itália

Pluralismo religioso na Itália

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – 4,2% das pessoas manifestam uma identidade religiosa diferente da católica na Itália. É o que afirma o relatório “Religiões na Itália”, projeto organizado pelo CESNUR – Centro de Estudos das Novas Religiões, sob a direção de Massimo Introvigne E Pier Luigi Zoccatelli.

“Muito mais incertas – e fonte de debates intermináveis ​​e politicamente condicionados – são as estatísticas sobre as minorias religiosas presentes na área se considerarmos também os imigrantes não cidadãos – presença que decuplicou nos últimos 25 anos – e não apenas os cidadãos italianos. A cifra pressuporia ainda a possibilidade de se ter dados fiáveis ​​sobre a imigração irregular – actualmente estimada entre 500.000 e 600.000 unidades – o que é notoriamente muito difícil”, lê-se no texto.

A publicação parte dos dados do relatório anual editado pelo Centro de Estudos e Investigação IDOS em colaboração com o Centro de Estudos Confronti e o “S. Pio V”, que atingiu sua trigésima segunda edição em 2022. No texto, entre outras contribuições, também um ensaio sobre o tema do pluralismo religioso, editado pelo professor Paulo Nasso.

Em particular, de acordo com a estimativa do Dossiê Estatístico de Imigração 2022, também no decorrer de 2022, assim como em anos anteriores, a maioria (desde 2022 não mais absoluta) dos residentes estrangeiros na Itália – somando ortodoxos, católicos, protestantes e membros de outras comunidades – é cristã (2.583.000 pessoas, igual para 49,9%), seguido por uma minoria islâmica substancial, que representa um terço dos estrangeiros. O restante das filiações religiosas totaliza 15,9% dos estrangeiros residentes na Itália – entre os quais deve ser considerado separadamente um terço do subconjunto, que se enquadra na categoria de “ateus ou agnósticos” -, divididos em macroáreas distintas. Atualmente, as estimativas do relatório do IDOS não contabilizam a presença de imigrantes sikhs na Itália, que segundo outros relatórios de pesquisa totalizam cerca de 98 mil residentes em 2022, além dos que adquiriram a cidadania.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

um compromisso escrito na pele

um compromisso escrito na pele

À esquerda, a tatuagem da palavra filoxenia em grego Novi Sad (NEV), 2 de junho de 2018 – Há quem escreva seu amor na pele, tendo o nome da pessoa amada tatuado no corpo. Aconteceu também na Conferência das Igrejas da Europa (KEK), em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio – 5 de junho). Em resposta à mensagem do estudo bíblico sobre o tema da hospitalidade, proferida pelo pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um jovem participante do encontro europeu teve a palavra tatuada no braço filoxenia – amor, amizade para o estrangeiro – central no discurso do negro sobre a hospitalidade. Patriarca Inácio Afrém II; foto CEC. A hospitalidade foi o tema de todo o dia de ontem, 1 de junho. Além de negro, ele falou sobre isso Inácio Aprhem IIPatriarca de Antioquia da Igreja Siríaca Ortodoxa. “A hospitalidade é inerente ao ser cristão. A natureza de Deus é o amor e como cristãos devemos aprender com o nosso Mestre celestial”, disse o patriarca que sublinhou como o Oriente Médio tem uma longa história de hospitalidade que começa desde os tempos da Bíblia e chega até os dias atuais. “Hoje – recordou Aphrem II – um terço da população do Líbano é composta por refugiados sírios” que encontraram refúgio naquela nação. O pastor Meletis Meletiadis; foto CEC. O pastor também falou sobre hospitalidade Meletis Meletiadisilustrando o compromisso da Igreja Evangélica Grega com os migrantes: "Queremos que a sua primeira experiência na Europa seja de acolhimento, amizade, respeito e dignidade". Finalmente, a Assembleia saudou com gratidão Doris Peschke que após anos de serviço deixa o secretariado geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). ...

Ler artigo
Ética digital.  Salve o planeta, salve-nos

Ética digital. Salve o planeta, salve-nos

Foto de José Martín Ramírez Carrasco / Unsplash Roma (NEV), 30 de maio de 2023 – Que bem-estar para as sociedades digitalizadas e no trabalho? Isso foi discutido no dia 24 de maio em encontro promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” (CONVOCAÇÃO* – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida). O encontro reuniu algumas das dezenas de pessoas que colaboraram na publicação das Diretrizes no âmbito do projeto”Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados”. A rede CALL trabalha há anos nestas questões, envolvendo vários profissionais e competências de toda a Europa, tanto no seio das igrejas como simpatizantes. Harmonia, bem-estar digital, ética digital, sustentabilidade, valores ecológicos, económicos e sociais no planeamento da digitalização são apenas alguns dos temas desenvolvidos pela rede CALL, que vê a própria digitalização como intimamente ligada, e por isso orientável, ao serviço da sociedade. Ele esteve presente pela Itália Stefano Frache, engenheiro, um dos fundadores de uma empresa de desenvolvimento de software e equipamentos eletrônicos, com doutorado em Eletrônica e Telecomunicações em Torino e Lausanne. “Foi maravilhoso participar nesta experiência, numa dimensão de estímulo ao diálogo e ao crescimento pessoal” disse Frache à Agência NEV. As diretrizes são desenvolvidas em três seções: ética, economia e sociedade. “A reunião do dia 24 foi uma oportunidade para retomar alguns temas, os pontos fortes do documento e quais aspectos, por outro lado, ainda precisam ser trabalhados – disse Stefano Frache -. Foi um importante momento de síntese, resultado de anos de trabalho, comparações e discussões. É preciso uma certa coragem para emitir um documento”. Na verdade, publicar expõe a julgamentos e críticas, mas ao mesmo tempo é uma forma de "dar o tom" para a discussão. No primeiro ponto sobre ética, continuou o engenheiro, "foram incluídos aspectos relativos à relação de todos os seres vivos com o planeta e uma referência explícita ao justiça climática. É bom refletir sobre evidências científicas para guiar nosso pensamento. Não é uma questão emocional: realmente temos um problema com o clima." Durante muito tempo, segundo Frache, “houve um mal-entendido muito amplo. Nosso compromisso climático está salvando o planeta? Não, fazemos isso para nos salvar." Eras glaciais e interglaciais com transgressões marinhas ocorreram várias vezes na Terra, mas em períodos extremamente longos. “Agora estamos aqui e estamos perturbando o equilíbrio do planeta. Os efeitos não são iguais para todos, mas a questão da justiça climática não pode ser reduzida a uma inspiração temporária. Só mais um pouco de tempo, para estragar bastante, e aí o problema será o mesmo para todos”. O problema da desigualdade deve ser enfrentado rio acima: “Não é bom sermos todos iguais diante da catástrofe. Mesmo de barriga cheia, não estou segura. O risco alimentar, a dificuldade de acesso aos alimentos e à água potável, que até poucos anos atrás pareciam preocupações distantes de nós, agora começam a nos preocupar de perto”. Refletir sobre esta dimensão ética implica também “sair da retórica antropocêntrica de sermos os salvadores do mundo. É mais sensato pensar que estamos fazendo algo por nós mesmos e pelos nossos semelhantes, tanto do ponto de vista cristão quanto do ponto de vista humano”. Recentemente, no âmbito do Sínodo Luterano, o decano Carsten Gerdes ele falava da natureza não como um "presente", mas como um "empréstimo". Mesmo para os nativos americanos, a terra é transmitida de geração em geração, “mas cada geração a toma emprestada da anterior. Com esse espírito, devemos fazer bom uso dele e depois devolvê-lo intacto aos que vierem depois de nós. A ganância e a gula não dão frutos. Do ponto de vista cristão, mas não só, esses comportamentos primitivos e irracionais certamente não são dignos e, muitas vezes, causam desastres”. A rede CALL também falou em sustentabilidade, destacando a substancial indissociabilidade dos seus elementos nos domínios económico e social. “O impacto das escolhas é transversal. Tudo está interligado”, disse Frache. Durante o encontro também foram discutidos acessibilidade, inclusão digital, custos e benefícios do que poderíamos definir como “planejamento ético”. Finalmente, segurança. “Em termos de TI, segurança significa privacidade e atenção à coleta de dados, mas não só – concluiu Stefano Frache -. Segurança também significa proteger-se de informações falsas. Por simples engenhosidade corre-se o risco de ser enganado na formação das próprias opiniões, de ser manipulado. Um uso incorreto ou inconsciente de ferramentas digitais é muito diferente dependendo se somos sociedades abertas ou fechadas. Se quisermos nos manter como sociedades abertas e democráticas, temos o dever de lidar com elas, porque as ameaças são graves. Às vezes damos por certo, mas a liberdade de pensamento termina em uma sociedade fechada e, portanto, também a liberdade de pensamento cristão”. *CALL é uma rede europeia que trata da reflexão sobre sustentabilidade, trabalho, economia e sociedade desde um ponto de vista cristão. O projeto "Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” é apoiado com financiamento da Comissão Europeia. ...

Ler artigo
“Um sonho transformado em pesadelo”.  O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

“Um sonho transformado em pesadelo”. O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

foto @Unseen Histories, de um splash Roma (NEV), 15 de janeiro de 2021 – Em 15 de janeiro de 1929, nasceu em Atlanta Martin Luther King, o pastor batista que liderou o movimento pelos direitos civis. E nestes dias, publicado pela Laterza, “Martin Luther King. Uma história americana”, escrito pela professora de ciências políticas e coordenadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da FCEI, Paulo Naso. O cartaz da nomeação de 15 de janeiro Hoje, às 18h, ao vivo na página da histórica editora no Facebook, o autor vai dialogar com Alexandre Portelliem reunião moderada por Jose Laterza. Com Paolo Naso conversamos sobre o volume e sobretudo sobre o valor da vida e do ensinamento do "MLK". O livro surge em um momento dramático na vida política americana. Existe uma conexão entre o que estamos testemunhando e a história humana e política de King? Obviamente não é uma conexão intencional, mas existe. Por trás das insígnias da soberania e do pior populismo subversivo dos partidários do Donald Trump é fácil ver as bandeiras confederadas, hoje símbolo de uma América violentamente nostálgica que não sabe como corrigir seu pecado original: o racismo. Nos dias que antecederam a manifestação de 6 de janeiro, os Proud Boys de Trump evadiram, vandalizaram algumas igrejas negras exibindo a insígnia do Black Lives Matter e invocaram uma América antiga e, em sua opinião, feliz, na qual os negros permaneciam nas plantações e não tinham permissão para entrar no instalações para "os brancos". O racismo contra o qual King passou sua vida continua sendo um demônio que afeta a América, até hoje. Em 1993 editou a publicação "O outro Martin Luther King", editada pela Claudiana. Um volume que continha, entre outras coisas, textos inéditos em italiano. Subseqüentemente ele editou outras publicações sobre o mesmo personagem. Então, por que outro livro novo sobre Martin Luther King? Por ser um personagem chave do século 20, que merece uma biografia rigorosa e não hagiográfica. Infelizmente, ao longo dos anos, testemunhamos um adoçamento interessado de King, reduzido a um ícone agora inofensivo. da América lutando contra o racismo: uma interpretação verdadeira e tranquilizadora, mas também muito parcial. Rei é um personagem complexo que, nos poucos anos que viveu, soube apreender e interpretar novos desafios enfrentavam a América naqueles anos: não apenas o legado da escravidão e da segregação, mas também o militarismo e a pobreza cada vez mais generalizada no país que se apresentava como o mais rico do mundo. Nesta perspetiva, mais do que um ícone, quis reconstruir um percurso, enfatizando a evolução da análise de King sobre os males da América e as várias estratégias de luta que foi capaz de desenvolver de tempos a tempos. Em suma, nenhum “beatificação” do Prêmio Nobel MLK. Com efeito, ela revela alguns elementos, biográficos mas não só, que contam as contradições. Quais eram as sombras desse personagem complexo? Como protestante, King não teria gostado das beatificações, especialmente quando eram artificiais e narcóticas. King foi morto no momento em que estava mais isolado politicamente; quando as relações com o presidente Johnson, que também reconhecera o direito de voto aos afro-americanos, ficaram mais tensas; numa época em que muitos súditos - por exemplo a grande imprensa liberal - que o haviam apoiado quando ele marchava pelos direitos dos negros, o criticavam e o abandonavam porque ele havia tomado partido contra a intervenção militar no Vietnã e denunciava as distorções sociais do capitalismo americano . King foi o primeiro a saber que era um homem, com as fraquezas e fragilidades de cada um. No volume reconstruo momentos difíceis em que, apesar do vínculo muito sólido com sua esposa Coretta - ele teve casos extraconjugais que o FBI documentou em uma tentativa - essencialmente fracassada - de desacreditá-lo. Assim como não é mistério que King e sua organização, apesar de grandes e muito relevantes exceções, tinham um caráter predominantemente masculino. Foi um erro porque personagens como Ella Baker, Septima Clark, Diana Nash eles tinham qualidades de liderança do mais alto nível. Mas tudo isto faz parte da dimensão humana da personagem e, a meu ver, não diminui a sua extraordinária capacidade de marcar o tempo em que viveu e de prestar um grande serviço à causa dos direitos humanos, da justiça social e da paz . No livro surge uma figura carismática também e talvez sobretudo do ponto de vista teológico. Você pode explicar a importância de King como evangélico e como teólogo? Com razão, King é considerado o "líder do movimento pelos direitos civis", mas raramente é o caso. foco na origem do seu pensamento que está indissoluvelmente ligado à palavra bíblica e ao que eu definiria como a sua raiz "puritana". Não há expressão de King e da liderança do Movimento, pelo menos até sua morte em 4 de abril de 1968, que não tenha raízes nas Escrituras: desde a identificação dos afro-americanos com Israel sob as correntes do Faraó antes e depois no caminho para a terra prometida, nas parábolas evangélicas de serviço aos que sofrem e são marginalizados. King é filho da melhor teologia protestante daqueles anos que estudou e internalizou. Ao mesmo tempo, sua visão se encaixa perfeitamente na história americana, no conceito de vocação que exige que a América seja uma "cidade sobre uma colina", um exemplo de moralidade civil e virtudes cristãs. E este é exatamente o núcleo do puritanismo, o histórico e real, não a tosca caricatura que dele fazem em círculos que nunca o compreenderam em sua dimensão central que, antes de ser ética, é principalmente teológica. Existe uma história, uma anedota ou um aspecto da vida de MLK que você "descobriu" e que particularmente o impressionou? Entre as muitas, gostaria de recordar a circunstância em que ele escreveu a carta da prisão de Birmingham. Era 1963 e ele foi preso após uma ação de protesto contra a segregação. Enquanto ele estava preso, seis dos líderes religiosos da cidade – todos brancos – escreveram uma carta aberta criticando a mobilização popular de King e minando a ordem pública. O caminho para a justiça - era a tese deles - passava pelos tribunais e, portanto, King teria feito melhor cuidando de sua paróquia e lendo seus sermões. King se sentiu traído por aqueles pastores e homens de fé que liam a mesma Bíblia e pregavam o mesmo evangelho. E ele quis responder, escrevendo rapidamente um texto escrito em folhas encontradas aqui e ali, inclusive um rolo de papel higiênico. Esse documento é um dos textos-chave do movimento não violento, da mobilização antirracista daqueles anos, mas também da radicalidade do testemunho cristão do século XX. Você argumenta que, em vez de nos perguntarmos quem matou MLK, deveríamos perguntar "o quê". Bem, o que acabou com a vida do líder afro-americano, na sua opinião? A morte de King permanece um mistério. O homem condenado pelo assassinato de uma das pessoas mais conhecidas e controladas dos Estados Unidos naqueles anos era um criminoso com um perfil muito diferente do de um terrorista político; depois do atentado, então, conseguiu fugir para a Inglaterra e só foi preso na volta. Como ele poderia deixar o país? Por que ele voltou? Perguntas sem resposta, ainda hoje. Essa linha de investigação, no entanto, nos leva a terrenos escorregadios e hipóteses refutáveis. No entanto, um fato permanece: King foi morto enquanto denunciava a guerra no Vietnã e a incapacidade do capitalismo americano de lidar com o nó da crescente pobreza, tanto de brancos quanto de negros. Em suma, ele estava atacando o "coração" do sistema, ainda por cima em situação de isolamento e fragilidade. Mais do que "quem" matou King, em conclusão, parece-me interessante pensar em "o quê", em que mecanismo fez um atentado contra sua vida. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.