Sínodo Luterano.  Bludau: “A Igreja é uma comunidade viva”

Sínodo Luterano. Bludau: “A Igreja é uma comunidade viva”

Roma (NEV/CELI), 1º de outubro de 2020 – A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), às vésperas da primeira sessão do XXIII Sínodo prevista para 9 a 11 de outubro de 2020, publica uma entrevista com o reitor Heiner Bludau.

Um sínodo em formato reduzido, escrevem os luteranos, mas “exatamente por isso, um sinal forte nestes tempos difíceis da pandemia: nos reencontramos. Decidimos juntos”.

Cerca de 50 membros sinodais confirmaram sua participação. No centro, como também diz o título, “Escolha = Wählen”: as eleições do presidium sinodal e dos leigos do consistório, mas também um olhar para o futuro. As obras serão realizadas respeitando as normas anti-covid. “A segurança dos participantes está garantida” asseguram os organizadores. Distância, máscara, ventilação regular das instalações.

Relatamos a seguir a entrevista com Dean Heiner Bludau editada por Nicole Steiner.

Sínodo digital ou presencial. Uma decisão difícil?

Na verdade, não foi uma decisão fácil e difícil. No final, o fator decisivo foi a vontade de participar dos sinodais.

Um sínodo que será completamente diferente dos anteriores…

Exato. Contará com uma agenda mais do que concentrada e muitas medidas de segurança anti-Covid rigorosas. Não haverá espaço para muitas das coisas que gostaríamos de discutir e decidir. O tempo disponível é muito limitado. Temos prazos a cumprir, a aprovação dos trabalhos do Consistório, a eleição do novo Presidium e dos leigos do Consistório. Será um sínodo entre nós, novamente por questões de segurança tivemos que abrir mão de contribuições externas com o objetivo de reduzir os tempos ao mínimo. Mas o que importa é que nos encontraremos. E estou feliz com isso. Por isso todos devemos ser gratos. Para mim, pessoalmente, este “Nos encontramos de novo!” é um sinal muito importante porque para mim ser igreja não é só anunciar a boa nova, a igreja vive em comunidade, a igreja é uma comunidade viva.

A pandemia de Covid marcou fortemente o último ano da(s) igreja(s). E ainda não conseguimos ver o fim disso. A experiência da Covid, por outro lado, colocou muitas coisas em movimento…

No Sínodo somos chamados a traçar o caminho para os próximos anos, temos que decidir o que levar adiante, como seguir adiante. Como lidar com as restrições ainda em vigor e prever como reagir a novas medidas.

No último Sínodo, foi estabelecida uma comissão digital. A pandemia necessariamente antecipou muitas coisas que vão exatamente nessa direção. Qual é a sua posição sobre a questão digital?

O período de bloqueio mostrou que reunir-se como uma comunidade digitalmente não é apenas possível, mas também pode ser frutífero. É um processo que foi iniciado por necessidade, sabemos disso. Um processo sem dúvida importante para o futuro da Igreja. Mas agora é também uma questão de refletir sobre essas experiências, refletindo juntos. Precisamos avaliar como proceder com o digital. O que é bom, o que não é? Onde estão os limites? Tudo isso não vai acontecer da noite para o dia, é um processo que precisa de tempo, que você não deve forçar. O digital pode substituir muitas coisas, mas não tudo. O modo online ajudou nossa igreja a manter um senso de comunidade durante a separação social. Mas atingimos limites. Depois do Sínodo, também se reunirá a conferência paroquial e devo confessar que estou muito feliz por, depois de muitas videoconferências, podermos finalmente nos ver face a face. O que não exclui a possibilidade de continuarem a ver-se mesmo por videoconferência. E isso também se aplica ao Consistório. O CELI é uma igreja pequena com possibilidades limitadas, mas nos últimos meses desenvolvemos uma grande criatividade para poder viver e transmitir a comunidade. E isso de maneiras muito diferentes. E devo dizer que o bloqueio de certa forma nos aproximou. E isso permanecerá. Mas também temos que criar novas raízes. A gente tem que refletir sobre muitas coisas… E isso se faz melhor juntos, numa troca direta, no contato direto, frente a frente.

No sentido de não apenas voltar ao normal?

Exatamente. A situação mudou em todos os lugares. Podemos e devemos aprender uns com os outros. Temos que nos adaptar às novas formas de contato com as pessoas, não será mais possível planejar certas coisas com antecedência. Flexibilidade é a ordem do dia. Isso também se aplica ao nosso Sínodo, ainda não é cem por cento certo que ele realmente acontecerá. Estamos prontos, mas também sabemos que a ordem de suspender tudo ainda pode chegar no dia 8 de outubro. Mesmo nesta conjuntura, devemos ser flexíveis e estar prontos para uma solução alternativa.

Um dos A tarefa da Igreja é também fornecer pontos de referência?

De fato, esta é uma contribuição muito importante que a Igreja deve e pode dar. A fé fornece pontos de referência. O Reino de Deus não consiste na mera realização de objetivos políticos. A perspectiva do reino de Deus nos dá segurança e serenidade e nos permite um certo distanciamento dos problemas atuais. A fé é outra dimensão que nos permite enfrentar as coisas com certa serenidade. O que não significa que sejamos insensíveis, que não participemos. Mas, como igreja hoje, temos certeza de que também há algo mais…

Uma espécie de distância de segurança, mas sem distanciamento?

Certo. Estamos bem cientes dos problemas. Nós os enfrentamos. Envolvemo-nos, ajudamos, levantamos a nossa voz. Quer seja a questão dos refugiados, onde somos muito ativos a nível nacional e local, ou outra coisa, pequenas mudanças. Há poucos dias, iniciamos uma campanha de arrecadação de fundos para a ONG Refugee4Refugees, ativa no campo de Moria, em Lesvos. Juntamente com outras igrejas protestantes na Itália, no âmbito da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), apoiamos vários outros projetos para migrantes. Ecologia e sustentabilidade são temas cada vez mais importantes para nós. Procuramos estar presentes onde quer que haja necessidade. Isto demonstra a diversidade dos nossos projetos: para os idosos e deficientes, para as crianças, para as pessoas de difícil contexto social, para os refugiados… Mas em tudo isto não esqueçamos a cultura e sobretudo a pastoral.

Sem querer antecipar nada: seu relatório para o Sínodo começa com um apelo…

“Não tenha medo!” Este também é o meu lema pessoal para o Sínodo 2020. Minhas crenças e experiências dos últimos meses… De qualquer forma, estou ansioso para que todos nos encontremos novamente no dia 9 de outubro!


Leia no site do CELI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luca Savarino confirmado na Comissão Nacional de Bioética

Luca Savarino confirmado na Comissão Nacional de Bioética

Lucas Savarino. Foto de Pietro Romeo Roma (NEV), 7 de dezembro de 2022 – O professor valdense Lucas Savarino foi reconfirmado entre os membros do Comitê Nacional de Bioética. “Estou feliz por ter sido renomeado – declarou o próprio Savarino à assessoria de imprensa do NEV -. Isso significa que fizemos um bom trabalho e que o componente protestante italiano continua representado no Comitê”. Ocupar o cargo de presidente é Ângelo Luigi Vescovi. Os vice-presidentes são Richard Di Segni, Mauro Ronco E Maria Luisa Di Pietro. O Comitê, criado em 1990, permanecerá no cargo por quatro anos a partir de 6 de dezembro de 2022. As nomeações são feitas por Decreto do Presidente do Conselho de Ministros, Giorgia Meloni, que comentou: “Expresso profunda satisfação com a criação do Comitê Nacional de Bioética. Na nomeação deste importante organismo foram tidos em conta os critérios do pluralismo ideal e profissional, e a inclusão de uma grande variedade de territórios, experiências e origens. A prevista rotação dos membros, o equilíbrio de género e as representações das áreas médica, filosófica, jurídica, biotecnológica e religiosa têm sido asseguradas na NBC. Envio à Comissão os meus votos de bom trabalho". Em 2018, entre os 26 membros da Comissão, um protestante, Luca Savarino, foi indicado pela primeira vez. Professor de bioética na University of Eastern Piemonte, Savarino é membro da Comissão das Igrejas Batista, Metodista e Valdense sobre os problemas éticos colocados pela ciência e do grupo de referência temática sobre bioética da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Savarino, em sua primeira nomeação há quatro anos, havia declarado: “A nomeação de um protestante para a NBC é importante por pelo menos três razões. A primeira diz respeito ao pluralismo. As igrejas Batista, Metodista e Valdense, embora numericamente pequenas em nosso país, representam uma das grandes 'famílias espirituais' presentes na Itália e na Europa. A segunda razão está intimamente ligada à primeira e tem a ver com a dimensão internacional dos temas da agenda da NBC. O protestantismo, de fato, é um componente culturalmente muito significativo nas principais sedes internacionais com as quais a Itália colabora. A terceira é uma questão de competência. O protestantismo histórico italiano estabeleceu uma Comissão de Bioética por mais de vinte anos. Muitos de nossos documentos foram retomados e discutidos em algumas das principais revistas de bioética italianas e internacionais e contribuíram para melhorar a qualidade do debate público sobre questões destinadas a se tornarem cada vez mais atuais nas sociedades em que vivemos”. ...

Ler artigo
17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

Roma (NEV), 19 de julho de 2022 – 17 de fevereiro é uma festa pela liberdade de todos, "que faz parte da história geral da liberdade de consciência", na Itália e na Europa, "deve ser uma festa para todos". Ele disse isso hoje, em uma entrevista para a Rádio Beckwith, Bruna Peyrotpresidente da Fundação Centro Cultural Valdense de Torre Pellice, o "coração" dos vales valdenses no Piemonte. Fundo: ontem Mônica Canalis, vice-secretário do PD Piemonte e vereador e Mark Cognovereador da Cidade Metropolitana e prefeito de Torre Pellice (Turim) denuncia que no calendário escolar do Piemonte a minoria religiosa dos valdenses teria sido "ignorada", pois "ao contrário dos anos anteriores, foi negado suspender as aulas no dia da festa, 17 de fevereiro”. A Valdensian Cultural Center Foundation envia imediatamente uma carta pública ao governador Albert Círio e ao prefeito de Torre Pellice, para pedir "reconsideração de decisões que prejudicam a expressão cultural e civil de grande parte da cidadania", conforme consta no texto abaixo, publicado na página fb da instituição protestante. Algumas horas depois da resposta do Conselheiro para a Educação da Região do Piemonte Elena Chiorino: "O calendário escolar é uma referência para todos, visando garantir a uniformidade e continuidade das atividades em sala de aula, também e sobretudo no interesse das famílias: isso não exclui a plena autonomia das escolas que têm o direito de estabelecer adaptações para o calendário, face às necessidades decorrentes do alargamento do plano de oferta formativa e às necessidades ambientais específicas. As escolas podem definir projetos ligados a tradições locais ou eventos intimamente ligados ao seu território, adaptando assim as atividades escolares”. Aqui a entrevista da Rádio Beckwith com Bruna Peyrot e que um Mônica Canalis. Para saber mais:“17 de fevereiro na escola? A Região está retrocedendo”, artigo de Reforma FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo
Corredores universitários.  Em Palermo, de Asmara, o primeiro graduado é Henok

Corredores universitários. Em Palermo, de Asmara, o primeiro graduado é Henok

Henok Michael com sua mãe (foto Centro Diaconal – Instituto Valdense e Caritas de Palermo) Roma (NEV), 8 de agosto de 2023 – Chama-se o primeiro graduado nos corredores universitários do projeto UNICORE 3.0 Henok Michael. 28 anos, nascido em Asmara na Eritreia, Henok Michael estudou engenharia química no Mai-Nefhi College, Eritrea Institute of technology, graduando-se em 2017 com honras. Hoje celebra o mestrado em Engenharia de Gestão, em Palermo. Em ilMediterraneo24.it uma entrevista por Stephen Edward Puvanendrarajah recolhe "as suas emoções, ambições e o vínculo que construiu com a cidade graças ao trabalho em rede sinérgico dos parceiros do projeto (Universidade de Palermo, Cáritas Diocesana de Palermo, Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdese, Centro Astalli Palermo) ". A Agência NEV alcançou Ana Ponentediretor do Centro Diaconal “La Noce”, que divulgou esta declaração: “A experiência dos corredores universitários é uma experiência importante para o Centro Diaconal, porque tem como foco o direito de estudar, o direito de realizar seus sonhos. Quando o Centro Diaconal foi contatado para fazer parte desse Protocolo, ainda não conhecíamos bem o projeto. Aderimos logo após uma discussão que tivemos com os vários representantes institucionais, compreendendo de imediato o valor profundo que é colocar a pessoa no centro de tudo. Gostaria de sublinhar a importância do trabalho dos operadores que acompanham concretamente estes jovens todos os dias. Em particular, refiro-me à nossa pessoa de contato nos Corredores da Universidade, Dr. Safa'Nejique é o operador delegado do Centro, que também tem experiência na área de Corredores Humanitários dentro do nosso centro. É importante reconhecer o valor desta colaboração, do encontro, da discussão de pensamentos, dificuldades e necessidades concretas. Por exemplo, na concretude do quotidiano, trata-se de acompanhar os filhos nas questões sanitárias, burocráticas, mas também psicológicas e emocionais. Ainda assim, quero sublinhar a motivação destes jovens. Em especial, gostaria de dizer que esta primeira experiência da graduação de Henok em gerenciamento de engenharia realmente nos comoveu profundamente. Isso nos deixou muito orgulhosos. Henok, assim como os demais alunos que participam deste protocolo e participaram com muito carinho deste primeiro evento realizado em Palermo, são jovens muito ocupados, que estudam muito, que querem muito alcançar seu objetivo de se formar. Ao mesmo tempo, não descuidam do conhecimento do contexto da cidade em que vivem e também estão aprendendo a língua italiana por meio de cursos assiduos. Tudo isso não faz mais do que confirmar que a possibilidade de oferecer vias legais de acesso a homens e mulheres é a mais acertada. Hoje é Henok, mais tarde outros jovens poderão se formar. Sim, deveriam e poderiam ter se formado em sua cidade, em seu país, com seus amigos – como também disseram Henok e sua família -. No entanto, eles puderam fazê-lo aqui, graças ao empenho de todas essas realidades. Este projeto resulta da construção de um diálogo, de um confronto, de um percurso de valores, mas também de um método entre diferentes entidades que operam na cidade. Este é o valor agregado fundamental que faz a diferença na minha opinião. O Centro Diaconal La Noce, a Caritas, a Universidade, o Centro Astalli – que já colaboram e compartilham um pensamento comum de compromisso político-social e baseado em valores – basicamente continuam também pelos Corredores Universitários qual é o caminho para respeitar o direito de todos e todas. Foi realmente um momento inesquecível para mim. Esse foi um dos melhores momentos que vivi em muitos anos de trabalho. Foi ainda mais quando conheci a mãe de Henok e pude ver seu olhar. Fiquei muito entusiasmado, mesmo nos aspectos de convívio, em festejar e passar a noite juntos". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.