Genebra-Augusta-Roma.  “Resistência ecumênica” a caminho

Genebra-Augusta-Roma. “Resistência ecumênica” a caminho

Foto Pixabay

Roma (NEV), 6 de setembro de 2018 – A reunião de cinco dias do Joint Ecumenical Working Group (JWG), um catalisador para o diálogo, não apenas teológico, entre o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Igreja Católica Romana, nasceu em 53 anos atrás como um dos primeiros frutos do Concílio Vaticano II. Poucas semanas depois da #VisitaPapal de Francisco ao CMI de Genebra, portanto, uma nova etapa de unidade e colaboração entre diferentes denominações e confissões cristãs, em perspectivas de futuro que dizem respeito não apenas aos aspectos espirituais e de oração, mas também ao compromisso social e civil.

“Continuamos neste caminho porque temos uma tarefa importante, que é unir forças para fazer muito mais pelos necessitados”, afirmou o secretário geral do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. Palavras fortes chegaram, conforme relatado no twitter por Odair Pedroso Mateusdiretor da comissão Fé e Constituição do CMI, pelo bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). “Vamos nos unir em uma resistência ecumênica às políticas de identidade que desvalorizam os outros”, disse Bedford-Strohm, que também destacou o valor da Reforma e do legado luterano como uma “grande experiência que abriu portas e corações e aumentou as amizades entre cristãos de diferentes tradições”. O pastor presbiteriano americano Robina Marie Winbush, que falou ao JWG, disse: “A divisão ecumênica nos Estados Unidos hoje não é tanto confessional quanto político-racial”. O Grupo de Trabalho Ecumênico, moderado pelo Metropolita Ortodoxo Nifon Mihăița de Targoviste (Romênia) e pelo arcebispo católico Diarmuid Martin de Dublin (Irlanda), está redigindo dois documentos sobre a construção da paz e a pastoral dos refugiados e migrantes, com a colaboração de especialistas do Dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral e do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso.

Entretanto, decorrem os preparativos para outra importante etapa ecuménica, nomeadamente a conferência mundial sobre xenofobia, racismo e nacionalismo populista (Roma, de 18 a 20 de setembro), que envolve o Conselho Mundial das Igrejas, o Dicastério Vaticano e o Pontifício Conselho. Entre os convidados, o pároco da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Luca Maria Negroque recentemente em Novi Sad, Sérvia, durante a Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) opôs a xenofobia dos ‘sodomitas’ de hoje, cujo pecado é o ódio aos estrangeiros, com a filoxenia de Abraão, mandato bíblico de amizade para com o estrangeiro.

O CMI representa mais de 550 milhões de cristãos em todo o mundo com suas 350 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e membros independentes.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo
Turim.  Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Turim. Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2019 – Católicos e protestantes compartilham há vários anos o momento da “Santa Ceia”, no contexto dos encontros de hospitalidade eucarística organizados pelo grupo ecumênico “Spezzare il pane”. As reuniões acontecem cerca de uma vez por mês em diferentes igrejas, mosteiros e paróquias, envolvendo valdenses, batistas, luteranos e católicos. O grupo de acolhida eucarística é formado por evangélicos, protestantes e católicos que consideram prioritário vivenciar juntos o momento de comunhão e não divididos devido aos diferentes significados que as diversas confissões atribuem à própria comunhão, a começar pelo modo de chamá-la : "Santa Ceia" para os protestantes e "Eucaristia" para os católicos. O próximo encontro com hospitalidade eucarística será no domingo, 15 de dezembro, às 10h, na Comunidade Evangélica Luterana da via Evangelista Torricelli, 66 em Turim. A pregação será do reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau. A prática da hospitalidade eucarística tem implicações teológicas, litúrgicas, pastorais e jurídicas. O debate sobre este tema, desde a acolhida mútua até as experiências e práticas ecumênicas, tem um espaço na folha intitulada "Hospitalidade Eucarística" editada por alguns membros do grupo ecumênico. Recentemente, através das páginas do livreto, o documento intitulado "A Ceia do Senhor" escrito por teólogos Paulo rico E João Cereti, respectivamente valdenses e católicos. Vários pastores, pastoras, teólogos e padres aderiram ao documento, que define os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor. O grupo “Spezzare il pane” nasceu no âmbito ecumênico em 2011 em Turim. Em 2017 um questionário interessante sobre o assunto. Para comunicações e informações sobre a "Hospitalidade Eucarística" e o Jantar da "Fresa do Pão": Turim Group - Margarida Ricciuti, Igreja Valdense. Mail: [email protected] Grupo de Avellino/Salerno – Pedro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo
Crianças e guerra

Crianças e guerra

Foto de Rene Bernal, unsplash.com Roma (NEV), 6 de junho de 2022 - O Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) está organizando a reunião por videoconferência "As crianças e a guerra" na quarta-feira, 15 de junho de 2022, de 6 a 20h dirigida aos monitores das catequeses das igrejas evangélicas e a todos os interessados. A reunião será aberta com uma meditação do pároco e secretário executivo da FCEI Luca Baratto. Seguem-se as intervenções do professor da Universidade de Turim Bruno Maida, autor entre outras coisas do livro "A infância nas guerras do século XX"; o porta-voz da Unicef ​​​​Itália Andrea Iacomini; e a secretaria escolar de Emergência. Moderado Elena Ribet, agência de notícias Nev. Notícias do Evangelho. Para participar do encontro é necessário se inscrever preenchendo o formulário de inscrição online no link: O prazo para inscrições é até segunda-feira, 13 de junho de 2022. O link de convite para participar da reunião será enviado um dia antes da reunião. O cartaz do evento Para mais informações, entre em contato com o escritório da SIE em: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.