Genebra-Augusta-Roma.  “Resistência ecumênica” a caminho

Genebra-Augusta-Roma. “Resistência ecumênica” a caminho

Foto Pixabay

Roma (NEV), 6 de setembro de 2018 – A reunião de cinco dias do Joint Ecumenical Working Group (JWG), um catalisador para o diálogo, não apenas teológico, entre o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Igreja Católica Romana, nasceu em 53 anos atrás como um dos primeiros frutos do Concílio Vaticano II. Poucas semanas depois da #VisitaPapal de Francisco ao CMI de Genebra, portanto, uma nova etapa de unidade e colaboração entre diferentes denominações e confissões cristãs, em perspectivas de futuro que dizem respeito não apenas aos aspectos espirituais e de oração, mas também ao compromisso social e civil.

“Continuamos neste caminho porque temos uma tarefa importante, que é unir forças para fazer muito mais pelos necessitados”, afirmou o secretário geral do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. Palavras fortes chegaram, conforme relatado no twitter por Odair Pedroso Mateusdiretor da comissão Fé e Constituição do CMI, pelo bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). “Vamos nos unir em uma resistência ecumênica às políticas de identidade que desvalorizam os outros”, disse Bedford-Strohm, que também destacou o valor da Reforma e do legado luterano como uma “grande experiência que abriu portas e corações e aumentou as amizades entre cristãos de diferentes tradições”. O pastor presbiteriano americano Robina Marie Winbush, que falou ao JWG, disse: “A divisão ecumênica nos Estados Unidos hoje não é tanto confessional quanto político-racial”. O Grupo de Trabalho Ecumênico, moderado pelo Metropolita Ortodoxo Nifon Mihăița de Targoviste (Romênia) e pelo arcebispo católico Diarmuid Martin de Dublin (Irlanda), está redigindo dois documentos sobre a construção da paz e a pastoral dos refugiados e migrantes, com a colaboração de especialistas do Dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral e do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso.

Entretanto, decorrem os preparativos para outra importante etapa ecuménica, nomeadamente a conferência mundial sobre xenofobia, racismo e nacionalismo populista (Roma, de 18 a 20 de setembro), que envolve o Conselho Mundial das Igrejas, o Dicastério Vaticano e o Pontifício Conselho. Entre os convidados, o pároco da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Luca Maria Negroque recentemente em Novi Sad, Sérvia, durante a Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) opôs a xenofobia dos ‘sodomitas’ de hoje, cujo pecado é o ódio aos estrangeiros, com a filoxenia de Abraão, mandato bíblico de amizade para com o estrangeiro.

O CMI representa mais de 550 milhões de cristãos em todo o mundo com suas 350 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e membros independentes.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Roberto Mellone

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Roberto Mellone

O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo Roma (NEV), 25 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia no final do mês, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) terminará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente serão ser eleito, reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho ao Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo O primeiro protagonista desta série de artigos é Roberto Mellonetesoureiro cessante da FCEI. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Definitivamente um balanço positivo. A nível estritamente pessoal e espiritual foi uma experiência verdadeiramente enriquecedora: pelas muitas pessoas que conheci nas várias missões, por ter podido trabalhar com irmãs e irmãos de outras confissões evangélicas, por ter dado um modesto mas espero útil contributo às atividades da FCEI. A nível mais institucional, nestes seis anos (dois triénios), tenho visto e contribuído para o desenvolvimento de inúmeras iniciativas ao tocar nos muitos e diversificados sectores de actividade desenvolvidos pela FCEI. Da formação à liberdade religiosa, da área migratória à resposta de emergência em emergências humanitárias, da informação jornalística à produção de rádio e televisão. O que me ajudou muito desde o início foi o ambiente em que se desenvolviam os trabalhos do nosso conselho: colaboração e fraternidade que nos permitia unir forças e desenvolver o diálogo interno nas melhores condições possíveis. A responsabilidade de tesoureiro deu-me também a oportunidade de conhecer os mecanismos de funcionamento da máquina organizativa da FCEI. O primeiro ano, talvez o mais cansativo, foi dedicado a conhecer os pontos fracos da administração e a iniciar algumas reformas internas que foram sendo aperfeiçoadas e implementadas nos anos seguintes. Excelente relacionamento com os colaboradores, amplamente renovado durante o mandato, e com a cooperativa Martin Luther King nosso precioso parceiro nas missões da Mediterranean Hope, o serviço aos migrantes da FCEI". Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? “Gostaria de desejar ao próximo ecônomo os meus melhores votos por um serviço exigente e responsável. O suporte da equipe e o relacionamento próximo com o profissional externo são duas ferramentas fundamentais para que tudo funcione bem. A estrutura financeira e patrimonial é a de um órgão eficiente e deve ser consolidada com um trabalho de planejamento e controle que deve envolver todos os serviços da federação. O novo conselho também terá que estudar os reflexos da reforma das entidades do terceiro setor na vida da FCEI. Já foi iniciado um estudo sobre os custos e benefícios de nossa possível adesão e estamos deixando um laudo técnico do profissional que nos atendeu até o momento. A um nível mais geral, desejo aos novos diretores e ao novo presidente a capacidade de criar o clima de trabalho positivo que, como já disse na minha experiência, é essencial para a concretização dos nossos projetos. Com a ajuda do Senhor”. ...

Ler artigo
Ecumenismo.  A partir de 28 de maio, em Novi Sad, a pré-assembleia da juventude europeia do KEK

Ecumenismo. A partir de 28 de maio, em Novi Sad, a pré-assembleia da juventude europeia do KEK

Novi Sad; foto do site KEK Roma (NEV), 15 de maio de 2018 – Os jovens guiarão os trabalhos da XV Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa, que será inaugurada em 15 dias em Novi Sad (Sérvia). De 28 a 31 de maio, a cidade sérvia, capital da região de Vojvodina, está de fato marcada para a pré-Assembléia dos jovens, acompanhada também pelo lema "Sereis minhas testemunhas" retirado do livro dos Atos da Apóstolos (1:8). Jovens de todos os cantos da Europa e pertencentes a diferentes tradições cristãs discutirão sua visão da Europa em torno de três áreas principais: testemunhar de Cristo, apoiar a justiça, demonstrar aceitação. Da discussão resultará um documento que será apresentado à Assembleia Geral no domingo, dia 3 de junho, durante o debate sobre o "Futuro da Europa" que contará com a presença, entre outros, do patriarca de Constantinopla, Bartolomeu Io Arcebispo de Canterbury, Justin Welbye o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans. O programa da pré-Assembleia Juvenil inclui uma perspetiva histórica sobre o CEC e a Igreja Ortodoxa Sérvia que acolhe o evento, e momentos de formação sobre o funcionamento da Assembleia, em que várias raparigas e rapazes vão participar como delegados ou como mordomos. Entre os oradores oficiais da assembléia, ele também figura Lisa Schneiderrepresentando o Conselho Ecumênico para a Juventude na Europa (EYCE). A pré-Assembléia dos jovens terminará na manhã do dia 31 de maio; na tarde do mesmo dia, terá início a XV Assembleia Geral do CEC com a sessão plenária inaugural e um culto de abertura a realizar no centro da cidade. a Assembléia terminará em 5 de junho. (Libra) ...

Ler artigo
Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Roma (NEV), 7 de outubro de 2022 - Em vista do XX Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado em 10 de outubro, a Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) relança a campanha global Coalizão Mundial. Este dia, explica a ACAT, “une o movimento abolicionista global. Também mobiliza a sociedade civil, líderes políticos, advogados, opinião pública para apoiar o apelo à abolição universal da pena de morte. O dia encoraja e consolida a consciência política e geral do movimento global contra a pena de morte". Vinte anos de mobilização mundial se passaram. Agora “é o momento de considerar e celebrar as conquistas que o movimento abolicionista alcançou. Agora, mais do que nunca, os atores abolicionistas devem continuar trabalhando pela abolição completa da pena de morte em todo o mundo, para todos os crimes”. No dia 10 de outubro de 2022, ainda ilustra a organização cristã, o Dia Mundial será dedicado à reflexão sobre a relação entre o recurso à pena de morte e a tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos e degradantes. “Os tipos de tortura e outros maus-tratos sofridos durante a longa espera pela pena de morte são vários e numerosos – continua ACAT -. A tortura física ou psicológica foi aplicada em muitos casos durante os interrogatórios para extrair confissões de crimes graves. O fenômeno do corredor da morte contribui para o declínio psicológico de longo prazo na saúde de uma pessoa. As duras condições de vida no corredor da morte contribuem para a deterioração física. Uma possível antecipação da data da execução causa angústia. Por fim, os métodos de execução causam uma dor insuportável aliada ao sofrimento vivenciado pelos familiares e pessoas que têm relações próximas com o executado”. Outro aspecto, muitas vezes subestimado, é o da discriminação com base no sexo, gênero, condição social, idade, orientação sexual, status de minoria religiosa e étnica e muito mais. Estas discriminações, que atingem pessoas mesmo fora dos contextos restritivos, podem “agravar ainda mais o tratamento cruel, desumano e degradante de pessoas condenadas à morte” conclui a ACAT. A PENA DE MORTE EM NÚMEROS(Estatísticas da Anistia Internacional) 110 estados aboliram a pena de morte para todos os crimes. 7 estados aboliram a pena de morte para crimes comuns. 27 estados são na prática abolicionistas. 55 estados ainda aplicam a pena de morte. Os 5 países que mais executaram no mundo em 2021 são, na ordem: China, Irã, Egito, Arábia Saudita e Síria. 28.670 pessoas foram condenadas à morte em todo o mundo no final de 2021. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica. Cometida contra a tortura e a pena de morte, ela trabalha ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os Direitos Humanos. Fundada formalmente na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. ACAT adere à Federação Internacional FIACAT. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.