Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020. A relação existente entre as igrejas protestantes e a Maçonaria do Grande Oriente da Itália deriva do antigo rito escocês, já desde 1860, e até o primeiro quartel do novo século. “Uma estimativa dos evangélicos pertencentes à Ordem naqueles anos é aproximada por padrão”, explicou o Prof. Marco Novarino, da Universidade de Turim, abrindo a segunda parte da jornada de estudos “A limões Católico. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida”.

No entanto, disse Novarino: “é possível estimar que houve 123 pastores iniciados na loja maçônica do Grande Oriente da Itália naquele período”. E depois acrescentou: “a estes devemos acrescentar também outros membros leigos das igrejas protestantes. A convergência de diferentes elementos sociais e culturais existentes entre os dois mundos deu origem ao que se chamou a figura do maçom evangélico”. Em particular, havia: “o amargo sentimento antipapista e anticlerical que os unia a ambos e, além disso, sob a influência político-religiosa britânica e americana, cosmopolita que os unia”.

Uma relação, aquela entre os membros das igrejas evangélicas e a Maçonaria italiana, que no entanto já trava no início da Primeira Guerra Mundial como resultado da opção intervencionista e do crescente nacionalismo entre os círculos maçônicos, “que antes eram cosmopolita”, lembrou o professor Novarino. Assim surgiu o fascismo, o isolacionismo americano e a crise de 1929; e com ela veio o financiamento da missão episcopal que veio dos Estados Unidos, que tinha a ambição de “construir uma nova classe dirigente italiana que fosse iluminada pelo Evangelho e longe das superstições clericais, papais e romanas”, como ele explicou no final da tarde, em seu relatório intitulado: “A questão religiosa nas relações ítalo-americanas”, o historiador Luca Castagna, da Universidade de Salerno.

Uma ambição evidentemente desconsiderada de “formar uma classe dominante metodista na Itália unificada”, objeto do relatório final que foi confiado ao professor Daniele Garrone, um dos maiores especialistas do protestantismo italiano. Ele lembrou o caso específico do instituto Monte Mario, em Roma, um instituto de ensino superior de alto nível, criado “com o objetivo de formar jovens que deveriam renovar a classe dominante na Itália”. Garrone explicou, citando documentos de Nova York e guardados na Torre Pellice, que: “o objetivo do colégio internacional era aumentar os cursos a serem ministrados em inglês, a frequência de cursos esportivos, melhorar a oferta financeira e a cultura de Monte Mario, em suma, construir uma nova classe dirigente italiana, iluminada pelo Evangelho”. E então concluiu – não sem antes ter descrito o prédio que abrigava o colégio Monte Mário também do ponto de vista arquitetônico e paisagístico – considerando que: “O objetivo de Monte Mário era criar uma espécie de contrapartida educacional ao de origem católica privada”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

Roma (NEV), 17 de setembro de 2019 - Paz sem fronteiras é o título do encontro internacional anual pela paz promovido pela Comunidade de Sant'Egidio. Muitos expoentes evangélicos e várias igrejas protestantes de todo o mundo também participaram do encontro sobre o diálogo inter-religioso, nascido de uma ideia de Wojtyla em 1986, que está acontecendo em Madri nestes dias, de 15 a 17 de setembro. Em particular, ontem, 16 de setembro, um dos 27 painéis da cúpula participou de uma mesa redonda sobre o tema da migração, Paulo Nasocoordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, e pastor valdense Eugênio Bernardiniex-moderador da Mesa Valdense. “Acreditamos em um amor que nos impulsiona a servir os outros – explicou Bernardini -, um amor inclusivo que não deixa ninguém sozinho e abandonado e por isso nos impulsiona a um compromisso com fronteiras cada vez mais avançadas, como as dos refugiados e migrantes, para os "marginais" e aqueles que o sistema tende a expulsar. E gostaríamos que tudo isso fosse feito invertendo a ideia atual: não “primeiro nós e nosso clã”, mas primeiro os últimos”. Iniciando seu discurso com uma citação do pastor batista Martin Luther Kingde um sermão de 1957, em plena crise racial – “É meia-noite na ordem moral” E “Você perdeu o senso de certo e errado” – O professor Paolo Naso denunciou “A avalanche de falsidades e hipocrisias que tem caracterizado o debate sobre a imigração nos últimos anos. Um inimigo foi construído, assim como um muro de medo e preconceito foi construído, diante de um fenômeno que pode ter soluções sustentáveis ​​e viáveis. Isso é demonstrado pela experiência dos corredores humanitários, que os evangélicos iniciaram com Sant'Egidio em 2016. Mas agora temos um novo desafio pela frente: transformar uma boa prática em uma política estrutural. É por isso que pedimos um corredor humanitário europeu da Líbia para 50.000 refugiados”. O evento em Madri terminará esta noite, terça-feira, 17 de setembro, quando, após a oração de cada religião de acordo com sua própria tradição, os líderes religiosos eles se reunirão na Plaza de la Almudena para lançar um apelo pela paz. ...

Ler artigo
A lição de Martin Luther King

A lição de Martin Luther King

Roma (NEV), 21 de março de 2022 – Há o Martin Luther King que todos conhecem, líder do movimento pelos direitos civis nos EUA, pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, e há histórias, anedotas, muito menos reconstruções populares, exploradas no livro de Paulo Nasoprofessor de ciência política, ex-coordenador do Mediterranean Hope, "criador" dos corredores humanitários da FCEI, entre outros. Aquele livro tornou-se um espetáculo feito de leituras, vozes e música. A primeira apresentação aconteceu em Roma no sábado, 19 de março, na Faculdade Valdense de Teologia, perto da Piazza Cavour. Diante de uma sala lotada, com, na primeira fila, o ex-vice-ministro e atual representante da UE para as relações com o Sahel, Emanuela C. Del Re e a editora Jose Laterzaas palavras de Paolo Naso alternavam-se com coros e música, graças ao maestro Alberto Annarilli e às vozes de Elisa Biason e o coro Vozes da graça – Amlas. Descobrindo as luzes, mas também as sombras da jornada política e humana de King, assim como de outros protagonistas do movimento pelos direitos civis, começando por Rosa Parques “muitas vezes contada como uma dona de casa que estava cansada demais naquele dia para não se levantar e dar seu lugar no ônibus para os brancos enquanto era militante”, figura política de destaque naquele movimento. Um movimento que ainda tem muito a dizer e a ensinar e que tem um papel atual, partindo de Black Lives Matter até, quem sabe, poder dar respostas às vozes que hoje se mobilizam na galáxia pacifista, contra as guerras, contra racismo . "Numa história envolvente e apaixonante - lê-se na apresentação do evento -, Paolo Naso reconstrói a história de Martin Luther King a partir de seu assassinato em Memphis em 4 de abril de 1968 com letras e músicas que levam o espectador a compartilhar as emoções daqueles anos. A história centra-se no King mais "radical", menos conhecido e celebrado e, por isso mesmo, incompatível com o ícone tranquilizador e inofensivo que o inseriu no establishment político e uma historiografia apologética que acabou por congelar King à imagem de o enésimo e solitário herói americano. Pelo contrário, a história adota a tese de Ella Baker – um dos primeiros colaboradores de King – segundo o qual “não foi Martin quem criou o movimento, mas o movimento criou King”. E por isso a sua ação deve situar-se no quadro de um movimento mais amplo e articulado. As dez canções propostas não são uma simples ajuda musical, mas constituem um fio condutor da história que leva o espectador a partilhar a música e as emoções daqueles anos. Os ritmos e letras dos negros espirituais executados, por exemplo, integram-se perfeitamente com a pregação, retórica e ação de King e do Movimento dos Direitos Civis. Por outro lado, nos anos das marchas de protesto e sit-ins, outros gêneros musicais "profanos" também se destacaram, recuperando canções de luta do início dos anos 1900, como a conhecida e famosa We Shall Supere. Mas foram também os anos das canções de protesto contra a guerra, assinadas por autores que marcaram época: Bob Dylan, Joan Baez, Peter, Paul e Mary... Finalmente, as fotos projetadas no fundo constituem uma terceira trilha da história e ilustram a coragem, a criatividade, a esperança, mas também a injustiça e a violência daqueles anos”. O evento sobre Martin Luther King será realizado em breve em Domodossola e Milão. Aqui estão mais fotos do show na Faculdade Valdense: ...

Ler artigo
Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

foto não salpicada Roma (NEV/Riforma.it), 4 de julho de 2022 – A noite Article21 será realizada hoje, 4 de julho, em Roma, na Casa Internazionale delle Donne, para celebrar os primeiros vinte anos da associação que reúne jornalistas, escritores, diretores, juristas para promover o princípio da liberdade de expressão. “Um momento compartilhado com muitos amigos para repassar as muitas batalhas e iniciativas em defesa da liberdade de expressão na Itália e no mundo” e para discutir os compromissos atuais e futuros. Vamos comemorar juntos #20anosArt21 no@CasaIntDonne_Rm na via della Lungara 19 a #Roma.Para inscrições tem ativo o IBAN IT19D0335901600100000106255, registado na associação #Item21Via Adolfo Ravà, 106 – 00142 Roma. Esperamos que muitos de vocês venham! — article21.info (@Artventuno) 3 de julho de 2022 “Vinte anos e tantas coisas por dizer, caminhos por percorrer – continua no site do Artigo 21, livre para… –, ideias para pôr em circulação e ideais para defender. O Artigo 21 entra em seu auge e relança os temas que caracterizam o negócio desde o primeiro dia. Ou seja, aquela “fixação” pela liberdade de expressão que, no entanto, não coincide com “sinal verde para os insultos”. De 2002 até hoje muitas coisas aconteceram ao nosso redor, dentro de nós, graças a nós ou apesar de nós, a Associação Artigo 21 cresceu graças à contribuição e atenção de um mundo que não coincide com o dos jornalistas e que tem ajudou-nos a iluminar as periferias geográficas, sociais, econômicas e a contar o que muitos não quiseram ver ou contar na Itália e no mundo. Por isso, o aniversário do Artigo 21 (que foi precisamente no último dia 27 de fevereiro) foi uma longa comemoração, estendida aos círculos regionais e com a presença de associações, órgãos, universidades, fundações e colaboradores, parte de uma grande família que sulca a liberdade e o respeito para o outro. "Os vinte anos do Artigo 21 celebrados oficialmente no dia 4 de julho não serão uma ocasião meramente simbólica - especifica o porta-voz nacional Elisa Maríncola –. Com a memória deste longo e intenso período juntos e com cada uma das iniciativas nacionais e sobretudo locais, pretendemos relançar as campanhas que temos promovido, partilhado com outras realidades e que continuamos a relançar porque a emergência democrática não parece terminam na Itália e no mundo, e a implementação dos princípios constitucionais ainda requer uma longa jornada e o compromisso de todos nós por muito tempo”. Artigo 21 "nunca sofreu de ciúmes de siglas e organização, nunca aspirou ser" o primeiro ", melhor ser o último - escreve Joseph Giulietti, um dos fundadores e ainda mentor do Artigo 21 sobre Liberdade e Justiça – mas chegando à linha de chegada junto com as tantas diversidades e diferenças, sem as quais haveria apenas o coro de pensamento único. Então, quando tivemos que defender a Constituição e nos opor às mordaças, junto com a Federação Nacional da Imprensa, decidimos reunir todos na Piazza del Popolo em Roma, sem bandeiras partidárias, sem espírito corporativo, todos unidos atrás de uma enorme bandeira tricolor e com a Constituição em mãos”. Eles estarão presentes para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Gian Mario Gillio da Reforma e porta-voz do Círculo Piemonte do Artigo 21 (gerente de relações externas da Fcei e diretor-gerente da agência de imprensa Nev), Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador da coluna Rai3 Protestantismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.