A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”.

O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos “desafiadores” da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa “veio do fim do mundo”.

Naso mostra como o “penhasco católico” se relacionou com a “onda pentecostal”: primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI “em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”.

Em vez disso, Bergoglio introduziu “uma estratégia de diálogo” baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria “mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo”.

Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”.

O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 – aquela que definia o culto pentecostal como “prejudicial à integridade física e mental da raça” – perseguiam os pentecostais em nosso país.

Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos ‘fins do mundo’, onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta”.

No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à “Teologia Pentecostal da missão” com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 - "Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê". Com este versículo (do Sermão sobre Romanos 1, 16a e 17) teve início hoje, 28 de abril, em Roma, o Sínodo da Igreja Luterana na Itália (CELI). O culto de abertura, confiado aos pastores Kirsten Thiele E Carsten Gerdes, partiu de uma referência aos lugares narrados nos volumes de Asterix, “a pequena aldeia gaulesa que resiste a César e ao império romano. Assim deve ter sido em Roma naquela época: uma pequena comunidade cercada por todos aqueles que acreditavam em outras coisas. Ele realmente precisava de algum incentivo, porque a tentação de se esconder, de não fazer algo diferente, provavelmente era grande." O impacto da pandemia, mas também a crise internacional e climática estiveram no centro do relatório do presidente do Sínodo Wolfgang Prader, que recordou diante dos 47 deputados sinodais presentes a etimologia do termo “sínodo”: “syn”, que significa “juntos” e “odòs”, que significa “caminho, caminho” em grego antigo”. “O sínodo – declarou – é o órgão supremo, a assembléia de religiosos e leigos que regula a doutrina e a organização da Igreja […] Em minha escrivaninha há uma pequena cruz, que recebi anos atrás, feita por um escultor soviético, que nasceu em uma cidade que hoje fica na Ucrânia. A guerra não é a solução, a Europa precisa de paz”. Relatório do Presidente da #Sinodolutheran2022 See More, W. Prader. “A guerra é uma cesura na Europa e no mundo: ela nos sacode profundamente das consequências para as pessoas e para a Europa que não são totalmente previsíveis”. @nev_it @Avvenire_Nei @oss_romano @Riforma_it @Protestantismo @agensir pic.twitter.com/TKWccWFjrg — CeliTWEET (@CeliTWEET) 28 de abril de 2022 O reitor cessante, Heiner Bludau, no relatório anual do Consistório, lembrou como "a Igreja não é uma instituição fechada em si mesma" e falou de um novo "choque entre o Oriente e o Ocidente", devido à guerra na Ucrânia. E citou a célebre frase de Martinho Lutero: “Se o mundo acabasse amanhã também, eu ainda plantaria uma macieira no meu jardim”. Que tarefa para a igreja luterana na Itália? “Não devemos fechar os olhos para os medos que nos perseguem, mas também não devemos deixar que os medos determinem nossas vidas”, disse Bludau. O Decano também destacou a estreita colaboração da Igreja Luterana com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. E o presidente da FCEI, Daniele Garronefalou como convidado no primeiro dia do Sínodo, trazendo as saudações e agradecimentos da federação dos protestantes italianos, e recordando o compromisso social, em particular pelos corredores humanitários e a favor dos migrantes, com os novos projetos do social albergue em Piana di Gioia Tauro e projetos para ajudar pessoas que fogem da Ucrânia. “Liberdade e responsabilidade: não poderia ter escolhido lema mais protestante – disse Garrone. E, citando Lutero, uma ideia que “nos transforma de seres curvados sobre nós mesmos em pessoas que podem ficar de costas eretas e olhar em volta”, onde “ao redor há tanto para os outros fazerem”. “O desafio para todos nós – continuou –, e espero que a FCEI possa servir de espaço para essas reflexões, é fazer um trabalho de memória. A Escritura – onde a história se vive e se vê entre a memória e a esperança – a oração e as nossas estruturas de assembleia são ferramentas para responder aos desafios do presente”. Finalmente, no que se refere à guerra, para Garrone, é necessário, ao falar do “Ocidente”, “lembrar que a história conduziu à liberdade. Uma história cansativa e muito dolorosa, cujas atrocidades não devemos esconder, feita de séculos de guerras religiosas, de intolerância, de antijudaísmo”, mas que felizmente deu origem às actuais democracias. Os trabalhos do Sínodo da Igreja Luterana na Itália continuarão amanhã, sexta-feira 29 e sábado 30 de abril, com a eleição do novo reitor e vice-reitor, para concluir finalmente no domingo, 1º de maio. Para mais informações: AQUI o comunicado de imprensa n.3, relativo aos trabalhos do primeiro dia do Sínodo do CELI. ...

Ler artigo
Guerra, paz, conversão.  Um testemunho de fé e compromisso

Guerra, paz, conversão. Um testemunho de fé e compromisso

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2023 - Na véspera da conferência "Vamos abandonar a guerra mundial em pedaços" em 15 de fevereiro, publicamos a "História de uma conversão pelo caminho da Paz". É o testemunho de Maria Elena Lacquaniti, coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A GLAM é uma das promotoras deste encontro que comemora os 20 anos da grande mobilização de 2003 pela paz no Iraque e pretende reflectir sobre os desafios do movimento anti-guerra internacional. As palavras de Lacquaniti expressam a vocação de "Professar a paz, trabalhar pela justiça". A história de sua conversão vai do comércio justo, ao ativismo político, à entrada em uma igreja batista, segurando cartazes pela paz. A chamada vem através de encontros significativos com os fiéis, padres e freiras, um pároco e sua esposa. Lacquaniti escreve: “Em pouco tempo, o vazio deixado pelos camaradas que lutaram e se extinguiram foi preenchido para nossa surpresa por um público diferente, abrindo-nos para novas amizades e colaborações. […] Assim, turmas de crianças, alunos e alunas do ensino médio, professores ativos e aposentados e, com eles, associações e movimentos, mas sobretudo pessoas de fé, passaram pela oficina aos Hare Krishnas que acompanharam durante uma tarde inteira com sons e canções a exposição de fotos que montamos para aumentar a conscientização sobre o horror das crianças-soldado em Serra Leoa, um Don Gigi do oratório salesiano, passando pelo pároco Blasco Ramirez e a esposa dele Irene Vianello que nos convidou para falar sobre comércio justo na igreja batista de Civitavecchia e vender nossos produtos durante o agapi”. A escolha pacifista se confunde com a vida das pessoas comuns, estudantes, famílias, comerciantes, com irmãs e irmãos das igrejas. E isso leva a reencontrar a Bíblia e Jesus. Maria Elena Lacquaniti quis dar seu testemunho às vésperas do encontro em Roma no dia 15 de fevereiro promovido junto com Un Ponte Per, a Rede Nacional de Coordenação para a Paz e o Desarmamento, o próprio GLAM e outros. (Encontro na Igreja Evangélica Metodista na via XX Settembre em Roma a partir das 16h30 e online ao vivo no facebook e outros sites). Leia aqui a História de uma conversão pelo caminho da Paz. ...

Ler artigo
abordar o discurso de ódio

abordar o discurso de ódio

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de junho de 2019 – A sexta Escola de Verão sobre direitos humanos da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) decorreu de 17 a 20 de junho em Lisboa, Portugal. Em cooperação com o Conselho Cristão Português das Igrejas (COPIC), cerca de 50 participantes de diferentes origens nacionais, étnicas e religiosas tiveram a oportunidade de estudar juntos e receber formação interdisciplinar sobre liberdade de expressão, discurso de ódiocrimes de ódio e como prevenir o discurso de ódio em contextos religiosos. A discussão foi inspirada na premissa bíblica de Efésios 4:15-17 “mas, falando a verdade com amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, isto é, Cristo. Do qual todo o corpo, bem conectado e unido, pela contribuição de cada junta e de acordo com o vigor de cada parte, produz o crescimento do corpo para a edificação de si mesmo no amor. Isto, portanto, testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam os outros gentios, na vaidade dos seus pensamentos”. Os participantes examinaram a relação entre uma crescente falta de respeito entre as pessoas na comunicação, especialmente nas chamadas mídia social, e a ascensão do populismo político em escala global. As raparigas e rapazes foram também informados sobre as relações entre o Estado e a religião em Portugal, especialmente sobre a cooperação entre a Igreja e o Estado no acolhimento e integração dos migrantes na sociedade. As igrejas na Europa estão empenhadas em defender o direito fundamental à liberdade de expressão e opor-se ao ódio. Eles exortam todos os atores relevantes da sociedade a se envolverem no debate público para aumentar a dignidade humana de cada indivíduo. Sublinham também a necessidade de um diálogo informado e factual que reflicta, na procura de soluções adequadas, a complexidade das questões políticas e sociais do nosso tempo. Durante a Escola de Verão, palestrantes e participantes levantaram preocupações de que os populistas encorajam ou usam “discurso de ódio” para colocar um grupo contra o outro, a fim de ganhar uma quantidade significativa de votos, em vez de contribuir para a paz social e o compromisso político. Atitudes xenófobas, estigmatização de minorias, estereótipos com base em raça, cor, nacionalidade e origem étnica, religião, deficiência, gênero ou orientação sexual levam ao ódio e podem, eventualmente, levar à violência. O antissemitismo, a islamofobia e a cristianfobia são expressões dessas atitudes; no entanto, não é apenas um discurso religioso, mas também envolve e diz respeito a outras realidades, como os refugiados ou ciganos ou outros grupos minoritários. Da Itália, o pároco participou Luca Barattoresponsável pelas relações ecumênicas internacionais e secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Entre os palestrantes estavam Pedro CaladoAlto Comissário para as Migrações em Portugal, Tatjana PericConselheiro para o Combate ao Racismo e à Xenofobia da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Jonatas Machado do Centro de Direitos Humanos da Universidade de Coimbra, bem como especialistas de organizações muçulmanas e judaicas. O presidente da COPIC, o bispo Jorge Pina Cabral, sublinhou: “Esta é uma grande oportunidade para estreitar os laços entre as diferentes igrejas em Portugal, refletindo sobre problemas e desafios comuns que enfrentamos na sociedade. Aprender uns com os outros e estudar juntos é a forma cristã natural de combater o ódio em todas as suas formas”. O presidente do CEC, o pároco Christian Kriegerele disse: “Em um momento de populismo crescente, combater a disseminação do discurso de ódio é uma responsabilidade que cada um de nós deve assumir. A Conferência das Igrejas Europeias está empenhada em fazê-lo, no seio dos seus membros e em parceria com outras partes interessadas”. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.