Federação protestante da França entre novos e velhos desafios

Federação protestante da França entre novos e velhos desafios

Roma (NEV/Riforma.it), 3 de fevereiro de 2020 – A assembleia anual da Federação Protestante da França (FPF) foi realizada nos dias 25 e 26 de janeiro, reunindo quase 170 delegados representando 30 igrejas e mais de 500 diáconos.

Para além das habituais obrigações estatutárias, a edição 2020 da assembleia geral teve vários destaques: a mensagem aos delegados da assembleia geral do presidente da PFF, pároco François Clavairoly, que traçou as principais linhas de ação do protestantismo para o ano de 2020; conferência do pastor Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC); a avaliação do ano de 2019 com a apresentação do relatório de atividades pelos serviços, concelho e comissões da Federação.

Novos membros foram acolhidos dentro da FPF: CEEEFE, Comunidade das Igrejas Protestantes de Língua Francesa, que reúne mais de 30 igrejas reformadas de língua francesa no mundo, APATZI, Associação Protestante de Amigos das Populações Ciganas, Fundação das Diaconisas de Reuilly e, em julgamento, Adra France e a comunidade de Goshen.

Algumas recomendações importantes foram votadas: entre estas, também “Não há paz sem justiça”, uma moção de apoio às atividades do Dr. Denis Mukwegemédico congolês, Prémio Nobel da Paz 2018, na sequência da conferência que o médico proferiu em Paris, durante a qual também exortou o protestantismo transalpino a agir para pôr fim finalmente aos terríveis conflitos tribais que perturbam a República Democrática do Congo.

O Dr. Mukwege, de facto, em novembro de 2019, pediu à FPF que atuasse para que fosse criada na República Democrática do Congo uma plataforma que reunisse todos os atores protestantes já engajados nesta temática.

Por fim, um grande texto relembra o 75º aniversário da libertação dos campos de extermínio, em um contexto de crescentes atos anti-semitas na França. A assembléia geral encorajou o Conselho a expressar sua solidariedade com a comunidade judaica e a continuar o diálogo fraterno com o judaísmo. Em 27 de janeiro passado, por ocasião da inauguração do renovado memorial da Shoah pelo Presidente da República Francesa Emmanuel Macrontambém compareceu o presidente da FPF Clavairoly.

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio.  Pergunta de trabalho

Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio. Pergunta de trabalho

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O 5º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), está prestes a chegar. Marcação no próximo dia 7 de maio, das 19h00 às 20h00. O tema deste episódio é "A questão do trabalho, reflexões entre o norte e o sul da Itália". “O último episódio da Rádio GLAM antes das férias de verão abordará o tema do trabalho – escrevem os organizadores -. Convidamos você a participar para enriquecer as ideias que nos chegarão dos dois convidados da noite com a contribuição dos ouvintes, Elisabetta Raffa jornalista e David Mozzato pastor adventista, que narrarão o tema respectivamente do sul e do norte da Itália”. Para entrar na reunião no Zoom: ID da reunião: 876 1707 2469 Senha: 028216 Para marcar participação escreva para:[email protected] A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de comunidades ecológicas, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! A Comissão de Globalização e Meio Ambiente Lá Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã. A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até à verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
“Os custos da guerra são pagos pela população”

“Os custos da guerra são pagos pela população”

Roma (NEV), 17 de outubro de 2019 - Ajudar milhares de refugiados sírios, um número cada vez maior que a escalada militar só pode aumentar exponencialmente: este é o primeiro objetivo e compromisso do pastor Riad Jarjoursírio de Aleppo, criado em Homs, presidente do Fórum de Desenvolvimento, Cultura e Diálogo de Beirute (FDCD). A situação em toda a área é, obviamente, cada vez mais dramática. “Tentamos ajudar as pessoas, os deslocados (internamente pessoas deslocadas, idp, um acrônimo para indicar pessoas deslocadas, que não cruzaram as fronteiras de seu próprio país, ao contrário dos refugiados, mas que estão, portanto, entre as categorias mais vulneráveis, ed) para sobreviver, antes de tudo, e viver em condições dignas, com dignidade em abrigos adequados. E também tentamos ajudar a sociedade síria a se reconstruir: porque os valores desmoronam com a guerra”. A guerra destrói casas, estradas, aldeias, vidas pessoais, mas também sociedades inteiras, ou o que deveria manter uma sociedade unida. As Igrejas, portanto, segundo Jarjour, devem “trazer confiança entre as pessoas, criar caminhos de reconciliação entre as comunidades, promovendo os valores da igualdade e da cidadania. E prevenir a violência, o extremismo religioso”. E na Europa, o que as igrejas e a sociedade civil podem fazer agora? “Pedir que as pessoas estejam no centro de todas as negociações, de tudo, olhando a realidade do ponto de vista das pessoas. Porque são eles, os povos, que pagam o preço da guerra, o custo das sanções impostas aos seus Estados”. “E continuar a apoiar as vozes da sociedade civil síria – acrescenta Mireille Hamouchedas FDCD - , partilham com ações de advocacia em todos os países europeus o que têm feito as muitas realidades da sociedade civil síria, que nos últimos 7 anos conseguiram reconstruir um tecido muito ativo, para voltar, nesse contexto, a querer ser protagonista da vida do seu país, da reconstrução depois da guerra". Rev. Dr. Riad Jarjour e Mireille Hamouche (FDCD) com Paolo Naso, coordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da FCEI Com sede em Beirute, Líbano, o Fórum para o Desenvolvimento, Cultura e Diálogo (FDCD) organiza seminários, conferências e sessões ad hoc, para implementar o diálogo social e a não-violência.Fundado em 2004, o FCDD pretende “alcançar um mundo árabe esclarecido, no qual as diferentes opiniões políticas, etnias e religiões estejam inseridas numa cultura profundamente diversificada de paz e diálogo, respeitando e promovendo os direitos de todos os cidadãos. Promovemos a construção da paz, cidadania igualitária e direitos humanos no mundo árabe, criando espaços comuns de diálogo e desenvolvendo a capacidade de comunidades e grupos da sociedade civil serem catalisadores da paz. Respeitamos a dignidade de cada ser humano, valorizamos a diversidade de culturas na região, incentivamos o diálogo e o entendimento como meio de resolução de conflitos e percebemos a justiça como um valor na base da paz duradoura”. [BB] ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, a nova campanha de 2 de maio

Otto per mille Waldensian, a nova campanha de 2 de maio

Roma (NEV), 28 de abril de 2023 – A nova campanha publicitária do Otto per mille Waldensian será lançada em alguns dias. O protagonista também será este ano, como em 2022, o DJ, radialista e escritor Diego Passoni. Os canais de mídia social Otto per mille dão as notícias. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.