Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Souraya Bechealany (créditos: Cynthia Bou Zeid / Conselho de Igrejas do Oriente Médio)

Roma (NEV), 6 de julho de 2018 – “A paz esteja com vocês. Cristãos juntos pelo Oriente Médio”, com este lema dezenas de líderes cristãos do Oriente Médio de várias denominações se reunirão amanhã em Bari para um encontro ecumênico de oração promovido por Papa Francisco.

Entre os muitos participantes também figuram Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), libanês maronita e professor de teologia na Universidade “Saint-Joseph” de Beirute.

Esperado em Bari, entre outros, o patriarca ecumênico de Constantinopla Bartolomeu I; o metropolitano Hilarion representando o patriarca russo Kirill; o patriarca ortodoxo grego de Alexandria e toda a África Teodoro II; para o papa das igrejas ortodoxas coptas Tawadros II; o Patriarca Siríaco Ortodoxo de Antioquia Aphrem II; o patriarca caldeu, cardeal Louis Sako; o bispo Sani Ibrahim Azar da Igreja Evangélica Luterana na Jordânia e na Terra Santa.

Souraya Bechealany (MECC), falando por ocasião da recente Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) em Novi Sad na Sérvia, sublinhou a importância da relação entre as comunidades cristãs e muçulmanas no Médio Oriente, recordando: “não falem por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. Na véspera do encontro em Bari, nós a entrevistamos.

Souraya Bechealany, as estatísticas falam por si: o número de cristãos no Oriente Médio vem diminuindo há décadas, especialmente em países em conflito. Como as comunidades cristãs presentes na região vivem esta situação?

O medo está vivo nos cristãos, é claro. Um sentimento humano e mais do que fundamentado. Mas esse medo está presente em todas as populações do Oriente Médio. Todos estão expostos à incerteza, opressão, pobreza, perseguição. É por isso que se deve fazer um apelo para que se tomem medidas a nível internacional para salvar o homem, cada homem; e para salvar a sociedade, todas as sociedades do Oriente Médio.

Você repetiu várias vezes que, no contexto do Oriente Médio, os cristãos são importantes para os muçulmanos e vice-versa. Você pode explicar melhor essa relação, que parece estar em perigo hoje?

A fé cristã tem seu fundamento na comunhão da Santíssima Trindade. É, portanto, fundamentado na unidade da diversidade. Falar da diversidade significa saber acolher o outro como “Outro”, como diferente de mim, e com quem sou chamado a viver em comunhão. Devemos cultivar esta comunhão, esta abertura para e para o Outro, para os outros, para todos os outros. Daí a importância do princípio da alteridade.

A presença cristã no Oriente Médio faz parte desse movimento de alteridade e de unidade na diversidade. É importante não só para os cristãos, mas também para os muçulmanos, e diria, para o mundo. Se os cristãos desaparecessem desta região, os primeiros a perder seriam os próprios muçulmanos e depois o mundo inteiro. Porque perderíamos o “vis-à-vis” ancestral com os muçulmanos, com o nosso irmão diferente e muito mais. Teríamos desestabilizado o equilíbrio geopolítico e demográfico da região e, portanto, do mundo; e assim enfraquecido, perder-se-ia o direito à existência de todos os cidadãos desta região.

O que você espera deste encontro ecumênico de oração para os cristãos do Oriente Médio amanhã em Bari?

A kairosum momento propício “para o Espírito Santo e para a Igreja”, onde “juntos escutaremos o que o Espírito diz hoje às Igrejas”, e nos deixaremos guiar com ousadia por Ele para alcançar a justiça e a paz.

Ela será a única líder feminina desta reunião. Cristã e libanesa, você acredita que as mulheres – de todas as confissões e religiões – têm um papel a desempenhar nessa busca pela paz e pela justiça?

Tenho certeza de que não apenas as mulheres podem desempenhar um papel importante na busca da paz e da justiça, mas sei que elas já o são. Com efeito, diria mais: a mulher não só “desempenha” este papel, mas é intrinsecamente um ser de paz, desde que se mantenha fiel a si mesma, ou seja, “viva e que dá a vida”.

Qual é o seu maior desejo para o futuro da região?

Igualdade e fraternidade entre todos, direito à liberdade religiosa, política e social, à cidadania para todos, à educação e a um maior cuidado com o meio ambiente e a Criação.

O Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), fundado em 1974 em Nicósia (Chipre) e atualmente sediado em Beirute (Líbano), visa facilitar a convergência das comunidades cristãs do Oriente Médio sobre temas de interesse comum.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo
O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

Pastor Marcelo Nicolau, Moderador da Mesa Valdense del Rio de la Plata, ramo sul-americano da igreja valdense. Foto de Daniele Fly Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 - O Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas continua seus trabalhos, após a sessão conjunta com a Assembleia Extraordinária da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), a chamada "Assembléia-Sínodo " que terminou ontem. Na mesa de discussão, além da vida da igreja e do trabalho dos institutos, obras e órgãos diaconais, relações ecumênicas e internacionais, cultura, projetos atuais e questões administrativas e orçamentárias. Também é dada grande atenção ao tema da solidariedade, acolhimento e inclusão dos migrantes, com experiências como a dos corredores humanitários do Líbano, Líbia e Afeganistão, criados por Tavola Valdese, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e A Diaconia Valdense e construída de forma ecumênica com realidades do mundo católico como a Comunidade de S. Egídio e a sociedade civil. Amanhã, em particular, falaremos sobre os fundos do Otto por mil das igrejas metodistas e valdenses e os inúmeros projetos humanitários apoiados. Esta manhã o pároco Marcelo Nicolau (foto com camiseta “Todos somos familiares” dos desaparecidos) novo moderadodor de Mesa valdense que representa o órgão executivo daigreja valdense do Rio de la Plata - ramo sul-americano da Igreja Valdense -, trouxe suas saudações. Nicolau destacou a importância da cooperação entre as igrejas. Ele também expressou seu apreço pelo caminho unitário das igrejas batista, metodista e valdense e pelo trabalho conjunto dos últimos dias com a Assembleia Sínodo, um caminho que representa um unicum em nível internacional e que também pode ser replicado em outros lugares. EU'igreja valdense del Rio de la Plata consiste em 24 igrejas entre Argentina e Uruguai, com 9 pastores cobrindo 9.500 quilômetros de norte a sul e cerca de 1.000 de leste a oeste. Os trabalhos sinodais continuarão até 26 de agosto. A eleição dos 7 membros do Conselho Valdense com o discurso final do moderador está marcada para sexta-feira. Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.itTwitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org (SMV01-NEVCS/22) ...

Ler artigo
a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

a visita do Papa Francisco ao Concílio Ecumênico

A partir da esquerda, Olav Fykse Tveit, secretário geral do WCC, e Andrzej Choromanski do PCPCU. Foto Albin Hilert/WCC Roma (NEV), 15 de maio de 2018 - "Caminhando, rezando, trabalhando juntos", este é o lema que acompanhará a "peregrinação ecumênica" - esta é a redação oficial da visita - do Papa Francisco a Genebra, na sede da o Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), no próximo dia 21 de junho, por ocasião do 70º aniversário do nascimento do organismo ecumênico mundial. O anúncio foi feito esta manhã ao meio-dia pelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveitdurante coletiva de imprensa para apresentação do evento. Juntamente com a Tveit, estiveram presentes na conferência de imprensa, que foi transmitida no youtube, fr. Andrzej Choromanskirepresentando o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), e Mons. Charles Morerodbispo católico de Lausanne, Genebra e Friburgo. Segundo televisão, a visita do Papa Francisco, no 70º aniversário do CMI, constituirá “um marco na busca da unidade entre os cristãos e na cooperação entre as Igrejas. De fato, será um forte testemunho da fé cristã que compartilhamos e do compromisso comum pela paz e pela justiça no mundo”. Pe. Choromanski – interveio para substituir o presidente do PCPUC, cartão. Kurt Kochausente por motivos de saúde -, sublinhou que a visita do Papa se qualifica como uma visita ecumênica para expressar gratidão pela contribuição que o CMI ofereceu ao movimento ecumênico nos últimos 70 anos, e também pelas muitas formas de colaboração que existem entre o CMI e a Igreja Católica Romana”, a partir do grupo de trabalho conjunto que se reúne há mais de cinquenta anos e que hoje trabalha essencialmente nas questões da paz e das migrações. Por fim, o bispo suíço Morerod recordou como Genebra, e a Suíça em geral, aguardam com alegria esta visita que se realiza numa cidade aberta ao diálogo. Quanto ao programa do dia: no dia 21 de junho, o Papa Francisco será recebido no aeroporto de Genebra pelas autoridades federais suíças. Em seguida, ele irá para a sede do CMI, onde participará de uma oração ecumênica; almoçará no Instituto Ecumênico de Bossey, a poucos quilômetros de Genebra e depois retornará ao Centro Ecumênico onde fará um discurso e se encontrará com os membros do Comitê Central do CMI, reunidos em Genebra para sua reunião bienal. Aqui a visita terminará, enquanto o dia de Francisco continuará com a celebração de uma missa no Pala Expo em Genebra. (Libra). O Conselho Mundial de Igrejas é um órgão global estabelecido em 1948. Hoje ele reúne 348 igrejas anglicanas, ortodoxas e protestantes em mais de 120 países ao redor do mundo, representando aproximadamente 560 milhões de pessoas. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=HZfvMGJbpR4[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.