#PapalVisit em Genebra.  O Papa esperado no Conselho Ecumênico para o #WCC70

#PapalVisit em Genebra. O Papa esperado no Conselho Ecumênico para o #WCC70

Roma (NEV), 12 de junho de 2018 – Mais de 400 jornalistas de todo o mundo se registraram na assessoria de imprensa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra para a visita de Papa Francisco no próximo dia 21 de junho na sede do CMI por ocasião das comemorações do 70º aniversário do corpo ecumênico que reúne 348 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e veteratas de todo o mundo. O anúncio foi feito esta manhã em Roma durante um briefing com a imprensa, Marianne EjderstenDiretor de Comunicações do CMI, ilustrando o símbolo do dia, o barco do ecumenismo com a inscrição “oikoumene”, nascido na década de trinta do século passado, e desde a fundação do CMI em 1948 em Amsterdã, a “marca ” do diálogo ecumênico.

Padre também falou durante coletiva de imprensa Andrzej Choromanski do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC). São numerosas as linhas de colaboração entre a Santa Sé e o CMI (do qual a Igreja Católica não é membro) e delineadas pelo Padre Andrzej, incluindo trabalhos práticos no campo do acolhimento de refugiados e migrantes, missão e evangelização, diálogo sobre temas teológicos, questões doutrinárias e éticas, proteção ambiental, cooperação inter-religiosa, bem como educação e treinamento ecumênico, por meio do Instituto Ecumênico de Bossey (Genebra), onde Papa Francisco e o pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, no dia 21 de junho – após a oração ecumênica que acontecerá na capela do Centro Ecumênico – os presentes serão trocados. O pastor Tveit, luterano de origem norueguesa, será acompanhado pelo moderador e dois vice-moderadores do CMI, respectivamente o teólogo anglicano originário do Quênia Agnes Aubomo metropolitano Genádios de Sassima do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, e o bispo metodista dos Estados Unidos Mary Ann Swenson.

Instituto Ecumênico de Bossey (Genebra)

“O nosso é um caminho comum no caminho da unidade, da paz e da justiça”, acrescentou Ejdersten, sublinhando assim o tema do dia e da oração ecuménica “Caminhando, rezando, trabalhando juntos”: “Acolhendo o Papa Francisco no CMI de Genebra significa celebrar juntos este caminho, uma peregrinação que realizamos há 70 anos e que em 2018 celebramos todos os dias”.

Será possível acompanhar no site do CEC em transmissão ao vivo todo o evento no dia 21 de junho, incluindo a coletiva de imprensa às 14h com o pastor Tveit e o cartão. Kurt Kochbem como a missa que acontecerá no Palexpo de Genebra com o Papa Francisco e que já está esgotada (41.000 ingressos vendidos).

o de Papa Bergoglio será a terceira visita de um pontífice ao CMI, depois da de Paulo VI em 1969 e por João Paulo II em 1984. Comparado a esses anos, a atitude da Igreja Católica mudou muito, observou Pe. Andrzej. Enfatizando a excelente colaboração estabelecida nos últimos anos entre o CMI e a Santa Sé, disse: “não nos consideramos mais como inimigos, mas como irmãos e irmãs em Cristo. Este é talvez o resultado mais concreto de nosso caminho ecumênico”.

Entre os sinais de esperança que vão nessa direção, Marianne Ejdersten citou o exemplo dos corredores humanitários realizados em espírito ecumênico pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e pela Comunidade de Sant’Egidio. “Um forte testemunho que se concretiza sobretudo no trabalho com os mais vulneráveis, refugiados e migrantes principalmente”, pressionou Ejdersten. E, continuando no assunto, padre Andrzej antecipou a conferência sobre “Migração, xenofobia e populismo” que acontecerá de 12 a 15 de setembro em Roma, promovida conjuntamente pelo CMI e pelo Dicastério vaticano para o Desenvolvimento Humano Integral.

a visita de Papa Francisco será precedido em Genebra pelos trabalhos do Comitê Central do CMI – composto por 150 delegados de igrejas de todo o mundo que se reúnem a cada dois anos – e que será realizado de 15 a 20 de junho no Centro Ecumênico e que concluirá com um declaração o final.

Para mais informações sobre o 70º aniversário do CMI (hashtags: #WCC70) veja aqui.

EU’hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. Para a ocasião, o CEC preparou aqui uma página em italiano.

O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit.

Consulte aqui a ficha informativa do CEC.

O e-mail da assessoria de imprensa do CMI é [email protected]. Da Itália, integrante da equipe de comunicação do CMI para a visita papal é o jornalista Gaëlle Courtens da assessoria de imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (info: [email protected]).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 6º dia.  trabalho feminino

16 dias para superar a violência, 6º dia. trabalho feminino

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 6: 30 DE NOVEMBRO Trabalho feminino: pouco e frágil, principalmente para as mães SOLICITARdiscutirQue experiênciasexclusão zeou subestimarção que temosmorei em nossa experiênciaRienza funcionavocê quer? cA Itália é a Cinderela na Europapara as taxas de emprego feminino éAmplamente conhecido. Eles têm um emprego na2021 apenas 53 em cada 100 mulheres pertencentes apopulação "em idade ativa" entre 20 e 64 anos,contra 72 homens em 100. Na Europa, apenas oA Grécia regista valores piores que os nossos. Com-temporariamente, entre as mulheres odesemprego e, sobretudo, inatividade, ou seja,a condição de quem desiste mesmo procurando,trabalho, pois se sente privada de qualquer possibilidadecapacidade de encontrá-lo, ou porque o outro trabalho,a do cuidado, também te impede de procurá-la.O trabalho não declarado é maior entre as mulheres, o trabalhotrabalho a termo, trabalho a tempo parcial, especialmente oso involuntário, não escolhido por mulheres, mas sofrido,porque tempo integral não está disponível.Mas vale a pena descobrir para quais mulheres osituação é pior. Não para mulheres comalto nível de escolaridade (e são muitos, porque as mulherescompõem a maioria dos graduados, mesmoque se ainda são muito poucos nas disciplinasciência), não para mulheres sem filhos, maspara quem tem filhos, principalmente os pequenoslá. A taxa de emprego das mulheres de 25-49anos com crianças menores de 6 anos é igual a54%, enquanto o de mulheres da mesma idadesem filhos é de 74%. 20 pontos de diferença, neiqual deve ser buscado o principal motivo paraque na Itália temos tão poucos filhos. Proposta de Visão: StACHAMOS QUE É FEMININA dirigido por Mário Monicelli Itália/Francêsoi, 1986, 120' Retrato irônico, às vezes dramático, de uma família em que fragilidade dos machos e a firmeza dos um universo feminino, representado por personagens inesquecíveis para osua simpatia. VERSÍCULO BÍBLICO Rute, a moabita, disse a Noemi: "Deixe-meir aos campos para respigar atrás daquele em cujos olhos eu terei achado graça". E ela respondeu-lhe: «Vai, minha filha». Rute foi e colheu no campo atrás dos ceifeiros (Rute 2:2-3) COMENTE À primeira vista, a Bíblia aparece dominada pelo estereótipo patriarcal que quer a mulher em casa, excluída do espaço público. Mas uma leitura atenta mostra como esta situação é fruto daquele desejo de dominação que envenena imediatamente a relação entre homens e mulheres. No Jardim do Éden ouvimos apenas a voz de Adão, que define Eva, a quem ele descarrega a responsabilidade pela transgressão. Na cena que denuncia a culpa, o patriarcado é descrito: o homem em posição de dominação, que trabalha a terra; a mulhersuccubus, dando à luz com dor. Mas a Bíblia também apresenta a cena da redenção: outro jardim, o do Cântico, no qual é a mulher que toma a palavra e toma a iniciativa. E depois Rute, outra sulamita, que não tem medo de sair de casa para ganhar o pão e reabrir a história à esperança messiânica. ORAÇÃO Dá-nos a sabedoria de Noemi,que não travamas convida você a ir.Dai-nos a coragem de Rute,o estrangeiro que não tem medo deexponha sua diferença.Concedei-nos, Senhor, ousargnare grande, juntamente com oestudar os pequenos gestos possíveis.E deixe enquanto respigamos nocampos de outras pessoas encontramos o sentidoConheço a dignidade de nossas vidas,além da fome e da paralisia,para gerar futuro. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Roma (SSSMV01), 19 de agosto de 2021 – O Sínodo das igrejas metodistas e valdenses abre no domingo, 22 de agosto, com o habitual culto inaugural. O órgão máximo de decisão de Valdenses e Metodistas será realizado em fórmula mista (presencial e online) após um ano de pausa devido à pandemia. Culto inaugural no domingo presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche será realizado às 10h no templo da Torre Pellice e será transmitido pela página do Facebook da Igreja Valdense e pela página do Facebook e canal do YouTube da Rádio Evangélica Beckwith. O Sínodo, com um programa de formato reduzido, acontecerá de domingo, 22, a quarta-feira, 25 de agosto. Ao tradicional sítio de Torre Pellice, na província de Turim, junta-se este ano a plataforma digital. Em pauta: duas novas consagrações, reflexão sobre o testemunho protestante em uma sociedade pós-Covid, importantes mensagens ecumênicas e decisões sobre os compromissos das igrejas sobre evangelização, diaconia, proteção das minorias, saúde e clima. Haverá debates, apresentações, reuniões teológicas. Dentre eles, destacamos: segunda-feira, 23 de agosto – Noite pública: “A próxima geração da UE? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. 21 horas, no templo. Transmissão ao vivo na Rádio Beckwith. Eles lideram marta bernardini (FCEI/Esperança do Mediterrâneo) e Valéria Lucenti (Subdiretor Centro Ecumênico Ágape). Com Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pároco Daniela DiCarlo; conclusões do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta. quarta-feira, 25 de agosto – “Fronteiras diáconos. Pensamento Teológico e Diaconal”. Pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD). 21h, no jardim da casa valdense. Todos os detalhes nesta página. #sinodovaldese FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/18) ...

Ler artigo
Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.