#PapalVisit em Genebra.  O Papa esperado no Conselho Ecumênico para o #WCC70

#PapalVisit em Genebra. O Papa esperado no Conselho Ecumênico para o #WCC70

Roma (NEV), 12 de junho de 2018 – Mais de 400 jornalistas de todo o mundo se registraram na assessoria de imprensa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra para a visita de Papa Francisco no próximo dia 21 de junho na sede do CMI por ocasião das comemorações do 70º aniversário do corpo ecumênico que reúne 348 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e veteratas de todo o mundo. O anúncio foi feito esta manhã em Roma durante um briefing com a imprensa, Marianne EjderstenDiretor de Comunicações do CMI, ilustrando o símbolo do dia, o barco do ecumenismo com a inscrição “oikoumene”, nascido na década de trinta do século passado, e desde a fundação do CMI em 1948 em Amsterdã, a “marca ” do diálogo ecumênico.

Padre também falou durante coletiva de imprensa Andrzej Choromanski do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC). São numerosas as linhas de colaboração entre a Santa Sé e o CMI (do qual a Igreja Católica não é membro) e delineadas pelo Padre Andrzej, incluindo trabalhos práticos no campo do acolhimento de refugiados e migrantes, missão e evangelização, diálogo sobre temas teológicos, questões doutrinárias e éticas, proteção ambiental, cooperação inter-religiosa, bem como educação e treinamento ecumênico, por meio do Instituto Ecumênico de Bossey (Genebra), onde Papa Francisco e o pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, no dia 21 de junho – após a oração ecumênica que acontecerá na capela do Centro Ecumênico – os presentes serão trocados. O pastor Tveit, luterano de origem norueguesa, será acompanhado pelo moderador e dois vice-moderadores do CMI, respectivamente o teólogo anglicano originário do Quênia Agnes Aubomo metropolitano Genádios de Sassima do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, e o bispo metodista dos Estados Unidos Mary Ann Swenson.

Instituto Ecumênico de Bossey (Genebra)

“O nosso é um caminho comum no caminho da unidade, da paz e da justiça”, acrescentou Ejdersten, sublinhando assim o tema do dia e da oração ecuménica “Caminhando, rezando, trabalhando juntos”: “Acolhendo o Papa Francisco no CMI de Genebra significa celebrar juntos este caminho, uma peregrinação que realizamos há 70 anos e que em 2018 celebramos todos os dias”.

Será possível acompanhar no site do CEC em transmissão ao vivo todo o evento no dia 21 de junho, incluindo a coletiva de imprensa às 14h com o pastor Tveit e o cartão. Kurt Kochbem como a missa que acontecerá no Palexpo de Genebra com o Papa Francisco e que já está esgotada (41.000 ingressos vendidos).

o de Papa Bergoglio será a terceira visita de um pontífice ao CMI, depois da de Paulo VI em 1969 e por João Paulo II em 1984. Comparado a esses anos, a atitude da Igreja Católica mudou muito, observou Pe. Andrzej. Enfatizando a excelente colaboração estabelecida nos últimos anos entre o CMI e a Santa Sé, disse: “não nos consideramos mais como inimigos, mas como irmãos e irmãs em Cristo. Este é talvez o resultado mais concreto de nosso caminho ecumênico”.

Entre os sinais de esperança que vão nessa direção, Marianne Ejdersten citou o exemplo dos corredores humanitários realizados em espírito ecumênico pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e pela Comunidade de Sant’Egidio. “Um forte testemunho que se concretiza sobretudo no trabalho com os mais vulneráveis, refugiados e migrantes principalmente”, pressionou Ejdersten. E, continuando no assunto, padre Andrzej antecipou a conferência sobre “Migração, xenofobia e populismo” que acontecerá de 12 a 15 de setembro em Roma, promovida conjuntamente pelo CMI e pelo Dicastério vaticano para o Desenvolvimento Humano Integral.

a visita de Papa Francisco será precedido em Genebra pelos trabalhos do Comitê Central do CMI – composto por 150 delegados de igrejas de todo o mundo que se reúnem a cada dois anos – e que será realizado de 15 a 20 de junho no Centro Ecumênico e que concluirá com um declaração o final.

Para mais informações sobre o 70º aniversário do CMI (hashtags: #WCC70) veja aqui.

EU’hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. Para a ocasião, o CEC preparou aqui uma página em italiano.

O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit.

Consulte aqui a ficha informativa do CEC.

O e-mail da assessoria de imprensa do CMI é [email protected]. Da Itália, integrante da equipe de comunicação do CMI para a visita papal é o jornalista Gaëlle Courtens da assessoria de imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (info: [email protected]).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#Locarno76.  O júri ecumênico premia “Patagônia” de Simone Bozzelli

#Locarno76. O júri ecumênico premia “Patagônia” de Simone Bozzelli

“Todos nós sabemos quem são Greta Garbo, Humphrey Bogart e Meryl Streep, porque nos lembramos mais dos rostos de atores e atrizes do que de diretores. Nós diretores, sem eles, capazes de desnudar a alma, não somos nada”. É o que diz o realizador húngaro e vencedor do Óscar István Szabó (85), depois de ter recebido o Prémio Honorário do Júri Ecuménico do Festival de Cinema de Locarno. O grande realizador tinha inicialmente prometido a si próprio não intervir, mas após as intervenções do director artístico do Festival, Jonah A. Nazzaroda pastora Rita Famosapresidente da Igreja Evangélica Reformada Suíça e da Irene Glatzco-presidente da INTERFILM, Szabó quis homenagear antes de tudo os atores e atrizes, que são capazes de transmitir emoções reais da tela grande.Giona A. Nazzaro, na ocasião, lembrou a importância do trabalho realizado pelos júris ecumênicos, definindo-o inclusive como “vital” para o Festival, porque nos obriga a refletir sobre os valores que nos unem. Rita Famos, por seu lado, quis agradecer Marco Solaripresidente cessante do Festival, pelo incansável apoio ao júri ecumênico, lembrando que em 23 anos de atividade sempre participou das celebrações ecumênicas dominicais promovidas por ocasião do Festival pela comunidade trabalhadora das igrejas cristãs do Ticino. A Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" também faz parte da INTERFILM, parceira italiana desta entidade, que reúne delegados de associações cinematográficas protestantes da Europa, mas também ortodoxas, anglicanas e judias. Em colaboração com o parceiro católico SIGNIS, a INTERFILM seleciona os júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. (Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados). ...

Ler artigo
igreja luterana.  30 anos de Entendimento com o Estado

igreja luterana. 30 anos de Entendimento com o Estado

Roma (NEV/CELI), 21 de abril de 2023 – Você já se perguntou o significado da palavra "entendido"? Do latim intentus particípio passado do verbo intentar. Isso é ir juntos em direção a um objetivo. Um acordo. Corria o ano de 1993, há 30 anos, numa sexta-feira, quando a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI) e o Estado italiano assinaram um pacto para uma lei que regularia suas relações. Por um lado, a delegação luterana, que incluía também o então Presidente do Sínodo Hanna Brunow Franzoi e o então vice-reitor Jurg Kleemann; do outro, o Estado italiano, representado pelo então Presidente do Conselho, Julian Amato. Uma Igreja, representada por uma mulher, fato mais singular do que raro naquele momento histórico, visto que os acordos anteriores traziam muitas assinaturas masculinas. Milhares de anos parecem ter se passado e, na verdade, passaram-se apenas trinta anos desde um ato que abriu as portas para a lei de 29 de novembro de 1995 n. 520. O acordo, de fato, estabeleceu um caminho, a lei teria permitido esse caminho para atingir um objetivo: a relação de reciprocidade, em direitos e deveres, entre o Estado e o CELI. Um convênio que o CELI já havia começado a preparar em 1985 graças ao trabalho de italianos e alemães, vividos, como recordou o vice-reitor Kleemann, “folheando livros e datilografando durante longas noites, com intermináveis ​​discussões, reuniões e viagens” . Um acordo que antecipou, inesperadamente, temas muito modernos hoje. Como o sentimento de pertença à Itália dos jovens nascidos de pais não italianos. Keemann continua: "Claudia, estudante do 1º ano de direito, me acompanhava, já que ela era bilíngue" […] também “lavrar a ata. Ela me forneceu a preciosa prova: «Sou italiana, tenho mãe dinamarquesa, pai italiano e fui crismada em Florença como luterana»». Continue lendo no site do CELI ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.