Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – O dia do rei em que os americanos homenageiam o líder mais conhecido do movimento pelos direitos civis dos EUA foi estabelecido em 1983, sob a presidência de Ronald Reagan. E isso já é um fato paradoxal porque a história não reconhece ao ex-ator de filmes de faroeste um papel particular na ação política em prol da população afro-americana; pelo contrário, o eixo estratégico das suas políticas sociais estava orientado para o desmantelamento das medidas assistenciais adoptadas durante os anos da presidência de Johnson, que produziram resultados importantes em termos de crescimento económico das minorias étnicas. Mas o movimento que há tempos reclamava o reconhecimento de King e do que ele representava já tinha uma consistência própria e Reagan optou por não se opor a ele, acabando por apoiá-lo e reivindicando assim o mérito de uma opção fortemente simbólica pela unidade de todos americanos. O dia do Rei, celebrado no dia do seu nascimento, acabou assim por cicatrizar algumas feridas que se arrastavam desde os turbulentos anos 60 mas também cristalizar a figura do pastor baptista e líder político no cliché domesticado e tranquilizador de herói nacional da não-violência e do interracial coexistência. Ao longo dos anos, esta operação produziu celebrações cada vez mais corais mas também simplificou uma figura complexa que deve ser lembrada não só pela sua lealdade à América e aos seus princípios, mas também pela sua capacidade de mobilizar um movimento de massas que denunciava a traição flagrante e violenta violação dos direitos humanos fundamentais por um sistema que, superada a segregação, permaneceu racista, ou seja, baseado em comportamentos e convenções que condenavam os afro-americanos a ocupar os degraus mais baixos do sistema social. A contabilidade pesada, por exemplo, ainda hoje registra muitos afro-americanos na prisão e poucos na faculdade. Os anos de Obama na Casa Branca criaram a ilusão de ótica de uma reviravolta e fortaleceram a esperança de um país que teve forças para se redimir de seu pecado original, o racismo. Isso não aconteceu e, com essa janela democrática fechada, a América tem que lidar – de novo! – com aquele demônio que assombra a credibilidade e sustentabilidade de suas políticas sociais.

King continua a aparecer em lápides e monumentos, bem como no Mall em Washington, onde fez seu famoso discurso de 1963. eu tenho um sonho. Mas ele aparece cada vez mais sozinho, heroizado e domesticado na narrativa reconfortante de um país reconciliado que essencialmente superou sua divisão racial. Não é assim, e o desafio da coesão social, no mínimo, agravou-se com o aumento da população hispânica e dos imigrantes africanos e asiáticos.

King era o homem da não-violência, é claro, mas também de uma denúncia radical e desestabilizadora do equilíbrio de poder na sociedade americana. E vale lembrar que ele não foi morto no momento de sua maior fama, mas, ao contrário, quando se viu isolado e desacreditado por suas lutas contra a guerra do Vietnã e contra a pobreza de milhões de americanos, brancos e preto. Celebrar o sonho de uma sociedade reconciliada e livre do racismo é certo e útil, mas apenas se você tiver a coragem moral e civil de reconhecer que esse sonho não se tornou realidade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“O tempo está se esgotando”

“O tempo está se esgotando”

Foto: Paul Jeffrey/CEC. 2 de setembro de 2022, Karlsruhe, Alemanha. Ativistas chamam atenção para crise climática durante protesto na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Roma (NEV), 23 de setembro de 2022 – Enquanto ocorre a greve global pelo clima do movimento Sextas-feiras para o Futuroe em conjunto com a Semana do Clima de Nova York, está ocorrendo a 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Foi neste contexto que decorreu o debate “Ouvir a voz da Criação: cuidar da criação numa época de emergência climática”. Promovido pelo Escritório Ecumênico das Nações Unidas (EOUN), foi realizado naCentro da Igreja Episcopal de nova York. A EOUN é o ponto de referência do Conselho Mundial de Igrejas (WCE) para as iniciativas de defesa na sede da ONU. Estamos no coração do Tempo da Criação, o tempo litúrgico que se celebra em todo o mundo de 1 de setembro a 4 de outubro. A 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas inclui discussões sobre educação, paz, desenvolvimento sustentável e desarmamento nuclear. Justamente por isso, o debate promovido pela EOUN em chave inter-religiosa centrou-se nas mensagens a serem enviadas à ONU e aos líderes políticos mundiais para que “nossa casa terrena comum” esteja verdadeiramente no centro das agendas mundiais. Os oradores, vindos de diferentes contextos religiosos e espirituais, enviaram uma mensagem unificada, partindo de uma pergunta complexa. “Como podemos ouvir a voz da criação – da natureza – individualmente, como corpos religiosos, como tomadores de decisão e formuladores de políticas em nossas sociedades?” Bhagwan. Um grito do Pacífico: "Precisamos de uma transformação social" O pastor James Bhagwan, secretário-geral da Conferência das Igrejas do Pacífico, em uma mensagem em vídeo, pediu o fortalecimento de campanhas, como a de um tratado de não proliferação de combustíveis fósseis. “Temos que nos comprometer seriamente – disse -. Continuamos a lutar para ganhar impulso no financiamento climático, para conter as perdas e danos. Fazer isso é essencial." Bhagwan também pediu soluções eficazes para conter mais danos a um ecossistema já frágil. “Temos que garantir que tudo o que fazemos seja feito no contexto da proteção do meio ambiente. Precisamos de uma transformação social, sabemos disso”. Tal transformação social deve fundamentar políticas, leis e regulamentos, de acordo com Bhagwan. Ele acrescentou: “Essa transformação social fornecerá a vontade política e a vontade empreendedora. Devemos garantir que os países atualmente mais vulneráveis ​​e afetados não contraiam mais dívidas enquanto tentam proteger o meio ambiente”. “Há muito o que fazer e o tempo está acabando”, concluiu. Smith. “Que a criação de Deus seja habitável para as gerações futuras” Ryan Smith, gerente de programa do Escritório Ecumênico nas Nações Unidas e representante do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) na sede das Nações Unidas, falou sobre a “necessidade da comunidade de fé trazer nossa voz única na discussão sobre a crise climática. E trabalhar junto com parceiros religiosos e a comunidade científica para garantir que a criação de Deus seja habitável para as gerações futuras”. A mesa redonda foi precedida por uma oração ecumênica. Para saber mais sobre o trabalho do Escritório Ecumênico nas Nações Unidas, clique AQUI. ...

Ler artigo
Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Elle Leontiev, antisplash Roma (NEV), 23 de setembro de 2021 – Elizabeta Kitanovićsecretário executivo para os direitos humanos da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) é o protagonista da terceira e última entrevista realizada à margem do G20 das religiões, em Bolonha. A Conferência das Igrejas Europeias, juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e a União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a Proteção de locais de culto na Europa em maio passado. O CEC está muito comprometido com a questão da liberdade religiosa. Qual é a situação na Europa? Quais projetos estão em andamento? O nosso principal compromisso, graças ao contributo da Comissão Europeia, é dar formação sobre segurança nos locais de culto, para sensibilizar os cidadãos, através de diversas atividades de literacia religiosa. Dentro desse programa tão amplo, produzimos um guia para as agências de aplicação da lei: um documento dirigido aos "insiders", de advogados a policiais, para tentar explicar como o cristianismo, o budismo, o 'slam e o judaísmo, nos vários países, como comunidades vivem e se organizam. O segundo passo, novamente em termos de advocacia e informação, foi produzir orientações para líderes religiosos e fiéis sobre a proteção de locais de culto. Não importa se você é crente ou não, porque ter mais informação e consciência pode salvar a sua vida e salvar a vida de outras pessoas. Construímos então um website, www.sasce.eu, e promovemos centenas de cursos de formação. Os dirigidos aos líderes das igrejas, para os ajudar a tomar consciência dos riscos: isto significa que as igrejas e símbolos eclesiásticos em edifícios religiosos devem ter planos específicos de segurança. E também significa que os líderes religiosos devem manter relações muito estreitas e constantes com as forças da ordem, para prevenir qualquer ataque e episódio de possível risco. Além disso, no âmbito deste projeto, produzimos e enviamos mensalmente à Comissão Europeia um relatório sobre episódios de violação da liberdade religiosa. Uma questão particularmente importante é a da incitação ao ódio na esfera pública, com base religiosa, alarme que infelizmente registramos em constante crescimento. Queremos garantir, desta forma, que a União Europeia esteja a par das informações e denúncias que recebemos, dos relatórios que nos chegam das igrejas de todo o continente. E em maio de 2021, pela primeira vez, o executivo da comunidade produziu um guia real sobre segurança em locais de culto. Então, as violações da liberdade religiosa estão aumentando na Europa? Infelizmente, há um aumento dramático nas violações da liberdade religiosa na Europa, em todas as comunidades. Um fenómeno que, infelizmente, muitas vezes conduz ao anti-semitismo e à islamofobia, a formas gravíssimas de discriminação e, por vezes, de forma dramática, a atentados terroristas que causam mortos e feridos. Mas agora temos uma nova consciência, uma abordagem inter-religiosa para tais violações. Até recentemente, parecia que cada comunidade tendia mais a se proteger e, de fato, um mecanismo de "competição" foi acionado de alguma forma entre as vítimas. Trabalhamos em sentido ecumênico justamente para dizer que toda violação do direito de professar a própria fé conta, que todos devemos lidar com ela juntos, independentemente da confissão a que pertençamos. Este é o grande desafio que nos espera”. O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas. Por fim, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais e é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023. Para saber mais sobre o tema: Outras entrevistas do G20 das religiões: Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) ...

Ler artigo
Mulheres e religiões: “Fazendo a diferença”

Mulheres e religiões: “Fazendo a diferença”

Roma (NEV), 5 de setembro de 2018 - A 8ª conferência internacional "Mulheres e religiões: diálogo e comparação entre ciência, teologia e instituições" promovida pela associação cultural "...sound's good" será realizada em Roma nos dias 6 e 7 de setembro em cooperação com a fundação Marco Besso e o centro judeu italiano “Il Pitigliani”. Intervenção está marcada para sexta-feira à tarde Gianna Urzio, ex-presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). “Tive que ver o documentário de Amos Gitai 'Carta a um amigo de Gaza', que abre com um poema do poeta palestiniano Mahmoud Darwish. 'Ao preparar seu café da manhã, pense nos outros, / não se esqueça da comida das pombas. / Enquanto travas as tuas guerras, pensa nos outros, / não te esqueças dos que pedem a paz. / Enquanto vais para casa, para a tua casa, pensa nos outros, / não te esqueças dos povos das tendas. […] É um texto quase evangélico, e é para não esquecer que na minha intervenção nesta conferência falarei da 'Resiliência e do futuro das mulheres de Gaza' – declarou Gianna Urizio à Agência NEV, concluindo -. Há alguns anos que vou a Gaza e gostaria de trazer, num contexto repleto de pessoas com diferentes religiões e diferentes experiências de vida na história e nos dias de hoje, a voz de três mulheres que trabalham para construir um futuro possível em uma situação impossível”. Para informações e detalhes, baixe o Program_conference_women_religion aqui ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.