#PapalVisit.  O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

#PapalVisit. O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Amanhã, quinta-feira, 21 de junho, para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Genebra é esperada Papa Francisco. Mas amanhã, para o movimento ecumênico mundial, haverá também a marcação semanal das “quintas-feiras negras”. quintas-feiras em preto é a Campanha de Conscientização, nascida dentro do WCC há vários anos, que se opõe ao estupro e à violência. Todas as quintas-feiras, aqueles que reconhecem a violência contra as mulheres como um flagelo de nossas sociedades – igrejas incluídas – são instados a usar preto.

“A violência contra a mulher está generalizada, podemos falar em pandemia – disse a anglicana à NEV News Agency Agnes Abuom, moderador do Comitê Central do CMI, originário do Quênia -. É por isso que, com a nossa campanha, convidamos todos os homens e mulheres de boa vontade, independentemente da sua fé, a juntarem-se a ela vestindo algo preto”.

“É uma questão que diz respeito a todos nós. Acontece em todo o lado, nas nossas sociedades, nas nossas famílias, nas igrejas, nas comunidades e nos espaços públicos”, acrescentou Abuom, confirmando que amanhã não seria exceção. Pelo contrário. Os 150 delegados de igrejas de todo o mundo que estão reunidos em Genebra nestes dias para os trabalhos do Comitê Central, o órgão de decisão entre as duas Assembléias Gerais do CMI, foram convidados não apenas a vestir preto, mas também a vestir o selo da campanha.

As decisões do Comitê Central do CMI

Durante uma coletiva de imprensa realizada hoje no Centro Ecumênico de Genebra, foram apresentadas algumas decisões do Comitê Central, em primeiro lugar a localização da próxima Assembleia Geral do CMI: a escolha recaiu sobre Karlsruhe (Alemanha), na fronteira com a França . O convite partiu da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD). Satisfação foi expressa pelo bispo Petra Bosse-Huber, EKD responsável pelo ecumenismo e relações internacionais: “Faz cinquenta anos que uma Assembleia do CMI foi realizada no continente europeu. A escolha da Europa em um momento em que a falta de políticas de refugiados minam o valor da solidariedade e do acolhimento é um sinal significativo”.

O pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, listou as prioridades de trabalho resultantes do Comitê Central. Isso inclui o processo de paz entre as duas Coreias, um tema caro ao CMI há muitos anos. Nos últimos dias em Genebra, as delegações das igrejas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul tiveram intensos intercâmbios. De acordo com alguns observadores amanhã Papa Francisco ele pode querer cumprimentá-los expressamente.

Entre outras prioridades, o combate ao racismo com homenagem ao Martin Luther King; fluxos migratórios; a questão do estatuto de Jerusalém com uma clara condenação da mudança da embaixada dos Estados Unidos para a cidade que é expressão das três religiões monoteístas, decisão que tem causado mortes e violência.

Finalmente, o Comité Central quis recordar que este ano não só se comemora o 70º aniversário do CMI, mas também da Declaração Universal dos Direitos do Homem, considerada mais necessária do que nunca, com um forte apelo lançado às igrejas: “Dar prioridade mais uma vez ao apoio dos direitos humanos”.

#QuintasDePreto: Leia mais sobre isso aqui.

Para mais informações sobre a visita do Papa amanhã, clique aqui.

Para informações sobre o CMI e sua relação com o Vaticano, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar?  Essa é a questão…

Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar? Essa é a questão…

Foto por rawpixel - Unsplash Roma (NEV), 24 de março de 2023 – A apresentação do segundo papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Promovido pela Assindatcolf e editado, nesta parte, pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, o relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. “Ficou claro que na Itália, em termos de políticas de entrada, existe um paradoxo antigo – diz Gori -. Por um lado, o mercado de trabalho italiano precisa de mão de obra. Por outro lado, os decretos de fluxo não prevêem cotas para o setor doméstico e, no fundo, a rigidez e a miopia dos mecanismos de entrada na Itália para quem procura trabalho geram essencialmente uma imigração irregular”. Trabalho doméstico, trabalho não declarado Alguns dados relativos ao setor doméstico. “Estima-se que 50% dos trabalhadores do setor doméstico sejam ilegais; de todos os trabalhadores ilegais, 1 em cada 4 trabalha no setor doméstico. E 70% dos residentes regulares são estrangeiros, principalmente de fora da UE”, explica Giulia Gori. A escassez de trabalhadores masculinos e femininos também afeta o setor agrícola, onde são necessárias 100.000 pessoas. O setor turístico-hoteleiro (segundo Federalberghi, há 50.000 desaparecidos). As pequenas e médias empresas, segundo o Confartigianato, em 2022 tiveram dificuldade em encontrar 1,4 milhões de trabalhadores (43% dos recrutamentos esperados). Há também 20.000 transportadores rodoviários desaparecidos. A máquina administrativa está "perpetuamente com falta de pessoal e continuamente bloqueada por um nível muito alto de burocracia", escreve Gori novamente. Passados ​​quase 3 anos, portanto, “cerca de 40.000 trabalhadores ainda aguardam a obtenção de autorização de residência, assim como muitos empregadores e famílias aguardam finalizar a contratação e estabilizar a relação laboral com estas pessoas. Obviamente insustentável." O decreto "Cutro" e os pedidos de um estrangeiro Gori analisa em seguida o "Decreto Cutro" em detalhe, sublinhando os seus aspectos positivos e críticos, nomeadamente o facto de que "o último decreto de fluxo introduz pela primeira vez a 'Verificação prévia da indisponibilidade dos trabalhadores italianos' para realizar um trabalho específico antes de contratar um trabalhador estrangeiro". Ao encerrar sua fala, Giulia Gori retoma as reivindicações da Campanha Eu Fui Estrangeira, ou seja, “a superação do mecanismo de cotas. A introdução de uma autorização de procura de emprego de doze meses, que facilita as reuniões entre trabalhadores estrangeiros e empregadores italianos. Introduzir um canal adicional de entrada de patrocinadores, que permite apoiar a entrada de um estrangeiro de forma a permitir a sua entrada no mercado de trabalho mediante um conjunto de garantias iniciais. Criação de um mecanismo permanente de regularização a título individual contra contrato de trabalho. No caso dos cuidadores, a única forma de poderem regularizar a sua situação e sair do trabalho não declarado”. O projeto de lei de iniciativa popular proposto por Ero Straniero está de volta à pauta, com o texto mais uma vez articulado na agenda de trabalho da Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara. Os direitos de todos, para não perder todos “É um novo e importante passo – comenta Gori -, mesmo que a caminhada certamente ainda seja longa, mas acreditamos firmemente que é preciso olhar para a política migratória italiana de forma honesta, pragmática, sobretudo colocando os direitos em o Centro. Os direitos de todos, porque no sistema atual todos estamos perdendo: trabalhadores, empregadores, famílias, empresas, a economia e nossa humanidade. Não é por acaso que o subtítulo da Campanha Ero Straniero é 'HUMANIDADE QUE FAZ O BEM'. O objetivo é transformar a imigração em uma oportunidade para todas as pessoas”. O Relatório 2023 promovido pela Assindatcolf será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais foi confiado a um dos parceiros do projeto: Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fondazione Employment Consultant Studies e Idos Study and Research Centre. Leia o discurso completo: Family Net Work por Giulia Gori.docx. Leia o comunicado de imprensa final de Assindatcolf: ...

Ler artigo
31 de outubro de 2022. A Reforma Protestante completa 505 anos.

31 de outubro de 2022. A Reforma Protestante completa 505 anos.

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – somente as Escrituras. Somente Cristo. Só Graça. Fé sozinho. (escritura sozinha. Solus Christus. Gratidão sozinha. Sola Fide). Estes são quatro princípios fundamentais da Reforma da Igreja, cujo início se convencionou situar em 31 de outubro de 1517. De fato, nesta data, Martinho Lutero afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg. A partir do século XVI, a Reforma Protestante expandiu-se e transformou-se, levando ao nascimento de movimentos e igrejas que, ainda hoje, se inspiram no princípio de uma igreja"sempre reformando”. A maioria das igrejas protestantes italianas "históricas" estão hoje reunidas na Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que se reúne em sua segunda Reunião geral. O dia 31 de outubro, que este ano marca os 505 anos da Reforma Protestante, cai precisamente nos dias úteis dos "estados gerais" das igrejas reformadas italianas. Marcado, já a partir de 29 de outubro, um culto inaugural e uma iniciativa pública. Para comemorar esta data são organizados cultos, conferências, encontros em todo o mundo... Quanto à "Festa della Reforma" na Itália, além da já citada Assise, destacamos as seguintes iniciativas. domingo, 6 de novembro Protestantismo especial. Culto evangélico da Reforma em directo Eurovisão. Da Igreja Protestante Unida da Bélgica em Pâturages (Colfontaine). RAI TRE – de 10 a 11. Edição italiana editada pelo programa “Protestantesimo”. Domingo 30 de outubro TELEVISÃO – Domingo 30, até RAITRE às 7, novo episódio da coluna “protestantismo" por título "As mil faces da Reforma”. Para o Domingo da Reforma, as arrecadações arrecadadas nos cultos das igrejas metodista e valdense irão para o sustento da Sociedade Bíblica na Itália. Em várias cidades italianas são realizados "cultos da Reforma" especiais, organizados pelas igrejas locais. Também no mesmo dia, na Igreja Valdense na Piazza Cavour em Roma, a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC/CMCR) organiza um culto especial bilíngue (italiano e inglês) – também em streaming. Aqui os detalhes. Aqui a liturgia em inglês. terça-feira, 1 de novembro O Conselho das Igrejas Evangélicas do Território Romano convida à celebração da Reforma. A partir das 15h30 na Piazza Lutero, dentro do parque Colle Oppio. TELEVISÃO – Na noite entre terça-feira, 1º e quarta-feira, 2 de novembro, no RAITRE em 1.10, primeira réplica do episódio de “protestantismo" por título "As mil faces da Reforma”. TELEVISÃO – Na noite entre quarta-feira 2 e quinta-feira 3, até RAITRE em 1.10, segunda réplica do episódio de “protestantismo" por título "As mil faces da Reforma”. Para saber mais Arquivos: A Reforma Protestante; Martinho Lutero. Agenda de compromissos. ...

Ler artigo
Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 1º de outubro de 2020 - Já são quase mil os inscritos no serviço ecumênico online de oração para o encerramento do Tempo da Criação, o período litúrgico que envolve cristãos de todo o mundo todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro e de todas as tradições rezar e agir para proteger o meio ambiente Líderes cristãos de todo o mundo conduzirão uma celebração ecumênica pelos frutos da estação e refletirão juntos sobre os próximos passos no "cuidado da casa comum". O pastor participará da oração Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF), John Chryssavgisrepresentante do Patriarca Ecumênico HAH Bartolomeu Ia pastora Jeannette Ada Maina(FLM), o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Sr. Sheila KinseyCo-Secretária Executiva da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da União Geral Internacional das Superioras, Bispo Griselda Delgado del CarpiaCuba, a pastora Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), Ef TenderoSecretário Geral da Aliança Evangélica Mundial e Agnes AbuomModerador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Para participar clique AQUI No dia 3 de outubro, ligada a partir de Turim, no final do Tempo da Criação, a iniciativa "Frágil mas interligada", promovida pela associação Triciclo em colaboração ecuménica com várias realidades protestantes, católicas e seculares (incluindo a igreja valdense, as igrejas baptistas no Piemonte, Hospitalidade Eucarística e Comissão de Globalização e Meio Ambiente - GLAM - da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI). No programa, presencial e via web, uma reflexão com o ecoteólogo Marcelo Barros: “Guardiões, não mestres da criação”. Para a Temporada da Criação, a GLAM preparou também um Dossier dedicado aos oceanos e intitulado: “Águas do mar, fonte de vida”. O Dossiê, que pode ser baixado aqui, contém materiais bíblicos, litúrgicos e homiléticos, além de fichas informativas, vídeos e artigos. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.