#PapalVisit.  Olav Fykse Tveit (CEC): “juntos pela unidade, paz e justiça”

#PapalVisit. Olav Fykse Tveit (CEC): “juntos pela unidade, paz e justiça”

O Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas Olav Fykse Tveit

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – “A visita de Papa Francisco indica que a Igreja Católica Romana reconhece e encoraja o diálogo entre Genebra e Roma e aprecia a colaboração ecumênica que existe em nível nacional e local”, disse o pastor luterano Olav Fykse Tveit, secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em uma recente entrevista com CSR editada por Paulo Tognina.

Além disso, Tveit sublinhou: “a Igreja Católica Romana e o Concílio Ecumênico têm uma agenda que inclui muitos pontos em comum. E queremos reiterar isso, juntos, dirigindo-nos ao mundo e às nossas igrejas”.

Formas de colaboração entre o Vaticano e o CMI existem há cinquenta anos, desde o Concílio Vaticano II. “Queremos dar visibilidade aos esforços feitos por muitas igrejas ao redor do mundo em favor da unidade entre os cristãos e pela justiça e paz no mundo”. Os campos de colaboração são numerosos. Tveit, aos microfones do CSR, enumera-os da seguinte forma: “Reflictamos juntos, por exemplo, sobre as tarefas e a missão da Igreja num mundo secularizado, sofredor e dividido – em Março passado organizámos uma grande conferência sobre missão, para todas as igrejas cristãs, na África, na Tanzânia. Trabalhamos juntos no campo do diálogo inter-religioso, com outras comunidades de fé. Estamos empenhados, juntos, em abordar a questão da migração e em particular a dos refugiados, que acreditamos ser um grande desafio para as igrejas na Europa, como em outras partes do mundo. O Concílio Ecumênico e a Igreja Católica Romana estão tentando juntos responder ao problema da mudança climática, intervimos juntos em áreas de conflito para promover a paz”.

Mas Tveit lembra que “a visita do Papa não será principalmente uma ocasião para abrir negociações, mas terá o objetivo de estreitar nossos laços, rezar juntos, compartilhar nossas preocupações e reafirmar nosso compromisso comum”.

Quando questionado sobre a natureza do “clima ecumênico”, Tveit respondeu: “Acredito que a eleição de Francisco trouxe uma primavera, senão mesmo um verão, para as relações ecumênicas. E é sobre como cooperamos e resolvemos muitos problemas juntos. Francisco reiterou a necessidade de mostrar de maneira concreta a unidade dos cristãos, colocando-nos juntos a serviço dos necessitados do mundo. Essa atitude tem possibilitado muitos projetos comuns”.

Para a entrevista completa clique aqui.

Para mais detalhes sobre a visita papal a Genebra, clique aqui.

O que é o Conselho Mundial de Igrejas? Como é estruturado, quem o governa e como? Qual é a história do movimento ecumênico? Mas sobretudo: quais são as relações entre o Vaticano e o Concílio Ecumênico das Igrejas? Para mais informações clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#EuARe2019.  Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

#EuARe2019. Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

Imagem retirada do perfil do twitter da EuARe Roma (NEV), 26 de fevereiro de 2019 - Faltam apenas alguns dias para a abertura da 2ª conferência anual da Academia Europeia de Religião (EuARe). De 3 a 7 de março, em Bolonha, a plataforma promovida pela Fundação João XXIII para os Estudos da Religião (FSCIRE), que liga universidades, centros de investigação e estudiosos da religião de toda a Europa, promove esta iniciativa única no seu género: 1204 oradores, 342 sessões, lectiones magistrales. O tema deste ano: “Fortalecendo o Indivíduo, Nutrindo a Comunidade”. Um espaço expositivo também abrigará editoras de toda a Europa, como as editoras protestantes Claudiana e Paideia. Existem muitos protestantes. Destacamos, além de alguns eventos ilustrados abaixo, as três jornadas internacionais de estudo organizadas pelo Centro studi Confronti. Imagem retirada da página web do Centro studi Confronti Título: "Pluralidade religiosa: um desafio global?", de 4 a 6 de março de 2019, na Sala Senatori, no Palazzo Isolani (na via Santo Stefano 16) em parceria com várias universidades, incluindo a Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Tema do ciclo, a relação que a religião e a fé mantêm com as questões de gênero, mídia, política e cultura. A Waldensian Studies Society propõe o painel "A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural" (6 de março de 2019, 14h30-16h30 no Salão dos Espelhos, também no Palazzo Isolani) que abordará o debate contemporâneo a partir de uma reflexão histórica. De 1848-49, quando valdenses e judeus obtiveram direitos civis e políticos, passando pela Constituição italiana de 1948, para chegar às grandes transformações da diversidade religiosa, inclusão de migrantes estrangeiros, novos modelos de família (união civil, divórcio e famílias reunidas, menores desacompanhados). A revista cultural Consciência e Liberdade intervirá com um painel intitulado “Religião, política e mentira. Um difícil caminho para a convivência”. Detalhes abaixo. A Academia Europeia de Religião (EuARe) é uma iniciativa lançada em dezembro de 2016 sob o patrocínio do Parlamento Europeu para a divulgação de estudo, investigação, comunicação, intercâmbio e cooperação sobre temas religiosos relevantes para a realidade académica e para a sociedade. 4 DE MARÇO 10.45-12.45 Gênero, violência, religiões; moderado Débora Spinicom Débora Tonelli, Nivedita Menom, Gorana Ognjenovic, Jasna Jozelic. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 Religiões e populismo; moderado Luciano Kovacscom Débora Spini, Manuel Anselmi, Michael Sorice, Neera Chandhoke. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 5 DE MARÇO 8h30-10h30 Diversidade religiosa na Itália entre resiliência e bem-estar; moderado Alessia Passarellicom Paola Bonizzoni, Frances Scrinzi, Ester Galo, Roberta Ricciucci, Mariangela Franch. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 Direito de acreditar e não acreditar; moderado Ilaria Valenzicom Susana Mancini, Silvio Ferrari, Pamela Beth Harris. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 6 DE MARÇO 10.45-12.45 Religião, ciência e Weltanschauungen; com Fulvio Ferrario E Júlio Giorello. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 A religião no debate cultural europeu; moderado Elizabeth Ribetcom Júlio Giorello, Gabriella Caramore e Daniele Garrone, Lothar Vogel. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural; moderado Paula Schellenbaumcom Sumaya Abdel Qader, Lucas Ozzano, Valdo Spini, Filipe Maria Giordano. Salão dos Espelhos – Palazzo Isolani (Corte Isolani 5) 16h45-18h45 Religião, política e mentira: um difícil caminho para a convivência; moderado David Romanocom Gaëlle Courtens, Micol Flammini, Hanz Gutiérrez. Sala Canossa 1 – Hotel Aemilia (Via Zaccherini Alvisi, 16). Leia o programa completo aqui. ...

Ler artigo
Reforma do atendimento ao idoso não autossuficiente, carta aberta da Diaconia

Reforma do atendimento ao idoso não autossuficiente, carta aberta da Diaconia

Photo Hunt Han, unsplash Roma (NEV), 22 de junho de 2022 – Até o verão, o governo deve apresentar o projeto de lei que habilita a reforma da assistência aos idosos não autossuficientes. Por isso, o CDS da Diaconia Valdense com as organizações do "Pacto por um novo assistencialismo na não autossuficiência" dirigiu ao executivo, dias atrás, uma carta aberta ao Presidente Mario Draghi e aos ministros Robert Hope E André Orlando. “É um momento decisivo para os 3,8 milhões de idosos não autossuficientes e suas famílias”, sublinha a Diaconia. Em particular, os "especialistas" neste sector defendem a criação de um Sistema Nacional de Assistência ao Idoso (SNA), que inclua todas as medidas públicas - de carácter social e sanitário - de assistência aos idosos não auto-suficientes. Desta forma, explicam os promotores da iniciativa, “a atual fragmentação das intervenções seria ultrapassada para a construção de um sistema único integrado de não autossuficiência. Além disso, haveria uma simplificação porque o acesso ao SCN é determinado por uma única avaliação nacional, que absorve todas as existentes hoje. No entanto, significaria atribuir a este setor, até então negligenciado, a necessária legitimidade institucional e política”. O pastor presidente da Diaconia Valdense CSD Francisco Sciotto ele declara: “Queremos, junto com outros, uma reforma que atenda às necessidades dos idosos e de suas famílias. Sempre lidamos com os idosos e lidamos com eles todos os dias ouvindo-os e suas famílias e entendemos a urgência de implantar um Sistema Nacional de Assistência ao Idoso”. O "Pacto por um Novo Bem-estar na Não Autossuficiência" reúne 48 organizações da sociedade civil envolvidas na assistência e proteção de idosos não autossuficientes em nosso país: representa os idosos, suas famílias, aposentados, associações profissionais e indivíduos que oferecem serviços. Aqui a íntegra da carta aberta enviada pelas associações ao executivo. ...

Ler artigo
a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.