riqueza, pobreza e bens terrenos

riqueza, pobreza e bens terrenos

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – A Sessão de Formação LV da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) abre no dia 29 de julho na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis (PG), que este ano abre um novo ciclo de reflexões em torno do tema “As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra. Uma busca ecumênica”.

Conforme explicado no comunicado de apresentação do evento, esta sessão colocará o acento na riqueza, a próxima na pobreza, enquanto o tema dos bens da terra será o leitmotiv do biénio.

A Sessão – que tem como principal referência bíblica as palavras do Apóstolo Paulo “Sei passar necessidade, sei ter abundância” (Filipenses 4:12) – será apresentada pelo presidente da SAE, Piero Stefani, e verá até o próximo dia 4 de julho os discursos de acadêmicos e representantes de famílias católicas, protestantes e ortodoxas italianas.

o tema será abordado na perspectiva da justiça, da paz e da salvaguarda da criação (entre outros, será discutido por Simone Morandini do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos de Veneza); desmistificando alguns clichês, como a presença judaica no mundo econômico e financeiro (Rony Hamuai, Universidade Católica de Milão); desafiando a “teologia da riqueza” típica de algumas correntes do mundo evangélico (Hanz Gutiérrez, Instituto Adventista de Cultura Bíblica em Florença); propondo uma mesa redonda sobre como as diferentes igrejas cristãs se financiam.

A presença protestante também foi expressiva este ano: palestrantes estarão entre os palestrantes Bruno Bellion, Pawel Gajewski, Paulo rico, Letizia Tomassone; enquanto estarão entre os condutores dos laboratórios Pedro Ciaccio, Stefano Giannatempo, Ilenia Gos, Lydia Maggi. Erica Sfredda em vez disso, ele faz parte do Grupo de Oração e Liturgia da Sessão.

Entre os momentos, destacamos um momento de reflexão sobre a hospitalidade eucarística promovido pelo grupo ecumênico de Turim “Speziamo il pane” que acontecerá na noite de 31 de julho.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB) Roma (NEV), 4 de junho de 2018 - "Nunca devemos voltar a 2017". Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano. Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que "há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com "atenção e grande esperança". Sua esperança é que uma solução "unânime e aceitável" seja encontrada sobre o assunto. O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de "responder à sede e à fome espiritual" de muitos de seus membros "que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”. Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas "não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus" - conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso. Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM. Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade. "Vielfalt ist Reichtum, nicht Störung. Freiheit im Glauben gibt es nicht ohne Vielfalt."Zum Auftakt der Begegnungsreise des DNK/LWB predigt unser Vorsitzender LB Ulrich in der Christuskirche in Rom. #ökumene #EinheitinVielfalt #freiheit @nordkirche_de @VELKD_Presse pic.twitter.com/A7YfaaXJ12 —DNK/LWB (@DNKLWB) 3 de junho de 2018 A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc) ...

Ler artigo
Notícias da frente.  15 de dezembro, apresentação do X Relatório da Carta de Roma

Notícias da frente. 15 de dezembro, apresentação do X Relatório da Carta de Roma

Quanto, como e quando a mídia italiana cobriu as migrações em 2022? Qual foi a presença de migrantes e refugiados nas informações mainstream e nas redes sociais? "Notícias da frente" tenta responder a estas e outras perguntas, o décimo relatório anual sobre mídia e imigração editado pela Carta de Roma e o Observatório de Pavia, cujos dados serão apresentados em 15 de dezembro no 15:00 na sala de teatro da Universidade eCampus na Via Matera 18 e em transmissão ao vivo no Página da Carta di Roma no Facebook. "Frente" porque o drama da guerra ucraniana e os milhões de refugiados são centrais para a agenda migratória de 2022. “Frente” porque a década 2013-2022 é caracterizada pela informação militante, com confrontos e confrontos de facções. "Frente" porque o léxico da guerra caracteriza a história das migrações (cerco, invasão, trincheira, bomba, etc.) ao longo da década. “Frente” porque, neste ano, voltamos a evocar as fronteiras, tanto físicas como metafóricas, dentro e fora da Europa. “Frente” porque relata os testemunhos daqueles que estão engajados na linha de frente no resgate e acolhimento inicial. “Frente” porque você para na frente de chegada, deixando as biografias dos migrantes no esquecimento um momento após a chegada. leitura de Djarah KanEscritor Saudações de: Lorenza LeiPró-Reitor da eCampus University Charles BartoliPresidente do Conselho Nacional da Ordem dos Jornalistas (CNOG) Joseph GiuliettiPresidente da Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) Guido D'UbaldoPresidente da Ordem Regional dos Jornalistas do Lácio Mattia PeradottoDiretor do Gabinete Nacional Anti-Discriminação Racial (UNAR) Eles apresentam os dados: José MilazzoPesquisador do Observatório de Pavia Clara ZanchiProfessor Universidade de Pavia Comente: Ilvo DiamantesProfessor da Universidade Carlo Bò de Urbino, Diretor da Demos&Pi Caixas de som: Ada Ugo AbaraPresidente Surgindo Africanos Laura Perticijornalista republicano Marco Tarquíniofuturo diretor Ana MeliVice-presidente Carta di Roma dialoga com Sahraa Karimicineasta afegão Francesca Mannocchi (Jornalista) fala sobre a Somália na escavação (Jornalista) fala sobre a Ucrânia Eles lideram: Valério Cataldi, Presidente da Carta de Roma Paula Barretaporta-voz da Carta de Roma Com contribuições de: Flávio Di Giacomo (IOM), Francis Di Pietro (ASGI) Martina Chichi (Anistia), Frederico Fossi (ACNUR), Gabriela Guido (amref), Daniel Macheda (usigrai), Elisa Maríncola (Artigo 21), Ana Meli (gerente de comunicação da Cospe) Filipe Miraglia (Arci), David Recchia (ACLI), Grace Naletto (Lunária), Manuela Vinay (Chefe de Otto per Mille Tavola Valdese), Donatella Parisi (Centro Astalli), Eleanor Camilli (Editor social) A atriz apresenta o evento Daniela Morozzi Acompanhado pela música de Antonella Tondiguitarrista Para inscrição e credenciamento escreva para [email protected] ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.