Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador.

O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias.

“Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico”, disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”.

“Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”.

Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria.

Falando sobre o tema principal da conferência, “Os justos crescerão como o cedro no Líbano” (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente.

“Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas.

“Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele.

A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 - O 18º seminário "Building Bridges" foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho. O objetivo do seminário, intitulado "Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs", é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade - na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão. Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam. Para mais informações, contate: [email protected] O evento será transmitido ao vivo em: ...

Ler artigo
Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

O Júri do Prêmio Ecumênico também expressou seus votos e atribuiu seu prêmio ao filme “Dias Perfeitos” De Wim Wenders. O enredo: Hirayama trabalha limpando os banheiros públicos de Tóquio. Ele vive uma vida simples e uma rotina diária muito estruturada. Tem paixão por música, livros e árvores, que adora fotografar. Seu passado está prestes a ressurgir por meio de encontros inesperados. Motivos da premiação: “Esta obra-prima cinematográfica é uma joia com muitos atributos poéticos. Através dos vários personagens, o diretor transmite um poderoso conto de esperança, beleza e transfiguração em nosso cotidiano. A dignidade do protagonista, a realização do seu árduo trabalho, mas também o seu respeito pelos outros e a sua admiração pela natureza, retratam valores universais que muitas vezes faltam nas nossas sociedades contemporâneas. Este filme é pura graça.” O júri ecumênico também quis fazer uma menção especial a outro grande cineasta, Ken Loachcom o seu “Carvalho de Odl”. A trama: TJ Ballantyne é o dono do Old Oak, um pub que corre o risco de fechar depois que refugiados sírios chegam ao país sem avisar. Logo, TJ conhece uma jovem síria, Yara, que possui uma câmera. Uma amizade se desenvolve entre os dois... A motivação: “É um retrato intenso e comovente dos temas de acolhimento de estrangeiros, populismo e solidariedade nas comunidades locais. O filme mostra o surgimento da compaixão e da ajuda mútua, por meio de refeições compartilhadas e lutas comuns”. Desde 1974, o Júri Ecumênico é convidado ao Festival da França para premiar um filme da competição oficial.As associações Signis e Interfilm nomearam um Júri Ecumênico composto por seis membros de diferentes culturas e países. Esses jurados, renovados a cada ano, são competentes no campo do cinema como jornalistas, críticos, teólogos, pesquisadores, professores... São membros de uma das Igrejas cristãs e estão abertos ao diálogo inter-religioso. Eles se reúnem em vários momentos do Festival, analisam e comentam os filmes e deliberam de forma independente. A Interfilm foi fundada em 1955 por numerosas associações cinematográficas protestantes na Europa, organizadora de júris nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Berlim, Locarno. Desde 2011 também em Veneza, com o apoio da associação de cinema protestante "Roberto Sbaffi". A Signis é uma associação homóloga, nascida no âmbito católico. ...

Ler artigo
“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”

“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”

Foto Anna Kolosyuk - Unsplash Roma (NEV), 26 de maio de 2021 - Uma conferência telemática ecumênica inspirada no versículo de João 15, 12: "Amai-vos como eu vos amei". É a realizada de 28 a 29 de maio. Proposto pelo Movimento dos Focolares, é um congresso internacional pela unidade dos cristãos. O pai também está entre os convidados Ioan Sauca, secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Além disso, espera-se que o cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Os números e modalidades da conferência Traduções em inglês, francês, espanhol, português, italiano, alemão e outros idiomas. 12 alto-falantes. Várias sessões agendadas, incluindo momentos de oração e testemunhos inter-religiosos. Links: A contribuição do Movimento dos Focolares ao caminho ecumênico A contribuição do Movimento dos Focolares para o caminho ecumênico é descrita na apresentação do evento: “Sessenta anos de diálogo e vida entre cristãos de várias Igrejas nos convidam a refletir e compartilhar a rica experiência de comunhão e luz suscitada pelo carisma da unidade . Este carisma dado por Deus Clara Lubich oferece-se como contribuição ao caminho pelo qual rezou Jesus: 'que todos sejam um, para que o mundo creia' [cf. Gv 17,21]”. A Conferência acontece no 60º aniversário do "One" Centro para a Unidade dos Cristãos, fundado por Chiara Lubich em 26 de maio de 1961. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.