Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador.

O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias.

“Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico”, disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”.

“Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”.

Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria.

Falando sobre o tema principal da conferência, “Os justos crescerão como o cedro no Líbano” (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente.

“Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas.

“Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele.

A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Deus, país e tradição.  Religião e nacionalismos na era global

Deus, país e tradição. Religião e nacionalismos na era global

Roma (NEV), 5 de novembro de 2018 – No âmbito das Jornadas “Consciência e Liberdade”, a revista da Associação Italiana de Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a conferência “Deus, Pátria e Tradição. Religião e nacionalismos na era global”. AIDLR é um grupo de defesa da liberdade religiosa estabelecido e operado pela Igreja Adventista. O encontro acontecerá em Roma a partir das 15h no Centro de Estudos Americanos na via Michelangelo Caetani, 32. Baixe aqui o cartaz Dias de Consciência e Liberdade 06.11.2018 Entrada gratuita, reservas são bem-vindas enviando um e-mail para: [email protected] ...

Ler artigo
Oito para cada mil valdenses, cada vez mais pedidos de jovens e cultura

Oito para cada mil valdenses, cada vez mais pedidos de jovens e cultura

foto Abigail Low, unsplash Roma (NEV), 29 de janeiro de 2021 – Cada vez mais pedidos de fundos do Otto per mille Valdese, confirmando uma tendência de crescimento constante nos últimos três anos. Com um aumento significativo de candidaturas para atividades culturais, que passam de 443 para 626, e para a promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens: foram 747, em 2020 foram 661, em 2019 este setor envolveu 531 projetos . No total, foram apresentadas 4914 candidaturas, das quais 961 no estrangeiro e 3953 em Itália (haviam sido 3573 em 2020). “Os números de 2021 nos dizem que o terceiro setor está preocupado com os efeitos da pandemia, com razão”, afirma. Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille das igrejas valdense e metodista. No que diz respeito à Itália, os projetos de combate à pobreza também crescem há dois anos: são 420 em 2021, enquanto em 2020 eram 339. Ainda com referência aos últimos dois anos, os projetos de combate à violência de gênero e os para idosos. Mais de 700, como também aconteceu em 2020, candidaturas a intervenções relativas a pessoas com deficiência (que são o segundo maior setor, em número de pedidos apresentados, a seguir aos jovens). Por outro lado, os pedidos de acolhimento e inclusão de migrantes têm apresentado uma evolução negativa nos últimos dois anos: 344 em 2019, 294 no ano passado e 276 hoje. O mesmo vale para os projetos – 124 este ano, 147 no ano passado – em presídios. Por fim, as iniciativas para o meio ambiente estão estáveis: de 107 no ano passado para 133 em 2021 (mas em 2019 haviam sido “apenas” 58). No estrangeiro, porém, a educação (173 candidaturas) e as intervenções de saúde e proteção da saúde (155) são as duas áreas de maior interesse. “A pandemia tem um efeito direto nos pedidos de financiamento que recebemos – diz Vinay -. Com o pedido de desembolso de fundos encerrado em 2021, o número de solicitações aumenta, como dissemos, chegando a quase 5.000, cerca de 4.000 dos quais para projetos a serem realizados na Itália e quase mil no exterior. Em nossa opinião, o aumento de projetos voltados para crianças e adolescentes, de combate à pobreza, de saúde e de promoção de atividades culturais reflete os efeitos sociais da pandemia. Nesta tendência – continua Vinay – encontramos uma atitude de confiança cada vez maior no sistema de gestão de recursos Otto per mille adotado pelas igrejas valdenses e metodistas. Sistema que, como se sabe, exclui a possibilidade de financiamento das atividades religiosas e a elas ligadas, mas destina a totalidade do seu valor a programas sociais, culturais e de cooperação. Os fundos disponíveis em 2021 - conclui o responsável do gabinete Otto per mille - ascendem a cerca de 40 milhões de euros que queremos 'devolver' à sociedade civil, àquele tecido de entidades, comunidades religiosas e seculares, associações que, neste saúde de emergência e assistência social, realizam um trabalho precioso de cuidado e apoio, que chega também às pessoas mais solitárias, marginalizadas e invisíveis". Agora todos os pedidos ao Otto per mille das Igrejas Valdense e Metodista passarão pelo escrutínio da fase preliminar: ou seja, será verificada a regularidade formal dos pedidos, respeitando as diretrizes da convocação de 2021, que foram publicado no site ottopermillevaldese.org. Apenas as candidaturas devidamente submetidas serão avaliadas pelos seus méritos por uma comissão de voluntários que em breve iniciará os seus trabalhos. Os projetos aprovados pelo Tavola Valdese serão apresentados ao Sínodo no próximo mês de agosto, e depois a lista definitiva dos pedidos aceitos será publicada no portal 8×1000 até setembro. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.