Tertio Millennio Film Fest 2018. Jovens, estamos aqui

Tertio Millennio Film Fest 2018. Jovens, estamos aqui

Imagine retirado de www.festivalglocal.it

Roma (NEV), 13 de novembro de 2018 – São 10 os finalistas do concurso de curtas-metragens dedicado a jovens entre os 18 e os 29 anos, no âmbito do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que se encontra na sua XXII edição. O concurso, intitulado “Estamos aqui – jovens, vontade de participar e procurar sentido” é promovido pela Fundação do Entretenimento (FEdS). Um prêmio dentro do prêmio, aguardando a exposição principal que será realizada em Roma de 11 a 15 de dezembro e que conta com o patrocínio do Pontifício Conselho para a Cultura, do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé e do Escritório Nacional para as Comunicações Sociais da CEI , com a participação da Associação de Cinema Protestante”Roberto Sbaffi”, do Centro Judaico Italiano “Il Pitigliani”, da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), da INTERFILM, da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI) e da Igreja Ortodoxa Russa e Georgiana.

As finalistas são: “Penelope” de Luca Rabotti“Kintsugi” de Daniel Greco,Térreo” de Natalino Zangaro, Pergunte ao Pó” de Elise Battisti, Alberto Castelli, Diletta Dan, Jorge Fabiano, Francesco Luciani, Mateus Vitelli“Inanimado” por Lúcia Bulgheroni, “Ossos” de Lorenzo Pallotta, “Denise” por Inglês Escarlate“La faim va tout droit” de Júlia Canela, “Nosso limite” por Adriano Morelli“Qualquer comércio” por Ricardo Frederico.

A batuta passa agora para o Júri presidido por Constância Quatrigliocomposta por 6 jovens expoentes de comunidades religiosas que integram o Tertio Millennio Film Fest: Mustafá Martino Roma, Andrea Bencivenga, Jacopo Balliana, Francesca Romana Bianchini, Valéria Milão, Ben Mohamed Takoua. A entrega dos prêmios, que consistem em ferramentas técnicas de filmagem e edição, acontecerá durante a cerimônia de entrega dos Prêmios RdC, marcada para 14 de dezembro no Cinema Trevi.

Os curtas-metragens finalistas foram apresentados em Varese por ocasião do Festival Glocal, na seção Glocal Cinema.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#SPUC 2020. Variações da filantropia

#SPUC 2020. Variações da filantropia

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia Roma (NEV), 18 de janeiro de 2020 - Trataram-nos com bondade: este é o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontece, como acontece todos os anos há mais de meio século, de 18 a 25 Janeiro, promovido mundialmente pelo Conselho Mundial das Igrejas (CEC) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Eles nos trataram com gentileza (talvez seja melhor traduzir: "com humanidade"). É uma citação do livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 28.2, quando o apóstolo Paulo escapa de uma terrível tempestade e naufraga na ilha de Malta, junto com alguns de seus companheiros, os soldados que o levaram prisioneiro para Roma e para marinheiros. Quem é que trata Paolo e os outros náufragos com bondade (ou humanidade, se preferir)? São os habitantes de Malta, que acolhem, refrescam e aquecem os náufragos frios e húmidos. E por que escolher tal texto para a Semana da Unidade? A resposta das igrejas cristãs de Malta, que prepararam os materiais para a Semana, é que este texto é mais atual do que nunca. “Em várias partes do mundo – lê-se na introdução – muitas pessoas enfrentam jornadas igualmente perigosas, por terra e por mar, para escapar de desastres naturais, guerras e pobreza. Também a sua vida está à mercê de forças imensas e altamente indiferentes, não só naturais, mas também políticas, económicas e humanas. A indiferença humana assume muitas formas: a indiferença de quem vende lugares em barcos inseguros a pessoas desesperadas; a indiferença das pessoas que decidem não enviar botes salva-vidas; a indiferença de quem rejeita os barcos dos migrantes. Esta história interpela-nos como cristãos que enfrentam juntos a crise migratória: somos coniventes com as forças indiferentes ou acolhemos com a humanidade, tornando-nos assim testemunhas da amorosa providência de Deus para com cada pessoa?». A narração dos Atos dos Apóstolos desenvolve boa parte do linguagem de boas vindas que encontramos no Novo Testamento. Existem três verbos acolhedores: acolher, receber, hospedar. Os malteses são definidos como "bárbaros" (porque não pertencem ao mundo da cultura grega), mas são bárbaros hospitaleiros que literalmente acolhem os náufragos com uma "filantropia fora do comum". Ainda em Malta, o notável Públio "amigo" acolhe Paulo e seus seguidores (28,7): a palavra grega é filofronosoutro termo que, como filantropiaé composto com filia, amizade. Com efeito, no Novo Testamento, o vocabulário do acolhimento está intimamente ligado ao conceito de filiaamizade: se é filantropiaisto é, de amizade e humanidade para com todos os seres humanos, ou do Filadélfiao amor entre irmãos, ou mesmo dos filoxenia, amizade para o estrangeiro, são apenas variações do mesmo conceito. E contrastar essas diferentes formas de amizade/amor (por exemplo, afirmar que o amor pelos nossos conterrâneos vem em primeiro lugar) não faz sentido: certamente não do ponto de vista da mensagem cristã. ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  Uma fé nua pode se tornar uma oportunidade

Secretariado para atividades ecumênicas. Uma fé nua pode se tornar uma oportunidade

Roma (NEV), 1º de agosto de 2022 – A 58ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi encerrada no último sábado em Assis. Com o tema “Em tempos sombrios, ouse ter esperança. As palavras de fé na sucessão das gerações – Uma pesquisa ecumênica (2)”, a sessão envolveu 190 cristãos e cristãs, mas não só. Leigos, sacerdotes, pastores, teólogos, professores, estudantes, seminaristas, dois bispos e um bispo passaram alguns dias juntos sob a bandeira do diálogo e da partilha. Existem várias formações confessionais: adventista, anglicana, batista, católica, metodista, ortodoxa, reformada, valdense, judaica. Entre os participantes, também representantes de entidades como a Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Ação Católica. Amizades judaico-cristãs. A Coordenação dos Teólogos Italianos. O movimento dos Focolares. Entre os fios vermelhos tecidos durante os dias, a "reavaliação do corpo na oração pessoal e litúrgica". “Superando Estilos Androcêntricos na Igreja”. “Saia da mentalidade substitucionista em relação a Israel”. Esta é a primeira sessão organizada pelo novo Comitê Executivo que inclui o novo presidente, o Valdense Erica Sfredda. “Somos chamados a construir juntos uma nova história que se alimente da esperança de poder caminhar juntos curando a dor, as feridas, as tragédias dos séculos passados ​​– disse Sfredda em seu discurso conclusivo -. Nestes dias entendemos que a crise não é só negatividade, mas nos impulsiona à conversão ao Senhor, nos devolve a força para viver e confiar em Deus.Sentimos que estamos confusos, frágeis, ansiosos e vivemos uma fé nua que pode se tornar uma 'oportunidade […]. Deus nos chama independentemente do que tenhamos escrito e dito sobre ele. E, portanto, podemos aceitar o desafio de nos tornarmos catalisadores da esperança, testemunhas no mundo com a nossa vida de uma esperança que não desilude. Portanto, hoje não é um adeus, mas um adeus. Despedimo-nos com um pouco de tristeza, mas também conscientes da alegria que trazemos para casa e sabemos que a nossa tarefa é testemunhar nas nossas vidas, nas nossas comunidades e igrejas aquilo que recebemos e do qual por sua vez doamos” . Também Simone Morandini, membro do Comitê Executivo, destacou alguns aspectos do caminho percorrido, falando da escuta recíproca como algo ativo: “A esperança é uma realidade que se cultiva no plural, é uma dinâmica comunitária, eclesial. É apreendido e expresso em conjunto, na atenção respeitosa às necessidades uns dos outros, aos respectivos estilos de pensamento, de celebração, de vida. Outra descoberta feita na sessão foi a importância de um paradigma intergeracional. Ser todos juntos discípulos e mestres, assumir uma postura de aprendizado mútuo, ser juntos buscadores de esperança. Esta perspectiva exige uma mudança de ritmo e, ao mesmo tempo, preservar os dons recebidos das gerações e tradições anteriores”. Foto Laura Caffagnini A 58ª sessão foi aberta com uma oração ecumênica. Entre os destaques, o encontro com o pastor batista e "Ministra itinerante" Lídia Maggi E Cláudio Monge, chefe do Centro Dominicano para o Diálogo Inter-religioso e Cultural em Istambul. Lá mesa redonda dos jovens sobre a concretude da fé. visita do monsenhor Derio Olivero, bispo de Pinerolo. E novamente as oficinas, também para meninos e meninas. Houve muitos visitantes do mundo protestante, incluindo os de Fulvio Ferrario, Letizia Tomassone, Paolo Naso e outros. Para saber mais, aceda ao acervo de todos os comunicados da 58ª sessão clicando AQUI. Para conteúdo de vídeo, clique em AQUI. Baixe o programa completo Abaixo, uma seleção de conteúdo com curadoria de Laura Caffagnini. PRATICAR A ESPERANÇA NO BARATRO Mesa redonda com Monsenhor Roberto Filippinibispo de Pescia e membro da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana, e Paulo Nasocientista político e ensaísta, membro da Comissão de Estudos da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ENTRANDO NO SHABAT Liturgia ecumênica preparada pelo grupo de animação de oração e liturgia. Com o pastor valdense Michael Charbonniercoordenador. Alessandro Martinellianimador litúrgico católico. Margarida Bertinat da SAE de Verona. Elda Possamai da SAE de Turim. MARTIN LUTHER KING, TESTEMUNHA DA ESPERANÇA Leitura de música"Martin Luther King. Uma história americana” retirada do último livro de Paolo Naso, com o etnomusicólogo Alberto Annarilli, Elisa Biason e Elena Malandrino. PELO AMOR DAS FUTURAS GERAÇÕES, JÁ ESTÁ AQUI A cura de um mudo por Jesus no centro da pregação da pastora valdense Letizia Tomassone na Santa Ceia celebrada na noite de quinta-feira na Sessão da SAE em Assis. Pão, vinho, cachos de uvas eram o convite a uma assembleia composta por mulheres e homens que se uniam em torno da mesa comum da Palavra. NOVAS PALAVRAS PARA COMUNIDADES AUTENTICAMENTE HUMANAS Do clima cultural, ao clima meteorológico, ao clima das relações entre Estados, países e culturas... Em tempos como este é preciso mudar também as palavras das Igrejas. Moderado pelo teólogo católico Simone Morandinitrês figuras "históricas" e fiéis da SAE falaram sobre isso em uma mesa redonda: o teólogo valdense Fulvio Ferrarioo padre ortodoxo romeno Traian Valdman e o teólogo católico Cettina Militello. ...

Ler artigo
Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Roma (NEV), 4 de julho de 2022 – A “Escola para a Democracia”, promovida pela Valdensian Cultural Center Foundation e pelo Waldensian College, em colaboração com a Sapienza University, teve início ontem em Torre Pellice, nos vales valdenses, na província de Torino de Roma, Departamento de História Antropologia Religiões Artes Entretenimento, o Centro de Estudos Comparados, a Escola Política Tullio Vinay e a Comissão de Estudos da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. O senador foi o convidado do primeiro dia de posse Louis Manconique em seu discurso falou dos "direitos como elemento essencial de toda democracia", referindo-se ao direito à liberdade de pensamento, ao direito à proteção da pessoa - lembrando Stefano Cucchi – até o direito a um fim de vida digno. “Falando aos valdenses e com os valdenses. O protestantismo como religião da modernidade: o Espírito sopra onde se afirma a autonomia da consciência individual e a autodeterminação do sujeito”, escreveu Manconi posteriormente em um post. Hoje, 4 de julho, primeiro dia de estudos, com o MEP Lia Quartapelle E Marcos Ventura, da Universidade de Siena, intitulado "A soberania pertence ao povo". Aqui o programa completo da iniciativa, que se prolonga até 9 de julho. O projeto “Escola para a Democracia” foi criado para “criar um espaço de estudo e investigação para que as palavras voltem a ser expressões para contrariar as falsas verdades que geram impulsos racistas, soberanos e totalitários”, como se afirma na apresentação da iniciativa. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.