O amor pela Criação dá notícia?

O amor pela Criação dá notícia?

Foto NEV

Roma (NEV), 2 de agosto de 2023 – “Acreditamos que é urgente combater a campanha de difamação em curso contra as demandas do ambientalismo”. Isso é apoiado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI).

Nas últimas semanas, de fato, nos meios de comunicação italianos, mas não só, temos assistido a mais uma polarização sobre o tema “clima”, com lados, negações e afirmações, sobre o quanto os fenômenos atmosféricos e climáticos são ou não causados ​​por comportamento humano.

Uma pressão mediática sempre orientada para as emergências que rebaixa, segundo a GLAM, as três vertentes ecológicas do clima, poluição e biodiversidade.

Para a GLAM seria necessário “chamar a atenção para a natureza dos processos”, com “ações para a sustentabilidade, enquadradas nos 17 Objetivos de Desenvolvimento da Agenda 2030 das Nações Unidas, passadas às escondidas. Ações concebidas precisamente como processos, talvez urgentes, mas fora da retórica de emergência que geralmente envolve situações de amortecimento em vez de dar-lhes um endereço diferente. Um processo coerente com o compromisso cristão de salvaguardar a criação, cujo sofrimento cresce tanto nos equilíbrios vitais como nos ecossistemas”.

GLAM continua: “Desde que a UE começou a pedir uma crescente cogência das medidas econômicas, com as diretivas sobre a economia circular, uma campanha começou na imprensa italiana para minar seus fundamentos. Alguns exemplos: a mudança climática não aceleraria e de qualquer forma teria um componente antrópico desprezível (para o que os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC – estariam incorretos). A poluição requer medidas de adaptação (portanto, a mitigação pode ficar em segundo plano). Dadas essas teorias, as medidas de prevenção e precaução podem ser ainda mais relegadas. O impacto humano na biodiversidade é negado. As consciências estão cada vez mais adormecidas, também por causa dos meios de comunicação de massa”.

Contra isso, a GLAM sublinha a importância da “capacidade crescente de organização dos jovens”, que no entanto “recebe vários níveis de estigma de acordo com as suas gradações de ‘alarmismo’: pense nas sextas-feiras para o futuro – cujos slogans segundo alguns se traduzem em conselhos à economia (na esteira do ambientalismo histórico)”. Sem contar aqueles movimentos que “se opõem às crescentes intervenções nos territórios que insistem em modelos de desenvolvimento com balanço negativo para os ecossistemas, às vezes com ações que parecem contraproducentes para a causa”.

O ambientalismo é, portanto, fragmentado e pouco autoritário, mas, afirma GLAM, “a política e a economia, mesmo na Itália, não podem ignorar completamente a sustentabilidade como parâmetro de escolhas, começando pelos setores mais controversos do momento, ou seja, energia, agricultura, pecuária e água”.

“A pesada campanha de mídia em andamento pelos lobbies químicos, fósseis e nucleares dá a medida de resistência e oposição a um possível caminho ‘transitório’ que é considerado irrealista (quando não tingido também com paganismo ou milenarismo) ” continua GLAM. As questões de sanções econômicas introduzidas pela UE, o ímpeto para a energia fóssil e nuclear, o intervencionismo de guerra fecham o quadro.

Como pessoas de fé, de acordo com GLAM, devemos continuar a amar a criação em palavras e ações. Como? Só para dar uma ideia, já há alguns anos, a European Christian Network for the Environment (ECEN) e GLAM têm chamado a atenção não apenas para “boas práticas ecocomunitárias, mas também para pesquisas em andamento em empresas e universidades. Da mobilidade privada, pública ou partilhada (com modelos pequenos e leves equipados com duplo motor elétrico para as rodas e a gasolina para recarregar a bateria), às renováveis ​​(que procuram substituir o lítio e trazer a energia eólica de menor impacto), às aquecimento, à produção industrial que visa a curto prazo reduzir os combustíveis fósseis com eficiência, à redução drástica do consumo de plástico”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – O dia do rei em que os americanos homenageiam o líder mais conhecido do movimento pelos direitos civis dos EUA foi estabelecido em 1983, sob a presidência de Ronald Reagan. E isso já é um fato paradoxal porque a história não reconhece ao ex-ator de filmes de faroeste um papel particular na ação política em prol da população afro-americana; pelo contrário, o eixo estratégico das suas políticas sociais estava orientado para o desmantelamento das medidas assistenciais adoptadas durante os anos da presidência de Johnson, que produziram resultados importantes em termos de crescimento económico das minorias étnicas. Mas o movimento que há tempos reclamava o reconhecimento de King e do que ele representava já tinha uma consistência própria e Reagan optou por não se opor a ele, acabando por apoiá-lo e reivindicando assim o mérito de uma opção fortemente simbólica pela unidade de todos americanos. O dia do Rei, celebrado no dia do seu nascimento, acabou assim por cicatrizar algumas feridas que se arrastavam desde os turbulentos anos 60 mas também cristalizar a figura do pastor baptista e líder político no cliché domesticado e tranquilizador de herói nacional da não-violência e do interracial coexistência. Ao longo dos anos, esta operação produziu celebrações cada vez mais corais mas também simplificou uma figura complexa que deve ser lembrada não só pela sua lealdade à América e aos seus princípios, mas também pela sua capacidade de mobilizar um movimento de massas que denunciava a traição flagrante e violenta violação dos direitos humanos fundamentais por um sistema que, superada a segregação, permaneceu racista, ou seja, baseado em comportamentos e convenções que condenavam os afro-americanos a ocupar os degraus mais baixos do sistema social. A contabilidade pesada, por exemplo, ainda hoje registra muitos afro-americanos na prisão e poucos na faculdade. Os anos de Obama na Casa Branca criaram a ilusão de ótica de uma reviravolta e fortaleceram a esperança de um país que teve forças para se redimir de seu pecado original, o racismo. Isso não aconteceu e, com essa janela democrática fechada, a América tem que lidar – de novo! – com aquele demônio que assombra a credibilidade e sustentabilidade de suas políticas sociais. King continua a aparecer em lápides e monumentos, bem como no Mall em Washington, onde fez seu famoso discurso de 1963. eu tenho um sonho. Mas ele aparece cada vez mais sozinho, heroizado e domesticado na narrativa reconfortante de um país reconciliado que essencialmente superou sua divisão racial. Não é assim, e o desafio da coesão social, no mínimo, agravou-se com o aumento da população hispânica e dos imigrantes africanos e asiáticos. King era o homem da não-violência, é claro, mas também de uma denúncia radical e desestabilizadora do equilíbrio de poder na sociedade americana. E vale lembrar que ele não foi morto no momento de sua maior fama, mas, ao contrário, quando se viu isolado e desacreditado por suas lutas contra a guerra do Vietnã e contra a pobreza de milhões de americanos, brancos e preto. Celebrar o sonho de uma sociedade reconciliada e livre do racismo é certo e útil, mas apenas se você tiver a coragem moral e civil de reconhecer que esse sonho não se tornou realidade. ...

Ler artigo
Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Torre Pellice, 25 de agosto de 2023 – O Sínodo Valdense encerrou hoje, sexta-feira, 25 de agosto. Desde domingo, 20 de agosto, cerca de 180 deputados de toda a Itália discutem a vida das igrejas, a organização, os temas e os pedidos mais significativos para os protestantes. Os cargos dos órgãos executivos da igreja valdense foram eleitos. Na mesa valdense, o corpo diretivo, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-moderador), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Presidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): pastor reconfirmado Lucas Anciãos. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor batista Francisca Nuzzolese ela foi eleita para a cátedra de teologia prática, a primeira mulher nesta função. O pastor Francisco Sciotto foi reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense). No final do Sínodo, realizou-se a habitual conferência de imprensa de encerramento. “O adjetivo “pequeno” ressoou várias vezes nestes dias de Sínodo, com um espírito diferente, às vezes em oposição. Sabemos que o elemento de crescimento numérico não é necessariamente uma medida de qualidade evangélica, que a adesão em massa não dá necessariamente origem a comunidades saudáveis ​​– declarou a diácona Alessandra Trotta, moderadora da Mesa Valdense, em seu discurso final -. Mas devemos ser capazes de dizer honestamente a nós mesmos, olhando também para a realidade das nossas comunidades, que nem mesmo qualquer pequena coisa é sinal de coerência e qualidade evangélica. Uma comunidade que sabe exprimir plena e autenticamente o sentido de viver em Jesus Cristo, que sabe exprimir uma fé que, mesmo em potes de barro, na fragilidade e na imperfeição de tudo o que é humano, mantém a alegre consciência do poder do Palavra, sabe tornar o frescor que toca a vida real das pessoas, atingindo-as de forma significativa e relevante nas necessidades mais íntimas e concretas, uma comunidade que sabe se oferecer como lugar de acolhimento, de cura, de relações renovadas , de emancipação, de solidariedade, de amor, de esperança, cresce”. Entre os temas discutidos, o acolhimento dos migrantes, com a aposta nos corredores humanitários e outras experiências de solidariedade em todo o território, a paz, os direitos das pessoas, a saúde pública, o não à criminalização da gestação para outros e a protecção de meninos e meninas, bem como todos os tipos de famílias. A noite pública do Sínodo, que decorreu na noite de segunda-feira, teve as questões de género no centro do debate, com uma discussão sobre “Mulheres no espaço público”. O Sínodo acolheu também diversas presenças de representantes de Igrejas de outros países, de toda a Europa e não só, bem como de personalidades do mundo ecuménico que trouxeram as suas saudações à assembleia. Também novidade este ano é a primeira edição do “Sínodo para as crianças”, que contou com a participação de 16 meninos e meninas, filhas e filhos dos delegados e dos párocos presentes em Torre Pellice. Todos os materiais, cobertura ao vivo das obras e coletivas de imprensa sobre: www.rbe.it; www.chiesavaldese.org; www.riforma.it; www.nev.it. - ...

Ler artigo
O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé. O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável. Será "uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas", diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento. Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030. O evento estará disponível em streaming neste link Clique para mais informações e inscrições AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.