Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Foto Creative Common Zero

Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do sermão do pastor Raffaele Volpe foi ao ar na manhã desta quarta-feira, 25 de dezembro, durante o programa “Culto Evangélico” da Radiouno RAI. O Natal é o nascimento de Jesus, o Filho de Deus, mas também o filho de José, o carpinteiro, operário e trabalhador. E é precisamente aos trabalhadores, e em particular aos da ex-Ilva, que o Pr. Volpe dedica este Natal de 2019, valendo-se tanto das passagens bíblicas como da sua experiência pessoal.


Caro ouvinte e querida ouvinte, Feliz Natal! Somos guardiães e testemunhas de um milagre: a gruta de Belém é o lugar onde Deus decidiu nos chamar. Devemos deixar nossas casas, nossas moradas aquecidas, nossos lugares seguros e caminhar rumo ao grande milagre da história da humanidade: na gruta de Belém, o próprio Deus se fez humano.

Oremos: Senhor, decidiste encontrar-nos na carne e no sangue daquele menino chamado Jesus. Ali quiseste dizer-nos que as nossas misérias, as nossas angústias, as nossas tentações, o nosso pecado, toda a nossa humanidade não está abandonada a si mesma, mas se tornou seu. Assumiste as nossas fragilidades para que pudéssemos encontrar neste gesto de amor a força para sermos mais humanos. Amém.


Agora vamos ouvir a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: “Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?“, (Mateus 13:55)

O Natal é a festa dos filhos e filhas. Celebração das famílias, mesmo diferentes. Festa para os pais que sonham em construir o futuro dando a vida. A passagem do Evangelho de Mateus que ouvimos nos lembra que Jesus também era um filho. Imediatamente pensamos em Jesus como o Filho de Deus e nos esquecemos de Jesus, filho do carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Simão e Judas. Filho de uma família da classe trabalhadora. Aquela que vive pensando no futuro dos filhos. Compras no supermercado tentando economizar dinheiro. Em uma família da classe trabalhadora você luta de manhã à noite, mas os filhos e filhas não precisam saber disso; você luta para avançar, peça por peça, passo a passo.

O Italsider de Bagnoli

Meu pai era um simples trabalhador em Olivetti. Ele havia perdido quatro dedos de uma das mãos no canteiro de obras da estação central de Nápoles. Tinha sido sua sorte, disse ele, porque lhe permitiu ter um pouco de deficiência e encontrar um emprego na Olivetti. Cresci em uma família da classe trabalhadora, aprendendo a respeitar o próximo e a viver com o essencial, nada mais, mas nunca menos. E nunca tive vergonha de não ter dinheiro suficiente no bolso aos domingos com os amigos. Em neste dia de Natal, como filho de um trabalhador, gostaria de dedicar este culto aos trabalhadores da antiga Ilva de Taranto.

O pastor trabalhador Umberto Delle Donne

Lembro-me da sensação de calor quando meu pastor, Umberto Delle Donne, um trabalhador da Italsider em Bagnoli, me levou em frente ao quarto alto-forno. Era tudo um brilho de chamas, uma luz intensa, toda concentrada naquela boca do forno e escuridão ao redor. Não foi o inferno, mas apenas graças àqueles trabalhadores que alimentaram o forno, mexeram como uma panela. ele disse bem Pier Paolo Pasolini: “O que permanece original no trabalhador é o que não é verbal: por exemplo, sua fisicalidade, sua voz, seu corpo. O corpo: aqui está uma terra ainda não colonizada pelo poder”. Uma fábrica não é um inferno graças aos corpos de trabalhadores e trabalhadoras. Ainda que muitas vezes até os corpos não colonizados pelo poder sucumbam à lógica do poder.

José, o pai de Jesus, também era trabalhador. E Jesus foi apelidado: filho do carpinteiro. Aí esse apelido sumiu e chamaram de Jesus”o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago e de José, de Judas e de Simão”, (Marcos 6:3). O pai, Giuseppe, desapareceu repentinamente. Os Evangelhos não nos dizem onde foi parar José, mas conhecendo a vida de um trabalhador não é descabido imaginá-lo esmagado sob o peso de uma longa trave de madeira, essa mesma trave onde se encontrava o seu filho, e também o Filho de Deus, então subirá esmagando a ganância do mundo sob o peso de seu corpo.

Muitos se perguntam: o que Jesus fez em seus trinta anos antes do início de sua peregrinação da Galiléia a Jerusalém anunciando a esperança aos desabrigados de que Deus estava ali perto deles? Muitos têm levantado esta questão. E mais uma vez que resposta mais simples e natural do que pensar que depois da morte de José, Jesus trabalhou como carpinteiro na mesma carpintaria. Jesus, trabalhador, filho de trabalhador.

Então, a quem dedicar este Natal senão a vocês, trabalhadores e trabalhadoras da antiga Ilva de Taranto? Você que certamente sabe mais sobre José e Jesus do que eu. Gostaria de dedicá-lo a vocês, a vocês que trabalham dia e noite, muitas vezes juntos, deixando seus filhos com os avós. Para vocês, especialistas em orçamento mensal. Para você que sussurra uma oração: Senhor, deixe-me voltar para casa hoje também. A você que, por outro lado, reivindica em voz alta o direito ao trabalho e o direito à saúde ao mesmo tempo. Mesmo que mecanismos diabólicos tenham tornado essa afirmação antinatural.

Taranto e Ilva

Dedico a vocês este Natal, trazendo-lhes uma boa notícia: Jesus, o carpinteiro, filho de carpinteiro, também era o Filho de Deus, aquele Deus dos profetas que chamou os governantes a juízo; que denunciaram aqueles que constroem suas casas pisoteando os pobres; aquele Deus que no monte Sião fez do respeito à lei o fundamento de toda liberdade; aquele Deus que não parou no julgamento, mas se fez trabalhador em Jesus até sua morte e morte de cruz. Este Deus está do seu lado! O Natal está do seu lado! O Filho de Deus está com você! Feliz Natal então.

Adriano Olivetti

Então, depois das férias, será necessário recomeçar um projeto simples: tornar novamente humano o trabalho de um trabalhador. “Ao trabalhar todos os dias entre as paredes da fábrica e as máquinas e bancadas e outros homens para produzir algo que vemos correr pelas ruas do mundo e nos devolver em salários que são pão, vinho e casa, participamos todos os dias na pulsante vida da fábrica, nas suas pequenas coisas e nas suas grandes coisas, acabamos por amá-la, apegando-nos a ela e então ela torna-se verdadeiramente nossa, a obra vai-se tornando aos poucos parte da nossa alma, portanto torna-se uma imensa força espiritual”, assim ele se expressou Adriano Olivetti. A partir daqui, depois das férias, teremos que recomeçar. Enquanto isso, no entanto, muitas felicidades e que Deus os abençoe e proteja. Amém


Oremos: Senhor neste dia extraordinário, neste dia de Natal, quero rogar-te pelos trabalhadores da antiga Ilva. Eu quero orar a você por todos os trabalhadores. Proteja-os, Senhor, proteja suas famílias e suas vidas. Amém!

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

foto @Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Roma (NEV), 30 de agosto de 2022 – O workshop que o Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, organizará durante a Assembleia Geral do Conselho Ecumênico é intitulado "O custo de uma laranja ". das igrejas. O evento será aberto em 31 de agosto em Karlsruhe, Alemanha. A iniciativa da marca MH está marcada em particular para a tarde de quinta-feira, dia 1 de setembro, das 15h30 às 16h45 No dia 4 de setembro, às 11h, os operadores do Mediterranean Hope, e em particular o coordenador marta bernardinio operador e mediador Ibrahim Diabate por Rosarno e a operadora Fiona Kendall participarão de um culto, seguido de almoço e apresentação das atividades do programa da FCEI na igreja do pároco Dorothee Mack. Aqui está o programa das oficinas que inclui também o encontro promovido pelos protestantes italianos: Por fim, de 1 a 7 de setembro, será montada a exposição "Ouça minha voz", já organizada em Roma nos últimos meses. O NEV seguirá a cúpula com um relatório ad hoc de Karlsruhe. Seguem os artigos da assessoria de imprensa da FCEI já publicados nos últimos dias: O que vai acontecer em Karlsruhe (24/08/2022) Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática (19/08/2022) Comitê Central do CMI, uma página de ecumenismo vivido (31/07/2022) ...

Ler artigo
Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

O tema da Semana, que será celebrada de 6 a 11 de abril, é o direito à educação e à instrução. “Este ano – lê-se numa carta enviada às igrejas pelo Departamento – queremos chamar a atenção das comunidades para a questão do direito à educação e à instrução. O mundo inteiro tomou consciência dramaticamente da grande disparidade que ainda habita nossa sociedade. É difícil garantir o mesmo direito à educação para todos. Um direito que desempenha um papel fundamental na afirmação de todos os outros direitos. E isso de alguma forma os protege. De fato, muitos falam de paz e justiça. Mas devemos ser capazes de nos dar cursos de formação, um caminho, uma escola que eduque homens e mulheres para a paz e a justiça”. Devido à pandemia, o aniversário também acontecerá eletronicamente este ano. “Mas isso não deve nos desanimar”, escreve novamente o Departamento de Evangelização. Uma série de materiais será publicada para a ocasião no site do Semeador (ilseminatore.net) e na página da revista no Facebook (Il Seminatore). Semana dos Direitos. Plano Em particular, entre os muitos conteúdos compartilhados, destacamos: dois artigos sobre o papel da educação e formação no projeto de professores protestantes Fabricio Oppoe Stephen Meloni. o testemunho de Yacouba Coulibaly, responsável por projetos de desenvolvimento em alguns países africanos. Uma meditação bíblica sobre Isaías 1, 17 pelo pastor Lucas Reina. As entrevistas em vídeo feitas a três teólogas envolvidas na formação. Em particular, um Frances Nuzzoleseconsultor de trauma especializado em teologia pastoral e psicoterapia. na pastora Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Finalmente, alla pastora Lydia Maggi, responsável pela Pastoral Bíblica Itinerante da UCEBI. Para os mais pequenos, o vídeo tutorial musical da música Gam Gam Gam, produzida pelo Maestro Emanuel abril. Além disso, um quadro comemorativo especial "Semana dos Direitos 2021 UCEBI" estará disponível para ser incluído em seu perfil no Facebook. Uma exposição virtual dos desenhos que os meninos e meninas nos enviaram sobre o tema "Escola dos Sonhos!" estará aberta aos visitantes. Terça-feira, 6 de abril, ao vivo no Facebook e YouTube pelos pastores Abril Máximo E Anna Maffei. Tema: o direito à educação e à formação. (Transmissão na página do Facebook do Semeador às 20h55. Simultaneamente, na página do Facebook do Pastor Aprile e no canal do YouTube da Igreja Batista Milan Pinamonte). Extensão MLK Pastor Martin Luther King (cujo aniversário de morte cai no domingo deste ano da Páscoa) em um de seus artigos ele escreveu: StSomos inclinados a permitir que nosso pensamento seja invadido por legiões de meias-verdades, preconceitos, e propaganda. Neste ponto, muitas vezes me pergunto se a educação está cumprindo seu propósito ou se não. A grande maioria das chamadas pessoas instruídas não pensa de forma lógica e cientificamente. Mesmo a imprensa, os tribunais, as campanhas eleitorais e o púlpito, em muitos casos, não estão lá. eles oferecem verdades objetivas e imparciais. Salvar o homem do lodo da propaganda é uma das principais objetivos da educação. A educação deve permitir a peneiração e a pesagem das evidências, discernir o verdadeiro do falso, o real do irreal e o fato da ficção. […] Devemos lembrar que inteligência não é suficiente. Inteligência mais caráter: este é o objetivo da verdadeira educação. A educação abrangente oferece não apenas um poder de concentração, mas objetivos dignos sobre os quais focar. Se não tomarmos cuidado, nossas faculdades produzirão um bando de propagandistas tacanhos, anticientífico, ilógico, acostumado a ações imorais. Estejam alertas, irmãos! Cuidado, professores! ...

Ler artigo
Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.