Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Foto de Pietro Romeo/Reforma

Torre Pellice (NEV), 25 de agosto de 2023 – A gestação para os outros e os direitos das crianças entre os temas do Sínodo Valdense, que se encerra hoje em Torre Pellice. Hoje, sexta-feira, 25 de agosto, a sala sinodal aprovou uma agenda na qual se expressa grande preocupação com as políticas que negam os direitos dos meninos e meninas já nascidos.

Na ordem do dia, os signatários e deputados do Sínodo dizem não à criminalização de qualquer forma de gestação alheia, condenando as normas que definem o GPA como crime universal.

A respeito destas questões, foi elaborado um documento pela Comissão para os problemas éticos colocados pela ciência (uma comissão ad hoc das igrejas batista, metodista e valdense, composta por teólogos, médicos e cientistas), que agora será examinado e examinado das igrejas locais.

“Esperamos que sempre haja maior conhecimento e discussão ética nas comunidades – declarou Ilenya Gosspastora e coordenadora da Comissão – para ir além dos estereótipos e dos riscos da idealização da maternidade, cujo impacto final também é representado por expressões desvalorizadoras como “útero de aluguel”.

O quadro de referência é um documento das igrejas já aprovado pelo Sínodo Valdense em 2017, dedicado às muitas formas possíveis de família. Durante anos, de facto, as igrejas protestantes têm apoiado as famílias arco-íris, em nome do acolhimento e da serenidade de todos, começando pelas meninas e meninos.


Para mais informações: a conferência de imprensa final do Sínodo será realizada esta tarde, ao vivo em www.rbe.it e reform.it.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Se você quer paz, prepare-se para a paz

Se você quer paz, prepare-se para a paz

Roma (NEV), 20 de março de 2023 – Está tudo pronto para o 4º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Encontro Domingo, 26 de março de 2023, das 19 às 20. Desta vez, o tema é: “Se você quer paz, prepare-se para a paz” Convidados da noite Luciano Ardesijornalista e vice-presidente do Interfaith Center for Peace (CIPAX) e Simone Caccamopastor batista, em serviço na igreja batista na Via del Teatro Valle em Roma. Reunião Zoom no seguinte link: ID da reunião: 832 8945 3827 Senha: 683848 Para comunicações urgentes ligue: 335/7263374 Para marcar participação escreva para:[email protected] A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! A Comissão de Globalização e Meio Ambiente Lá Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã. A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
senso de comunidade e propostas de toda a Itália

senso de comunidade e propostas de toda a Itália

Roma (NEV), 25 de junho de 2021 - As igrejas valdenses e metodistas se reuniram democraticamente nas habituais "conferências distritais". As reuniões acabaram de terminar. As conferências distritais são reuniões programáticas divididas em quatro distritos territoriais (Vales Valdenses, Norte, Centro e Sul da Itália). O objetivo das quatro conferências foi a identificação de temas e demandas a serem submetidas ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses. O Sínodo 2021 será realizado de 22 a 25 de agosto. Em 2020 realizou-se a “Semana sem Sínodo”, devido ao covid. A versão deste ano será uma inédita versão telemática e reduzida, com pastores e deputados eleitos pelas igrejas. Os distritos se reuniram em parte presencialmente e em parte virtual. Mesmo as conferências distritais, como o Sínodo, foram interrompidas em 2020 devido à pandemia. Pandemia que esteve, aliás, entre os principais temas de discussão. Recebeu o "mérito" de ter contribuído para uma rápida inovação tecnológica em igrejas e comunidades. Isso também deu lugar à consolidação de um intercâmbio geracional. Perdas e dificuldades em tempos de pandemia criaram um senso de comunidade menos territorial e mais expansivo. A Casa Valdense de Torre Pellice, sede do Sínodo da união das igrejas Metodista e Valdense. Foto retirada do site www.chiesavaldese.org Com suas respectivas diferenças de contexto, todas as quatro conferências distritais darão uma forte contribuição ao Sínodo. Esta troca de reflexões sobre os territórios é vital e representa a seiva que caracteriza as igrejas metodistas e valdenses. Uma "hierarquia" de assembleias, em que cada voz tem valor. Um exemplo metodológico muito mais que democrático, feito de insights, reflexões, busca de soluções. Além da pandemia, outros temas centrais das conferências foram: o caminho Ser igreja juntos (ECI), ou seja, aquele que entrelaça a história e histórias de comunidades e fiéis de diferentes origens geográficas, que se reúnem em igrejas e templos em Itália. A gestão dos edifícios e bens imobiliários das igrejas. Treinamento. A luta contra o racismo e a discriminação. A diaconia. A proteção dos direitos dos refugiados e migrantes. A questão financeira. Além disso, surgiram propostas para iniciar o apoio psicológico às igrejas, ou reuniões sobre o papel que a psicologia tem (ou deveria ter) na vida das igrejas. Isso à luz do fato de que a pandemia criou um mal-estar psicofísico generalizado. Salientou-se a necessidade não de multiplicar as iniciativas, mas de aumentar (e, se for o caso, aumentar) a sua qualidade. Foto de Gianluca Fiusco Por fim, surgiu o desejo de coordenar os territórios entre si, estabelecendo contato com as obras que respondem diretamente ao Sínodo, com a Diaconia Valdense (CSD), com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), em particular para projetos de Lampedusa, Scicli e Rosarno e outros, "para que todos estes sujeitos possam promover, cada um na sua autonomia, momentos de diálogo e confronto estruturados, visando um testemunho evangélico comum e plural". Leia a reportagem sobre as Conferências Distritais editada pela Riforma. ...

Ler artigo
Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018 – Olav Fykse Tveitpastor luterano da Igreja da Noruega, 57 anos, desde 2010 é secretário geral da Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a maior e mais inclusiva das muitas organizações do ecumenismo moderno. Na verdade, reúne mais de 350 igrejas e associações associadas que representam mais de 500 milhões de cristãos em 110 países. Inclui a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes. Originalmente, a maioria das igrejas fundadoras eram européias e norte-americanas, enquanto agora o maior destaque vem da África, Ásia, América Latina e Caribe. Este ano o CEC celebra 70 anos, tendo sido fundado em 1948 em Amesterdão, e as comemorações culminarão no dia 21 de junho, com uma visita aos escritórios de Genebra por Papa Francisco. Em uma pausa nos trabalhos doAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em andamento nestes dias em Novi Sad, pedimos a Tveit que nos fale sobre o estado de saúde do CEC hoje: “O CEC tem 70 anos, portanto idade de idoso e reformado. Mas o CMI é tudo menos isto: diria que nunca antes esteve vivo e vital, e o seu papel é reconhecido internacionalmente como interlocutor sério e credível face aos desafios das sociedades e das igrejas de hoje. Em torno do CMI, de suas comissões, de seu pessoal, existem expectativas enormes em muitas partes do mundo, talvez até mais altas do que nossas reais capacidades. Mas é o sinal de que os esforços que nos caracterizam na concretização do diálogo ecumênico e da reconciliação entre realidades conflitantes são reconhecidos como importantes nos caminhos de crescimento das sociedades”. Como mudou o movimento ecumênico nesses 70 anos? "Tudo mudou. O CEC nasceu no rescaldo da terrível Segunda Guerra Mundial, e sobre essas cinzas retomou discursos já empreendidos nas décadas anteriores. Depois houve a Guerra Fria, o isolamento das nações do Leste Europeu e a consequente repressão das igrejas nacionais. Naquela época, o CMI estava entre os poucos interlocutores reconhecidos como defensores da cooperação real. Hoje os desafios são outros, alguns ainda filhos daquela época: penso na terrível situação do Oriente Médio, mas também nos demais conflitos que ainda caracterizam a África pós-colonial. No que diz respeito ao diálogo ecuménico entre as várias almas do cristianismo, foram dados passos enormes, foram encontrados muitos pontos de unidade, embora ainda falte a comunhão plena, pela qual devemos continuar a lutar. Também acredito que esses grandes esforços de diálogo têm sido uma ferramenta de crescimento para as igrejas que deles participaram, que muitas vezes superaram fechamentos ou sectarismos em nome de um caminho comum”. A Igreja Católica não faz parte do CMI, mas parece estar prestando cada vez mais atenção ao fermento em curso. A próxima visita do Papa Francisco à sua sede em Genebra se encaixa de alguma forma nessa linha? “A visita do pontífice é um forte sinal de reconhecimento por parte do mundo católico: o reconhecimento de que existe um movimento ecumênico global, do qual também a Igreja Católica participa. O próprio Francisco afirmou repetidamente que devemos trabalhar juntos, que há um enorme espaço para isso. Por pelo menos trinta anos, o Vaticano trabalhou em estreita colaboração com o Concílio Ecumênico e participou como observador em todas as principais conferências do CMI. O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos também nomeia 12 membros dentro da comissão Fé e Constituição, criado pela CEC no mesmo ano de 1948, além de participar de alguns outros organismos ecumênicos a nível regional e nacional. A visita a Genebra colocará os holofotes do mundo sobre nós e nossa agenda. Parece-me uma importante oportunidade a ser aproveitada, como foi o 500º aniversário da Reforma Protestante em 2017, que destacou o desejo de unidade apesar da reconhecida diversidade”. O CMI está muito ocupado por meio de comissões e apelos contínuos na tentativa de encontrar uma solução para a dramática situação no Oriente Médio, da Palestina à Síria, passando pelo Iraque e outros cenários de guerra. O que você gostaria de dizer sobre isso? “O reconhecimento de nosso papel nessas zonas de guerra é resultado do contínuo convite ao diálogo que o CMI tem proposto incessantemente nas últimas décadas. Somos de alguma forma identificados como facilitadores, capazes de criar um terreno neutro no qual as partes envolvidas possam dialogar. Nunca devemos nos cansar de ser construtores de paz, portadores de esperança mesmo onde parece não haver mais. E certamente não apenas para os muitos, muitos cristãos que sofrem no Oriente Médio, mas para toda a população, porque somente diante de uma paz real e plena é possível construir uma sociedade nova, inclusiva e não excludente. As pessoas na Síria, no Iraque, na Palestina sofreram demais. É hora de dizer basta a tudo isso, é hora de criar as condições para fazer daquelas terras, que são o berço do cristianismo, um lugar de paz e um exemplo para toda a humanidade. O uso da força sozinho não serve a ninguém, há demasiados desequilíbrios entre quem tem exércitos e tecnologias avançadas e quem não tem, as forças no terreno são muito divergentes. Por isso, só silenciando as armas se pode tentar iniciar um verdadeiro diálogo que deve passar necessariamente pelo reconhecimento do outro”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.