“Eles me venderam como escravo.”  As histórias de quem já esteve na Líbia

“Eles me venderam como escravo.” As histórias de quem já esteve na Líbia

Roma (NEV), 23 de junho de 2023 – “Bandidos me venderam como escravo na Líbia. Já estive preso, já vi todo tipo de violência, sei que não estou em paz… A certa altura pegamos um barco. Alguns pularam no mar e sobreviveram. Mas eles nos levaram de volta para a Líbia novamente, ainda na prisão. Violência, fome, sede. Você tem que imaginar as piores coisas.” Fale muito e rápido Yaqob Idres, nascido em 1998, quando fala dos anos que passou na Líbia. Nasceu no Sudão, um dos hóspedes da Casa delle Culture de Scicli, na província de Ragusa, uma das iniciativas nascidas no âmbito do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, financiado em grande parte por o Otto por mil valdenses.

Yaqob Idres

“Éramos 35 pessoas numa garagem que nem era garagem, no chão, só barris, não tinha comida nem bebida. Se você não ligar para sua família e conseguir algum dinheiro, no dia seguinte eles pedem mais dinheiro, queimam seu corpo… “Nós vamos te vender”, ouvimos todos os dias. Eles gritam isso para nós. Eles jogam água em você para acordá-lo. É impossível viver na Líbia, eu estava prestes a enlouquecer. Eu vi a morte, se você não se salvar ninguém vai te salvar”, continua. “Conseguimos fugir, de novo, com um grupo, mas eles nos pegaram de novo. Nesse ínterim, tive problemas nas costas, eles quebraram para mim. Fiz uma operação, fui com a cadeira à frente de um gabinete (de uma instituição supranacional, ed) e fizeram-me a operação, depois de 3 meses voltei a andar”. Ele mora na Sicília há um ano, estuda italiano e, como os outros beneficiários dos corredores humanitários, obteve proteção internacional, o status de refugiado. “Aqui tudo é diferente, você pode sonhar em trabalhar, pode estudar, pode construir um futuro pequeno, um pouco de independência, seguir em frente”. E o futuro? “Me vejo com um projeto pequeno, com uma família, com filhos, e gostaria de ajudar quem precisa. Para mim, o importante é a paz”.

Projetos futuros são difíceis de imaginar, a migração, aliás a Líbia, parece cancelá-los, se é que algum dia existiram. Acontece que o único sonho é sobreviver. Ou escapar daquele inferno, ou ambos. E memórias, mesmo essas, são difíceis de verbalizar.

Ta’ah Ali Mohammed tem 21 anos, nasceu no Sudão, e do seu país natal diz “não houve nada, só problemas. Fui para a Líbia com 14 anos, sozinho, fui de um inferno a outro. Eu estive na Líbia por 4 anos, a “mínima coisa” que pode acontecer com você lá é a prisão. A Líbia é pior que a máfia”, diz ele. Ele tem sérios problemas de saúde, enfrenta uma longa jornada de atendimento médico, com terapias complexas e alguns problemas insolúveis, essencialmente.

Como você está agora?, pergunto a ele. “Um ano é como um mês, aqui o tempo voa”, responde, rindo. “Tenho certeza que vou melhorar, desde que haja vontade, é difícil sonhar mas se você acreditar você chega lá… Com certeza meu futuro, minha vida, melhora. Sou uma pessoa que adora estar com os outros, adoro tudo no Scicli, vai correr tudo bem”.

ele sorri muito Metwakel Brima, O jovem de 27 anos, natural do Sudão do Sul, diz que procura fazer sorrir também os outros companheiros desta aventura, os miúdos com quem partilha o espaço e a vida na Casa delle Culture. “Sinto-me bem, em um ano e meio nunca vi racismo… Não, não tenho amigos italianos. Faço biscates, estudei italiano”, conta. No próximo ano, ele fará o exame da oitava série. Qual é o seu dia típico? “Tomo café, se tem trabalho vou trabalhar, vejo vídeos no youtube, pra praticar italiano também dessa forma. À tarde vou ao parque com os amigos, preparo o jantar, depois vou para a cama, nas horas vagas estudo mais do que qualquer outra coisa”. Sua melhor lembrança é “quando eu era criança”, sua maior paixão “a história do Sudão”.

Metwakel Brima

A memória do Sudão e da infância é a primeira coisa que se revela nas palavras de Ahmer Hussain, nascido em 1998, agricultor: “Eu ajudava minha mãe no Sudão no campo, todos os dias, depois da escola, tínhamos uma vida normal. Aqui na Sicília cultivamos tomates, favas, cebolas, beringelas, no Sudão leguminosas e cenouras. Eu gostaria de ter minha própria terra.”

Em 2011, a guerra, a decisão de fugir para a capital sudanesa, Cartum: “Mas também houve problemas lá, eles nos chutaram… Não sei onde estão meus pais. Minha irmã ainda mora em Cartum, conversamos de vez em quando”. E então a Líbia. “Economizei dinheiro para ir para a Líbia. Fiz uma viagem de quase dois meses pelo deserto de carro via Chad em 2017. De vez em quando o carro quebrava e tínhamos que parar. Paguei 35 mil libras sudanesas pela viagem (equivalente a cerca de 50 euros, ed), valor de um carro pequeno, que fique claro”.

O que significa ficar na Líbia, como é? “A Líbia é o lugar mais feio que já vi na África na minha vida. Eles podem queimá-lo, atirar em você, prendê-lo, matá-lo para roubar seu fone de ouvido. Não há lei, não há tribunais, se não te pagam pelo teu trabalho”. O que você quer fazer agora? “Eu só quero me sentir bem”.

Um abraço entre Ahmer Hussain e o mediador Redouane El Khadiri

Para saber mais:

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Se você quer paz, prepare-se para a paz

Se você quer paz, prepare-se para a paz

Roma (NEV), 20 de março de 2023 – Está tudo pronto para o 4º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Encontro Domingo, 26 de março de 2023, das 19 às 20. Desta vez, o tema é: “Se você quer paz, prepare-se para a paz” Convidados da noite Luciano Ardesijornalista e vice-presidente do Interfaith Center for Peace (CIPAX) e Simone Caccamopastor batista, em serviço na igreja batista na Via del Teatro Valle em Roma. Reunião Zoom no seguinte link: ID da reunião: 832 8945 3827 Senha: 683848 Para comunicações urgentes ligue: 335/7263374 Para marcar participação escreva para:[email protected] A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! A Comissão de Globalização e Meio Ambiente Lá Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã. A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Roma (NEV), 29 de junho de 2020 – O pastor Gottfier Locher ele não é mais o presidente executivo da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). Conforme noticiado em nota de imprensa do órgão protestante europeu, Locher apresentou sua renúncia durante uma sessão do Conselho do CCPE, realizada por videoconferência no dia 26 de junho. O pastor John Bradbury (United Reformed Church, Londres) recebeu a gestão executiva interinamente. As renúncias do CCPE seguem as renunciadas por Locher em 2020 da presidência da Federação de Igrejas Evangélicas na Suíça. “Sinto que agora também devo renunciar ao meu cargo no CCPE”, escreveu Locher na exposição de motivos dirigida ao Conselho do CCPE, acrescentando que “o Conselho deve ser composto pelo maior número possível de titulares de cargos”. Locher foi eleito para o Presidium de três membros do CCPE na Assembleia Geral de 2012 em Florença e foi eleito Presidente Executivo após a morte do bispo Friedrich Weber em 2015. Locher lembrou a Assembleia Geral do CCPE realizada em Basel em 2018 como o destaque de seu mandato. A eleição do novo Presidente Executivo ocorrerá durante a próxima reunião do Conselho prevista para janeiro de 2021 em Estrasburgo. “O Presidium, o Conselho e os escritórios centrais do CCPE trabalham em estreita relação de confiança – declarou Bradbury -. A recente admissão da Igreja Evangélica Luterana da Islândia e as intensas discussões das igrejas-membro sobre os efeitos da crise do vírus corona demonstram o vigor de nossa Comunhão”. O pastor valdense também participou da reunião em 26 de junho Pawel Gajewskimembro do Conselho do CCPE. ...

Ler artigo
Confissões religiosas, a FCEI reúne-se com o Subsecretário do Interior

Confissões religiosas, a FCEI reúne-se com o Subsecretário do Interior

Roma (NEV), 30 de março de 2021 – “As igrejas evangélicas continuam se destacando por sua capacidade de ter um forte impacto em nossa sociedade. A qualidade e profundidade de suas reflexões e o compromisso indiscutível que exercem na sociedade italiana fazem deles um importante protagonista de nossa vida nacional e um precioso interlocutor de grande autoridade para o Ministério do Interior”. Assim comentou o Subsecretário do Interior Ivan Scalfarotto no final da visita de ontem de manhã à Faculdade Valdense em Roma, como afirma esta nota no site do dicastério. Eles participaram da reunião Fabrício GalloDiretor Central de Assuntos Religiosos, Presidente da Federação das Igrejas Protestantes na Itália Daniele Garrone E Paulo Nasocoordenador da comissão de estudos da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Sobre a emergência ucraniana, o subsecretário destacou como a federação de igrejas evangélicas da Itália agiu imediatamente para preparar um plano de intervenção para ajudar a população ucraniana. “Também nesta ocasião não faltou às igrejas evangélicas a qualidade e intensidade de seu compromisso de proteger e garantir os direitos dos mais fracos e vulneráveis, o que é mais importante do que nunca em tempos de emergência”, concluiu Scalfarotto. O professor Garrone declarou: “Agradecemos ao Exmo. Scalfarotto pelo interesse demonstrado pelas igrejas evangélicas e pelo nosso compromisso social e humanitário. Esperamos que haja um reconhecimento cada vez maior do valor da liberdade religiosa e de consciência, com pleno respeito pelos indivíduos e comunidades, para uma sociedade cada vez mais aberta e inclusiva”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.