igreja luterana.  30 anos de Entendimento com o Estado

igreja luterana. 30 anos de Entendimento com o Estado

Roma (NEV/CELI), 21 de abril de 2023 – Você já se perguntou o significado da palavra “entendido”? Do latim intentus particípio passado do verbo intentar. Isso é ir juntos em direção a um objetivo. Um acordo.

Corria o ano de 1993, há 30 anos, numa sexta-feira, quando a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI) e o Estado italiano assinaram um pacto para uma lei que regularia suas relações.

Por um lado, a delegação luterana, que incluía também o então Presidente do Sínodo Hanna Brunow Franzoi e o então vice-reitor Jurg Kleemann; do outro, o Estado italiano, representado pelo então Presidente do Conselho, Julian Amato. Uma Igreja, representada por uma mulher, fato mais singular do que raro naquele momento histórico, visto que os acordos anteriores traziam muitas assinaturas masculinas.

Milhares de anos parecem ter se passado e, na verdade, passaram-se apenas trinta anos desde um ato que abriu as portas para a lei de 29 de novembro de 1995 n. 520. O acordo, de fato, estabeleceu um caminho, a lei teria permitido esse caminho para atingir um objetivo: a relação de reciprocidade, em direitos e deveres, entre o Estado e o CELI.

Um convênio que o CELI já havia começado a preparar em 1985 graças ao trabalho de italianos e alemães, vividos, como recordou o vice-reitor Kleemann, “folheando livros e datilografando durante longas noites, com intermináveis ​​discussões, reuniões e viagens” .

Um acordo que antecipou, inesperadamente, temas muito modernos hoje. Como o sentimento de pertença à Itália dos jovens nascidos de pais não italianos. Keemann continua: “Claudia, estudante do 1º ano de direito, me acompanhava, já que ela era bilíngue” […] também “lavrar a ata. Ela me forneceu a preciosa prova: «Sou italiana, tenho mãe dinamarquesa, pai italiano e fui crismada em Florença como luterana»».

Continue lendo no site do CELI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Herança cultural valdense e metodista: pacto firmado com a região do Piemonte

Herança cultural valdense e metodista: pacto firmado com a região do Piemonte

Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 - Acordo firmado entre a Região do Piemonte e a Mesa Valdense para preservar e valorizar o patrimônio da comunidade, composto por edifícios, documentos, gravuras, livros, instrumentos musicais e fotografias que serão disponibilizados para o público. O site chiesavaldese.org dá a notícia em nota divulgada hoje, 11 de outubro. Um plano que prevê ainda o arquivamento, inventariação e restauro de bens, a digitalização e organização de livros e documentos que se tornarão acessíveis a todos. “Ao longo de sua história – observou o governador Albert Círio e o vereador da cultura, turismo e comércio Vitória Poggio – as igrejas metodistas e valdenses deram vida a um patrimônio cultural feito de uma pluralidade de elementos que se configura como um patrimônio "vivo", enraizado na história, mas ativo no presente. Não apenas preservaremos um grande patrimônio, mas o colocaremos à disposição de todos para que a cultura e o conhecimento se tornem um fenômeno de massa e não elitista. A tarefa de identificar, conservar e transmitir este património, reinterpretá-lo e dotá-lo de sentido, colocando-o em diálogo com o hoje, passa pela relação entre gerações e nas relações criadas entre diferentes grupos”. Por vários anos, a Região do Piemonte e o Conselho Valdense têm colaborado para a implementação de projetos que têm como objeto o patrimônio cultural metodista e valdense. Na base dos vários projetos existe sempre uma visão integrada do património cultural considerado em todas as suas componentes, material e imaterial e o trabalho desenvolve-se em três áreas de intervenção: Museus e património, Arquivos e Bibliotecas. “Esta resolução – sublinhou o diácono Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense – permite dar continuidade, fortalecendo-a, à frutuosa colaboração iniciada há vários anos entre a Região do Piemonte e a Mesa Valdense, para o cuidado e valorização de um patrimônio cultural vivo, o das igrejas Valdense e Metodista do Piemonte, através da sensibilização e envolvimento ativo das comunidades locais. As nossas igrejas possuem um património artístico, histórico e cultural que se oferece como contributo para o crescimento de todo o país a partir da valorização de uma história muito particular de fé e resistência, de compromisso com a liberdade de consciência e de acolhimento e inclusão" . Os conceitos de "comunidade patrimonial" e "herança cultural", contidos na Convenção-Quadro do Conselho da Europa sobre o valor do patrimônio cultural para a sociedade (2005) - mais conhecida como Convenção de Faro - são os elementos-chave também referidos por o acordo regional. “Expresso a minha satisfação pela resolução da Giunta que aprovou a dotação por três anos destinada à manutenção e valorização do património histórico da igreja valdense – sublinhou o conselheiro regional Walter Marin –. É importante para o Piemonte cuidar das igrejas que representam e caracterizam nossa história, nossa cultura e nossa paisagem”. Com o fundo regional de 300.000 euros, vão ser implementadas intervenções de manutenção conservadora no património móvel e imóvel de prédios e edifícios, documentos, impressos, livros, instrumentos musicais. Uma parte dos escritos será digitalizada e publicada online no portal da Herança Cultural Metodista e Valdense para tornar a consulta dos materiais mais utilizável. Além disso, o projeto parte de alguns princípios teóricos que se referem a recentes normativos nacionais e internacionais: do novo Texto Consolidado sobre a cultura da Região do Piemonte ao PNRR, passando pela Convenção de Faro e a Agenda 2030 da ONU. facto, está a assumir valor não só no que diz respeito aos efeitos mais directos em termos de benefícios económicos, mas também no que se refere a elementos essenciais de sustentabilidade e "regeneração" social, como a coesão, integração e inclusão, inovação e bem-estar (ambos individuais e coletivos). ...

Ler artigo
Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 1º de abril de 2019 – De 26 a 28 de março, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs mundiais formalmente associadas à declaração conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) . Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana, presentes em Indiana, juntamente com os líderes da Igreja Católica Romana e da Federação Luterana Mundial (FLM ). A consulta sublinhou a atualidade da mensagem evangélica de salvação: “somente pela graça, na fé na obra salvífica de Cristo e não por qualquer mérito nosso, somos acolhidos por Deus e recebemos o Espírito Santo, que renova os nossos corações, ele nos chama e nos torna capazes de boas obras”. A intenção é continuar no caminho de uma maior comunhão eclesial e de um testemunho mais visível, também na esteira dos laços mais profundos que se desenvolveram nas últimas duas décadas. Os participantes saudaram o imperativo de Lund, o primeiro de cinco assinados por Papa Francisco e pelo bispo luterano Munib Yunan, presidente da FLM, por ocasião das comemorações dos 500 anos da Reforma, ou seja, aquela que indica partir de uma perspectiva de unidade e não do ponto de vista da divisão. Também foi decidido usar o método de consenso para chegar a acordos sobre crenças comuns, mantendo as diferentes expressões denominacionais. Entre os temas da mesa, o reconhecimento mútuo dos ministérios, a cooperação na pastoral e no campo social, a justiça, os instrumentos catequéticos, o vínculo comum do batismo. Os participantes reconheceram a necessidade de aplicar o Princípio de Lund* de 1952, que exige agir em conjunto em todas as coisas, exceto quando diferenças significativas de crença nos obrigam a agir separadamente. Na consulta, que abriu com uma celebração ecumênica de oração e encerrou com a conferência "Do conflito à comunhão: o futuro dos cristãos juntos no mundo", estiveram presentes, entre outros, Tim Macquibanpároco da igreja de Ponte Sant'Angelo e diretor do Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR), representando o WMC. *Princípio de Lund, já declarado pelo Arcebispo de York William Temple, é definido pela comissão de Fé e Constituição em 1952 com estas palavras: "Mais uma vez ficou claro que quanto mais tentamos nos aproximar de Cristo, mais nos aproximamos uns dos outros". Fé e Constituição nasceu em 1910 e em 1948 tornou-se uma comissão teológica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), incluindo também representantes católicos. @macquibant prazer em representar @WMCouncil em nome de @methodist_rome neste importante evento ecumênico em Notre Dame #JDDJ — Escritório Ecumênico Metodista Roma (@methodist_rome) 1º de abril de 2019 ...

Ler artigo
O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.