Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Milada Vigerova, antiespalhamento

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2023 – A conferência está agendada para sexta-feira, 17 de fevereiro, das 9h30 às 16h30 no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi, 59 em Roma e sábado, 18 de fevereiro, das 9h30 às 12h30 na Biblioteca Jurídica Central da Palácio da Justiça (entrada pela Piazza Cavour), também em Roma.

Promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Confronti Review and Study Centre, a Central Legal Library, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

“Perguntamo-nos se é verdade que a nossa legislação ainda não está alinhada com a europeia (e com as nossas próprias disposições constitucionais), no que diz respeito aos direitos e liberdades que devem ser reconhecidos às religiões, e às convicções morais e filosóficas”, explicam os organizadores da iniciativa.

Entre os palestrantes: Giuliano Amato, Kristina Stoeckl, Alberto Melloni, Daniele Garrone, Roberto ZaccariaE Valdo Spini.

Participarão da mesa política com os parlamentares para tratar do tema da lei de liberdade religiosa: Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D’EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio MalanIrmãos da Itália.

O programa completo abaixo:

Na sexta-feira, 17 de fevereiro, no Salão da Igreja Valdense, as saudações iniciais são confiadas a necessidades de jacintoPresidente de Seção, Corte de Cassação ea Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (Fcei).

O contexto internacional verá as intervenções de Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Paulo Naso FCEI, Centro de Estudos Comparados, Universidade Sapienza, e Kristina StoecklUniversidade de Innsbruck.

O segundo painel, ‘Fé e religião: uma dialética crescente’, será confiado a Fausto Tortoravice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Giancarlo GaetaProfessor de História do Cristianismo Antigo, Universidade de Florença, Simone Gaboriaupresidente honorário do Tribunal de Apelações de Paris, James Marramaoprofessor emérito de filosofia da Uni Roma 3, coordenador do comitê científico da Fundação Lelio e Lisli Basso.
Após o almoço continuaremos com o terceiro painel, ‘A União Europeia e o caso italiano’, confiado a Giovanni I. GiannoliConselho de Curadores da Fundação Lelio e Lisli Basso, Ilaria ValenziCentro de Estudos Comparados e Fundação Bruno Kessler, Pamela HarrisUniversidade John Cabot e Maurizio AmbrosiniUniversidade de Milão.

O dia será encerrado com o painel ‘A laicidade procurada no cotidiano’, organizado por Cláudio Paravatidiretor do Centro de Comparações de Revisão e Estudo, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma e Carla Fermariellovereador da cidade de Roma.

Seguem-se as intervenções dos representantes das confissões religiosas. Convidou os representantes das Igrejas membros da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Alexandre BenedettiBahá’í, Fabrício D’AgostinoIgreja da Cientologia, Noemi Di SegniUnião das Comunidades Judaicas Italianas, Maria Ângela FalaMesa Inter-religiosa de Roma, Daniela GenanFederação Italiana para o Judaísmo Progressista, Hamsananda GiriUnião Hindu Italiana, Yassine LaframUnião das Comunidades Islâmicas na Itália, carmim napolitanoFederação das Igrejas Pentecostais, Adele Orioli, União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas, Yahya PallaviciniComunidade Religiosa Islâmica Italiana, Joshua PapagnaObra das Igrejas Cristãs dos Irmãos, Ricardo PlatiSoka Gakkai Instituto Budista Italiano, Abdellah RedouaneCentro Cultural Islâmico da Itália, David RomanoIgreja Adventista do Sétimo Dia, Philip SciannaUnião Budista Italiana, Remo SicardiA Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Siluan ȘpanBispo da Diocese Ortodoxa Romena da Itália, representante da Comunidade Sikh.

Os trabalhos prosseguem no sábado, 18 de fevereiro, na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça, com a apresentação de Frank Hippolytus, Presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso. Continuamos com o primeiro painel A lei que não existe? editado por Julian Amatopresidente emérito do Tribunal Constitucional, Alexandre FerrariUniversidade de Insubria, Júlia Pasquali CerioliUniversidade de Milão, Albert Melloneu, secretário do FSCIRE, Valdo Spinipresidente da Fundação Irmãos Rosselli e Roberto Zaccaria, constitucionalista, presidente do Conselho Italiano para os Refugiados. Moderado Ilaria ValenziCentro de Estudos e Revista Confronti e Fundação Bruno Kessler.

Será obrigatório ser credenciado para acesso ao Palácio da Justiça, um esse link.

Seguir-se-á o painel ‘A lei a votar’, onde intervirão, Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D’EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio Malan, Irmãos da Itália. Moderado Cláudio Paravatidiretor Comparações revista e centro de estudos.

AQUI o flyer do evento

Para participar na conferência de 18 de fevereiro no Palácio da Justiça, é necessário inscrever-se neste link:


Para mais informações: FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Alemanha.  Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Alemanha. Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Roma (NEV/voceevangelica), 12 de maio de 2021 – A terceira edição do "Kirchentag ecumênico" (OEKT) começa em Frankfurt na quinta-feira, 13 de maio, às 9h30, com a celebração ecumênica da Ascensão e termina em 16 de maio. O Kirchentag é promovido por católicos e evangélicos alemães. “O lema do terceiro encontro ecumênico é claro: não desvie o olhar”, escreve ele Gaëlle Courtens em sua visão geral em voceevangelica.ch, onde ele explica o programa e o espírito desta edição em particular: ...

Ler artigo
Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Fortemente empenhado no ecumenismo, o pároco foi membro do Executivo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da comissão que redigiu o Charta Oecumenicao documento de 2001 elaborado pelo próprio KEK e pelo Conselho das Conferências dos Bispos Europeus (CCEE), entidade católica, que contém as diretrizes para aumentar a cooperação entre as Igrejas cristãs na Europa. Serviu várias comunidades, de Bari a San Salvo – Vasto, Florença, San Giovanni Lipioni, Carunchio. Ele foi membro da Mesa Valdense de 1988 a 1995 (como vice-moderador desde 1990). Com essa função, em 1993 assinou a integração do Acordo entre a Mesa Valdense e o Estado Italiano (Primeiro Ministro Giuliano Amato) em relação à aceitação das cotas de oito por mil destinadas à Igreja Valdense. De 1992 a 1999 foi membro da comissão Década de solidariedade das igrejas com as mulheres (desde 1994 nomeada comissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI) Mark Rostan sobre Riforma ele lembrou que “para a igreja valdense, o ponto de partida da longa caminhada rumo ao pastorado feminino foi 1948, quando uma Comissão especial foi nomeada pelo Conselho Valdense (órgão executivo do Sínodo). No ano seguinte, a Comissão apresentou dois relatórios: um sobre o pastorado, outro sobre um possível 'ministério auxiliar'. “Acreditamos que não há motivos suficientes – concluiu o primeiro relatório – para continuar a excluir as mulheres de fé evangélica do ministério pastoral em sua plenitude”. O segundo texto indicava para as mulheres várias funções “além da pregação, da administração dos sacramentos e do cuidado das almas”. A incompatibilidade com o casamento foi prevista não por uma questão de princípio, mas pelo temor de que com os cuidados da família sobrasse menos tempo para a igreja. Regra abolida em 1959. Para preparar este ministério de 'assistente de igreja' foi criado um curso especial na Faculdade de Teologia em 1950, com três alunas, embora ainda não tivessem certeza de qual seria o seu papel. Em 1960, o Congresso da Federação Feminina pediu ao Sínodo o reconhecimento do pastorado para mulheres. Mas a decisão ainda foi adiada e remetida às igrejas locais que enviaram seu parecer: geralmente favorável, mas com muitas perplexidades de natureza prática. Finalmente, o Sínodo de 1962 reconhece “a plena validade do ministério da Palavra às irmãs chamadas”. Não foi uma decisão fácil, porém, como demonstram os números: 57 a favor, 42 contra, 10 abstenções.Em 1967 foram consagradas as primeiras pastoras; com a integração das igrejas metodista e valdense em 1979, o ministério pastoral foi aberto também às mulheres metodistas. Em meados da década de 1980, cerca de vinte anos depois, havia cerca de 10% de mulheres pastoras nas igrejas metodistas e valdenses, hoje elas triplicaram. Na União das Igrejas Batistas, há pastoras desde o início dos anos 1980 e na igreja evangélica luterana na Itália, as pastoras estão em serviço desde os anos 1990. Em outubro de 2004 foi eleita a primeira pastora presidente do Comitê Executivo da União das Igrejas Batistas e em agosto de 2005 a primeira pastora moderadora da Mesa Valdense”. O caminho estava traçado, e Gianna Sciclone foi uma promotora pioneira e incansável. Em agosto de 2017, por ocasião do 50º aniversário dessas primeiras ordenações, o Sínodo Valdense e Metodista quis recordar essas conquistas decisivas: “Hoje em nossas igrejas, entre pároco e diácono, representamos 40% dos inscritos”, informou o pastor Letizia Tomassone, ilustrando em coletiva de imprensa o processo nada óbvio que as mulheres evangélicas seguiram nas últimas décadas, até o "reconhecimento pleno da riqueza da pastoral feminina, com os respectivos papéis de governo na Igreja". A igreja foi enriquecida com outras perspetivas, integrando temas como o combate à violência de género ou a proteção de menores na comunidade”, acrescentou Tomassone. John Archdeacon, presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI), traça uma memória comovente e grata a partir de um episódio preciso. “Depois do reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses (BMV), sancionado com a Assembleia do Sínodo de 90, nas duas igrejas de Bari, mas também nas outras igrejas da Federação das Igrejas Evangélicas da Puglia e Lucania (FCEPL) , cresce com Gianna a consciência de estar mutuamente unidos na fé comum em Jesus Cristo e de viver a vida comum das igrejas e cada relação com o próximo no amor e na solidariedade. Cresce também o conhecimento mútuo entre as Igrejas, cada vez mais envolvidas em ações de testemunho comum e de evangelização, e a confiança recíproca fortalecida pela fraternidade e sororidade. Em particular, no dia seguinte ao desembarque no porto de Bari de cerca de 20.000 albaneses, a pastora Gianna Sciclone (em virtude de uma doação ao Tavola Valdese de um terreno agrícola com uma construção rural contígua feita por um querido irmão, chamado Pietro), promoveu com a ajuda da igreja batista e outras igrejas evangélicas da cidade, a criação do Centro Social Evangélico "La Casetta" na via Gentile em Bari para a primeira recepção. Ainda hoje recordo com emoção a oração de ação de graças que Gianna elevou ao Senhor na sala do ruidoso tabelião antes da leitura da escritura de constituição do Centro. O amém final foi o próprio selo daquele ato, cheio de esperança e certo do apoio do Espírito de Deus. O Centro não estava equipado para receber os albaneses, e as igrejas estavam muito preocupadas com a organização para receber cerca de 150 albaneses no recém-criado centro da Via Gentile, mas Gianna e Vincenzo, sua querida esposa e pintora, imediatamente disponibilizaram o Centro seu campista. Este sinal foi muito apreciado pelas igrejas envolvidas na gestão e também com a ajuda delas, cerca de uma centena de tendas de campo foram instaladas no Centro que permitiram assistência temporária aos que haviam deixado a Albânia, agora dilacerada pela falta de um Estado, todos de forma e estabelecer. Gianna não parou diante das dificuldades impostas pelas circunstâncias. Enfrentou-os, não sozinha, mas com os irmãos e irmãs que conheceu no seu caminho ecuménico, procurando sempre uma solução prática partilhada, destinada a dar substância ao testemunho comum do Evangelho. Agradeço ao Senhor por vos ter conhecido e ter tido a honra de partilhar convosco um pedaço do vosso caminho de fé e por ter recebido de vós a alegria do serviço na nudez desarmada de quem não tem outra garantia senão o amparo do Espírito de Deus". ...

Ler artigo
“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

foto de Lee Anne Cline, do unsplash Roma (NEV), 28 de agosto de 2020 - Ao final de uma marcha de protesto pelos direitos civis em Washington, na quarta-feira, 28 de agosto de 1963, o líder do movimento, o pastor batista Martin Luther Kingfez aquele que será seu discurso mais famoso, "Eu tenho um sonho", para mais de 250.000 pessoas. Hoje, mais de 50 anos depois dessas palavras, o racismo e a violência policial contra os afro-americanos estão inflamando os Estados Unidos. É o ano de “vidas negras importam”, “vidas negras importam”. E hoje em dia, algo nunca visto antes, até mesmo o esporte, e o basquete em particular, para em solidariedade aos protestos, àqueles que pedem justiça pelos abusos e por mudanças reais na sociedade americana. Perguntamos ao professor Paulo Nasoprofessor de ciência política e grande conhecedor dos EUA, um comentário sobre essas famosas palavras. “Eu tenho um sonho – explica Paolo Naso – continua sendo um dos discursos mais emblemáticos da história americana e talvez da retórica política de todos os tempos. Sua força está na capacidade de evocar um sonho sem esquecer o pesadelo em que viveram milhões de afro-americanos devido ao racismo persistente e à luta ainda inacabada pelos direitos civis. Décadas depois, esse discurso continua preocupantemente atual. Numa América ainda abalada por confrontos de dimensão racial e por violências que testemunham que o mal negro do racismo continua a afligir a democracia norte-americana. Assim como nos anos de Martin Luther King, na América de hoje a vida dos negros importa muito menos do que a dos brancos e alguns aparatos institucionais imaginam que podem agir em desacato às leis e aos direitos humanos. Tudo isto tem uma dimensão política, mas também ética. E assim permanece viva a advertência do pastor batista King, para construir uma América liberta de seu "pecado original", que ao contrário se represente como uma comunidade integrada e reconciliada de brancos, negros e todas as minorias. Muitas vezes, na comemoração do discurso de 28 de agosto de 1963, abordamos o tema do "sonho" sem entender que o sonho não se realizou, que ainda está diante de nós, que ainda requer o compromisso dos homens e mulheres, brancas e negras". O vídeo completo do discurso de MLK: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EF7E--_BdSg[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.