Comissão de Bioética da Mesa Valdense sobre o projeto de lei Calabrò

Comissão de Bioética da Mesa Valdense sobre o projeto de lei Calabrò

Roma (NEV), 9 de março de 2011 – A Comissão de Bioética da Mesa Valdense interveio no último dia 7 de março no debate sobre o testamento vital com uma posição que sintetiza o que já foi expresso em diversas ocasiões por vários expoentes do protestantismo italiano.

Enquanto ocorria a primeira discussão do polêmico projeto Calabrò na Câmara dos Deputados, a Comissão de Bioética – composta por uma dezena de teólogos, juristas, médicos, cientistas e pesquisadores de valdenses, metodistas e batistas – emitiu o seguinte comunicado à imprensa: ” A Comissão de Bioética da Mesa Valdense, de acordo com as posições expressas pelo Sínodo da União das Igrejas Metodistas e Valdenses em 2007, pediu repetidamente a aprovação de uma lei sobre as diretivas de fim de vida precoce pelo Parlamento italiano em anos recentes. Lamentamos, porém, constatar, como já o fizeram outros, que a lei Calabrò, que retoma o processo de segunda leitura na Câmara dos Deputados, é uma lei contra os testamentos vitalícios e não uma lei sobre testamentos vitalícios. Em primeiro lugar, a exclusão da hidratação e alimentação artificial – equivalentes a medidas assistenciais ordinárias – das questões sujeitas a decisão, é filha de uma abordagem cultural retrógrada e marcadamente ideológica, em contraste com as indicações das Sociedades Neurológicas e da Sociedade Internacional Cuidados Intensivos e Paliativos. Acresce a ambiguidade sobre um ponto fundamental como a decisão sobre a suspensão das terapêuticas, sobre a qual se pede ao (futuro) paciente que se manifeste, salvo deixar a decisão final ao médico, que tem o direito de escolher se para ‘seguir ou menos as indicações contidas nas diretivas antecipadas. Por fim, o artigo introduz a proibição da eutanásia também por ‘conduta omissiva’, artigo que priva o cidadão do direito à autodeterminação em matéria de saúde, sem especificar claramente o que se entende por eutanásia passiva, o que constitui tratamento agressivo, o que tratamento médico “desproporcional”. Esta última expressão, em particular, é em si perigosamente ambígua, pois não fica claro se a desproporção de um tratamento é entendida no sentido médico, ou em relação ao julgamento do indivíduo sobre a dignidade e qualidade de vida. Não existe um princípio absoluto a esse respeito, devendo o julgamento caber ao paciente, que, exercendo sua liberdade de tratamento, decide se aceita ou não as terapias. Tais posições intransigentes, como as expressas na lei, não se confrontam com a complexidade das experiências da vida humana, e tendem a alinhá-la a um princípio abstrato: não representam, portanto, apenas uma grave violação do princípio da laicidade da do Estado, mas encarnam o medo da liberdade individual, indevida e instrumentalmente equiparada à arbitrariedade subjetiva”.

Para mais informações: www.chiesavaldese.org/pages/attivita/bioetica.php

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 – Como é ter uma mãe pastora? ele disse isso Sophie Bouchard, há alguns dias, segunda-feira, 28 de setembro, no programa noturno "Tutto su mia madre", transmitido de segunda a sexta-feira às 20h25 no Rai Tre. No centro do episódio está a história de Sofia e sua mãe, pastora da igreja valdense em Milão Daniela DiCarlo. “Foi uma boa ocasião, estamos ambos felizes com o resultado – explica Sofia Bouchard, assistente social, da região valdense - . Ambos reservados, decidimos juntos participar deste projeto e contar um ao outro. Espero, no pouco tempo disponível, ter representado nosso relacionamento, nossas vidas, e também a “normalidade” de ser valdense e filha de pastora”. Precisamente nos vales valdenses, a jovem escolheu viver: “Decidi criar raízes aqui, onde estão as raízes da minha família”, e onde também estão as origens e a história da comunidade valdense. A vida nos vales valdenses foi um dos elementos centrais do documentário, “seguindo a biografia de minha mãe”: o compromisso após o terremoto de Irpinia, a vocação, a relação, posteriormente concluída, com o pai de Sofia. “Na igreja valdense o divórcio é aceito, faz parte da realidade da vida, das contradições humanas”, explica o pastor no documentário. Até ao quotidiano de uma mulher cuja vida “é tão complexa como a de todas as trabalhadoras”. Mas a docu-ficção também foi uma oportunidade de contar ao mundo dos valdenses. “Queria lembrar o grande exemplo de Gianna Sciclone, a primeira mulher que presidiu um culto e que em 1988 também revolucionou a linguagem, tornando-a inclusiva – por exemplo, usando pela primeira vez o termo “ministra”. Um ponto de inflexão que causou discussão, na época, e que antecipou o debate atual sobre gênero, também sobre igualdade linguística. O pessoal é político, dizia um lema feminista. Assim “Não foi fácil colocar de alguma forma a nossa experiência na rua, mas a minha filha Sofia foi muito corajosa e aceitou com entusiasmo esta possibilidade. Então filmamos no final de agosto e faltam poucos dias para a exibição”, conta Daniela Di Carlo. Um episódio que despertou grande interesse e muitas opiniões positivas, principalmente dentro da comunidade valdense. “Estou muito feliz, muitas pessoas me escreveram, tudo para nos parabenizar e agradecer. Acho que eles apreciaram especialmente meu testemunho de fé, que evidentemente pode ser prestado mesmo de maneira leve, e o sentimento entre mim e minha filha. Várias mães valdenses entraram em contato comigo, que têm um caminho semelhante ao meu, mas também liguei para três pessoas de outras confissões que gostariam de se aproximar da comunidade valdense, uma senhora em Rimini, um menino em Milão ... Acho que esta “propaganda” é positiva, com valor cultural, para representar uma comunidade, fora de uma descrição quase folclórica em que por vezes há o risco de cair”. Um eco que também pode ser uma oportunidade para refletir sobre a forma de comunicar “lá fora”. “No bar, na banca de jornal, eles me reconhecem, me chamam de “senhora pastora”, é legal. Mas estou particularmente feliz que tantas pessoas da comunidade protestante tenham me agradecido por este simples e espontâneo testemunho de fé. Evidentemente há também uma crescente urgência de poder contar e comunicar a nossa fé, na consciência de que sim, pode-se dizer “coisas normais” mesmo sendo valdenses. É aquele linguagem comum também pode ser usada para falar de Lutero“. Aqui o episódio de "Tudo sobre minha mãe" estrelado por Daniela Di Carlo e Sofia Bouchard. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“A Terra Desconhecida”.  2º encontro do Galo Verde em Milão e online

“A Terra Desconhecida”. 2º encontro do Galo Verde em Milão e online

Foto Hossam M. Omar / Unsplash Roma (NEV), 8 de abril de 2022 – O segundo encontro do ciclo promovido pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão acontece na sexta-feira, 8 de abril, às 18h. Título da exposição: "O grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade". Especialistas seculares, jornalistas, filósofos, estudiosos das Sagradas Escrituras discutem essas questões. “A terra desconhecida” é o tema de hoje, com duas sessões de aprofundamento. A primeira, "A terra está viva", conta com a participação de Paolo Pilari, professor de planejamento urbano e design no Politecnico di Milano. “Em uma colher de chá de terra existem nove bilhões de existências microscópicas, entre raízes, fungos, larvas, bactérias... sufocadas pelo asfalto e pelo concreto”, escrevem os organizadores. A segunda sessão é, em vez disso, "Guardiões do jardim, não mestres". Uma meditação sobre o dom do divino com Gabriel Arósiopastor da Igreja Evangélica Batista de Bollate e educador profissional. No rodapé da página todas as informações para participar. A revisão terminará na segunda-feira, 9 de maio, com uma reunião sobre "O sopro verde da vida". A sessão anterior, com Francesca Dalrì, Isabella d'Isola e Daniela di Carlo, teve como título “Animais como nós”. A gravação está disponível no YouTube abaixo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XLq41b-c5vI[/embed] Informações e reservas A apresentação da iniciativa diz: “Queimamos florestas envenenando o ar, aprisionamos os animais de que nos alimentamos em jaulas que tornamos invisíveis aos olhos. Selamos o solo sob concreto e asfalto. A que futuro condenamos hoje tão rapidamente, e com tempo irreversível, as gerações vindouras?”. E ainda: “Por um lado falaremos de uma fé que encontra inspiração e razão de agir nas dificuldades do presente em suas antigas raízes. Por outro lado, há competências científicas que se opõem à narrativa agora negada, assente numa ideia de progresso sem limites, até à catástrofe”. As reuniões são realizadas na sala Claudiana do templo valdense de Milão, na via Francesco Sforza 12/a, às 18h. . Na presença, obrigatoriedade do uso de máscara Ffp2 e Passe Verde reforçado. Online, será possível acompanhar a live pelo canal do YouTube neste link ou na página do Facebook do Centro Cultural Protestante. ...

Ler artigo
batistas.  Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 4 de setembro de 2013 - A história dos batistas em nosso país, os desafios da sociedade italiana, o acolhimento dos estrangeiros, as relações intergeracionais, as "igrejas verdes" e a salvaguarda da criação, o mundo da prisão, as relações com os outros igrejas protestantes. Estes são apenas alguns dos temas que serão abordados durante os quatro dias da Festa Batista, que acontecerá em Roma de 5 a 8 de setembro próximo. O evento será aberto amanhã à tarde com um culto presidido pelo pastor Raffaele Volpe, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Os momentos de reflexão previstos pelo programa (www.ucebi.it) são muitos, a partir das oficinas organizadas principalmente pelos departamentos de teologia, para as igrejas internacionais e de evangelização da UCEBI. Duas entrevistas públicas também estão planejadas. A primeira, sexta-feira à tarde, no chamado BMV - isto é, a colaboração entre as igrejas batista, metodista e valdense: entrevistar o presidente batista Volpe, a presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Alessandra Trotta , e o moderador da Mesa Valdense Eugenio Bernardini, será Luca Maria Negro, diretor do semanário "Riforma". No sábado de manhã, a Pastora Anna Maffei moderará um encontro sobre a dimensão internacional dos batistas, com intervenções de Tony Peck, secretário-geral da Federação Batista Europeia; Karin Wiborn, secretária geral do Conselho das Igrejas Cristãs da Suécia; e Regina Claas, vice-presidente da Aliança Batista Mundial. Também na tarde de sábado, a imigração, o meio ambiente e a política serão discutidos em uma conferência moderada por Gian Mario Gillio, diretor da revista "Confronti", que contará com a presença de Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Herbert Anders, membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, e Mercedes Frias, ex-deputada do Parlamento italiano. Uma exibição documental sobre a história e os princípios batistas estará em exibição durante todo o Festival. A programação do Festival será apresentada amanhã, quinta-feira, 5 de setembro, em entrevista coletiva a ser realizada às 13h na sala de imprensa da Câmara dos Deputados na via della Missione 4. Além do presidente da UCEBI Raffaele Volpe, o teólogo batista Também falarão Elizabeth Green e o parlamentar Luigi Lacquaniti. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.