“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash

Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença.

Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer.

A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. “O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados” continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente “.

No documento, as mulheres apelam à necessidade da “mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas” e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, “não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”.

A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: “a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”.

Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também:


Moção de paz – XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) – março de 2023

As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade.

O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5).

Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais.

Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito.

É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo.

Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres.

O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5).

Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo:

  • para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito;
  • para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte;
  • para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente .

Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt).

Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A segunda edição da Escola para a Democracia

A segunda edição da Escola para a Democracia

Roma (NEV), 4 de julho de 2023 – Os outros dias começaram no dia 2 de julho, na Torre Pellice, com uma lezione di Pietro Grassona província de Torino, no Valli Valdesi, a segunda edição da “Scuola per la democrazia”, um ciclo de controvérsias com estúdios e especialistas sui dei diritti temem. A Escola para a Democracia é promovida pela Fondazione Centro Culturale Valdese, pelo Collegio Valdese em colaboração com a Sapienza Università di Roma e a Federazione Chiese Evangeliche na Itália. Ora la prolusione di @PietroGrasso Valdese casa de Torre Pellice (To) pic.twitter.com/2LyUZj5cl4 —Gian Mario Gillio (@GianMarioGillio) 2 de julho de 2023 A iniciativa prolonga-se até ao final do 8.º mês. No corso di questi giorni participarão do evento, entre outros e outros, os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federazione delle chiese evangeliche na Itália e, em particular, o coordenador do projeto intervir com o dibattito, marta bernardi. Aqui está o programa completo da série de incontri. A “Scuola per la Democrazia” é uma iniciativa pensada pela Fondazione Centro culturale valdese, do Collegio valdese, da Torre Pellice e da Università La Sapienza di Roma, que retorna pelo segundo ano graças ao apoio do 8× 1000 delle Chiese methodiste e valdesi. Se se trata de uma iniciativa que propõe um período de sete semanas de incontriga, dibattiti e laboratórios, para o espaço lasciare a uma riflessione em torno da Democrazia, louvada a parola, neste momento histórico, pode evocar ideias diferentes ou avere significati non condivisi. O título desta segunda edição é “I colori della democrazia” escolhido para sugerir a completude deste conceito. O fim de semana, que terá lugar na aula sinodale na via Beckwith 2, na Torre Pellice, e no Liceo valdese, prevê lezioni frontali e laboratórios, todos com entrada gratuita, com possibilidade, para que todos participem no fim de semana destes accolto , sempre gratuito, durante toda a edição. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=wXXv_CdEuI0[/embed] ...

Ler artigo
6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

Um ativista da paz nepalês da Operação Híbrida União Africana-ONU em Darfur (UNAMID) planta uma árvore do lado de fora da sede da UNAMID em El Fasher, Sudão. Foto da ONU/Albert Gonzalez Farran tirada de www.un.org/en/observances/environment-in-war-protection-day Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 – No dia 6 de novembro, data em que se celebra desde 2001 o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, também terá início a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ( COP27 ). Neste contexto, e às vésperas do encontro nacional de ecocomunidades organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi lançado um documento conjunto. Assinado por GLAM, Pax Christi e pelo Grupo Inter-religioso para as Atividades Ecumênicas de Nápoles, o documento fala daecocídio como "um crime, pois ameaça a paz, a segurança e o bem-estar do mundo". Recordando uma declaração divulgada pelo Observatório sobre conflitos e meio ambiente e outras organizações, os signatários lembram que “O meio ambiente é um objetivo civil. A proteção ambiental é vital para a proteção dos civis. A contaminação ambiental pelo uso de armas explosivas representa riscos agudos e crônicos à saúde dos civis. Os detritos gerados pelo uso intensivo de armas explosivas em áreas povoadas podem criar riscos ambientais persistentes à saúde”. Além disso, sublinhando a coincidência entre o Dia da ONU e o início da COP27, as organizações voltam a escrever: "acreditamos que o termo 'desarmamento climático' exprime a ameaça ao planeta e o sofrimento do resto da criação devido às violentas e armadas gerenciamento de conflitos humanos. O dia 6 de novembro é, portanto, um dia para renovar o compromisso por uma paz justa para a Terra que passe pelo desarmamento e pela libertação das guerras e de uma 'ordem' mundial baseada na agressão, terror e desestabilização”. Para saber mais Baixe aqui o apelo conjunto: Dia da ONU sobre guerras, conflitos e meio ambiente. Para saber mais sobre o VI encontro nacional de ecocomunidades, intitulado "Plantando uma semente" (Nápoles, 4-6 de novembro de 2022), baixe o programa completo aqui: brochura do encontro nacional de ecocomunidades de 4 a 6 de novembro. Entre outras coisas, uma conferência pública, intitulada "Eco teologias para a comunidade da criação", está prevista para 4 de novembro às 18h30. Presença na igreja valdense, via dei Cimbri, 8 em Nápoles ou online na página GLAM no Facebook. Para todos os detalhes clique aqui: Folheto Conferência Pública 4 de novembro Nápoles. a COP27 A COP27 é a 27ª conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. Da Itália, o jovem metodista é creditado Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM (sigla para Youth Ecumenical Summit), liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) também se juntarão à COP27 em uma espécie de revezamento com o lema "A criação não está à venda". São jovens de todo o mundo que, juntamente com várias organizações religiosas e da sociedade civil, defendem questões ambientais e negociam por justiça climática a nível global, regional e local. A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. ...

Ler artigo
Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Imagem retirada de Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – Por ocasião do Dia Mundial da Terra 2023, publicamos a mensagem da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). DIA MUNDIAL DA TERRA 2023 Quão saudável é o planeta? Esta é a primeira pergunta que devemos nos fazer ao celebrar o Dia da Terra, dia mundial da terra que já está em sua 53ª edição. Um dia desejado pelas Nações Unidas para solicitar atenção especial aos recursos do planeta e à defesa contra desastres ambientais. Naquela ocasião, em 22 de abril de 1970, 20 milhões de cidadãos americanos saíram às ruas para mostrar seu apoio à Terra. Uma consideração é obrigatória, em meio século as políticas econômicas, ambientais e trabalhistas promulgadas pelos governos não foram adequadas para garantir a atenção que os manifestantes pediram. Dois dados parecem oportunos mencionar, o relatório de 2023 publicado pela ISPRA em 18 de abril e o estado atual da transição ecológica. O Relatório do Inventário Nacional 2023 publicado pelo Instituto Superior de Pesquisa e Proteção Ambiental, indica que as emissões de CO2 em 2022 tiveram um aumento em relação a 2021. O número definitivo ainda não foi divulgado, mas pesa muito o crescimento das emissões dos transportes e da produção de energia, em contraste com o desafio deste início de milênio tanto no que diz respeito à poluição quanto ao clima mudança: aceleração da pesquisa tecnológica para o uso de fontes renováveis ​​de forma sustentável (com referência à substituição de energias fósseis por terras raras) e redução do consumo por meio de economia e eficiência. No entanto, isso desconsidera o atraso e os obstáculos colocados em todos os níveis pelos interesses dominantes dos combustíveis fósseis, embora as sanções à Rússia associadas à guerra na Ucrânia devessem ter impulsionado a transição energética. A Itália é o sexto maior credor de combustíveis fósseis do mundo. De acordo com o Relatório Estatístico do GSE, um terço do consumo de energia italiano é dado pelo transporte e hoje mais de 90% ainda está ligado aos produtos petrolíferos. Cerca de 70% do consumo de energia térmica provém do aquecimento de edifícios. Pouco menos de um quinto em 2021 veio de fontes renováveis. Segundo dados da Terna (empresa que administra a rede nacional de transmissão), em 2022 a demanda de eletricidade na Itália foi de 316,8 bilhões de quilowatts-hora, 1% a menos que em 2021. A produção nacional líquida em 2022 (equivalente a 86,4% da oferta de energia) foi de 276,4 bilhões de quilowatts-hora (-1,3% em relação aos doze meses anteriores). 31,1% da demanda foi atendida por fontes renováveis. Em particular, as fontes fotovoltaica e termelétrica cresceram 11,8% e 6,1%, respectivamente, enquanto as fontes hidrelétricas registraram quedas de 37,7%, 1,8% e 1,6% (devido à estiagem), eólica e geotérmica. Não partilhamos da decisão do Governo de aumentar a produção de energia a partir do carvão, motivada pela vontade de deixar a balança externa quase inalterada, na pendência da conversão da “neutralidade carbónica” anunciada pela Enel em 2016 enquanto o grupo Eni triplica os seus lucros face a 2021 O problema não está no imediatismo, porque o aumento parece ser pequeno em qualquer caso (contribuindo também para o colapso das despesas com aquecimento e consumo das empresas intensivas em energia de 5,4% -Índice Imcei-) mas no desalinhamento da dados estimados para 2030, com mais de 15 milhões de toneladas de CO2 mais do que as metas estabelecidas pelo European Effort Sharing. No Dia da Terra, a GLAM acredita estar a encorajar a responsabilidade perante a vida da Criação que reencontra a primavera neste hemisfério, com escolhas energéticas também sustentáveis ​​a nível social, como expressão de um processo geral de descolonização do planeta pela nossa espécie para deixar espaço vital para plantas e animais que não gostam de nossas escolhas ou sofrem de incompatibilidade. A Comissão GLAM “O Dia da Terra, que desde 1970 celebra o ambiente e a proteção do planeta, é um aniversário que viu a sua importância consolidada ao longo do tempo – lê-se na página dedicada ao Dia da Terra no RaiPlay -. O tema da Jornada é cada vez mais atual, está no centro dos programas governamentais, porque exige mudanças rápidas, urgentes e inadiáveis”. No dia 22 de abril às 13 #OnePeopleOnePlanet, da Calábria, um talk show intitulado "Bridges over the Mediterranean". A consulta é no RaiPlay. Pistas Cláudio Paravati. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.