Um obstáculo para Jacopo Lombardini

Um obstáculo para Jacopo Lombardini

Jacopo Lombardini. Foto Fondazionevaldese.org

Roma (NEV), 13 de abril de 2023 – Jacopo Lombardini (Gragnana, 13 de dezembro de 1892 – Mauthausen, 25 de abril de 1945), metodista, antifascista, professor, partidário, com o codinome de “Professor”. Ele foi deportado, torturado e morto em Mauthausen, pouco antes do Dia da Libertação.

Na sexta-feira, 21 de abril de 2023, às 17h30, será descoberto um pedra de tropeço em sua memória. A ideia parte da classe V do Escola Secundária Valdense de Torre Pellice. Por muitos anos, o colégio valdense dedicou um espaço de estudo aprofundado para lembrar a figura de Jacopo Lombardini. Feito pelo artista alemão Gunter Demniga pedra será colocada na via Beckwith, em frente ao atual centro cultural valdense de Torre Pellice, um antigo internato valdense, última residência de Lombardini antes de escalar as montanhas com os guerrilheiros.

Ele também falará sobre Jacopo Lombardini Gian Mario Gillio próximo domingo em Rádio RAI1, culto evangélico na coluna por ele editada intitulada “Entre as palavras”. Diferentes vozes pintarão um afresco desta figura histórica. São as vozes de Marco Fraschiaprofessor, ex-diretor da escola secundária valdense. Anna Giampiccoli, diretor do documentário “Jacopo Lombardini. Protestantes e liberdade” (feito em conjunto com alunos do colégio valdense, link no final da página). Bruna Peyrothistoriador e ensaísta. Jean Louis Sappéco-autor com Maura Bertin do espetáculo teatral realizado em Fossoli, campo de prisioneiros por onde se passava antes de ir para os campos de concentração. Lorenzo Tibaldo professor e autor, entre outras coisas, de “O viajante da liberdade. Jacopo Lombardini”, publicado por Claudiana.

O projeto de colocação da pedra de tropeço também aderiu ao Fundação do Centro Cultural Valdense, o Município de Torre Pellice, a Igreja Valdense de Torre Pellice, o Colégio Valdense de Torre Pellice. Jacopo Lombardini, “Um homem de grande estatura moral e intelectual que viveu e ensinou os alunos do internato valdense, pagando por si mesmo o preço muito alto de uma vida gasta lutando contra o fascismo e todas as suas formas de opressão”, escreve a Fundação, será lembrado durante uma cerimônia pública. Estarão também presentes representantes da ANPI, da Câmara Municipal de Torre Pellice e da Comissão de defesa dos valores da resistência e da constituição republicana. Haverá algumas leituras do Grupo de Teatro do Colégio Valdense e canções do Coro do Colégio.


Para saber mais:

Acesse o FACTSHEET do NEV: Jacopo Lombardini (1892-1945).

Na Rádio Beckwith (RBE), Jorge Trombottoaluno do quinto ano do colégio valdense, relata o longo processo de introspecção que o colégio realizou ao longo dos anos sobre a figura de Lombardini.

Angariação de fundos para a pedra de tropeço dedicada a Jacopo Lombardini

Para apoiar este projeto, é possível participar com uma doação na arrecadação de fundos na Rete del Dono: www.retedeldono.it

Além disso, a associação Amigos da Faculdade Valdense e a Escola Secundária Valdense de Torre Pellice organizam a viagem do “Barramento de memória”: uma viagem ao longo do itinerário do partidário Jacopo Lombardini. A viagem é aberta a visitantes de fora e acontecerá de 16 a 21 de maio. a cela do Quartel Ribet de Torre Pellice, o Quartel Pettinati de Luserna San Giovanni, o “Novo” quartel de Torino, Fossoli, Bolzano e finalmente Mauthausen.

Por fim, o artigo de Luca Maria Negro sobre a ressurreição de Lázaro em uma meditação dada por Jacopo Lombardini para os guerrilheiros, publicada por ocasião da Páscoa em Riforma:


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

…e o calendário do Advento da Federação da Juventude Evangélica

…e o calendário do Advento da Federação da Juventude Evangélica

Roma (NEV), 1º de dezembro de 2020 - Calendário do Advento para jovens evangélicos. O FGEI publica a partir de hoje, obviamente, 1 de dezembro, no seu site e nas suas redes sociais. Depois da Igreja Valdense de Turim, outro calendário protestante para a aproximação do Natal. "Hoje Dezembro começa – lemos no boletim divulgado pelos jovens evangélicos -, estamos nos preparando para o Natal, que certamente será diferente dos anos anteriores. E então pensamos: por que não tornar este período do Advento um pouco mais especial? Tentaremos juntos tornar este Natal mágico mantendo-nos unidos e unidos, mesmo que distantes! hoje poderemos abrir juntos uma caixinha do nosso calendário virtual do advento todos os dias. Nós o intrigamos? Vamos abrir a primeira caixa juntos!" Aqui o calendário, com a caixinha do primeiro dia do mês (que contém um vídeo para deixar algo bem natalino...mas não queremos "estragar" o conteúdo). No mesmo número da newsletter do FGEI, há um encontro marcado (online) para o próximo sábado dia 5 de dezembro, pelas 17h30, sobre questões de privacidade, no âmbito do projeto Geração Multimédia, criado pelo FGEI com o apoio da Otto per Mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. Pelas 17h30 a introdução e apresentações, a atividade temática terá início às 18h e prolongar-se-á até às 20h. “A atividade – explicam os promotores – não é um webinar, nem uma conferência, vamos tentar propor algo mais semelhante a um FGEI campo, ainda que em edição COVID-19”. As inscrições são bem-vindas escrevendo para [email protected]. Segue abaixo o flyer do encontro. ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242 Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília. Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo? O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo. Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo. Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”? A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo. Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice. Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor? Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria. ...

Ler artigo
Batistas europeus se reúnem em Riga

Batistas europeus se reúnem em Riga

Roma (NEV/Reforma), 21 de setembro de 2022 - O Conselho da Federação Batista Europeia (EBF) abre hoje em Riga, Letônia (e terminará em 24 de setembro). A EBF é uma das seis regiões da Baptist World Alliance (BWA). No Riga Islândia Hotel são esperadas mais de 140 pessoas: elas participarão da Itália John Archdeaconpresidente da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI), e o pastor evangelista Ivano De Gasperissecretário do Departamento de Evangelismo. O encontro também contará com a presença de cerca de 30 líderes juvenis que, dentro das diversas Uniões Batistas, realizam seu ministério com jovens e crianças. O encontro, portanto, nas intenções dos organizadores, quer ser uma grande experiência intergeracional de adoração, oração, escuta de Deus e do outro, partilha recíproca e construção da missão futura. Entre os temas que serão abordados: missão e ministério na era pós-Covid; um mundo afetado por velhos e novos conflitos; uma economia desafiadora; preocupações ambientais globais; novas oportunidades para demonstrar a beleza, maravilha e esperança do Reino de Deus. A sessão de abertura (21 de setembro, quarta-feira – 19h30, horário de Riga) e o lançamento do projeto Livro de canções (23 de setembro, sexta-feira – 20h30, horário de Riga) será transmitido ao vivo no canal da EBF no YouTube. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.