Younan: chegar em 2017 a uma declaração católica luterana sobre a Eucaristia

Younan: chegar em 2017 a uma declaração católica luterana sobre a Eucaristia


Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 – O presidente da Federação Luterana Mundial (FLM), bispo Munib Younan, está em Roma nestes dias para uma visita ao Vaticano e à Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). “A ocasião desta viagem – explicou Younan – é o encontro anual entre o pessoal da nossa Federação e o Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos para discutir as linhas gerais e prioridades de diálogo e colaboração ecumênica entre nossas Igrejas. Isso acontecerá amanhã de manhã e incluirá uma audiência da delegação com o Papa Bento XVI. “Em nossa conversa com o Papa, destacaremos a importância do diálogo entre nossas igrejas e do trabalho diaconal comum em favor dos últimos e dos desfavorecidos. No entanto, apresentaremos também uma de nossas propostas: chegar em 2017, ano do 500º aniversário da Reforma Protestante, com uma declaração conjunta católica luterana sobre a hospitalidade eucarística”. Mas a visita de Younan não se limita ao Vaticano: “Claro que também aproveitei esta viagem para conhecer os luteranos italianos”. O dia de hoje é dedicado a uma série de encontros com os membros do CELI.

“Estamos muito felizes com esta visita – disse o pastor Holger Mikau, reitor do CELI -. Sentimos que temos um vínculo especial com a FLM, pois há sessenta anos foi a federação mundial que deu apoio decisivo para o nascimento do CELI. Além disso, estamos felizes em conhecer oficialmente o novo presidente da FLM”. Younan, bispo da Igreja Evangélica Luterana na Terra Santa, foi de fato eleito presidente dos luteranos mundiais durante a Assembleia Geral realizada em Stuttgart (Alemanha) em julho passado. Alex Malasusa, reuniu-se na sede do Reitor do CELI com o reitor Milkau, o pastor Jens-Martin Kruse da igreja luterana de Roma, o pastor Paolo Poggioli da igreja luterana de Torre Annunziata e com dois alunos do Centro de estudos ecumênicos “Filipo Melanchthon”. “Foi uma oportunidade de oferecer uma visão geral da situação de nossas igrejas – explicou Milkau – desde o ecumenismo até o trabalho social apoiado por nossas igrejas.

Nesse sentido, também participou do encontro Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além de falar sobre nossa igreja, pedimos a Younan que nos mostrasse caminhos para estarmos próximos das igrejas de sua terra, o Oriente Médio”. No passado, o CELI promoveu o programa “Note di pace”, organizado pela revista “Confronti” e que consistia em receber na Itália um grupo de jovens músicos palestinos e israelenses. “Seria bom – acrescentou Milkau – poder repropor no futuro um programa semelhante, voltado para o encontro de jovens que, apesar das feridas de um conflito grave, aprendam a se reconhecer como amigos”.

Esta tarde, Younan visitará a Christuskirche e se encontrará com a comunidade luterana da via Toscana, onde à noite conduzirá uma meditação do Advento. Amanhã Younan estará no Vaticano para se encontrar com o cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. O presidente da FLM será acompanhado por uma delegação composta, além dos bispos já citados, pelo secretário geral da FLM, pároco Martin Junge, e pela bispa da igreja luterana da Noruega, Helga Byfuglien.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantes?  Viajando.  Um especial do protestantismo

Protestantes? Viajando. Um especial do protestantismo

Roma (NEV), 19 de agosto de 2020 – Quem são os protestantes na Itália hoje? Como vivem e testemunham a sua fé e qual é a sua contribuição como cidadãos? Para responder a essas perguntas, o Protestantismo, coluna de cultura e informação religiosa editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e transmitida pela RAI2, decidiu embarcar em uma viagem por nossa península em um trailer. Da Sicília ao Piemonte conheceu comunidades, igrejas e atividades diaconais, ouviu as dificuldades e visitou os projetos, entrelaçou relações e contou histórias e história. Por toda a Itália livre do bloqueio, de Roma a Scicli, de Matera a Ventimiglia, o autor e diretor Paulo Emílio Landi reuniu-se com evangélicos italianos para saber quem são, no que acreditam e o que está no centro de sua ação na sociedade italiana. Uma viagem de 3.000 km em um trailer, acompanhado pela equipe de televisão, pelo pastor valdense José Platãopelo jornalista Nadia Angelucci e depois de Stephanie Scuderi. História, Bíblia, oração, obras sociais e muitos quilômetros para compor o retrato de uma significativa minoria que todos já ouviram falar, mas poucos conhecem. Os dois especiais serão transmitidos nos dias 23 de agosto e 2 de setembro, às 9h20, com reprises posteriores. ...

Ler artigo
UE e Igrejas protestantes pedem cessar-fogo na Ucrânia

UE e Igrejas protestantes pedem cessar-fogo na Ucrânia

9 de abril de 2017, Botkyrka, Suécia: Domingo de Ramos na Igreja de Tullinge, da Igreja da Suécia. Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2022 – Pare a guerra, imediatamente. A Igreja da Escócia pediu-o há pouco, nesta declaração, na qual "também se junta à Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, à Federação Luterana Mundial, à Conferência das Igrejas Europeias e ao Conselho Mundial das Igrejas no trabalho conjunto para apoiar as igrejas e o povo ucraniano na busca de uma solução pacífica". Senhor WallaceModerador da Assembléia Geral da Igreja da Escócia, disse: “Nossas orações estão com o povo ucraniano sob ataque e temendo por suas vidas. Apelamos ao governo do Reino Unido para se juntar aos governos de todo o mundo para persuadir conjuntamente todas as partes a concordar com um cessar-fogo e retornar à mesa de negociações imediatamente. Ao mesmo tempo, pedimos ao governo do Reino Unido que prepare uma generosa resposta humanitária para ajudar as pessoas que fogem da guerra. Um plano deve ser preparado agora para receber e reassentar os refugiados do conflito e para ajudar os países vizinhos a responder localmente à crise. A pandemia de Covid e a intensificação da crise climática mostraram-nos que nenhuma catástrofe pode ser isolada e o que afeta uma região afeta-nos a todos”. O Conselho Mundial de Igrejas também denunciou a denúncia de "qualquer uso de forças armadas mortais para resolver disputas que poderiam ser resolvidas por meio do diálogo". Em nota assinada pelo secretário geral Ioan Sauca, o organismo ecumênico reafirmou o "diálogo - baseado nos princípios do direito internacional e no respeito às fronteiras nacionais estabelecidas" como "o caminho certo para resolver as tensões que afetam a Ucrânia". Pedimos o fim imediato das atuais hostilidades armadas e a proteção de todas as vidas e comunidades ameaçadas por esta violência. Pedimos a todas as igrejas-membro e a todas as pessoas de boa vontade em todo o mundo que se juntem a nós em oração pela paz para o povo da Ucrânia e da região." A Conferência das Igrejas Européias (KEK), a Federação Luterana Mundial (LWF), a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e o Conselho Metodista Mundial (WMC) também estão pedindo orações pela paz para o povo da Ucrânia e da região. “Este é o momento para as igrejas na Europa e em todo o mundo formarem uma forte aliança de solidariedade com as pessoas que temem o impacto da guerra na Ucrânia. O momento de nos unirmos em oração pelas pessoas que têm o poder de tomar decisões que salvarão vidas e tornarão a paz possível”, disse o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen. “Jesus nos chama a ser mensageiros de esperança que trabalham pela paz. Como igrejas cristãs, portanto, exigimos uma redução imediata desse conflito, para que as vidas, os direitos humanos e a dignidade das pessoas na Ucrânia sejam protegidos”, disse o secretário-geral da LWF, pastor Anne Burghardt. “Como as escrituras nos incentivam a nos afastar do mal e fazer o bem, a buscar e buscar a paz (1 Pedro 3:11), consideramos esse ataque não provocado como um mal e nos esforçamos para fazer tudo o que pudermos para resistir a ele - enquanto também preparamos para ajudar os afetados por ela”, disse a Secretaria Geral Colegiada do WCRC, composta por Hanns Lessing, Philip Peacock e Phil Tanis. “Apesar do que está acontecendo na Ucrânia, ainda acredito que a comunidade internacional pode fazer a diferença enquanto trabalhamos coletivamente pela paz na região”, disse o secretário-geral do WMC, Rev. Ivan AbrahamsConselho Metodista Mundial WMC. Em seu apelo à oração pelo povo da Ucrânia e da região, as quatro organizações cristãs observam que o ataque militar ameaça a vida dos ucranianos, bem como a paz em toda a Europa e além. “A crise é urgente e requer atenção e solidariedade da comunidade cristã global”. ...

Ler artigo
Por que somos bem-vindos – Nev

Por que somos bem-vindos – Nev

Roma (NEV), 20 de abril de 2022 – Os primeiros dias de acolhida às famílias ucranianas que chegaram da Polônia há poucos dias, por iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Ontem realizou-se o segundo encontro do curso de formação online dedicado às famílias e comunidades de acolhimento, "Acolher os que fogem da guerra". Maria Elena Lacquaniti com a jovem ucraniana e as duas crianças, acolhidas pelos batistas de Civitavecchia, à chegada a Roma Nós conhecemos Maria Elena Lacquanitibatista e membro da GLAM, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, membro da igreja batista de Civitavecchia que hospeda uma jovem mãe com dois filhos pequenos, recém-chegados a Roma na última quinta-feira. “Decidimos acolher – explicou – porque sempre o fizemos. Já há alguns anos recebemos em uma casa nossa um casal nigeriano, que acompanhamos em todas as suas dificuldades por cerca de dez anos, desde o desembarque em um navio em Civitavecchia, até 2020, quando se tornaram totalmente independentes”. Nigerianos como os dois meninos recentemente recebidos em Palermo pelo centro valdense La Noce, depois de terem sido rejeitados por uma família que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia. Mas há alguma diferença? “Não há diferença, não pode haver. Infelizmente, porém, tenho percebido que existe uma forma de acolhimento com algumas ressalvas em função da cor da pele…”, acrescentou Lacquaniti. Quais são as expectativas e emoções do anfitrião? “Sinto-me tranquila, mas lembro-me sempre que estamos a receber pessoas que estão a sofrer, de desconforto grave, de emergência. Tampouco me preocupei quando quis recebê-lo em nossa casa, mesmo que pequena – concluiu -. Esperamos poder iluminar de alguma forma o futuro dessas pessoas”. A mãe e os dois filhos foram acolhidos em uma estrutura da igreja batista de Civitavecchia e toda a comunidade está envolvida no processo de acolhimento. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.