A “Escola para a Democracia” está de volta

A “Escola para a Democracia” está de volta

A “Escola para a Democracia” está de volta

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

Montagem CEC. Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, na assembléia da CEC. Foto CEC. Novi Sad, 4 de junho de 2018 – O medo é o maior obstáculo que o testemunho cristão deve superar na Europa. É em torno dessa ideia que girou o discurso do arcebispo de Cantuária, Justin Welbyna Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de junho). Falando ontem, 3 de junho, dedicado ao tema da presença e testemunho das igrejas na Europa, Welby recordou como a Europa se encontra numa situação de fragilidade, obrigada a enfrentar múltiplos desafios entre os quais, acrescentou, o “Brexit não é o mais insidioso ”. Referindo-se ao modelo de vida cristã do monaquismo beneditino, Welby propôs uma ideia da igreja como uma “comunidade santa, baseada no amor mútuo, no serviço e na hospitalidade. A presença e o testemunho cristão devem apresentar-se como voz de unidade e reconciliação mais forte que o poder divisor” das forças centrífugas dos novos nacionalismos e soberanias. Bispo Petra Bosse-Hube; foto CEC. o bispo Petra Bosse-Huber da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), destacou como a Europa é um projeto de paz nascido para superar as hostilidades que historicamente opuseram as nações do continente. “Desse ponto de vista, a Europa tem sido bem-sucedida. E, no entanto, hoje, é extremamente difícil comunicar esta dimensão do projeto europeu a uma sociedade que considera a paz uma condição dada como certa e garantida em si mesma, e desconhece que deve ser preservada”. Arquimandrita Alexi Chehadeh; foto CEC. "No entanto, a paz da Europa começa no Médio Oriente", retorquiu o arquimandrita na discussão que se seguiu às duas intervenções Alexi Chehadeh, diretor do Departamento de Relações Ecumênicas e Desenvolvimento (DERD) do Patriarcado Grego Ortodoxo de Antioquia, que opera como uma ONG com sede em Damasco. Chehadeh, sublinhando a importância de uma visão europeia capaz de olhar para as múltiplas crises do Médio Oriente, lançou um apelo às Igrejas e instituições do nosso continente para que apoiem a «permanência dos cristãos nos lugares onde nasceu a nossa fé». A Assembleia também foi saudada por Bartolomeu IPatriarca Ecumênico de Constantinopla, através de carta lida pelo Metropolita Emanuel da França. Impossibilitado de estar presente em Novi Sad, o vice-presidente do Parlamento Europeu, Mairead McGuinnessenviou uma mensagem em vídeo à Assembleia da CEC. ...

Ler artigo
Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2019 (SSSMV/03) – Papa Francisco enviou sua saudação pessoal ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses que se abre hoje, domingo, 25 de agosto, na Torre Pellice, expressando "a proximidade fraternal” dele e em nome da “Igreja Católica”. Eugênio Bernardini, moderador da Mesa Valdense, leu a carta de Papa Franciscona sessão de abertura dos trabalhos. “Eu me uno à sua oração – escreveu em sua mensagem ao Sínodo Papa Francisco – também para pedir ao Senhor a consolidação do espírito ecumênico entre os cristãos, bem como uma crescente comunhão entre nossas Igrejas”. “Como discípulos de Cristo – continuou - podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz”. Voltando sua atenção para as reuniões sinodais, o papa expressou seu desejo "para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão”. Abaixo, a íntegra da saudação do Papa Francisco: “Queridos irmãos e irmãs, O Sínodo da União das Igrejas Metodistas e Valdenses é uma ocasião propícia para dirigir-vos a minha cordial saudação, expressão da minha proximidade fraterna e de toda a Igreja Católica. Rezo por todos vós, para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão. Uno-me também à vossa oração pedindo ao Senhor a consolidação do espírito ecuménico entre os cristãos, bem como uma comunhão crescente entre as nossas Igrejas. Somos chamados a continuar o nosso empenho no caminho do mútuo conhecimento, compreensão e colaboração, para dar testemunho de Jesus e do seu Evangelho de caridade. Como discípulos de Cristo podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz. Apresento os meus melhores votos à vossa Assembleia sinodal e, enquanto invoco a bênção do Senhor, peço-vos, por favor, que rezeis por mim. fraternalmente, Francisco Do Vaticano, 22 de agosto de 2019 (NEV/CS44) ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  A caminho do futuro

Sínodo Luterano. A caminho do futuro

Roma (NEV/CELI CS10), 30 de abril de 2021 – O primeiro sínodo digital da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi aberto ontem. O Sínodo decorre na 2ª Sessão até amanhã. O XXIII Sínodo Luterano tem como título “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". Entre os temas: a misericórdia como chave para o futuro; o coronavírus acelerando a transformação digital. E ainda jovens, gênero, clima e serviço. O Sínodo foi aberto com os Relatórios do Presidente do Sínodo Wolfgang Prader e o reitor Heiner Bludau às 75 pessoas conectadas, delegados e convidados, incluindo 56 sinodais. À espera do convidado de honra, Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM) que falará às 15h. “A pandemia e as consequentes restrições sociais tiveram um forte impacto não só na vida de cada indivíduo, mas também na vida da Igreja. E, portanto, também sobre a preparação e condução do Sínodo 2021”, lê-se no comunicado de imprensa do CELI. O clima é “de otimismo, combinado com uma grande vontade de seguir em frente e começar de novo”, afirmam os luteranos. Como também surgiram dos relatórios do presidente sinodal, Wolfgang Prader e do reitor, Heiner Bludau. Abertura do Sínodo Luterano Os trabalhos começaram com o culto do Sínodo, quinta-feira, 29 de abril, às 18h00, e depois com o relatório do presidente sinodal, Wolfgang Prader, no cargo desde outubro passado. O relatório começou com um agradecimento especial ao reitor que passou os últimos meses construindo o primeiro sínodo digital da história luterana na Itália. “O distanciamento social causado pela pandemia – disse Prader – acelerou a transformação digital”. O relatório sobre as atividades da presidência sinodal, escrevem os luteranos, é fortemente influenciado pelo Covid-19. As atividades dos grupos e comissões nunca pararam. “O resultado deste intenso trabalho preparatório – continuou o presidente Prader – ocupará o sínodo nos próximos dias e esperamos resultados frutíferos. Que nestes tempos difíceis, esta seja a esperança, que os nossos corações não fiquem nublados ou mesmo fechados pela inveja, ressentimento ou tristeza, mas abertos às nossas ações”. Discurso de Dean Bludau o reitor Heiner Bludau, no relatório de hoje da 2ª sessão, convidou os membros do sínodo a prestar uma atenção particular aos efeitos que o recurso à modalidade online tem sobre eles. “Ao olharmos para o futuro e discutirmos a digitalização da igreja, é importante estar ciente de todos os aspectos, positivos e negativos, do digital.” Bludau, cujo último ano como reitor começa com o Sínodo 2021, dedicou especial atenção à explicação do conceito de misericórdia, que junto com “futuro” é a palavra-chave do Sínodo 2021. “Viver da misericórdia de Deus não significa dar esmola, mas voltar-se para o outro agarrando-o na sua plenitude”. Sobre a mudança tantas vezes invocada, especialmente nestes tempos de pandemia, convidou os membros do sínodo a refletir a fundo sobre qual caminho de renovação deve comprometer a Igreja. O sínodo será então convocado para aprovar um documento programático sobre justiça de gênero. Ainda a propósito deste tema, Dean Bludau referiu-se ao princípio da misericórdia. Também aqui será tarefa da Igreja trabalhar nesta direção para uma sociedade mais equitativa e mais aberta. As iniciativas a serem tomadas para os jovens, outro tema que aponta para o amanhã, não devem visar o recrutamento de novos membros para a igreja, uma ideia totalmente enganosa na sociedade atual, caracterizada pela mobilidade, mas devem ser concebidas como um acompanhamento de sua jornada à idade adulta. Olhando para o futuro, o reitor Heiner Bludau quis então afirmar fortemente a identidade do CELI como igreja luterana na Itália. Concluindo, o reitor disse: “Eu pessoalmente olho para o futuro com confiança, confiando naquele que é o verdadeiro mestre de nossa igreja, o Deus trino. O versículo de hoje, Isaías 9:6, de fato diz 'Grande será o seu poder e a paz não terá fim'”. Saudações da Spreafico Pela manhã, o presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI), mons. Ambrogio Spreafico e o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburgo, na Eslovênia. Spreafico abriu seus cumprimentos com uma mensagem de carinho e amizade à presidência e ao Reitor Bludau. Falando em sofrimento, ele nos convidou a nos reunir para responder às perguntas dos homens e mulheres que carregam o peso da crise. Citando o Estatuto do CELI, Spreafico disse ter ficado favoravelmente impressionado com a ideia da centralidade da comunidade como “irmãos e irmãs do mesmo mestre”. Em seguida, sublinhou “a sinodalidade como manifestação de estarmos juntos em um caminho que nos une ao Senhor e uns aos outros”. Finalmente, mencionou os 20 anos da Carta Ecumênica. E os compromissos que dela derivam ainda hoje. Por caminhos comuns que nunca pararam. Com as comemorações dos 500 anos da Reforma. Com orações ecumênicas e outros encontros, que representam “sinais que dão esperança para um caminho comum com os cristãos de outras igrejas”. São passagens que tornam “a pergunta de Deus cada vez mais forte, mesmo que às vezes escondida. É nossa tarefa apreendê-lo, rumo ao Evangelho do Senhor. Os pobres nos ajudarão a entender com suas perguntas e gritos de socorro dos migrantes, refugiados, idosos em lares de idosos que estão sozinhos há muito tempo. Devemos ser sinal de amor e unidade, num tempo em que nacionalismos, muros e divisões parecem ser as únicas respostas ao medo e ao sofrimento. O Evangelho - conclui Spreafico - nos empurra para fora das cercas. Caminhar rumo à unidade e desfrutar da alegria daquilo que já nos une, com humildade e com a convicção da riqueza das diferenças, que podemos oferecer de presente ao mundo, especialmente hoje”. Saudações de Novak O bispo Novak trouxe as saudações dos irmãos da igreja da confissão augusta na Eslovênia que vivem em uma situação extrema de diáspora. “Graças ao Senhor pelos tantos projetos na diaconia. Nos cultos, no Aniversário da Reforma e além.” disse Novak, enfatizando a importância das visitas, amizades e colaboração. “Podemos trabalhar juntos. Aquele que busca o caminho será capaz de percorrê-lo.” concluiu, desejando a bênção de Deus sobre os trabalhos do sínodo. para mais informações clique aqui: e aqui ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.