a violência é patriarcal e estrutural

a violência é patriarcal e estrutural

Roma (NEV), 9 de junho de 2023 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) emite um comunicado assinado por seu presidente, pároco Mirella Manocchio.

Publicamos na íntegra.


A apresentação de projeto de lei pelo governo Meloni visando fortalecer os dispositivos já existentes ocorre nos últimos dias”de combate à violência contra a mulher e contra a violência doméstica”.

O comunicado do governo afirma que a intenção é “agilizar as avaliações preventivas sobre os riscos de potenciais vítimas de feminicídio ou crimes de violência contra a mulher ou no âmbito doméstico; tornar mais efetivas as ações preventivas de proteção; fortalecer as medidas contra a reincidência de crimes contra a mulher e a reincidência; melhorar a proteção geral das vítimas de violência.”

Só posso estar contente com esta disposição, mas se tenho de dizer que também estou satisfeito então já é outro assunto…

De facto, ainda não está claro onde se obterá o financiamento para sustentar o que consta do projeto de lei, como e quando serão formados os magistrados especializados na matéria, mas sobretudo parece-me que não há nada quanto à questão cultural nas quais se baseiam firmemente e nas quais vivem atitudes prejudiciais e nocivas, a discriminação, a violência contra a mulher.

Mais uma vez em nosso país agimos na onda da emoção de notícias terríveis, como as de Júlia Tramontano E Pierpaola Romano; ainda continuamos a falar de uma emergência, enquanto a questão deve ser abordada como um fenômeno estrutural de nossa sociedade, como expressão feroz de uma cultura patriarcal que se apodera firmemente das consciências e das instituições.

Nós mulheres evangélicas que nos reconhecemos na FDEI temos nos questionado muito nessa frente e continuamos a fazê-lo.

Durante o nosso XIII Congresso aprovamos duas moções distintas, mas intimamente ligadas entre si a meu ver, que olham para o fenômeno com a ideia de enfrentá-lo em suas complexas ramificações porque não podemos nos contentar em destacar a cultura patriarcal e machista matriz subjacente a tal violência.

Uma moção de trabalho em que, através da organização de uma conferência nacional, do lançamento de uma cartografia das associações e organismos de apoio à mulher no sector económico-laboral e de um projecto de formação de mulheres e homens, pretende-se ajudar a revelar L’ “trama perversa em que se combinam dependência econômica, desigualdade salarial, chantagem sexual e negação da maternidade”; outra visa apoiar e criar nas nossas igrejas, em colaboração com quem já trabalha nesta área, cursos de formação dirigidos a raparigas e rapazes, mulheres e homens, que dão “atenção à justiça de gênero e respeito às mulheres e a cada pessoa em sua singularidade”.

Devemos agir e contribuir concretamente para desfazer abordagens culturais, sociais, teológicas preconceituosas e ultrapassadas, sublinhando, e parece sempre necessário, cuja riqueza as mulheres são portadoras nos vários âmbitos, como faremos no próximo Pré- sínodo das mulheres em agosto, na Torre Pellice.

Não queremos e não podemos baixar a guarda sobre esta questão que atinge todas as áreas e épocas da existência, todas as classes sociais, todas as instituições e organizações; e queremos fazê-lo a partir de nossas igrejas evangélicas que foram as primeiras a sentir a urgência de uma reflexão sobre as questões de gênero e seu entrelaçamento com a justiça social solicitada por teólogas e mulheres comprometidas com a paz e a justiça.

Teólogos e mulheres como Dorothee Solle – cujos vinte anos se passaram desde sua morte – que, no livro ‘Trabalhar e amar’, encerra suas reflexões afirmando que nosso velho ser”não é apenas ser egocêntrico; é também o ser humano desamparado, que se sente incapaz de mudar qualquer coisa em seu próprio mundo. Como Paulo diz, ele é ‘o escravo do pecado’. E ele também é um escravo dos poderes que organizam o holocausto nuclear, um escravo da injustiça e da destruição da terra. O egoísmo e o desamparo são as principais características do ‘velho ser’. A nova criatura humana nasce da ressurreição de Cristo. Ela (homem ou mulher) tem poderes para combater a morte e aqueles que nos mantêm sob o domínio da morte. O novo ser humano em Cristo é um contraditório, um resistente, um revolucionário.

E queremos fazer nosso o seu apelo final do livro para assumirmos um dos antigos nomes de Deus “Tu que amas a vida” (Sabedoria de Salomão 11:26).

passado. Mirella Manocchio

presidente da FDEI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Federação das Igrejas Evangélicas, novo Presidente e Conselho eleitos

Federação das Igrejas Evangélicas, novo Presidente e Conselho eleitos

Roma (NEV/CS28), 30 de outubro de 2021 – A XX Assembleia da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) elegeu hoje, sábado, 30 de outubro, o novo presidente e o novo Conselho da FCEI. Daniele Garrone O novo presidente é Daniele Garronenascido em 1954, pastor valdense, desde 1988 professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense, ex-membro do Conselho da FCEI nos últimos três anos. Além do presidente, o Conselho é composto por: Richard Kofi Ampofo (Metodista), Maria Antonieta Caggiano (luterana), Pedro Ciaccio (Metodista), Free Ciuffreda (valdense), Sara Comparatti (batista), Luca Longo (Exército da Salvação). “Por um lado, as tarefas da Federação são dadas e as linhas de compromisso definidas – declara Daniele Garrone -. Teremos que "dar conta da esperança que há em nós" (1 Pedro 3:15), "abrir a boca em favor do mudo, em defesa de todo o desamparado" (Prov 31:8), "buscar o bem da cidade" (Jr 29.7). É o que tentamos fazer com a nossa reflexão e com a nossa testemunhocom o serviço e projetos para i migrantesnossa presença no espaço públicoo compromisso com eu direitos e para proteção deambiente. Trata-se de continuar este caminho, em tempos difíceis, para as nossas igrejas e para o país, guiados por uma visão que não é uma fantasia nossa, mas um dom que recebemos”. Hoje, sábado, 30 de outubro, a eleição foi realizada na igreja luterana da via Sicilia, em Roma, na sequência da constituição da XX Assembleia da FCEI e da primeira reunião do novo Conselho da FCEI. Pela manhã também foi realizada uma mesa redonda pública, intitulada "Diferentes vozes, desafios comuns", da qual participaram Emanuela Del ReRepresentante Especial da UE para o Sahel, Daniele GarroneFaculdade Valdense de Teologia, Shahrzad Houshmand Zadehteólogo muçulmano, Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade de S. Egidio, Yassine Laframpresidente da União das comunidades e organizações islâmicas na Itália (UCOII), Marco TarquínioDiretor de vir, Lia Tagliacozzoescritor e jornalista (vídeo mensagem), Cláudio ParavatiDiretor de comparar, como moderador do debate. A reunião foi encerrada com uma meditação do presidente cessante da FCEI, pároco Luca Maria Negro. A Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), nascida em 1967, é uma estrutura aberta, a serviço de todo o evangelicalismo italiano. Reúne as denominações “históricas” do protestantismo italiano e algumas igrejas da área pentecostal-carismática. No geral, uma população de cerca de 65.000 pessoas.Os membros fundadores da FCEI são a União Batista Evangélica Cristã (UCEBI), a Igreja Valdense, a Igreja Metodista, a Igreja Luterana, a comunidade ecumênica de Ispra-Varese (posteriormente incorporada à Igreja Luterana). Nos anos seguintes à sua fundação, o Exército de Salvação, a Comunhão das Igrejas Livres, a Igreja Apostólica Italiana e a comunidade da Igreja de Santo André da Escócia se juntaram à Federação. Também participam da Federação como “observadores” a União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) e a Federação das Igrejas Pentecostais (FCP); enquanto a Igreja Cristã de Rho (MI) é um "membro aderente". ...

Ler artigo
Domingo 23 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes na Eurovisão

Domingo 23 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes na Eurovisão

Roma (NEV), 17 de maio de 2021 – O culto evangélico de Pentecostes será realizado no domingo, 23 de maio, no RaiDue, a partir das 10h. Eurovisão ao vivo da igreja reformada de Lugano na Suíça, o culto é editado pela coluna Protestantismo. “Cinquenta dias depois da Páscoa, o Pentecostes recorda a ação vivificante do Espírito de Deus. Fogo, vento, voz sussurrante, o Espírito nos sacode do torpor, transmite novas forças, dá coragem, mesmo em nosso tempo inquieto, caracterizado por crises saúde, social e ambiental”. Com estas palavras, o Protestantismo Especial apresenta o culto de Pentecostes. Durante o culto, que incluirá a celebração da Santa Ceia, três jovens catecúmenos se apresentarão à comunidade e confirmarão sua fé. O culto será presidido pelos pastores Daniel Campoli E Jose La Torre. A parte musical do culto contará com a intervenção de Coro da Família Sala e um quarteto de jovens músicos composto por Annika Rast (flauta), Chá Vitali (violino), Milo Ferrazzini-Hauri(violoncelo), Daniel Moos (piano). Para rever os episódios do protestantismo acesse o site: VIDEO Protestantismo no Facebook Endereço de e-mail: [email protected]; [email protected] ...

Ler artigo
Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Capa da Revisão Anual do WCC 2021. Foto: WCC Roma (NEV), 4 de maio de 2022 - "Não devemos ter medo, não devemos nos desesperar quando vemos o que está acontecendo em nosso mundo hoje, mas enfrentá-lo com coragem". Com estas palavras, Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), apresenta o relatório anual da organização, publicado ontem, 3 de maio, no site oikoumene.org. Em particular, o texto traça o compromisso das igrejas protestantes pela paz na Ucrânia, de 24 de fevereiro até hoje. “Tendo visto o impacto do conflito nos rostos dos refugiados que chegam aos países vizinhos e estando cientes da situação e dos perigos para os civis ainda presos e incapazes de fugir, enfatizamos fortemente a necessidade urgente de corredores humanitários eficazes e seguros para permitir a população para fugir dos combates”, continua a nota. Antes da escalada do conflito na Ucrânia, em 2021, a comunidade do Conselho Mundial de Igrejas “reuniu-se em oração de forma inédita”, prossegue Sauca, referindo-se às mudanças impostas pela pandemia. “Acredito que Deus ouviu nossas orações. Pedimos a Deus coragem e sabedoria. Confiávamos na promessa de Deus de vencer qualquer coisa que surgisse em nosso caminho. E passamos por muita coisa. Perdemos muitas pessoas na família ecumênica devido ao Covid19 e além. Em meio a essa tristeza, talvez até por causa dessa tristeza, cresceu um novo compromisso de compaixão ativa uns pelos outros. Se a pandemia atingiu todas as regiões do nosso planeta, também revelou nossa inesperada vulnerabilidade e interdependência”, conclui o secretário-geral do CMI. Aqui o texto completo do relatório anual do Concílio Ecumênico. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.