a violência é patriarcal e estrutural

a violência é patriarcal e estrutural

Roma (NEV), 9 de junho de 2023 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) emite um comunicado assinado por seu presidente, pároco Mirella Manocchio.

Publicamos na íntegra.


A apresentação de projeto de lei pelo governo Meloni visando fortalecer os dispositivos já existentes ocorre nos últimos dias”de combate à violência contra a mulher e contra a violência doméstica”.

O comunicado do governo afirma que a intenção é “agilizar as avaliações preventivas sobre os riscos de potenciais vítimas de feminicídio ou crimes de violência contra a mulher ou no âmbito doméstico; tornar mais efetivas as ações preventivas de proteção; fortalecer as medidas contra a reincidência de crimes contra a mulher e a reincidência; melhorar a proteção geral das vítimas de violência.”

Só posso estar contente com esta disposição, mas se tenho de dizer que também estou satisfeito então já é outro assunto…

De facto, ainda não está claro onde se obterá o financiamento para sustentar o que consta do projeto de lei, como e quando serão formados os magistrados especializados na matéria, mas sobretudo parece-me que não há nada quanto à questão cultural nas quais se baseiam firmemente e nas quais vivem atitudes prejudiciais e nocivas, a discriminação, a violência contra a mulher.

Mais uma vez em nosso país agimos na onda da emoção de notícias terríveis, como as de Júlia Tramontano E Pierpaola Romano; ainda continuamos a falar de uma emergência, enquanto a questão deve ser abordada como um fenômeno estrutural de nossa sociedade, como expressão feroz de uma cultura patriarcal que se apodera firmemente das consciências e das instituições.

Nós mulheres evangélicas que nos reconhecemos na FDEI temos nos questionado muito nessa frente e continuamos a fazê-lo.

Durante o nosso XIII Congresso aprovamos duas moções distintas, mas intimamente ligadas entre si a meu ver, que olham para o fenômeno com a ideia de enfrentá-lo em suas complexas ramificações porque não podemos nos contentar em destacar a cultura patriarcal e machista matriz subjacente a tal violência.

Uma moção de trabalho em que, através da organização de uma conferência nacional, do lançamento de uma cartografia das associações e organismos de apoio à mulher no sector económico-laboral e de um projecto de formação de mulheres e homens, pretende-se ajudar a revelar L’ “trama perversa em que se combinam dependência econômica, desigualdade salarial, chantagem sexual e negação da maternidade”; outra visa apoiar e criar nas nossas igrejas, em colaboração com quem já trabalha nesta área, cursos de formação dirigidos a raparigas e rapazes, mulheres e homens, que dão “atenção à justiça de gênero e respeito às mulheres e a cada pessoa em sua singularidade”.

Devemos agir e contribuir concretamente para desfazer abordagens culturais, sociais, teológicas preconceituosas e ultrapassadas, sublinhando, e parece sempre necessário, cuja riqueza as mulheres são portadoras nos vários âmbitos, como faremos no próximo Pré- sínodo das mulheres em agosto, na Torre Pellice.

Não queremos e não podemos baixar a guarda sobre esta questão que atinge todas as áreas e épocas da existência, todas as classes sociais, todas as instituições e organizações; e queremos fazê-lo a partir de nossas igrejas evangélicas que foram as primeiras a sentir a urgência de uma reflexão sobre as questões de gênero e seu entrelaçamento com a justiça social solicitada por teólogas e mulheres comprometidas com a paz e a justiça.

Teólogos e mulheres como Dorothee Solle – cujos vinte anos se passaram desde sua morte – que, no livro ‘Trabalhar e amar’, encerra suas reflexões afirmando que nosso velho ser”não é apenas ser egocêntrico; é também o ser humano desamparado, que se sente incapaz de mudar qualquer coisa em seu próprio mundo. Como Paulo diz, ele é ‘o escravo do pecado’. E ele também é um escravo dos poderes que organizam o holocausto nuclear, um escravo da injustiça e da destruição da terra. O egoísmo e o desamparo são as principais características do ‘velho ser’. A nova criatura humana nasce da ressurreição de Cristo. Ela (homem ou mulher) tem poderes para combater a morte e aqueles que nos mantêm sob o domínio da morte. O novo ser humano em Cristo é um contraditório, um resistente, um revolucionário.

E queremos fazer nosso o seu apelo final do livro para assumirmos um dos antigos nomes de Deus “Tu que amas a vida” (Sabedoria de Salomão 11:26).

passado. Mirella Manocchio

presidente da FDEI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Burghardt assumirá o cargo de novo secretário-geral da FLM no início de novembro, sucedendo o pastor Martin Junge que liderou a comunhão de 148 igrejas nos últimos onze anos. Ela será a primeira mulher e a primeira representante da Europa Central e Oriental a ocupar esta posição de liderança. Após o anúncio, Burghardt disse: “Sinto-me honrado por este grande papel e profundamente grato pela confiança que os membros do Conselho depositaram em mim. Ao aceitar esta responsabilidade muito especial na comunhão, oro pela orientação do Espírito de Deus. Congratulo-me com a oportunidade de trabalhar com o Conselho, igrejas-membro e vários parceiros enquanto a Federação continua a participar da missão holística de Deus. Que Deus abençoe nossa comunhão para que, por sua vez, seja uma bênção para a igreja em geral e para o mundo”. Parabenizando Burghardt por sua eleição, o presidente da FLM, o arcebispo Panti Filibus Musa, ele declarou: “Parabenizo a pastora Burghardt por sua eleição. Desempenhará um papel vital na liderança de nossa comunhão global de igrejas, ajudando a moldar sua jornada contínua e a dar testemunho do Evangelho, trabalhando pela paz, justiça e reconciliação. Burghardt traz sua inestimável experiência e presentes para sua nova função e estou ansioso para trabalhar com ela." Burghardt possui ampla experiência no campo das relações ecumênicas, tendo também atuado como Secretária de Relações Ecumênicas nos Escritórios de Provisão de Genebra da Federação Luterana de 2013 a 2018. Também foi Coordenadora de Conteúdo da XII Assembleia da Federação Luterana Mundial, realizada em Windhoek , Namíbia em 2017, e nas comemorações dos 500 anos da Reforma no mesmo ano. Ele também é membro do conselho de diretores da Conferência das Igrejas Européias (KEK). O pastor Burghardt estudou teologia na Universidade de Tartu, na Estônia, na Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg, na Alemanha, e na Universidade Humboldt de Berlim. Ele é mestre em Teologia e atualmente está concluindo estudos de doutorado no campo da liturgia ortodoxa. é casado com Arnd Matthias Burghardttambém ordenado pastor da Igreja Evangélica Luterana da Estônia e o casal tem dois filhos. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Torre Pellice (TO), 8 de setembro de 2020 – A Tavola Valdese - o mais alto órgão executivo das igrejas metodista e valdense - apesar da impossibilidade de convocar o Sínodo este ano devido à emergência sanitária, publicou hoje a lista de projetos financiados com Fundos Otto Per Mille 2020. Os recursos alocados este ano paraUnião das Igrejas Metodistas e Valdenses quantidade de aprox 42,8 milhões, referem-se à declaração de rendimentos de 2017 (e, por conseguinte, às declarações de rendimentos de 2016) e correspondem a 547.519 assinaturas (3,2% do total das escolhas expressas pelos contribuintes). Os recursos serão usados ​​para financiar 452 projetos no exterior E 791 projetos na Itália nas áreas educacional, humanitária, sócio-médica e cultural, num total de 1243 projetos. Como todos os anos, o escritório Otto per Mille da União das Igrejas Metodista e Valdense recebeu muitas perguntas: de facto, foram recebidos 4671 pedidos (dos quais, no entanto, apenas 3000 passaram pela fase formal preliminar), com um crescimento de +500 em relação ao ano anterior e +1000 em comparação com dois anos atrás. Olhando para a Itália, o maior número de projetos apoiados enquadra-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”, que ascende a 23,2% do total dos projetos financiados. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós", que se faz sentir particularmente hoje; segue-se a categoria de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens”, com 15,6% do total; em seguida "Atividades culturais", com 14,9%; "Intervenções de cuidados e protecção da saúde", com 10%; e “Acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes”, com 8,9% do total. Embora os números ainda sejam baixos, o número de projetos ambientais dobrou de 1,4% para 3,4%. No exterior, a maioria dos projetos aprovados concentra-se na África e no Oriente Médio. Além disso, conforme anunciado durante o ano, a Tavola Valdese estabeleceu um "Fundo de emergência Covid-19" de 8 milhões de euros, que encontra a sua cobertura ao longo de três anos (2,7 milhões em 2019 e 2020 e 2,6 milhões em 2021). “O terceiro setor está cada vez mais nos procurando para apoiar o seu trabalho e nós estamos bem cientes disso – declarou Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese –. Por isso, temos trabalhado procurando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais em sentido amplo é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, de qual a mesma emergência nos fez sentir a urgência”. Para qualquer informação adicional: ...

Ler artigo
O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

Roma (NEV), 26 de abril de 2022 - A 23ª sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) acontecerá em Roma de 28 de abril a 1º de maio de 2022, no hotel Villa Aurelia, Via Leone XIII, 459. O mais alto órgão de soberania do CELI regressa assim à presença que, este ano, assistirá à eleição de um novo Reitor e à despedida do anterior P. Heiner Bludau que guiou a Igreja durante a pandemia. Composto por mais de 50 membros deliberativos, o Sínodo também receberá vários convidados do mundo protestante italiano e europeu. Como de costume, o Sínodo terá um tema de referência que, para a sessão de 2022, será: “Liberdade e responsabilidade”. “A partir da admoestação do apóstolo Paulo, os cristãos são chamados à liberdade para permanecer livres: Cristo libertou-nos para a liberdade. Um compromisso antigo que hoje assume características novas e significativas não só depois de um período em que as liberdades individuais tiveram de se readaptar progressivamente às regras de contenção do contágio; mas, ainda mais, num momento histórico em que a liberdade dos povos, as liberdades coletivas, correm o risco de ser silenciadas pelas guerras, antigas e novas, pelo desespero, pela morte”, lê-se na apresentação da nomeação evangélica. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) nasceu logo após a Segunda Guerra Mundial, mas as comunidades que permitiram seu nascimento já estavam presentes na Itália desde 1650. Hoje existem 15 comunidades luteranas na Itália: "uma presença enraizada no país de norte a sul, realizada não só através do testemunho de fé que caracteriza esta confissão de protestantismo histórico, mas também e sobretudo através do compromisso civil e laical de apoiar ao próximo, cultural e social juntos”, continua o comunicado de lançamento do evento. Para mais informações: FACTSHEET A Igreja Evangélica Luterana na Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.