para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

Foto de Kenny Eliason/Unsplash

Roma (NEV/CS14), 30 de maio de 2023 – Tempo de escolhas para quem decide não frequentar a aula de religião católica na escola. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) recorda isso. De 31 de maio a 30 de junho, de fato, é preciso manifestar preferência por uma das opções alternativas à aula de religião católica. Coincidindo com a abertura das inscrições para o ano letivo 2023/2024, o balcão “Escola, laicidade, pluralismo” da FCEI disponibiliza um novo “manual” para o exercício do direito de não usufruir do ensino religioso católico.

O documento oferece “esclarecimentos para uma escolha informada” e analisa as várias opções possíveis. Além disso, aborda a questão do crédito escolar, explicando como e por que o autoestudo também participa da definição dos créditos escolares para o arredondamento da média.

A Sportello também está à disposição para auxílio na realização do procedimento online.

Em um manual anterior, também online, o Sportello coletou algumas perguntas frequentes sobre o assunto.

Caso seja decidida a não utilização do IRC, os alunos e famílias são chamados a proceder a uma nova escolha entre as possíveis atividades alternativas previstas na legislação em vigor. Esta escolha deverá ser efetuada através do preenchimento do formulário C SHEET na função específica do sistema “INSCRIÇÃO ONLINE”, ligado a cada escola, acessível apenas no período de 31 de maio a 30 de junho de 2023 com recurso às credenciais SPID, CIE ou eiDAS.

Entre as coisas a saber, para quem escolhe o chamado “horário alternativo”, está a obrigação da escola de organizá-lo mesmo que seja para apenas um aluno. Além disso, ao contrário do que se possa pensar, a ativação do horário alternativo não envolve nenhum custo adicional porque a atividade é financiada por fundos ministeriais e não pelos orçamentos de cada escola. Portanto, a escola não pode apresentar razões orçamentárias. Além disso, “Não existe um número mínimo de alunos necessário para a ativação da disciplina alternativa. Mesmo na presença de um único aluno que tenha optado por atividades alternativas de ensino e formação, a escola é obrigada a garantir a efetividade do direito de escolha. Isso significa também que, uma vez designado para lecionar a disciplina alternativa, o professor é obrigado a exercer tal ensino, não podendo ser utilizado pela escola para cobrir faltas ou suplentes que coincidam com o horário letivo da disciplina alternativa. Nenhum impedimento de ordem organizativa, económica ou outra pode ser invocado pelas escolas pelo atraso ou, no pior dos casos, pela não ativação desse ensino”, escreve o advogado. Ilaria Valenzipessoa de contato do Sportello e consultor jurídico da FCEI.

Finalmente, a questão dos créditos escolares.

Quem não frequenta a aula de religião fica com crédito escolar ou, caso contrário, a sua escolha penaliza-o, subtraindo uma nota à avaliação final? “A este respeito, pretendemos esclarecer alguns aspectos – lê-se no documento -. Sabemos, porém, que as situações individuais variam de escola para escola e, demasiadas vezes, as indicações da lei estão sujeitas a interpretações nem sempre coerentes, acabando por atribuir um peso excessivo à aula de religião”.

O julgamento do professor do IRC, no entanto, “não tem valor obrigatório na determinação do quadro final da média geral do aluno. Recorde-se ainda que, caso tenha optado por atividades de ensino e formação (a ‘disciplina alternativa’), o professor responsável por esse ensino participará nos conselhos de turma e manifestará a sua opinião sobre o aluno, no da mesma forma que acontece na hora da religião”.

Para pedidos de ajuda e mais informações, baixe o novo manual ou escreva para [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Serviço de Educação Educacional (SIE).  Curso online sobre Igrejas e intercultura

Serviço de Educação Educacional (SIE). Curso online sobre Igrejas e intercultura

Ilustração criada para L'Amico dei Fanciulli por Alessandro Spanu - arquivo 2020 de www.facebook.com/AmicoFan Roma (NEV), 22 de março de 2023 – “Igrejas e intercultura". Este é o título do novo encontro formativo organizado pelo Serviço Educativo e Educativo (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), em colaboração com a revista "L'Amico dei fanciulli". Destinado a monitores e monitores de catequese, mas também a pais e interessados, o encontro realiza-se via zoom na terça-feira dia 4 de abril das 18 às 20. O encontro será aberto por uma meditação do missionário e pregador Grace Pratt-Morris Chapman. Discursos de: Anne Zellpastor valdense e coordenador do mestrado em Teologia Intercultural. Nicolau Laricchiopastor batista e diretor do Departamento de Igrejas Internacionais da UCEBI. Alessia Passarellisocióloga e pesquisadora envolvida no projeto "Ser igreja juntos". Para participar das reuniões é necessário se inscrever preenchendo o formulário de inscrição online no link: O link de convite para participar da reunião será enviado um dia antes da reunião. Aqui o programa completo do encontro: Igrejas e Intercultura Para mais informações, entre em contato com o escritório da SIE em: [email protected] ...

Ler artigo
Livre para ser – Nev

Livre para ser – Nev

foto @Tim Mossholder, unsplash Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 - "Uma nova relação entre mulheres e homens a partir da realidade eclesial": este é o título do encontro realizado na última sexta-feira, 5 de fevereiro, das 18h às 19h30, promovido pela Federação das mulheres evangélicas da Itália (FDEI) e pela revista Confronti. O webinar contou com a presença de inúmeras pastoras e pastoras, teólogas e representantes de igrejas protestantes comprometidas com as questões de gênero: Herbert Anders, Abril Máximo, Cristina Arcidiacono, Stefano Ciccone, Daniele Bouchard, Elizabeth Green, Nicola Laricchio, Daniel Podesta, Davide Rostan, Sandro Spanu, Ângelo Reginato. A consulta foi realizada ao vivo na página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti. Neste post o vídeo completo da reunião da última sexta-feira: ...

Ler artigo
Genebra-Augusta-Roma.  “Resistência ecumênica” a caminho

Genebra-Augusta-Roma. “Resistência ecumênica” a caminho

Foto Pixabay Roma (NEV), 6 de setembro de 2018 – A reunião de cinco dias do Joint Ecumenical Working Group (JWG), um catalisador para o diálogo, não apenas teológico, entre o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Igreja Católica Romana, nasceu em 53 anos atrás como um dos primeiros frutos do Concílio Vaticano II. Poucas semanas depois da #VisitaPapal de Francisco ao CMI de Genebra, portanto, uma nova etapa de unidade e colaboração entre diferentes denominações e confissões cristãs, em perspectivas de futuro que dizem respeito não apenas aos aspectos espirituais e de oração, mas também ao compromisso social e civil. “Continuamos neste caminho porque temos uma tarefa importante, que é unir forças para fazer muito mais pelos necessitados”, afirmou o secretário geral do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. Palavras fortes chegaram, conforme relatado no twitter por Odair Pedroso Mateusdiretor da comissão Fé e Constituição do CMI, pelo bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). “Vamos nos unir em uma resistência ecumênica às políticas de identidade que desvalorizam os outros”, disse Bedford-Strohm, que também destacou o valor da Reforma e do legado luterano como uma “grande experiência que abriu portas e corações e aumentou as amizades entre cristãos de diferentes tradições". O pastor presbiteriano americano Robina Marie Winbush, que falou ao JWG, disse: "A divisão ecumênica nos Estados Unidos hoje não é tanto confessional quanto político-racial". O Grupo de Trabalho Ecumênico, moderado pelo Metropolita Ortodoxo Nifon Mihăița de Targoviste (Romênia) e pelo arcebispo católico Diarmuid Martin de Dublin (Irlanda), está redigindo dois documentos sobre a construção da paz e a pastoral dos refugiados e migrantes, com a colaboração de especialistas do Dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral e do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso. Entretanto, decorrem os preparativos para outra importante etapa ecuménica, nomeadamente a conferência mundial sobre xenofobia, racismo e nacionalismo populista (Roma, de 18 a 20 de setembro), que envolve o Conselho Mundial das Igrejas, o Dicastério Vaticano e o Pontifício Conselho. Entre os convidados, o pároco da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Luca Maria Negroque recentemente em Novi Sad, Sérvia, durante a Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) opôs a xenofobia dos 'sodomitas' de hoje, cujo pecado é o ódio aos estrangeiros, com a filoxenia de Abraão, mandato bíblico de amizade para com o estrangeiro. O CMI representa mais de 550 milhões de cristãos em todo o mundo com suas 350 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e membros independentes. Rev. Presbiteriana dos EUA Robina Winbush para RomanCatholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: a divisão ecumênica nos EUA hoje não é tanto denominacional quanto política/racial @wccpilgrimage pic.twitter.com/mj7lUEPqjC — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 4 de setembro de 2018 #EKD Bishop Bedford-Strohm para Roman Catholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: vamos nos unir na resistência ecumênica à política de identidade que desvaloriza os outros @EKD pic.twitter.com/YzqQE1tcN3 — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 3 de setembro de 2018 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.