para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

Foto de Kenny Eliason/Unsplash

Roma (NEV/CS14), 30 de maio de 2023 – Tempo de escolhas para quem decide não frequentar a aula de religião católica na escola. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) recorda isso. De 31 de maio a 30 de junho, de fato, é preciso manifestar preferência por uma das opções alternativas à aula de religião católica. Coincidindo com a abertura das inscrições para o ano letivo 2023/2024, o balcão “Escola, laicidade, pluralismo” da FCEI disponibiliza um novo “manual” para o exercício do direito de não usufruir do ensino religioso católico.

O documento oferece “esclarecimentos para uma escolha informada” e analisa as várias opções possíveis. Além disso, aborda a questão do crédito escolar, explicando como e por que o autoestudo também participa da definição dos créditos escolares para o arredondamento da média.

A Sportello também está à disposição para auxílio na realização do procedimento online.

Em um manual anterior, também online, o Sportello coletou algumas perguntas frequentes sobre o assunto.

Caso seja decidida a não utilização do IRC, os alunos e famílias são chamados a proceder a uma nova escolha entre as possíveis atividades alternativas previstas na legislação em vigor. Esta escolha deverá ser efetuada através do preenchimento do formulário C SHEET na função específica do sistema “INSCRIÇÃO ONLINE”, ligado a cada escola, acessível apenas no período de 31 de maio a 30 de junho de 2023 com recurso às credenciais SPID, CIE ou eiDAS.

Entre as coisas a saber, para quem escolhe o chamado “horário alternativo”, está a obrigação da escola de organizá-lo mesmo que seja para apenas um aluno. Além disso, ao contrário do que se possa pensar, a ativação do horário alternativo não envolve nenhum custo adicional porque a atividade é financiada por fundos ministeriais e não pelos orçamentos de cada escola. Portanto, a escola não pode apresentar razões orçamentárias. Além disso, “Não existe um número mínimo de alunos necessário para a ativação da disciplina alternativa. Mesmo na presença de um único aluno que tenha optado por atividades alternativas de ensino e formação, a escola é obrigada a garantir a efetividade do direito de escolha. Isso significa também que, uma vez designado para lecionar a disciplina alternativa, o professor é obrigado a exercer tal ensino, não podendo ser utilizado pela escola para cobrir faltas ou suplentes que coincidam com o horário letivo da disciplina alternativa. Nenhum impedimento de ordem organizativa, económica ou outra pode ser invocado pelas escolas pelo atraso ou, no pior dos casos, pela não ativação desse ensino”, escreve o advogado. Ilaria Valenzipessoa de contato do Sportello e consultor jurídico da FCEI.

Finalmente, a questão dos créditos escolares.

Quem não frequenta a aula de religião fica com crédito escolar ou, caso contrário, a sua escolha penaliza-o, subtraindo uma nota à avaliação final? “A este respeito, pretendemos esclarecer alguns aspectos – lê-se no documento -. Sabemos, porém, que as situações individuais variam de escola para escola e, demasiadas vezes, as indicações da lei estão sujeitas a interpretações nem sempre coerentes, acabando por atribuir um peso excessivo à aula de religião”.

O julgamento do professor do IRC, no entanto, “não tem valor obrigatório na determinação do quadro final da média geral do aluno. Recorde-se ainda que, caso tenha optado por atividades de ensino e formação (a ‘disciplina alternativa’), o professor responsável por esse ensino participará nos conselhos de turma e manifestará a sua opinião sobre o aluno, no da mesma forma que acontece na hora da religião”.

Para pedidos de ajuda e mais informações, baixe o novo manual ou escreva para [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

sim ao salário mínimo, não à exploração

sim ao salário mínimo, não à exploração

Ümit Yıldırım, unsplash Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense reunido nestes dias em Torre Pellice, na província de Torino, aprovou esta manhã por ampla maioria uma documento sobre questões trabalhistas. O texto exorta para que não haja "trabalhadores pobres", pede o reconhecimento de um salário mínimo e sublinha os direitos de quem trabalha. Uma postura contra a privatização e as desigualdades econômicas, em nome da proteção do emprego, igualdade tributária, garantias sociais e ambientais, políticas migratórias e igualdade de oportunidades. Um parágrafo também é dedicado à segurança no trabalho e luta contra o trabalho preto e cinza. “O trabalho é, na compreensão da fé evangélica, uma realidade fundamental da existência humana na liberdade e na dignidade – lê-se no documento -. É também um elemento fundamental da participação democrática, conforme reconhecido pela Constituição italiana”. AQUI O TEXTO COMPLETO DO DOCUMENTO: Sinodovaldese22_lavoro Para mais informações sobre o Sínodo: ...

Ler artigo
metodistas e valdenses.  Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

metodistas e valdenses. Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

Torre Pellice (To) (SSSMV/10), 30 de agosto de 2020 – Os eventos da semana “Gerações e Regeneração. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Uma rica revisão realizada nos vales valdenses, na província de Turim, nos dias habitualmente dedicados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, adiado este ano devido ao coronavírus. Em suas saudações finais, o moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottaagradeceu a todas as pessoas que participaram e colaboraram na semana. “Foi uma semana intensa e espero que todos tenhamos tirado dela alento para continuarmos a travar 'boas lutas' – disse Alessandra Trotta na sua intervenção, na qual sublinhou a interligação entre todos os seres humanos -. Uma das questões mais relevantes hoje é a contabilização do dinheiro que os cidadãos nos confiam por meio do Otto per mille”. Este ano a Mesa não pôde fazê-lo diante do Sínodo, que foi adiado para o próximo ano. Mas esta semana o #senzasinodo e o encontro de hoje em particular, explicou o moderador, é uma forma de “retribuir às igrejas e aos cidadãos o que estamos fazendo. Podemos dizer oficialmente que analisámos todos os pedidos e atribuímos regularmente as verbas, cuja distribuição será, como sempre, tornada pública através do site, cerca de metade Setembro". Em 2020 os recursos ascenderam a quase 43 milhões de euros “pelos quais voltamos a agradecer”, disse Trotta. é sobre o 3,2% das escolhas dos italianos. Quanto aos pedidos de financiamento de projetos apresentados através da plataforma online, já chegaram 4671, mais uns bons 500 do que no ano anterior, apesar de o número de candidaturas que cada promotor podia apresentar ter sido fixado no máximo de 2 projetos. 3.000 dessas solicitações passaram pela fase preliminar formal e foram financiadas 1243 projetos, dos quais 452 no estrangeiro e 791 em Itália, em todas as áreas de intervenção. Com relação aos setores que foram particularmente financiados, continuou o moderador, o mO maior número de projetos apoiados diz respeito ao mmelhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental, acompanhar projetos de crianças e adolescentes, projetos culturais e de saúde e por último, em termos percentuais, os relativos ao acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes. "Precisamente em um ano tão particular - concluiu o moderador - decidimos manter em alta a atenção à normalidade, mantendo a variedade de destinações dos projetos, para promover o desenvolvimento na direção de uma maior justiça social, da proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e participação democrática". Durante a semana "#senzasinodo", numerosos convidados, especialistas e testemunhas falaram sobre os temas de administração territorial, justiça social, direitos das mulheres, direitos dos trabalhadores agrícolas e depois novamente sobre pregação, pastoral e diaconia, sobre o direito à moradia , sobre a infância, sobre informações em tempos de covid e sobre como a pandemia está afetando a vida das pessoas e comunidades. Para saber mais sobre o conteúdo e rever as intervenções propostas pelas igrejas metodista e valdense, as gravações e reportagens de todos os dias estão disponíveis no youtube ou na rádio Beckwith. Surge um quadro em que é fundamental colaborar com as instituições, igrejas e comunidades para a saúde, a justiça e a sustentabilidade na base da interligação e da cooperação. Portanto, esta é a agenda para os próximos meses. Entre os protagonistas destes dias, o presidente do Parlamento Europeu David Sassolivice-presidente da região da Emilia Romagna Elly Schleinos prefeitos dos vales, o sociólogo Maurizio Ambrosinio jornalista Sara Maniseraativista social e sindical Aboubakar Soumahoro, Dora Bognandi para a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e Gabriella Rusticipresidente da Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM), Donatella Baruspara a Fundação Umberto Veronesi, Sabrina Gianninijornalista investigativo da RAI3, Diretor Geral da ASL To3 Flávio Boraso e muitos outros. Momentos artísticos não faltaram, incluindo o show da cantora e atriz Christian Voglino e o concerto de Fabíola Alemão com música de Johann Sebastian Bach para violino solo. Todos os insights desta semana estão disponíveis nesta página. FACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/35) ...

Ler artigo
Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib. Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril. O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana. O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG). foto interfilme Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça). 13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”. PEQUENA PALESTINA / Journal d'un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83' As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial. INTERFILM A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.