Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Koshu Kunii, antiespalhamento

Roma (NEV), 16 de setembro de 2021 – Há um racismo que é sistêmico, nos Estados Unidos, um país “nascido nas costas da escravidão, em terras que foram roubadas e saqueadas”. Como

James “Jim” Winkler

Jim Winklerpresidente do Conselho Nacional das Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA), protagonista da segunda entrevista com líderes protestantes mundiais, à margem do Fórum Inter-religioso que aconteceu em Bolonha nos últimos dias.

O que significa que o racismo nos EUA é “sistêmico”?

“Em nossa sociedade, um grande número de brancos nega até a existência do racismo. Isso por si só indica a intensidade do racismo nos Estados Unidos. Muitas pessoas confundem preconceitos, suas próprias orientações e pontos de vista, com racismo. Todo mundo tem algum tipo de viés pessoal. No contexto dos Estados Unidos, entretanto, poder mais preconceito é igual a racismo. E em nossa sociedade, o poder é realmente controlado pelos brancos. É assim que vocês se tornam cúmplices desse sistema. As formas em que se expressa são variadas: desde onde e se você pode ter uma casa própria, até o acúmulo de riqueza, cuidados de saúde, quanto mais chances você tem de ser parado pela polícia.

Talvez a situação tenha melhorado desde que eu era mais jovem. Mas continua sendo um problema muito sério em nossa sociedade. Portanto, quando há episódios muito graves – refiro-me ao assassinato de Michael Brownou ao de George Floyd- quando você vê a intensidade do clamor, da frustração, da raiva, se você é branco, também tem que entender que existe algo mais profundo. Há uma raiva que precisa ser abordada. Muitas pessoas não querem fazer isso, eles não entendem a gravidade disso. Eles dizem: “Bem, eu não sou racista.” É um problema antigo que realmente nunca foi embora. Por que as pessoas não podem simplesmente viver juntas, a natureza sistêmica do racismo deve ser abordada antes que possamos avançar. Temos que analisar o problema em um contexto e sistema mais amplo, que precisa ser corrigido e mudado. Hoje temos uma compreensão maior de tais fenômenos do que há muitos anos. Mas ainda há um longo caminho a percorrer.

Há poucos dias, o aniversário das Torres Gêmeas. Como os Estados Unidos mudaram nesses 20 anos? O que você lembra daquele dia?

Para mim, 11 de setembro de 2001 foi um dia muito, muito importante. Eu estava no Capitólio naquele dia, onde ainda trabalho. Do outro lado da rua do Capitólio fica um prédio da Igreja Metodista, um centro ecumênico, onde fica o Conselho Nacional de Igrejas, como muitas outras igrejas. Na época, eu era o responsável pelo prédio, como metodista, lembro de reunir todos para um momento de oração. Então soubemos do colapso da segunda torre e disse a todos para irem para casa. Senti que era minha responsabilidade permanecer no prédio para garantir que tudo estivesse seguro. Lembro que os prédios do governo foram rapidamente fechados. Tantos policiais na rua, não tinham para onde ir, usar o banheiro, ligar para as famílias, se abrigar do calor e pegar um pouco de sombra. Então, quase viramos um refúgio para os agentes. Logo depois tivemos um culto e também vários dias depois, para comemorar, para expressar nossa dor, nossa tristeza. Desde então, por algum tempo, tem sido muito emocionante ir trabalhar todos os dias no Capitólio. Até passar pelo Pentágono era diferente. Eu também estava ensinando uma classe de escola dominical em uma igreja local na época, perto de Washington DC, eu tinha tanto o pessoal do FBI, quanto a mídia, outros que trabalhavam no Pentágono, eu mesmo conhecia pessoas que morreram e nos anos 80 pelo forma como trabalhei no World Trade Center… O 11 de setembro foi e é um assunto muito pessoal. Mas, além da intensidade emocional do momento, devemos entender que os ataques ocorreram em um contexto histórico. As causas básicas desses ataques estão na política externa americana, e essas causas básicas precisam ser abordadas. Muitas pessoas negaram essa tese, elas simplesmente queriam vingança.

Nossa proposta era, mais do que invadir o Afeganistão, fazer um esforço por meio de instituições internacionais para levar os responsáveis ​​pelo ataque à justiça e levá-los a julgamento pelo que fizeram. Destrua – não necessariamente militarmente – sua rede terrorista. Em vez disso, os Estados Unidos escolheram invadir o Afeganistão. Achei um erro muito grave, uma decisão fora dos limites do direito internacional. Uma escolha que anulou a forte solidariedade que o mundo tinha na época com os Estados Unidos e contra esse extremismo. Liderei uma delegação de representantes de diferentes religiões ao Paquistão e depois falei também sobre o Iraque…Qualquer pessoa com bom senso pode entender como as decisões que incorporam raiva, fúria e vingança foram tomadas.. E então eu pessoalmente acho que posso dizer que estávamos certos. E George Bush ele estava errado. Participamos de protestos, comícios e todo tipo de esforço para acabar com a guerra, especialmente no Iraque. Sempre pensei que a guerra contra o Afeganistão estava errada.

guerra ao Terror naquele início de 11 de setembro. Hoje, os EUA se retiram do Afeganistão. Como você vê a situação dos migrantes afegãos e de outros países do mundo?

Para o Afeganistão, como igrejas nos EUA, estamos nos mobilizando para tentar reassentar refugiados. Por exemplo, minha igreja local em Alexandria, Virgínia, está recebendo uma família de refugiados afegãos. Nós somos recolhendo alimentos e roupas, estamos ajudando-os a encontrar um lugar para morar, tentamos garantir que seus filhos frequentem a escola, esperamos que os adultos consigam um emprego. Não tentaremos controlar suas vidas, mas apenas garantir que estejam prontos para viver suas vidas nos Estados Unidos. Esta é uma experiência muito comum em todo o país. Assim, o primeiro objetivo é satisfazer as necessidades imediatas. Enquanto isso, continuamos a exigir que os Estados Unidos sejam o mais generosos possível com as pessoas que estão tentando imigrar para nosso país, pessoas da América Central, Guatemala, Honduras, El Salvador. E estamos muito aflitos com as restrições impostas à imigração nos próximos anos. O governo Trump tem sido desastroso. Mas ainda hoje não estamos vendo as melhorias nas condições de fronteira que esperávamos. E ainda temos que lidar com a xenofobia que permeia nossa sociedade.

Você está dizendo que ele já está desiludido com o governo Biden?

Sim, estamos desapontados, até dissemos a alguns representantes do governo. O dissemos esperar que houvesse uma mudança real: queremos que mais imigrantes sejam admitidos nos EUA, especialmente aqueles que vêm para o nosso país porque temem por suas vidas, mas também por causa da exploração de recursos. Um problema muito difícil que precisa ser abordado é o seguinte: lA única razão pela qual as pessoas realmente querem deixar seu país é porque as condições de vida são intoleráveis. Porque sou eu? Os fatores são diferentes, mas os Estados Unidos não são inocentes. Há muitos anos que exploramos os países da América Central; nós os usamos como um reservatório de mão de obra barata, como meio de ter plantações de banana, coca, café, cacau, para que possamos desfrutar de luxos baratos em nosso país; apoiou governos militares repressivos; forneceu a esses governos armas e meios militares; teve políticas reacionárias terríveis que tornaram a situação intolerável. Assim, não só devemos acolher os refugiados, não só devemos permitir o acesso aos requerentes de asilo, mas também devemos mudar as nossas políticas em relação aos países de origem e, em particular, à América Central. Há uma necessidade de uma alteração sistêmica e holística das políticas governamentais e anti-racismo por parte de nosso povo.

Como as igrejas nos Estados Unidos reagiram à pandemia?

Tenho muito orgulho de como as igrejas que fazem parte do Conselho Nacional de Igrejas reagiram, e continuam a fazê-lo de forma muito responsável. É verdade, algumas igrejas e líderes religiosos têm dito que o covid é uma ficção, nunca deixaram de se reunir e rezar pessoalmente e têm apontado o dedo ao governo, “culpado” de reprimir a liberdade religiosa. Mas nossas igrejas entenderam que diante de uma pandemia não poderíamos continuar com centenas de pessoas rezando juntas, havia o risco de espalhar a doença, tínhamos que ser responsáveis. É por isso que entramos no culto virtual, fizemos sacrifícios, também usamos muitos de nossos prédios de igrejas para cuidar de crianças, de alcoólatras anônimos, de escoteiros e assim por diante, nossas igrejas são lugares ocupados, funcionam como centros sociais. Tivemos que parar todas essas atividades, porque a saúde pública é mais importante do que algumas de nossas funções anteriores – foi um grande desafio. Com o tempo, muitas de nossas igrejas também se tornaram centros de vacinação e locais de cooperação com os departamentos de saúde. Compartilhamos informações com a população, sobre distanciamento social, máscaras, prevenção… Hoje há esperança de podermos rezar juntos novamente. Muitas de nossas igrejas estão se movendo nessa direção, com cautela. Veremos como a pandemia progride. No entanto, muitas pessoas nos Estados Unidos sentem raiva, sentem o cansaço deste último ano. Felizmente, o governo Biden lidou com a emergência com responsabilidade, inclusive em relação às vacinas.

Quais são os principais desafios para as igrejas norte-americanas?

Acho que o primeiro desafio é justamente a Covid, superar a emergência sanitária. Devemos ser responsáveis ​​e encorajar nosso pessoal a ser responsável. Em segundo lugar, devemos abordar a profunda polarização que existe em nossa nação, que sem dúvida piorou muito nos últimos anos. Precisamos dizer às pessoas que só porque vocês discordam, politicamente, não significa que vocês devam se odiar. E então estamos incitando nosso governo a ser generoso: dar assistência econômica aos desempregados, melhorar o sistema de saúde abordando o racismo, afastar-se da devoção que temos em gastar tantos de nossos recursos com os militares. Vejo, portanto, na Igreja uma responsabilidade individual, mas também coletiva e depois a vontade de recorrer ao governo para buscar justiça. Estamos pedindo uma reforma de nossa força policial: muitos policiais veem os cidadãos como inimigos. Portanto, temos muitos desafios pela frente e são desafios políticos complexos.

Bancos de argila, antisplash

É difícil quando você tem uma nação inteira que foi construída em terras roubadas e criada nas costas de escravos. Desde o início, os EUA têm sido uma nação reacionária que professa ideias progressistas – liberdade, justiça, igualdade – mas entende uma contradição fundamental entre a própria fundação da nação e seus ideais professados. É por isso que digo que precisamos de um período sustentado de liderança calma, madura e responsável, e estou muito preocupado. Podemos desmoronar como nação: estamos em uma encruzilhada. Nós, como igrejas e comunidades de fé, temos diálogos inter-religiosos, entre o Conselho Nacional de Igrejas e nossos membros junto com a comunidade judaica, a comunidade muçulmana, as comunidades sikh, hindu, budista, porque queremos ser solidários uns com os outros, abordar o preconceito contra algumas dessas comunidades. E queremos trabalhar juntos para resolver os problemas de nossa sociedade e enfrentar os desafios futuros. Não podemos fazê-lo apenas como cristãos, temos que fazê-lo numa base inter-religiosa e é isso que estamos tentando fazer”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – O G20 Interfaith Forum 2021 terminou ontem com a cerimônia final com a presença do Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghi. Com mais de 370 participantes, o G20 das Religiões reuniu delegados de 70 países em Bolonha para 32 sessões de trabalho. 160 palestrantes, 94 políticos e diplomatas, 50 autoridades religiosas e 93 especialistas chegaram à capital da Emilia-Romagna "com o objetivo de construir um espaço de encontro e diálogo, estimulando o debate sobre o tema no centro do Fórum", disse o Time Curar”, consta na nota de encerramento do evento. Philip Vinod PavãoSecretário-Geral Interino de ProgramasComunhão Mundial das Igrejas Reformadas Entrevistamos alguns desses líderes de igrejas, com foco particular na representação evangélica internacional. O primeiro é Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), professor de teologia e diácono da Igreja do Norte da Índia. Quais foram suas primeiras impressões sobre o trabalho do Fórum? É importante que haja encontros inter-religiosos deste tipo entre as várias comunidades de fé, ocasiões como esta de discussão para apresentar uma agenda muito clara e concreta sobre o que estamos pedindo ao G20. No entanto, acho que alguns dos pedidos e deliberações são muito “conservadores”, talvez pudéssemos ser mais enfáticos sobre o que queremos, principalmente como comunidade de fé. Em quais questões você acha que precisamos de mais ênfase, mais coragem? Em particular sobre dois itens da ordem do dia. A primeira é a crise climática: que é real e, portanto, requer uma pergunta mais profunda e clara sobre ações concretas de combate às mudanças climáticas e voltadas para a proteção da criação. Em segundo lugar, no que diz respeito às desigualdades econômicas, também ligadas a este momento de crise: deve haver indicadores muito claros de como vamos atuar nessa frente. Seria preciso pedir um imposto para os mais ricos. As igrejas reformadas sempre estiveram comprometidas com a questão de gênero, justiça econômica e ecológica, começando com a Confissão de Acra em 2004. Como esse compromisso continua? Sobre a justiça econômica, problematizamos a confissão de Acra em uma nova arquitetura financeira e econômica internacional, um programa colaborativo, implementado em conjunto com o Conselho Mundial de Igrejas, a Federação Luterana Mundial, o Conselho Metodista Mundial, o Conselho Mundial de Missões. Nesta campanha, estamos trabalhando em dois níveis. A primeira diz respeito à atividade de defesa o que fazemos com nossas igrejas, que representam cerca de meio bilhão de pessoas em todo o mundo, especialmente para organizações financeiras internacionais e as Nações Unidas, tanto para democratizar essas instituições, quanto para exortá-las a trabalhar para o bem das massas, em todo o mundo , em vez de servir aos interesses de alguns. Em 2019 lançamos uma campanha fiscal, o #ZacTax, o projeto Zaqueu, pela tributação justa, que continua e continua recebendo apoios e assinaturas. Estamos pedindo um imposto sobre grandes fortunas, um imposto sobre transações financeiras e um específico contra as mudanças climáticas. As indústrias poluidoras têm de pagar um imposto ad hoc. Assim como acreditamos que as empresas e indivíduos que ganharam muito dinheiro durante a pandemia devem ser tributados, com um imposto único que pode, por exemplo, contribuir para um serviço de saúde global universal. Grandes multinacionais, como Amazon e Google, aumentaram seus ganhos durante esta crise, agora têm que contribuir. Finalmente, pedimos fundos para um sistema abrangente de reparações pelos danos da escravidão e do colonialismo. Falando de ecumenismo e diálogo, quais são os principais desafios que você enfrenta? Para ser honesto, no momento o ecumenismo parece estar muito focado na situação da unidade da Igreja. Isso é importante, claro, há pessoas que parecem crescer em suas próprias tradições denominacionais sem perder o foco na visão mais ampla de um horizonte ecumênico. Mas, enquanto se dão esses passos rumo à unidade, creio que também é importante nos perguntarmos: "O que nos une?" E acho que a resposta é, principalmente neste momento em que a pandemia revelou tanta desigualdade no mundo, que devemos nos unir em prol da justiça para todos. Como as igrejas reagiram à pandemia de Covid19 e tudo o que ela envolveu? As igrejas individuais são muito ocupadas e ativas, localmente, em todo o mundo. Tanto para disseminar informações e aumentar a conscientização sobre saúde, quanto com outros tipos de intervenções, por exemplo nos EUA, onde há uma grande demanda por assistência médica universal, ou em outros países da Ásia, duramente atingidos pela crise econômica após o bloqueio , com apoio para trabalhadores migrantes e pessoas que não tiveram acesso a bens de uso diário. Temos apoiado algumas dessas iniciativas por meio de pequenas doações. Tanto para o lado "prático", mas para nós da comunidade reformada, este é realmente um momento apocalíptico. Apocalipse no sentido bíblico: ou seja, não um grande desastre, mas uma revelação do que está acontecendo, das desigualdades pré-existentes, a realidade é revelada. Usamos muito essa linguagem do “novo normal”, mas o que estamos tentando trazer à tona é que o que é normal é muito avassalador para tantas pessoas. Assim, na vida cotidiana, por exemplo, na língua que falamos, na forma como organizamos nosso mundo, o patriarcado está arraigado: até mesmo usando a palavra "humanidade (humanidade)” exclui metade do mundo. Então o que é “normal” muitas vezes não é bom, é um espaço onde ocorre a opressão. Queremos outro mundo, não um novo normal, mas algo radicalmente diferente. Para nós esta visão é teológica. A entrada neste novo espaço faz-se através do sacramento da comunhão, que é também um momento simples, uma refeição. Mas comer juntos não é mais possível em tempos de pandemia. Assim, devemos também simbolicamente regressar a um lugar onde nos possamos sentar à mesa, reconhecendo que todas as mesas são espaços sagrados, não só as da igreja, mas também as das salas de reunião onde são tomadas decisões que influenciam – e devem proteger – a vida dos pessoas. Com a renovação dos votos batismais, morremos para a velha vida e ressuscitamos para uma nova, em um novo espaço transformado onde há fartura para todos. Migrantes e a situação afegã: o que as igrejas reformadas estão fazendo? Trabalhamos em estreita colaboração com a Comissão das Igrejas para a Migração na Europa e com todas as realidades das Igrejas envolvidas, em particular nestas questões. Nossas igrejas na Grécia e na Itália estão ainda mais "na vanguarda" da hospitalidade. Em escala global, então, fomos até a fronteira entre os EUA e o México, em El Paso, vimos como as pessoas estavam sendo paradas na fronteira e em Washington apoiamos as iniciativas de nossas igrejas, também em termos de advocacy. Também gastamos na crise em Mianmar, Líbano e Síria. No que diz respeito ao Afeganistão, onde, no entanto, não há igrejas-membro e, portanto, não temos uma "voz" direta, pedimos e continuamos a pedir um compromisso para proteger a população. Em geral, no que diz respeito à questão da migração, na minha opinião, houve uma mudança marcante nos últimos anos: a Europa foi muito mais acolhedora no passado do que agora. Até o Covid19 tem sido usado de alguma forma como um meio, um pretexto para fechar ainda mais as fronteiras e não deixar as pessoas migrarem. Os migrantes costumam ser vistos como propagadores. Então, acho que a pandemia trouxe um retrocesso em termos de direitos dos migrantes. Ao mesmo tempo, sabemos que muitas de nossas igrejas têm oferecido hospitalidade e acolhimento, ou seja, estão tentando fazer a sua parte. Recordemos, por exemplo, o caso da igreja protestante na Holanda que conseguiu evitar a expulsão de uma família de refugiados, continuando a celebrar um culto durante dias. Por um ano não haverá novo secretário geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, mas a responsabilidade será compartilhada por um secretariado coletivo. Essa estrutura pode se tornar uma nova expressão de liderança? Mudamos de organização e agora estamos trabalhando em uma secretaria geral coletiva, onde trabalhamos três juntos, depois de quatro anos fui secretário executivo de justiça e testemunho (Pastor Chris Ferguson, secretário-geral cessante, terminou o seu mandato após sete anos no passado dia 31 de agosto, ed.). Essa nova forma coletiva de organização também significa que as decisões serão mais coletivas. Estamos tentando trabalhar com discernimento e consenso, e todas as decisões são tomadas coletivamente. Portanto, também estamos nos movendo em direção a uma nova forma de liderança, que acreditamos ser verdadeiramente reformada. Infelizmente, persiste um problema de gênero e representação feminina, do qual estamos cientes. Isso precisa mudar, e esperamos fazer isso muito em breve, na verdade." A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) reúne mais de 225 igrejas protestantes em mais de 110 países. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
#PapalVisit.  Olav Fykse Tveit (CEC): “juntos pela unidade, paz e justiça”

#PapalVisit. Olav Fykse Tveit (CEC): “juntos pela unidade, paz e justiça”

O Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas Olav Fykse Tveit Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – “A visita de Papa Francisco indica que a Igreja Católica Romana reconhece e encoraja o diálogo entre Genebra e Roma e aprecia a colaboração ecumênica que existe em nível nacional e local”, disse o pastor luterano Olav Fykse Tveit, secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em uma recente entrevista com CSR editada por Paulo Tognina. Além disso, Tveit sublinhou: “a Igreja Católica Romana e o Concílio Ecumênico têm uma agenda que inclui muitos pontos em comum. E queremos reiterar isso, juntos, dirigindo-nos ao mundo e às nossas igrejas”. Formas de colaboração entre o Vaticano e o CMI existem há cinquenta anos, desde o Concílio Vaticano II. “Queremos dar visibilidade aos esforços feitos por muitas igrejas ao redor do mundo em favor da unidade entre os cristãos e pela justiça e paz no mundo”. Os campos de colaboração são numerosos. Tveit, aos microfones do CSR, enumera-os da seguinte forma: "Reflictamos juntos, por exemplo, sobre as tarefas e a missão da Igreja num mundo secularizado, sofredor e dividido - em Março passado organizámos uma grande conferência sobre missão, para todas as igrejas cristãs, na África, na Tanzânia. Trabalhamos juntos no campo do diálogo inter-religioso, com outras comunidades de fé. Estamos empenhados, juntos, em abordar a questão da migração e em particular a dos refugiados, que acreditamos ser um grande desafio para as igrejas na Europa, como em outras partes do mundo. O Concílio Ecumênico e a Igreja Católica Romana estão tentando juntos responder ao problema da mudança climática, intervimos juntos em áreas de conflito para promover a paz”. Mas Tveit lembra que “a visita do Papa não será principalmente uma ocasião para abrir negociações, mas terá o objetivo de estreitar nossos laços, rezar juntos, compartilhar nossas preocupações e reafirmar nosso compromisso comum”. Quando questionado sobre a natureza do “clima ecumênico”, Tveit respondeu: “Acredito que a eleição de Francisco trouxe uma primavera, senão mesmo um verão, para as relações ecumênicas. E é sobre como cooperamos e resolvemos muitos problemas juntos. Francisco reiterou a necessidade de mostrar de maneira concreta a unidade dos cristãos, colocando-nos juntos a serviço dos necessitados do mundo. Essa atitude tem possibilitado muitos projetos comuns”. Para a entrevista completa clique aqui. Para mais detalhes sobre a visita papal a Genebra, clique aqui. O que é o Conselho Mundial de Igrejas? Como é estruturado, quem o governa e como? Qual é a história do movimento ecumênico? Mas sobretudo: quais são as relações entre o Vaticano e o Concílio Ecumênico das Igrejas? Para mais informações clique aqui. ...

Ler artigo
Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Roma (NEV), 5 de setembro de 2018 - "Libertados - conectados - comprometidos". Estas são as três palavras-chave que acompanharão os trabalhos da VIII Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), programada para Basileia (Suíça) de 13 a 18 de setembro próximo. O encontro trará à cidade suíça representantes de 94 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas do continente que discutirão as prioridades futuras do corpo intraprotestante. Entre os temas da agenda: pluralismo religioso na Europa, migração e comunhão eclesial, relações ecumênicas, teologia da diáspora, aprendizagem ao longo da vida. Os documentos que instruem as várias sessões estão disponíveis no site da Assembleia. O logotipo da Assembleia do CCPE A escolha da cidade de Basileia não é acidental: com esta Assembleia o CCPE regressa, por assim dizer, a casa. O CCPE nasceu, de fato, em torno da Concórdia assinada em 1973 em Leuenberg, cidade próxima à Basileia, documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam luteranos e protestantes reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor. Através do Acordo de Leuenberg, o CCPE é um exemplo de sucesso do ecumenismo da “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. Gottfried Locher Ao longo dos séculos, como recorda o pároco Gottfried Locherpresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça (FCES) e membro da Presidência do CCPE, Basileia foi também um "importante centro cosmopolita da Reforma Protestante e do humanismo europeu", sede de um Concílio (1431-1481), e mais recentemente, e significativamente para o diálogo entre as igrejas de nossos dias, acolheu a Primeira Assembleia Ecumênica Européia em 1989. A dimensão ecumênica da Assembleia será marcada também pela presença de Andrew Riccardifundador da Comunidade de Sant'Egidio, convidado a proferir uma das principais palestras da sessão. Da Itália, o pároco estará presente na Assembleia Pawel Gajewskimembro suplente do Conselho do CCPE, e sabina baral para a Igreja Evangélica Valdense, a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), e o pároco Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.