Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.  Igrejas de todo o mundo

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Igrejas de todo o mundo

Imagem retirada de www.christianunity.va

Roma (NEV), 27 de dezembro de 2022 – A habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) será realizada de 18 a 25 de janeiro de 2023. Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo. O versículo da Bíblia escolhido para este ano é: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça (Isaías 1:17).”

Clique AQUI para ver os compromissos na Itália.

Foto Albin Hillert/CEC

O contexto em que foram elaborados os textos que acompanham o SPUC 2023 é o do assassinato de George Floyd. “Durante anos – lê-se no documento – Minnesota sofreu algumas das piores discriminações raciais da nação: em 1862 foi palco, por exemplo, do maior eseCulto em massa na história dos EUA, quando trinta e oito nativos de Dakota foram enforcados em Mankato, um dia depois do Natal, após a guerra dos Estados UnidosDakota. Enquanto se preparavam para morrer, os trinta e oito Dakotas cantaram o hino Wakantanka taku nitawa (muitosou seja, grande) cuja versão (também italiana) se insere na celebração ecumênica da
Semana. Mais recentemente, Minnesota tem sido o epicentro do cálculo racial. Quando o covid19 fecharam o mundo em março de 2020, o assassinato de um jovem afroAmericano, George Floyd, nas mãos de um policial de Minneapolis, Derek Chauvinele saiu na praça pessoas de todo o mundo, unidas no sentimento de justa indignação, para protestar contra a injustiça de que foramou testemunhado na televisão. Chauvin, demitido logo depois do assalto, tornou-se o primeiro policial da história moderna condenado, em primeira instância, pelo assassinato de um afroamericano em Minnesota”.

A história dos maus tratos das comunasa unidade de cor nos Estados Unidos, continua o documento, “criou desigualdades de fraturas de longa data e relacionais entre as comunidades. Consequentemente, a história das igrejas nos Estados Unidos A United inclui questões raciais como um fator importante de divisão eclesial; em alturavá embora do mundo, esse mesmo papel é desempenhado por outras questões não doutrinárias. É por isso que o trabalho teologia da unidade realizada pela Comissão Fé e Constituição do Concílio Ecumênico das igrejas tem tradicionalmente tentado manter ijuntos a busca pela unidade das igrejas e a pesquisa de superar muros de separação, como o racismo, dentro da família humana. Olha Você aqui porque rezar juntos, especialmente rezar juntos pela unidade dos cristãos, adquire significado paraainda mais importante quando se coloca no centro das lutas contra o que nos separa como seres
seres humanos criados com igual dignidade à imagem e semelhança de Deus”.


Os materiais litúrgicos, disponíveis em 7 idiomas, foram preparados e publicados em conjunto pela Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e pelo Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo:

O WCC escreve: “Aprender a se sair bem requer uma decisão de comprometimento. A Semana de Oração é o momento perfeito para os cristãos reconhecerem que as divisões entre nossas igrejas e denominações não podem ser distinguidas das divisões presentes na família humana mais ampla”.

Na introdução aos materiais litúrgicos, válidos tanto para a Semana quanto para todo o ano, é enfatizado que rezar juntos pela unidade dos cristãos é uma oportunidade para refletir sobre o que une as pessoas e como enfrentar a opressão e a divisão entre os seres humanos.

“A unidade dos cristãos deve ser sinal e antecipação da unidade reconciliada de toda a criação – lê-se no documento -. Como cristãos, devemos estar dispostos a destruir os sistemas de opressão e defender a justiça”.

Os materiais litúrgicos incluem, entre outras coisas, um serviço ecumênico com oração de abertura, reflexões bíblicas e orações por oito dias.

Pai Ioan Sauca, Secretário-Geral Interino do CMI, disse: “A oportunidade de orarmos juntos é uma bênção para todos nós, pois, apesar de nossas diferenças, nos encontramos juntos em comunhão com o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador de acordo com as Escrituras. Portanto, cumpramos juntos nosso chamado comum para a glória do único Deus, Pai, Filho e Espírito Santo”. E acrescentou: “Juntos estamos plantando as sementes da justiça e da paz. Enquanto lutamos e rezamos pela unidade dos cristãos, podemos alimentar nossa esperança coletiva para o novo ano e para enfrentar os tempos difíceis em que todos vivemos”.

O SPUC ocorre todos os anos em torno de Pentecostes no Hemisfério Sul e entre 18 e 25 de janeiro no Hemisfério Norte. Parceiros ecumênicos de diferentes regiões são convidados a se revezar na preparação dos materiais. Suas raízes remontam a mais de 100 anos e, desde 1966, após o Concílio Vaticano II, é elaborado conjuntamente pela Igreja Católica Romana e pelo CMI.


Para saber mais:

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ísquia.  Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Ísquia. Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Foto EdS tirada de armyofsalvezza.org/donations Roma (NEV), 28 de novembro de 2022 – Ischia está em estado de emergência após o deslizamento de terra de 26 de novembro em Casamicciola. 7 vítimas confirmadas, 5 desaparecidos, centenas de deslocados, este é o balanço provisório. O Exército de Salvação (SE) está presente na ilha com uma instalação. declara o major Cinzia Walzer-Carpagnanotambém em nome do Chefe do Comando EdS Itália & Grécia, Tenente Coronel André Morgan: “Assim que recebemos a informação sobre o deslizamento, entramos em contato com o Tenente Auxiliar Ilaria Castaldoa nossa referência na ilha”. “A ilha está em estado de choque – diz a própria Castaldo, que também é responsável pela Casa Concordia em Forio d'Ischia – Nossa estrutura não foi danificada, mas esta tragédia preocupa a todos nós. Como os edifícios são declarados inabitáveis, o número de pessoas deslocadas está aumentando. As pessoas que ficaram em casa tiveram que abandoná-las. As pessoas são acomodadas em hotéis e pousadas, mas nem todos podem fornecer refeições. Uma rede de solidariedade já está sendo ativada, e mensagens de pedidos de ajuda continuam chegando”. Exército de Salvação – Casa Concordia em Forio d'Ischia A major Cinzia Walzer-Carpagnano continua: “À primeira vista, a gente se sente desarmado. Agradecemos à Protecção Civil e ao Governo por terem acionado de imediato. Queremos fazer a nossa parte, principalmente no médio prazo, quando a atenção será menor, mas as situações incômodas permanecerão. Podemos contar com contactos e redes já activadas anteriormente, com igrejas, paróquias, associações locais. Já estamos presentes na ilha há algum tempo e isso possibilita uma ajuda mais concreta”. E acrescenta: “Agradecemos também a disponibilidade e perspicácia do nosso Tenente no local. Ajudar meninos e meninas, tentando oferecer apoio às famílias, é a nossa pequena forma de ajudar a superar o trauma vivido”. O espírito é o do projeto internacional "Angel Tree", que envolve o Exército de Salvação há anos. “É um projeto para presentear meninos e meninas de famílias carentes com presentes de Natal. Exige uma longa preparação, e neste caso não há tempo para a realizar como habitualmente, mas ainda assim tentaremos contactar as famílias da zona, através das nossas redes, para saber a idade das crianças e trazer um presente de Natal para eles, mesmo nessas condições difíceis. Novas portas se abrirão e o Exército de Salvação, como potência nacional, apóia financeiramente esse tipo de emergência com a ajuda das igrejas locais. Devemos pensar imediatamente nas necessidades das pessoas”, continua Walzer-Carpagnano. Assim como o Exército de Salvação, Castaldo continua: “Pretendemos focar no que não é considerado essencial, portanto brinquedos, giz de cera, fraldas. Como já fizemos no passado, juntamente com a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Estamos orientados a trazer um presente tangível para quem não tem mais nada do que tinha, principalmente quando se pensa na infância”. Oração para Ischia A corrente de solidariedade está ativa, assim como a proximidade e as condolências às vítimas. Entre as mensagens dessas horas, o convite à oração do pároco batista Abril Máximo, que compartilhou nas redes sociais uma espécie de proposta litúrgica "pessoal e ecumênica". Inicia com a seguinte invocação: “Obrigado, Senhor, pela extraordinária riqueza desta magnífica ilha. Na sua particular constituição morfológica, foi e continua a ser muito generoso, oferecendo a quem lá vive muitas oportunidades de trabalho, e a quem vem visitar, para refrescar o corpo e a alma, com as suas inúmeras termas, com a beleza do seu mar , e com muitas oportunidades para excursões históricas e cênicas. Obrigado por esta terra que carrega paixão e fogo em suas veias, mas que também é frágil e, portanto, carente de proteção e respeito. Obrigado pelos jardins de La Mortella e pelo castelo aragonês, pelo Monte Epomeo e pelo Lacco Ameno, por Casamicciola e Ischia Porto, por Forio e pelos muitos spas". Na confissão do pecado, lemos: "Confessamos a você que cometemos um grave pecado contra esta terra: estupro em série". A liturgia continua com palavras de consolo e perdão, de esperança e consciência, de bênção. ...

Ler artigo
Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Roma (NEV), 11 de abril de 2020 - “Para homenagear as vítimas da epidemia e, ao mesmo tempo, transmitir uma mensagem de esperança às suas famílias e a todas as várias comunidades além das diferenças confessionais”. Este é o significado da oração ecumênica que aconteceu esta manhã às 12h no monumental cemitério de Milão. Três vozes que ressoam no silêncio: a do arcebispo de Milão, mons. Mário Delpinida pastora valdense Daniela DiCarlo e do pai ortodoxo Traian Valdman, vigário emérito da diocese italiana da Igreja Ortodoxa Romena. O vice-prefeito também esteve presente Anna Scavuzzoe o vereador dos serviços cívicos Robert Coco. “Estamos aqui, cristãos de diversas confissões, para dizer palavras que ainda hoje parecem um absurdo”, disse Mons. Mário golfinhos referindo-se à história do Evangelho em que as piedosas mulheres que anunciam a ressurreição são acusadas de "delirar" (Lucas 24:11). "Neste momento trágico para a cidade e para todo o planeta - continuou Delpini - encontramos o anúncio essencial, a verdade que nos une, e nos faz dizer juntos uma palavra inaceitável e necessária, escandalosa e libertadora: Morte, foste derrotada !" Pastor DiCarlo Que este período de isolamento forçado “seja uma oportunidade para repensar e avaliar nossa sociedade, nossos estilos de vida, nossa bela cidade e também o trabalho de nossas igrejas”, disse o pároco Daniela Por Charles. Claro, "como cristãos não podemos dizer uma palavra definitiva, hoje, sobre o motivo da pandemia", precisou o pastor, que citou tanto "o uso predatório e perverso da natureza" quanto "as mutações devastadoras da vida de vírus que vão além da manipulação humana. “Como cristãos – continuou Di Carlo – somos sempre capazes de anunciar a graça que temos em Cristo. Portanto, não percamos a alegria da fé que é aprender a viver com a despedida que dissemos aos que nos deixaram por causa da pandemia, com a oração por aqueles que estão nos hospitais por trabalho ou porque estão doentes, e com a possibilidade de comunicação entre nós de novas maneiras.” “Celebramos a Páscoa do Senhor, a maior festa cristã; fortaleçamos a esperança e vivamos como ressuscitados”, foi a exortação do padre Traian Valdman que continuou: "Mesmo durante a pandemia do Coronavírus, o dia da Ressurreição é um dia de alegria, de reconciliação, de esperança, de solidariedade". [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WDkf72s1XSY[/embed] ...

Ler artigo
Novas minas de carvão?  Não, obrigado!

Novas minas de carvão? Não, obrigado!

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2022 – O mundo está de cabeça para baixo! Quem se lembra da greve dos mineiros ingleses, que durou 51 semanas, custou 2 mortos, 710 despedimentos, 10.000 processos judiciais, para impedir o governo conservador de Margareth Thatcher fechar 20 minas? Bem, hoje são os Conservadores que querem reabrir as minas de carvão, na verdade, construir novas, do zero. No último dia 7 de dezembro, o governo de Rishi Sunak na verdade, deu sinal verde para uma nova fábrica na região de West Cumbria, em meio a protestos de ambientalistas, igrejas e cidadãos. mineiros em greve Em particular, 450 líderes eclesiásticos e associações ambientais cristãs escreveram ao primeiro-ministro, o mencionado Sunak, e ao ministro de "Leveling up" (nivelamento da sociedade britânica), Michael Gove pedindo-lhes que se retirem da decisão. Coordenados pela Young Christian Climate Network e com o apoio da Operation Noah e Christtain Aid, representantes das igrejas cristãs britânicas dizem: “Reconhecemos que esta região [la West Cumbria] precisa de novos investimentos, mas o governo está apoiando uma indústria moribunda em vez de garantir empregos verdes e sustentáveis ​​no longo prazo”. “Sabemos – continua a carta – que cada libra investida em energia renovável gera três vezes mais empregos do que na indústria de combustíveis fósseis. O carvão desta mina contribuirá para o aquecimento global, poluirá a atmosfera e terá um forte impacto nos países mais pobres do mundo, que menos contribuíram para provocar a crise climática. Lamentamos esta grande injustiça." Foto de www.jointpublicissues.org.uk/cop26/ Uma decisão antieconômica, portanto, e sobretudo que contraria os compromissos assumidos pela Grã-Bretanha para o futuro do planeta. “Em 2021 – lembram os signatários – o Reino Unido indicou a saída gradual do carvão como um de seus objetivos para a presidência da COP26. A decisão de abrir uma nova mina de carvão semanas antes da COP27 prejudica significativamente a reputação do Reino Unido como líder climático e envia um sinal errado a outros países sobre nossas ambições climáticas. Como disse o presidente do Comitê de Mudanças Climáticas Senhor Debené 'absolutamente indefensável' começar a abrir novas minas de carvão”. primeiro signatário, Chris Manktelow da Young Christian Climate Network. Entre outros, o ex-arcebispo de Canterbury, Rowan Williams; a pastora Fiona Bennet, moderador da Igreja Reformada Unida; o pastor Graham Thompson presidente da Conferência Metodista Britânica; a pastora Judith Morris da União Batista do País de Gales; mons. John Arnold bispo de Salford e presidente de assuntos ambientais da Conferência dos Bispos Católicos da Inglaterra e País de Gales. Para ler a carta inteira, em inglês, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.