Sínodo da Amazônia.  Trabalhamos por uma ecologia integral

Sínodo da Amazônia. Trabalhamos por uma ecologia integral

foto wiki

Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – No domingo, 6 de outubro, às 10h, o Sínodo para a Amazônia começará oficialmente em Roma, na Basílica de São Pedro. Até o dia 27 de outubro, a assembléia debaterá os diversos temas que emergem do documento norteador “Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral” e as questões a eles interligadas: destruição extrativista, proteção dos povos indígenas, migração e urbanização, saúde e educação, inculturação e interculturalidade, biodiversidade, luta contra a pobreza, justiça social, proteção das florestas e da natureza. Alguns temas espinhosos já estão sobre a mesa, desde o papel da mulher no celibato, até as acusações de heresia e apostasia feitas pelo cardeal Raymond Burke e pelo bispo Athanasius Schneider.

Também participarão dos trabalhos 6 representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais presentes e atuantes na região amazônica: Pedro Arana Quirozpároco da Igreja Presbiteriana do Peru, Moab César Carvalho Costada Assembleia de Deus do Brasil, Edgar Castanopresidente do Conselho Evangélico Colombiano, Daniel dos Santos Limada Comunidade Anglicana de Manaus da Igreja Anglicana Episcopal do Brasil, o pároco Cláudio Correa de MirandaVice-coordenador CAIC Igreja Anglicana do Brasil e pastor luterano Nicolau Nascimento de PaivaCoordenador do CAIC, da Igreja Evangélica Luterana no Brasil.

Durante uma coletiva de imprensa lotada no Vaticano, o Sínodo para a Amazônia foi apresentado esta manhã pelo Cardeal Lorenzo Baldisserisecretário geral do Sínodo dos Bispos, pelo cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da REPAM e relator geral do Sínodo para a Amazônia, e pelo subsecretário do Sínodo dos Bispos, Fábio Fabeneque ilustrou o documento aos jornalistas presentes Instrumentum laboriselaborada ad hoc para este Sínodo, e a composição da assembléia sinodal.

“EU’Instrumentum laboris trata-se essencialmente da coleta e sistematização por tema do material produzido durante a fase de consulta, período de dois anos em que a igreja na Amazônia ouviu todos os componentes do Povo de Deus interessados ​​no tema (cerca de 80.000 pessoas). Não é um documento pontifício, mas um texto oferecido como ponto de referência para a discussão durante os trabalhos da Assembleia Sinodal” disse Baldisseri que depois, respondendo a perguntas, esclareceu que não é sequer um traço modificável de um documento definitivo, que ao contrário surgem do texto elaborado pela assembléia sinodal e depois ratificado pelo papa.

São 184 membros sinodais, dos quais 136 participam do escritório; destes, 113 provêm das diversas circunscrições eclesiásticas pan-amazônicas. 28 cardeais, 29 arcebispos, 62 bispos residenciais, 7 auxiliares, 27 vigários apostólicos e 10 bispos prelados, 21 membros não bispos, incluindo diocesanos e religiosos. Também participam do Sínodo 6 representantes ecumênicos, 12 convidados especiais escolhidos por sua alta competência científica ou que realizam atividades de caráter humanitário ou voltados para a proteção do meio ambiente, 25 especialistas, 55 auditores, incluindo 10 religiosos, 17 representantes de diferentes origens indígenas e etnias indígenas, incluindo 9 mulheres. O número total de mulheres participantes nos trabalhos sinodais é de 35: 2 são convidadas especiais, 4 especialistas (das quais 2 religiosas) e 29 auditoras (18 religiosas).

“O contexto deste Sínodo é a grave crise ambiental e social que vive a Amazônia – disse Hummes -. Uma crise climática, que se manifesta no aquecimento global; uma crise ecológica, devido à poluição e devastação; uma crise social que se manifesta na pobreza e na miséria e que atinge a maioria dos seres humanos e, na Amazônia, em particular os indígenas, os pequenos agricultores e os que vivem nas periferias das cidades amazônicas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Foto Pedro Lima - Unsplash Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – Homens violentos são encontrados, em todos os setores, em todas as esferas da vida, em todo o mundo e em todas as religiões. Como defender os direitos de cidadania de toda mulher? Em nosso país, apesar dos novos instrumentos legais contra a violência (com o chamado "código vermelho"), os abusos e violências contra as mulheres, tanto italianas quanto de outras nacionalidades, estão aumentando. Isso foi discutido na conferência "Violência de gênero e religiões: desafios locais" promovida pelo Comitê Nacional da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), realizada em Brescia há alguns dias. Perguntamos a um dos palestrantes como foi, Madalena Colomboprofessor de sociologia dos processos culturais e comunicativos na Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia, além de presidente da Associação Dòsti - Festival de artes e culturas religiosas e diretor do Centro de iniciativas e pesquisas sobre migração - Brescia (CIRMIB ), na mesma universidade. Como Dosti nasceu? Dòsti nasceu, como associação, em 2019, mas como projeto em 2016, quando o então Prefeito de Brescia Valério Valenti exortou todas as associações, universidades e municípios da região a promover o diálogo inter-religioso. O Valenti garantiu uma reunião inicial e depois, de baixo para cima, montamos o projeto. Depois de alguns encontros informais, nasceu esta fórmula de diálogo entre linguagens artísticas: música, poesia, pintura, escultura, teatro, vídeo-arte, digital. Agregamos tudo em torno dessa ideia de momento de exposição. Depois de um ano, aconteceu a primeira edição do Festival. Porquê “Dòsti”, com este Ò que parece acentuar um círculo de cores, uma espécie de anel que une a diversidade? Dòsti em urdu significa amizade e fraternidade. Urdu é uma língua significativa para Brescia, porque é um destino de emigração para muitas pessoas da Índia e do Paquistão. Nesses países, o panorama religioso também inclui sikhs e hindus. Dòsti também coleciona experiências e pessoas que representam o cristianismo, o judaísmo, o islamismo, o budismo... Todos gostaram da palavra, por ser facilmente pronunciável e direta, então a Accademia Santa Giulia criou o logotipo, com o O acentuado (um acento que em urdu na verdade não há). Violência de gênero e religiões. Uma combinação que nos faz pensar em nós que voltam para o poleiro. Como desamarrá-los? Como podemos falar sobre este tema? Nunca se faz o suficiente sobre a violência de gênero. Por isso colaboramos para declinar o tema a partir de diferentes abordagens: teológica, sociológica, a das experiências diretas de um mediador cultural de língua árabe e islâmica. E pela voz de quem atende pedidos de ajuda, com o número de emergência contra a violência de gênero 1522. Temos procurado fazer com que as pessoas entendam a dupla face da religião, tanto na história quanto nos dias atuais. As religiões são porta-vozes de uma visão machista decorrente do domínio do patriarcado como forma de inferiorizar as mulheres por serem submetidas a uma ordem de homens idosos. Mesmo uma mulher idosa nunca tem o mesmo poder que um homem dentro de um grupo, comunidade ou família, com raras exceções. As religiões são machistas? As religiões se desenvolveram dessa forma, e assim contribuem para uma visão machista da sociedade em que as pessoas não se relacionam como são (com suas habilidades, personalidades, personagens, história, origens, crenças e ideias), mas de acordo com seu gênero. O que resta é uma visão agora historicizada de uma mulher incapaz de mudar o mundo, simplesmente a serviço do homem e da estrutura social. No meu relatório, ao apresentar este ponto de partida, tentei, no entanto, sublinhar que nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra as mulheres. Todos eles, em seus textos sagrados, engrandecem a mulher como portadora de vida e generatividade, só para dar um exemplo. Então é possível distanciar-se de um uso cultural de opressão e exploração da religião para fins machistas? Sim. É preciso recuperar aquela função da religião que, precisamente hoje, poderia ser salvífica. Através de redes de solidariedade nas comunidades, também em chave inter-religiosa. Este é o outro lado da religião, e é o que pode ajudar as mulheres a sair das condições de escravidão, inferioridade e violência. Você trouxe testemunhos de sobreviventes da violência. Qual é a utilidade de compartilhar sua história? O que as mulheres sofrem, aqui ou no mundo dos imigrantes, diz respeito a todos. Pensemos no caso da menina convencida por um homem que se autoproclamava referente de sua igreja pentecostal: levada para a Itália com promessa de emprego, enganada, escrava sexual, torturada durante a viagem e abusada na chegada, chantageada pagar a dívida também por meio de uma mistura de elementos "animistas" (disseram-lhe que para afastar o mal ela teria que usar seu corpo como seus algozes queriam e diziam). Essa menina consegue se distanciar, antes de tudo dizendo para si mesma: "Não acredito em um deus que me faz ter isso". Ela se encontra na rua das Ursulinas da comunidade de Ruth, negando um deus ela reencontra outro Deus em um ambiente de salvação e acolhimento, em um abrigo. Para combater a violência contra a mulher, a religião pode (deve) ser um refúgio? Acho que as religiões teriam todas as oportunidades para fazer isso, não apenas para criar um espaço seguro para todos e para as mulheres, mas também em um sentido mais íntimo e profundo. Não pode ser "deus" quem diz ao homem "bate na tua mulher". Pensemos também na notícia de Saman Abbas morreu seguindo a vontade de suprimi-lo por homens da família, tio e irmãos. Um desses homens aparece como uma festa civil e permite que parte da história seja reconstruída, para encontrar seu corpo. Isso nos faz entender a diferença entre preceito religioso e abuso cultural por comportamentos julgados inadequados. Isso nos faz entender o que significa a violação da liberdade. Para entender, devemos nos apegar a episódios reais e concretos de violência no mundo religioso. Está em toda parte, no Cristianismo como no Islã como em qualquer outro lugar. Que alianças você vê como possíveis para finalmente sair das espirais da violência? Precisamos de uma reforma dentro das religiões. E é necessária uma ponte entre as religiões, para o reconhecimento universal do direito e da liberdade de professar uma religião ou não, e como professá-la. Fiquei muito impressionado com o testemunho do relator afegão, Batool Haidari, ativista de direitos humanos, ouvimos dela o que significa sofrer violência e limitação da liberdade pessoal. E o que significa tentar se libertar. Em continuidade com outros setores da ação e do pensamento humano, a religião deve se reformar e oferecer aos homens uma mensagem de liberdade e salvação. Como presidente de uma associação comprometida com essas questões, sinto dizer que não quero fazer pesquisa, mas agir. É por isso que me sinto honrada em participar junto com outras mulheres e homens de todas as religiões na criação de algo novo. Próximos eventos? Graças também aos fundos Otto per mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodistas Valdenses, estamos organizando nosso próximo Festival, o primeiro na presença do pós-pandemia, no contexto das capitais da cultura Brescia-Bergamo. Esperamos por si de 6 a 13 de maio sob o tema "morrer e renascer". Um ciclo que sempre uniu gerações, origens, territórios e religiões. A conferência também foi moderada pelo pastor da Igreja Valdense de Brescia Leonardo Magrì: a pastora Gabriela Lio, presidente da FDEI Roma. Naima Daoudagh, Mediadora cultural em serviços de saúde. Viviana Cassini, Presidente da Associação Casa da Mulher-Centro Antiviolência, Brescia. Batool Haidari, Universidade de Cabul, ativista dos direitos das mulheres. Os três primeiros festivais Dòsti foram: “Religião como relação social – Os sons da alma”, em 2017. “Festas religiosas: rito, som, cor” em 2018. “A respiração da Terra: religiões e meio ambiente no comunidade local", em 2019. Com a pandemia veio "Radio Dòsti": música, histórias, contos de fadas, discussões sobre arte, espiritualidade e religiões em podcasts. CÓDIGO VERMELHO O código vermelho (Lei 69/19) acelerou algumas medidas de proteção às vítimas de violência e introduziu novos crimes. Também reforçou várias sanções e introduziu circunstâncias agravantes. De crime de divulgação ilícita de imagens ou vídeos sexualmente explícitos sem consentimento das pessoas representadas (a chamada “pornografia de vingança”), com pena de prisão de 1 a 6 anos e multa de 5.000 a 15.000 euros. Para o crime desgraçado, que prevê a pena de prisão de 8 a 14 anos, cuja pena implica ainda a inabilitação perpétua para os cargos de tutela, tutela e administração de apoio. Se a desfiguração causar a morte, a pena é prisão perpétua. Para o compulsão ou indução ao casamento, a pena é de prisão de 1 a 5 anos, agravada quando o crime for cometido em detrimento de menores. Proceder mesmo que o delito seja cometido no exterior por ou em detrimento de cidadão italiano ou estrangeiro residente na Itália. Para o violação das disposições relativas ao afastamento do domicílio familiar e à proibição de aproximação aos locais frequentados pelo ofendidodetenção varia de 6 meses a 3 anos. O perseguindo é punido com pena de prisão até 6 anos e 6 meses. Para o agressão sexual: reclusão de 6 a 12 anos, com várias agravantes que podem levar à reclusão de até 24 anos de prisão. A violência sexual em grupo é punida com pena de prisão de 8 a 14 anos. O abuso de familiares e coabitantes são punidos com pena de prisão de 3 a 7 anos; em caso de lesões graves ou gravíssimas, as penas aumentam, até 15 anos, e duplicam em caso de morte. Além disso, a pena é aumentada de metade se o crime for cometido na presença ou em detrimento de menor, grávida ou deficiente. O homicídio agravado por relações pessoais é punido com prisão perpétua, ainda que se trate de relação afetiva sem união estável ou de união estável não caracterizada por relação afetiva. Além disso, para alguns crimes, por exemplo violência sexual, a vítima pode apresentar queixa até 12 meses após o fato. Para crimes sexuais, a suspensão condicional da pena está condicionada à participação em cursos de recuperação. Por fim, a legislação prevê cursos profissionalizantes específicos para as forças de ordem, para prevenção e avaliação do risco de reincidência. ...

Ler artigo
Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018 Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário. “A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado. O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”. O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI. Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel. ...

Ler artigo
O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé. O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável. Será "uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas", diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento. Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030. O evento estará disponível em streaming neste link Clique para mais informações e inscrições AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.